Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Proteses em humanos

No description
by

Yuri Marins

on 19 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Proteses em humanos

Introdução Histórico Biofísica e engenharia mecânica Biomateriais Prótese = do grego prósthesis: adicional, aplicativo, anexo. Substituir partes
Desenvolvimento psicológico
Inclusão e reabilitação Externas Inertes Programadas Internas Outros C- leg incompleta Dedo de pé egípcio Plínio, o velho:

- Registro do uso de braço de ferro
utilizado para segurar escudo
em batalha Idade Média:
- prótese em batalha
- nobres > doméstica Renascimento:
- próteses funcionais
- registros diversos -Pieter Verduyn - Primeiro prótese não bloqueada abaixo do joelho (BK);
-James Potts - Prótese feita de uma haste de madeira e tomada uma articulação de joelho de aço e um pé articulado que foi controlada pelos tendões do joelho até o tornozelo. Veio a ser conhecida como ou "Perna Selpho";
-Sir James Syme – novo método de amputação no tornozelo que não envolve amputar na altura da coxa;
-Benjamin Palmer – Melhorias feitas em cima da perna Selpho.
-Dubois Parmlee – joelho policêntrico, e pé multi-articulado.
-Marcel Desoutter & Charles Desoutter - prótese alumínio
-Final da WWII- NAS, investimento militar Guerra Civil americana:

- melhorias significativas

- Insistência do homem no fato que não só pode ter quatro membros, como pode ter os quatro membros funcionais. Disponibilidade de Próteses e Implantes Eletrônicos em Humanos Jeisdens Fernandes
João Felipe
Yuri Marins substâncias de origem natural ou sintética que são toleradas de forma transitória ou permanente pelos diversos tecidos que constituem os órgãos dos seres vivos. Biotoleráreis: Materiais apenas tolerados pelo organismo, sendo isolados dos tecidos adjacentes devido à formação de uma camada envolvente de tecido fibroso. Os materiais biotoleráveis são praticamente todos os polímeros sintéticos assim como alguns metais Bioinertes Materiais também tolerados pelo organismo, mas onde a camada envolvente de tecido fibroso é praticamente inexistente. O material não liberta nenhum tipo de componente ou quando o faz, fá-lo em quantidades mínimas. Os materiais bioinertes mais utilizados são a alumina, zircónia, titânio, as ligas de titânio e o carbono. Bioativos Materiais que promovem ligações de natureza química entre material e tecido ósseo (osseointegração). Os principais materiais desta classe são os vidros e vitrocerâmicas à base de fosfato de cálcio, hidrioxiapatita (formada por fosfato de cálcio cristalino (Ca10 (PO4) 6 (OH) 2)) e os compostos de fosfato de cálcio. Absorvíveis Materiais que, após um certo período em contacto com os tecidos, acabam por se degradar, solubilizados ou fagocitados pelo organismo, sendo representados, por exemplo, pelo fosfato tricálcico e o acido poliláctico.

- Pouco recomendado A biocompatibilidade dos materiais é estudada pelo emprego de bactérias e testes de natureza hematológica, biológica e física Aristóteles (322 a. C.) Pai da cinesiologia

1º a descrever funcionamento dos
músculos e ossos. Borelli (1608) cinesiologia: estudo do movimento, da biomecânica e mecânica aplicada ao sistema biológico. Pai da biomecânica
1º a estudar matematicamente o movimento Descrição e quantificação
do movimento XX -Biomecânica como área específica
-Incorpora fund. engenharia mecânica Interação Ossos Músculos Nervos Articulações união entre dois ou mais ossos, independente do grau de movimento permitido por essa junção Elementos podem ser:
- ossos
- Cartilagem articular
- Ligamentos
- Cápsula articular
- Membrana Sinovial
- Meniscos (discos articulares) Classificação Dinâmica:
- Sinartrose ou Articulação Imóvel




-Parcial ou Semimóvel Propriedades mecânicas FORÇAS QUE ATUAM NO MOVIMENTO força é uma entidade que tende a produzir movimento Definida por:
• magnitude de força
• direção
• sentido
• quantidade de tração. Próteses Torque Uma força sobre um corpo que possa girar em torno de um ponto central.

Um método para calcular o torque é multiplicar a força (F) que gerou pelo braço de alavanca (d).

T = F x d Trabalho é realizado na medida em que a força vence uma resistência e move o objeto em uma direção paralela ao componente de força de resistência.

Energia é a capacidade de fazer trabalho.

Trabalho (W) = Força (F) x Distância (d). Exoesqueléticas X Endoesqueléticas -estrutura rígida, com resistência alta, geralmente pesada;
-normalmente, em madeira
- desvantagens: estética menos agradável, menos opções de componentes, dificuldades para realinhamentos e impossibilidade de intercâmbio rápido de componentes - próteses modulares;
- aço, titânio e alumínio. São consideradas superiores às convencionais, sob o ponto de vista funcional;
- mais caras , geralmente mais leves e mais estéticas principal problema ENCAIXE 70% dos pacientes que usam
próteses abandonam as mesmas devido a grandes problemas enfrentados no uso. Membros superiores mão passiva mão transumeral prótese mioelétrica Membros inferiores Joelho transtibial pés multiarticulado não articulado Falhas nas próteses Conclusão - Melhor qualidade de vida
- Reabilitação
- Independência
ANTONIO, A.M. A Bioengenharia no Brasil, Século XX: Estado da Arte. Dissertação – Interunidade de Bioengenharia, Universidade de São Paulo, 2004.

AZEVEDO, C.R.F; HIPPERT JR, E. Análise de falhas de implantes cirúrgicos no Brasil: a necessidade de uma regulamentação adequada. Cad. Saúde Pública, v.18, n.5, p.1347-1358, 2002.

BLOHMKE, F. “Compêndio Otto Bock: Próteses para o membro Superior”.
Berlin: Schiele & Schön, 1994.

BOCCOLINI, F. “Reabilitação – Amputados – Amputações – Próteses”, 2ª
ed. , São Paulo, Robe Editora, 2000.

CAMARGO, D.R. Desenvolvimento de um protótipo de uma prótese antropomórfica para membros superiores. Dissertação – Escola de Engenharias de São Carlos da Universidade de São Paulo. Programa de pós-graduação em Engenharia Elétrica. São Carlos. 2008.

CARVALHO, José André. Amputações de membros inferiores: Em busca da plena reabilitação. 1. ed. São Paulo: Manole, 1999.

COMPLETO, A.M.G. Estudo Numérico e Experimental da Biomecânica da Prótese do Joelho. Tese – Programa de Pós-graduação Engenharia Mecânica. Universidade de Aveiros. 2004.

CUNHA, F.L. Mão de São Carlos, uma prótese multifunção para membros superiores: um estudo dos mecanismos, atuadores e sensores. Tese – Programa de Pós graduação em Engenharia Elétrica. Universidade de São Carlos, 2002.


DIAS,C. QUASE MELHOR QUE O ORIGINAL. In: Super Interessante. Ed. Abril, v.139, 1999.

DURÁN, J.E.R. Biofísica: Fundamentos e Aplicações. Prentice Hall. São Paulo. 2003

GIRAUDET, G.; “Iniciação à Aparelhagem dos Deficientes Físicos”. São Paulo:
Organização Andrei Editora, 1978.

GONÇALVEZ, J. H., Monitorização do Comportamento dos Sensores Piezoeléctricos e Piezorresistivos para próteses, Via Wireless para um computador. Dissertação (Programa de pós Graduação em Engenharia eletrônica industrial e computadores) Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, 2009.

KAWACHI, E.Y.; BERTRAN, C.A.; REIS, R.R.; ALVES, O.L. Biocerâmicas: Tendências e perspectivas de uma área interdisciplinar. Química nova, v. 23, n.4. São Paulo. 2000.

KOTTKE, F.J.; STILLWELL, G K.; LEHMANN, J. F. “Krusen: Tratado de Medicina Física e Reabilitação” ,3. ed. São Paulo, Manole, 1984.

LEAL, N.E.F. Desenvolvimento do processo de fabrico de próteses humanas em silicone para substituição de órgãos em tecidos moles, Instituto de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial, 2011.

LONG M., RACK H.J. Titanium alloys in total joint replacement-a materials science perspective. Biomaterials, v. 19, n. 18, p. 1621-1639, 1998.
MURPHY, B. P.; PRENDERGAST, P.J. Measurement of non-linear microcrack accumulation rates in polymethyl methacrylate bone cement under cyclic loading. Journal of Mater Sci Med, v.10, n.12, p. 779–781, 1999.



OLIVEIRA, J.; WACHTER, P.H.; AZAMBUJA, A.A. Biofísica para ciências biomédicas. EDIPUCRS. Rio Grande do Sul. 2002.

PEDRINELLI, A. Tratamento do paciente com amputação. São Paulo, Roca, 2004.

PORFÍRIO, R. S.; WOOD, G. A.; CLIQUET JR., A. . “Myoelectric Hand Prosthesis with Accomodation Device for Grasping.”, In: VI Mediterranean Conference on Medical and Biological Engineering, International Federation for Medical and Biological Engineering, Capri, Itália, pp. 1301 – 1304, 1992.

Portal da saúde. Ministério da Saúde. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=33741&janela=1

SARIDIS, G.N., GOOTEE, T., “EMG pattern analysis and classification for a prosthetic arm”, IEEE Transactions on Biomedical Engineering, BME-20, p.403409,1982.

SEEDHOM, B. B., WALLBRIDGE, N. C, Walking activities and wear of prostheses. Ann.Rheum. Dis, v.44, n.12. p. 838-843. 1985.

WIKIPEDIA, The free Encyclopedia. Disponível em: http://en.wikipedia.org/wiki/Prosthesis Bibliografia
Full transcript