Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Piaget

No description
by

Marco Amaral

on 29 September 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Piaget

A Epistemologia Genética de Jean Piaget (1896-1980)
Conceitos
Introdutórios

Vida e obra...
Episteme
Tipo de saber que diferentemente da opinião (doxa) é certo, estável e fundamentado, ou seja, dotado de garantias incontroversas de validade.
Epistemologia
1. Sinônimo de gnosiologia ou de teoria do conhecimento.

2. Sinônimo de filosofia do conhecimento.
Epistemologia
Genética
Método de estudo do conhecimento elaborado por J. Piaget.
Piaget chama de epistemologia a sua teoria do conhecimento porque está centralizada no conhecimento científico. E também de genética porque, além de atentar-se no como é possível alcançar o conhecimento - ele estuda as condições necessárias para que a criança (bebê) chegue na fase adulta com conhecimentos possíveis a ela. Disto, surge o termo em Piaget epistemologia genética ou psicogenética.
Quais propriedades dos organismos permitem-lhes sobreviver?

Como as espécies podem ser classificadas?


Quais características das crianças permitem-lhes que se adaptem ao seu ambiente?

Qual a maneira mais simples, precisa e útil de classificar o desenvolvimento infantil?

O indivíduo herda uma série de estruturas biológicas (sensoriais e neurológicas) que predispõem ao surgimento de certas estruturas mentais. Não herdamos a inteligência, mas, a construímos. Herdamos um organismo que vai amadurecer em contato com o meio ambiente. Dessa interação resultarão certas estruturas cognitivas que vão funcionar de modo semelhante durante toda a vida do sujeito. O modo de funcionamento (adaptativo) é que constitui a nossa herança biológica.
Incorporação dos objetos aos esquemas de ação do sujeito
Acomodação
Processo de desenvolvimento
1. Fatores Internos ligados à maturação.

2. Experiência adquirida pela criança em contato com o meio e com as pessoas.

3. Auto- Regulação:
Problema: "Acréscimo dos conhecimentos, portanto da passagem por um conhecimento mais pobre a um saber mais rico".

L´epistemologia genética,1970, p.7
"o conhecimento não procede nem da experiência única dos objetos nem de uma programação inata pré-formada no sujeito, mas de construções sucessivas com elaborações constantes de estruturas novas".
Nasceu em 09 de agosto de 1896 em Neuchâtel – Suíça
Neuchâtel-Suiça
Suiça
Empirismo
Inatismo
1907 - Escreve o texto sobre o pardal albino
1915 - Forma-se em Biologia
1918 - Obtém Título de Doutor em ciência natural pela Universidade de Neachâtel. Muda-se para Zurique onde estuda psicologia e psicanálise.
1919- Muda-se para França e ingressa na Universidade de Paris - trabalha com testes de inteligência infantil
1921- Publica seu primeiro artigo sobre psicologia e inteligência no Journal de Psychologie
1923 - Case-se com Valentine Châtenay (Psicóloga)
Publicou por volta de 50 livros e centenas de artigos

Piaget não acredita que o conhecimento seja inerente ao próprio sujeito, como postula o apriorismo, nem que o conhecimento provenha totalmente das observações do meio que o cerca, como postula o empirismo. Para Piaget, o conhecimento é gerado através de uma interação do sujeito com seu meio, a partir de estruturas existentes no sujeito.
Orientação teórica
Biológica, Evolucionária e Cognitiva
Papel da herança biológica
Propôs situações concretas para que as crianças pudessem resolver


Experimento do engatinhar: pediu para crianças de três idades engatinharem


Esquemas
É um comportamento que tem estruturas neurológicas relacionadas a ele. Conjuntos de processos dentro do sistema nervoso. Eles não são observáveis, são inferidos e, portanto, são constructos hipotéticos.
1º idade: primeiro as mãos para frente e depois os pés ou, então, uma mão depois outra “Z”.

2º idade: braços de um lado e depois os pés do mesmo lado “N”.

3º idade: mãos e pés contrários “X.
Respostas
Assimilação
Modificação de um esquema em outro, capaz de assimilar objetos anteriormente não assimiláveis
Invariantes
funcionais
Prof. Me Marco Antônio Amaral
O conhecimento
É gerado a partir de uma interação do sujeito com seu meio, a partir de estruturas existentes no
Funcionamento Intelectual e o desenvolvimento cognitivo
Relação
Organismo
Meio
Interacionista
Produzir estruturas lógicas capazes de atuar no mundo de forma cada vez mais complexa
Função
Equilibração
Bebe tenta
pegar o objeto
Resistência do objeto
Esquema de pegar desequilibra
Esquema de puxar
Modificação do
esquema
Nova ação
Sensório Motor
Fases do desenvolvimento
0 a 2 anos
Passagem do caos ao cosmo
Reconhecer a existência de um mundo externo a eles
Exercício dos aparelhos reflexos inatos
Conceito de objeto vai sendo formado
Capacidade de simbolizar e comunicar
Coordenação de atividades separadas
Causa e efeito
Inteligência motora
Pré- Operatório
Simbólico/Pré-conceitual 2 a 4
Intuitivo: 4 a 7
Representação interna dos objetos
Pensamento Transdutivo: inferências de um específico a outro.
Ausência de conservação
Egocentrismo
Compreensão dos conceitos
Fase das perguntas
interiorização de esquemas de ação construídos no estágio anterior
2 a 7
Operatório Concreto
Pensamento pré-lógico
Dominado pela percepção
ideia de conservação
Operatório Formal
7 aos 12
12 em diante
Lógica
Pensamento proposicional
idealismo
Generalidade
E
Estrutura
A
Desenvolvimento Moral
Estágio I
Antes dos 3 anos
Não se adaptam às regras
Estágio II
3 aos 5 anos
Acreditam que as regras são externas e que não podem ser modificadas, mas tentam constantemente uma nova alternativa.
Estágio III
5 aos 12 anos
Compreendem que as regras são sociais e podem ser modificadas.
Adesão de forma rígida.
Estágio IV
depois dos 12
Compreensão completa das regras
modificação por consentimento
Anomia
Heteronomia
Autonomia
Full transcript