Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Toxicologia de Serpentes Brasileiras

No description
by

Anna de Oliveira

on 9 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Toxicologia de Serpentes Brasileiras

Toxicologia de Serpentes
Brasileiras

Anna Elizabeth de O. Silva
Júlia Galanakis Arata
Nathalie Amorim Fernandes

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS
Campus
Sorocaba
Bacharelado em Ciências Biológicas

Fauna
Serpentes Brasileiras

Características das serpentes peçonhentas
Diferenças entre cobras peçonhentas e não peçonhentas
Classificação
Família Viperidae
Gênero
Bothrops
Gênero
Crotalus
Gênero
Lachesis
Família Elapidae
Gênero
Micrurus
Os acidentes ofídicos ocorrem com frequência em
países tropicais, e por isso representam
problema de saúde pública.

No Brasil,
segundo dados do Ministério da Saúde,
ocorrem
entre 19 mil a 22 mil acidentes
com cobras por ano.

Dentre os casos em que o gênero da serpente foi
informado,
o gênero
Bothrops
foi responsável
pela grande maioria dos casos, com 90,5% do total.

O gênero
Crotalus
vem logo em seguida,
com 7,7%, Lachesis com 1,4%
e
Micrurus com 0,4%.
Dados: acidentes ofídicos no Brasil
Veneno Botrópico
Jararacas
(
Bothrops jararaca, B. atrox
);
Caiçacas
(
Bothrops moojeni
);
Jararacuçus
(
Bothrops jararacussu
);
Uturús-cruzeiro
(
Bothrops alternatus
);
Cotiara
(
Bothrops cotiara
).
O gênero
Bothrops
Ação proteolítica
Características do
acidente Botrópico
Ação coagulante
Ação hemorrágica
Metaloproteinases
Composição biomolecular
do veneno Botrópico
Serinoproteases
Fosfolipases A2
Desintegrinas
Miotoxinas
Veneno Laquético
Surucutinga, Surucucu, Bico-de-jaca
(Lachesis muta).
O gênero
Lachesis
Caracerísticas do
acidente Laquético
Ação proteolítica
Ação coagulante
Ação hemorrágica
Ação neurotóxica
Metaloproteinases

(ação hemorrágica);
Serinoproteases
(distúrbios no processo de coagulação);
Fosfolipases A2
(reação inflamatória);
Desintegrinas

(efeitos na coagulação);
Miotoxinas
(mionecrose);
Neurotoxinas
.
Composição biomolecular
do veneno Laquético
Composição semelhante à do veneno botrópico:
Neurotoxinas
Produção de soro
antiofídico
Captopril: um medicamento sintetizado a partir do veneno
de
Bothrops jararaca
Acidentes botrópicos:
soros antibotrópico (SAB) ou antibotrópico-laquético (SALB);
Acidentes laquéticos:
soros antilaquético (SAL) ou antibotrópico-laquético (SALB);
Acidentes crotálicos:
soros anticrotálicos (SAC) ou antibotrópico-crotálico (SABC);
Acidentes elapídicos:
soro antielapídico.
Tratamento
Veneno Crotálico
Manifestações sistemáticas gerais:

mal-estar, prostração, sudorese, náuseas,
vômitos, sonolência ou inquietação e
secura da boca.
Quadro Clínico
Manifestações neurológicas
Manifestações musculares
Manifestações hematológicas
Convulxina;
Crotoxina;
Crotamina;
Giroxina.
Composição
biomolecular do
veneno Crotálico
Fosfolipases A2
Acetilcolina
Crotamina
Giroxina:
serinoprotease
Veneno Elapídico
Manifestações locais
Quadro Clínico
Manifestações sistemáticas gerais
Neurotoxina pré- sináptica
Neurotoxina pós-sináptica
Veneno Elapídico: ação neurotóxica
Referências:
BERNARDE, P. S. Acidentes ofídicos. Universidade Federal do Acre (UFAC), 2009.
CARDOSO, J.C.L. & BRANDO, R.B. Acidentes por animais peçonhentos. São Paulo,
Santos, 1982, p. 165-176.

CASTRO, F.O.F. 2011. Avaliação da atividade não citotóxica do veneno da cobra
Bothrops pauloensis em células mononucleares do sangue periférico humano. 67f. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiás.

CUNHA, E. M.; MARTINS, O. A. Principais compostos químicos presentes nos venenos
de cobras dos gêneros Bothrops e Crotalus – uma revisão. Revista Eletrônica de Educação e Ciência (REEC), vol 02, n° 02, 2012.

PINHO, F. M. O.; PEREIRA, I. D. Ofidismo. Rev Inst Med Trop 2001; 28(4): 24-29.

SILVA, J.A.A. Mediação dos receptores ativados por Proteases (PARs) em atividade
biológicas da Giroxina. Tese (Doutorado). Instituto de pesquisas energéticas e nucleares, Universidade e São Paulo, São Paulo, SP. 2009.

SILVA , J.G. 2009. Estudo dos efeitos do veneno de Crotalus durissus terrificus sobre o metabolismo e estresse oxidativo em fígado de ratos. 52f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba. SOUZA, R. C. G. Aspectos clínicos do acidente laquético. Itacaré, 2006.
Full transcript