Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O Expressionismo em outros contextos

Leonardo da Vinci - Brasília - 3ª série do Ensino Médio
by

Wagner Bôa Morte

on 23 September 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O Expressionismo em outros contextos

O Expressionismo em outros contextos
Viena (Pré-guerra) - Oskar Kokoschka
Oskar Kokoschka (1886-1980)
Pintor e escritor expressionista.
Ao longo de sua vida foi conhecido por expressar os traços físicos e psicológicos de figuras humanas, distorcendo as cores e as formas com violentas pinceladas.
Participou da 1ª guerra mundial, em 1916.
1937 - em Munique, teve suas obras apreendidas pelos nazistas.
Praga, Moscou e Londres, quando foge com a mulher por perseguição dos nazistas.
Título original - Tristão e Isolda, de 1914.
Mudado pelo artista e um poeta amigo para
Die Windsbraut
("A noiva do vento") ou, como é comumente conhecida, por "A Tempestade".
É uma das obras mais conhecidas do artista. Foi realizada após uma viagem de Alma e Kokoschka à Veneza.
É um retrato da complicada e turbulenta relação do artista com Alma.
Alma ("noiva") dorme imperturbável, com serenidade, enquanto Kokoschka, internamente machucado, solitário e silencioso se desintegra em pinceladas bruscas e retorcidas, com traços tortuosos e recortados.
Exploração do plano frontal, cor intensa e sem gradação.
Ganham prestígio a partir de 1930.
A Revolução mexicana (1910-21) foi inspiração dos aristas, que denunciaram a violência da época e depois idealizaram nos grandes murais mexicanos.
Até a década de 1970 os artistas seguiam uma linha ideológica alinhada com a esquerda política.
São vanguardas apoiadas e assimiladas pelas estruturas do poder e pela sociedade.
Entre as décadas de 1930 e 1960, os valores modernos foram cultivados e os artistas buscaram inspiração nas raízes nativas e nos ideais de liberdade e independência.
Os temas e a iconografia se concentraram na procura da identidade nacional: indígenas, as paisagens, a cultura e as injustiças sociais.
O nascimento dos murais mexicanos coincide com a Semana de 22 no Brasil.
Rivera, Orozco e Siqueiros influenciaram o Expressionismo Abstrato Americano pela dimensão e a força expressiva dos murais.
As vanguardas nas américas
As grandes pinturas murais desenvolvidas por Diego Rivera, David Alfaro Siqueiros e José Clemente Orozco seguiam uma tendência política que marcou a arte moderna.
Observe os detalhes da obra "Deuses do mundo moderno", de Orozco, que enfatiza a simbologia da morte:
Neste mural, o esqueleto no centro é o saber, o conhecimento morto gerando outros filhos também mortos, enlatados, com chapéu de formandos, enquanto os doutores da modernidade assistem tudo ao fundo, como um monte de mortos-vivos; atrás deles, um mundo em chamas, a guerra, o inferno produzido pelo homem.
A obra demonstra a incredulidade do artista em relação ao uso do conhecimento pelo homem moderno, a “fabricação” de profissionais condicionados a um determinado sistema dominante.
Deuses do mundo moderno (1932)
MURALISMO MEXICANO
Caracterizado pelo nacionalismo e forte influência socialista, o muralismo mexicano foi um movimento ENGAJADO, representativo do período pós-revolucionário, voltado para a valorização da cultura do país e dos tipos nacionais, sobretudo dos índios, dos camponeses e dos trabalhadores braçais, compostos na maioria por mestiços.
Muralismo mexicano - Orozco
A noiva do vento
Vídeo (10:03) - Obras de Kokoschka
Brasil - Cândido Portinari
É considerado o maior expressionista brasileiro.
Em suas obras, a TEMÁTICA marcante é a DENÚNCIA SOCIAL, traduzindo em formas e linhas vigorosas o sofrimento dos menos favorecidos - FAMINTOS RETIRANTES, LAVADEIRAS E TRABALHADORES EXPLORADOS NOS CAMPOS E CIDADES.
Sua força expressiva foi tamanha, que despertou o interesse de Getúlio Vargas e JK em seus governos, períodos em que difundiu suas obras em memoráveis murais e painéis pela arte pública do país.
A obra GUERRA E PAZ foi presente do governo brasileiro à ONU e consagrou Portinari diante do mundo, mas também sacralizou seu fim, uma vez que a realizou contrariando proibições médicas, pois já sofria de intoxicações oriundas dos componentes químicos das tintas.
No painel Paz, crianças (outro tema importante em seus trabalhos) brincam e saboreiam sua inocência ao lado de adultos livres e alegres; já o painel Guerra, traz a fragmentação do corpo e o horror da morte ante a brutalidade e irracionalidade dos conflitos. A obra apresenta CARACTERÍSTICAS FORMAIS que remetem ao EXPRESSIONISMO, ao CUBISMO e ao FOVISMO, respectivamente.
Cândido Portinari
PAINEL GUERRA (Detalhe)
O Projeto Portinari (23:42)
Paineis expostos em Paris (6:07)
The Epic of American Civilization (1932-34)
Orozco completou o painel em 1934. Esté localizado na Baker Library at Dartmouth College.
"Anglo-America," "Hispano-America," and "Gods of the Modern World."
Full transcript