Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Meios Físicos

No description
by

Michael Moura

on 19 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Meios Físicos

Camada Física
Fibra Óptica
Cabo Metálico (Telefônicos)
Meios de Transmissão
Como foi dito anteriormente, a função primordial da camada física é a transmissão de bits de uma máquina para outra.
Dentre os meios físicos de transmissão mais comumente utilizados, podemos citar:
É onde se tem a comunicação propriamente dita, é utilizada para o transporte de uma cadeia de bits (dados) de um lado (transmissor) para o outro (receptor). É um dos níveis na estrutura básica de comunicação de dados estabelecidos pelo Padrão ISO/OSI
Meios Físicos na Transmissão de Dados
A
Camada Física
é a mais baixa camada do modelo OSI e refere-se ao próprio meio físico no qual a comunicação acontece. Ela pode ser um cabo metálico, uma fibra óptica, ondas de rádio ou qualquer outro meio capaz de transmitir sinais.
Cabos cortados, fibras quebradas e interferências de RF são exemplos de problemas na camada física.
Rádiodifusão
A tecnologia HPNA permite criar redes locais com transmissão de dados em alta velocidade por meio de cabeamentos coaxiais aproveitando o meio físico existente e oferecendo a possibilidade de múltiplos espectros de operação, pode ser utilizada em conjunto com outras soluções proporcionando uma maior flexibildade na composição de projetos de redes de ultima milha.

Versões de implementação para o padrão HPNA:

HPNA 1.0: Velocidade de 1 Mbps;
HPNA 2.0: Velocidade de até 10 Mbps;
HPNA 3.0: Velocidade de até 128 Mbps;
HPNA 3.1: Velocidade de até 256 Mbps.

A tecnologia HPNA 3.1 garante o compartilhamento do cabo coaxial para os serviços Triple-play.
Essa tecnologia promete trazer o poder das redes de comunicação para dentro das residências a preço baixo e com grande facilidade de uso.
Cabo Coaxial
Cabo Coaxial
Fibra Ótica
Cabo Metálico
Radiodifusão
Formado como Tecnólogo em Gerencimento de Redes
Pós-Graduando em Gestão e Governança da Tecnologia da Informação

Mikrotik Certified: MTCNA, MTCRE, MTCINE, MTCWE e MTCTCE
Ubiquiti Airmax Certified Admin (UACA)
Certificado Furukawa em FTTx (Equipamentos, Projetos e Plantas Externas)

Atualmente ocupo o cargo de responsável técnico junto ao CREA-PR (130793/D) e Gerente de TI na Live Network, provedor de acesso à internet licenciado pela ANATEL (SCM) que atua no mercado desde 2007, e particularmente prestando consultoria na àrea de TI para outros provedores e empresas em geral.
Michael Jefferson de Moura
Na categoria dos cabos metálicos teremos os dois tipos praticamente mais utilizados, que seriam os cabos telefônicos e os de pares trançados.
Cabos Telefônicos: O acesso à Internet, no início era feito quase que 100% pelo acesso discado, onde tinhamos velocidades teóricas de até 56 Kbps.
Com o passar do tempo e com o surgimento de novas tecnologias, os usuários da Internet passaram a ter a necessidade de conexões mais estáveis e de maior velocidade.
Por outro lado, as operadoras de telecomunicações que são as responsáveis por conectar os usuários a Internet, deveríam se utilizar de uma tecnologia que atendesse as novas necessidades e que não necessitariam de grandes investimentos em infra-estrutura.
Com isso surgiu a tecnologia de acesso DSL (Digital Subscriber Line), onde poderíamos inicialmente chegar até 24 Mbps.
Par Trançado: É constituído de 4 pares de cabos entrelaçados entre si criando assim um campo eletromagnético que oferece uma razoável proteção contra interferências externas.
Existem basicamente dois tipos de cabo par trançado:

Sem blindagem - UTP (Unshielded Twisted Pair)
Com blindagem STP (Shielded Twisted Pair)

A diferença entre eles é que os cabos blindados além de contarem com a proteção do entrelaçamento dos fios, possuem uma blindagem externa (assim como os cabos coaxiais).
Cabo Metálico (Par Trançado)
O cabo coaxial é formado por dois condutores separados e envoltos por um material isolante. O primeiro condutor, normalmente o cobre, é mais rígido e está envolto pelo segundo condutor, este em forma de malha e normalmente de alumínio.
O segundo condutor, além de ajudar na transmissão é também responsável por proteger o primeiro condutor contra interferências magnéticas.
HPNA (Home Phoneline Networking Alliance)
Na radiodifusão a transmissão de dados é realizada no meio não guiado, ou seja, a transmissão e recepção do sinal ocorre via antena.
O transmissor irradia energia eletromagnética no meio e o receptor capta a energia eletromagnética no meio.
Na transmissão de dados por radiodifusão, a grande maioria dos equipamentos para este fim se baseiam na norma IEEE 802.11 (ISO/IEC 8802-11), que é um padrão internacional que descreve as características de uma rede sem fios (WLAN).
O cabo de Fibra Óptica é uma tecnologia que utiliza um filamento de vidro transparente e com alto grau de pureza como meio físico. Seu diâmetro é tão fino quanto um fio de cabelo humano, sendo usado para transmitir raios de luz ao longo de grandes distâncias, permitindo carregar milhares de informações digitais sem perdas significativas.
Ao redor do filamento existem outras substâncias de menor índice de refração, que fazem com que os raios sejam refletidos internamente, minimizando assim as perdas de transmissão. Os sistemas de comunicações baseados em fibra ópticas utilizam lasers ou dispositivos emissores de luz (LEDS). Além disso, as fibras ópticas são imunes a interferências eletromagnéticas e a ruídos por não irradiarem luz para fora do cabo.
Essa tecnologia permite altíssimas taxas de transmissão, na ordem de Gbps (bilhões de bits por segundo), porém para que haja o tráfego de dados e a taxa de transmissão no meio físico de fibra ótpica é necessário equipamentos denominados conversores de mídias.
As fibras ópticas podem ser classificadas de dois modos: Multimodo e Monomodo. Essas categorias definem a forma como a luz se propaga no interior do núcleo.
Fibras Multimodo: As fibras multimodo possuem o diâmetro do núcleo maior do que as fibras monomodo, de modo que a luz tenha vários modos de propagação, ou seja, a luz percorre o interior da fibra óptica por diversos caminhos. Esse tipo de fibra é utilizado normalmente em curtas distâncias e oferece uma largura de banda inferior a fibra monomodo.
Fibras Monomodo: As fibras monomodo são adequadas para aplicações que envolvam grandes distâncias, embora requeiram conectores de maior precisão e dispositivos de alto custo. Nas fibras monomodo, a luz possui apenas um modo de propagação, ou seja, a luz percorre interior do núcleo por apenas um caminho. Esse tipo de fibra é utilizado para atingir maiores distâncias e oferece uma largura de banda superior a fibra multimodo por ter menor dispersão do sinal.
FTTx é um termo genérico para designar arquiteturas de redes de transmissão de alto desempenho, baseadas em tecnologia óptica. São redes totalmente passivas também designadas por PON - Passive Optical Network. De maneira geral, a partir da Central - CO/Central Office, o sinal é transmitido por uma rede óptica onde em uma região mais próxima aos assinantes, este é dividido e posteriormente encaminhado às respectivas (ONTs - Optical Network Terminal) localizadas nos respectivos assinantes.

FTTB : Fiber-To-The-Building: É uma arquitetura de rede de transmissão óptica, onde a rede drop finaliza na entrada de um edifício (Comercial ou Residencial). A partir deste ponto terminal, o acesso interno aos usuários é realizado geralmente através de uma rede metálica de cabeamento estruturado.

FTTA : Fiber-To-The-Apartment: É uma arquitetura de rede de transmissão óptica, onde a rede drop adentra o edifício (Comercial ou Residencial) chegando a uma sala de equipamentos. A partir desta sala, o sinal óptico pode sofrer uma divisão do sinal através do uso de splitters ópticos, sendo posteriormente encaminhado individualmente a cada apartamento/escritório. Outras alternativas de divisão interna ao prédio podem ser implementadas mas sempre cada apartamento/escritório será atendimento por uma única e exclusiva fibra óptica, ou seja, o ponto terminal de acesso interno aos usuários é levado para dentro do apartamento/escritório.

FTTH : Fiber-To-The-Home: É uma arquitetura de rede de transmissão óptica, onde a rede drop adentra a residência do assinante que é servido por uma fibra óptica exclusiva para este acesso. Geralmente entre a rede drop de descida e a rede interna do assinante, é utilizado um mini-Dio ou um bloqueio óptico (FOB) para realizar a transição do sinal óptico ao interior da residência. Após esta transição, o sinal é propriamente disponibilizado através de uma extensão ou cordão óptico para o receptor óptico deste assinante.
Palestrante: Michael Jefferson de Moura
Obrigado!
Michael Jefferson de Moura

www.michaelbr.com.br
michael@livenetwork.com.br
45 8801-2355
Quer fazer parte de um time de colaboradores de sucesso, em um ambiente agradável e desenvolver seus conhecimentos e habilidades?

Envie seu curriculum para o email:
rh@livenetwork.com.br
, quem sabe não lhe convidamos para um bate-papo sobre o seu futuro.
Venha fazer parte do nosso time
Sobre a nossa empresa
Quem sou eu ?
Provedor de Acesso à Internet
Consultoria e Projetos de redes
Cabeamento Estruturado e Redes Sem Fio
Servidores Linux/Windows
Centrais Telefônicas IP
Ligue (45) 3028-5422 ou acesse: www.livenetwork.com.br
Full transcript