Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Consulta Psicológica e Sistemas de Desenvolvimento

No description
by

Olga Morais

on 5 December 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Consulta Psicológica e Sistemas de Desenvolvimento

Modelo Cognitivo Comportamental Consulta Psicológica e Sistemas
de Desenvolvimento
2012/2013 Limitações
e Críticas
do Modelo Breve História
do Modelo Definição
do Modelo Processo
Terapêutico Técnicas
Cognitivo
Comportamentais Albert Ellis A abordagem psicanalítica é mais do que não eficiente porque as pessoas parecem piorar em vez de melhorar. Surgiu assim a Rational Emotinal Behavioural Theory

(REBT). “People are disturbed not by things, but by the view which they take of them” As reacções emocionais e o estilo de vida de cada um estão associados a crenças básicas que são criadas cognitivamente. As pessoas contribuem para os seus problemas psicológicos através do modo como interpretam os acontecimentos. Aaron Beck - Interesse pela neurologia ligada à psiquiatria - Figura pioneira da Terapia Cognitiva - Desenvolveu a Teoria Cognitiva da depressão - Desenvolveu escalas de avaliação para a depressão, risco de suicídio, ansiedade, auto-conceito e personalidade. Terapia Cognitiva A melhor maneira de alterar as emoções e comportamentos disfuncionais é modificar o pensamento disfuncional. Pensamentos distorcidos e avaliações cognitivas irrealistas dos acontecimentos podem afectar negativamente os sentimentos e comportamentos de cada um. Principal objectivo: substituir as avaliações distorcidas dos acontecimentos dos clientes por avaliações mais realistas e adaptativas. Donald
Meichenbaum "I was always fascinated by the process of trying to understand human behavior. As a youth, I was interested in how people come to engage in destructive aggressive acts like the Holocaust." Responsável pela Terapia Auto-Instrucional Mudança das auto-verbalizações dos clientes. No sentido de alterar o comportamento, a pessoa deve reparar no modo como pensa, como se sente e se comporta e que impacto tem nos outros. Treinar os clientes para a modificação das instruções que dão a si próprios com o ojectivo de poderem lidar melhor com os problemas. O que é a Terapia Cognitivo Comportamental? Cognitive Behavioral therapy refers to a classification of psychotherapeutic techniques that emphasize the important role that thinking (cognitive) plays in how we feel and act (behavioral). In other words, what we think of an event determines how we feel, which in turn influences how we behave. Our feelings are not dictated by the event, but are rather determined by the way we think about our situation. http://www.alleydog.com/glossary/definition.php?term=Cognitive%20Behavioral%20Therapy#ixzz2De9McuIV Princípios básicos Princípio Cognitivo

Princípio Comportamental

Princípio do Continuum

Princípio do “aqui e agora”

Princípio da Interação de sistemas

Princípio empírico Proposições fundamentais 1. Atividade cognitiva influencia o comportamento.

2. Atividade cognitiva pode ser monitorizada e modificada.

3. O comportamento-alvo pode ser alcançado através da mudança cognitiva Características fundamentais Colaboração

Funcionamento estruturado e ativo

Tempo limitado e breve

Avaliação empírica

Orientada para o problema Westbrook, D.,  Kennerly, H. & Kirk, J. (2007). An introduction to cognitive behavior therapy: Skills and applications. London: Sage Publications Aplicação de técnicas Descoberta guiada

Métodos comportamentais

In vivo work

Sumário e feedback Westbrook, D.,  Kennerly, H. & Kirk, J. (2007). An introduction to cognitive behavior therapy: Skills and applications. London: Sage Publications Aplicações Depressão

Distúrbios de Pânico e Agorafobia

Distúrbios de Ansiedade

Distúrbios Alimentares

Fobias Específicas A Terapia Racional Emotiva Comportamental e o Modelo ABC Fundada por Albert Ellis em 1955,  foi precursora ao evidenciar a influência dos processos cognitivos sobre sentimentos e comportamentos. “Quando a Terapia Racional Emotiva foi originalmente estabelecida eu (AE) empreguei um quadro de avaliação simples (ABC) para conceptualizar os problemas psicológicos dos clientes” (Ellis, 1987). Este modelo facilitou muito o entendimento da influência dos processos cognitivos no funcionamento emocional e comportamental. E (resultado) Uma filosofia nova, eficaz e racional, que consiste na substituição de pensamentos problemáticos (não saudáveis) por pensamentos saudáveis. F (novo sentimento) Novo sentimento ou conjunto de sentimentos. Em vez de se sentir seriamente ansioso ou deprimido, sente de forma adequada ao contexto. Objetivos terapêuticos Tentar que o cliente minimize os seus distúrbios emocionais e comportamentos autodestrutivos;

Redução da tendência que o cliente tem em culpar-se a si próprio ou aos outros por todos os acontecimentos negativos. Papel e função do terapeuta O terapeuta segue quatro passos no desenvolvimento da terapia;

O terapeuta tem um funcionamento diferente dos outros praticantes. Experiência do cliente na terapia Os clientes são capazes de participar ativamente nos processo de restruturação cognitiva;

Na maioria das situações, o papel dos clientes na TCC é a de um aluno;

Os clientes devem trabalhar ativamente fora das sessões de terapia; Relação entre o terapeuta e cliente O modo como o terapeuta e cliente interagem tem uma grande influencia na adesão e no sucesso do tratamento;

É de extrema importância que o terapeuta não persuada o cliente dos seus pontos de vista, ou do seu próprio sistemas de crenças. Imagery Uma imagem é uma reprodução mental de uma percepção anteriormente experimentada, na ausência do estímulo que a provocou. Pode representar a memória de um objecto, de um lugar ou de um evento. As imagens podem ser uma reflexão directa da realidade, contudo também podemos criar imagens de objectos fantasiosos ou de eventos que não aconteceram. A grande força da imagery é a sua plasticidade: as pessoas podem imaginar diferentes resultados, enfrentar os seus medos, ensaiar sequências comportamentais, transformar velhas e dolorosas memórias e criar imagens que representam partes desejadas e temidas de si. Rational - Emotive Imagery Segundo Ellis (1987) os clientes aprendem a mudar as suas emoções negativas “inapropriadas” por outras “apropriadas”, mantendo no entanto uma imagem vívida do evento negativo. Os clientes aprendem a mudar as suas emoções auto-destrutivas alterando as crenças que lhes estão subjacentes (Ellis, 1987). Esta técnica é uma forma de prática mental intensa, designada para estabelecer novos padrões emocionais Imagery A reelaboração de imagens A reelaboração de imagens O foco da técnica é a mudança da memória da pessoa, acedendo à sua imaginação, através do uso da imagery. Isto pode ser feito de várias formas, que podem incluir:

imaginar um final diferente para o acontecimento;
trazer um adulto a uma memória de abuso na infância: podendo ser o próprio adulto ou outra pessoa/adulto de confiança na altura do abuso;
pode envolver a punição do autor do acontecimento doloroso ou traumático. É eficaz para uma série de situações, incluindo:

O acompanhamento de crianças com Stress Pós-Tramático (após abuso sexual);
Distúrbios alimentares (Bulimia Nervosa);
Imagens Intrusivas;
Depressão;
Fobia Social e
Medo de cobras Exemplo da aplicação da
técnica de reelaboração de
imagens num caso de
Fobia Social. Os terapeutas racional emotivo comportamental são multimodais e integrativos, por isso utilizam uma variedade de técnicas cognitivas, afetivas e comportamentais. Métodos Cognitivos Os terapeutas racional emotivo comportamental normalmente incorporam uma forte metodologia cognitiva no processo terapêutico. Demonstram ao paciente, de uma forma rápida e direta, o que continua a repetir para si próprio, prosseguindo para uma aprendizagem de como pode lidar com estas ideias repetidas para que seja feita uma descrença progressiva destas autoafirmações, encorajando-o a adquirir uma filosofia de vida baseada na realidade. Disputando Crenças Irracionais Treino Cognitivo em Casa Dos pacientes em Terapia Racional Afetiva e Comportamental (TREC) é esperado que elaborem uma lista que especifique os seus problemas, as suas crenças absolutistas e a disputa entre essas crenças. Disputa ativa do terapeuta contra as crenças irracionais do paciente e ensiná-lo como realizar este desafio por ele próprio. A TREC ensina os pacientes a alterar as suas crenças irracionais. Os pacientes são encorajados a executar tarefas especificas durante as sessões e, especialmente, no dia-a-dia entre as mesmas. “Changing one’s language” Os pacientes aprendem que os “deveria”, “tenho a obrigação de” “tenho dever de” podem ser substituídos por “preferências” Pacientes que utilizam os padrões de linguagem que refletem desamparo e auto-condenação podem aprender a empregar novas auto declarações. Uso do Humor Os terapeutas aplicam humor como contra-ataque ao lado demasiado sério dos pacientes. Técnicas Emocionais Os terapeutas racional emotivo comportamental utilizam uma variedade de procedimentos emocionais, incluindo aceitação incondicional, role-playing emotivo racionais, modelamento e “shame-attacking exercises”. Role-playing Os terapeutas frequentemente interrompem os pacientes de forma a fazerem-nos ver o que eles estão a dizer de forma a criar distúrbios e de modificarem os pensamentos inapropriados por sentimentos e pensamentos apropriados. “Shame-attacking exercises” Os pacientes podem aceitar este trabalho de casa de forma a correrem o risco de fazer algo que normalmente teriam medo de fazer por causa do que os outros poderiam pensar. Uso da Força e do Vigor Aos pacientes era demonstrado como conduzir fortes diálogos com eles próprios onde eles expressariam as suas crenças irracionais e discutiriam de forma afincada com as mesmas. Técnicas Comportamentais Os Terapeutas racional emotivo comportamental utilizam os procedimentos comportamentais terapêuticos básicos, especialmente o condicionamento operante, técnicas de relaxamento, modelamento, princípios de autogestão, dessensibilização sistemática. Pacientes da TREC são encorajados a auto dessensibilizarem-se gradualmente e, por vezes, de fazerem coisas das quais têm pavor. Teoria Racional Emotivo Comportamental
Albert Ellis Pouco uso de dinâmicas inconscientes, de associação livre, do trabalho de sonho, e da relação de transferência. A maioria dos terapeutas racional emotivo comportamental enfatiza a construção de afinidade e de uma relação de colaboração entre terapeuta e cliente, ou seja, a relação terapêutica é um fator central para a mudança do paciente. Algumas experiências dolorosas vivenciadas cedo na vida do paciente têm de ser reconhecidas, sentidas plenamente, revividas e trabalhadas em terapia antes que o paciente possa libertar-se das influências restritivas. Terapia Cognitiva
Aaron Beck A terapia cognitiva tem vindo a ser criticada por se focar demasiado:

poder do pensamento positivo;
demasiado superficial e simplista;
negar a importância do passado do paciente;
demasiado orientada para a técnica;
falhar no uso da relação terapêutica;
trabalhar apenas na eliminação de sintomas;
ignorar o papel dos fatores inconscientes
por negligenciar o papel dos sentimentos. (Freeman & Dattilio, 1992b; Weishaar, 1993) Modificação Cognitivo – Comportamental
Donald Meichenbaum Patterson & Watkins (1996) levantaram algumas questões que podem ser aplicadas à maioria das abordagens cognitivo-comportamentais. A questão mais básica é de como modificar o diálogo interno do paciente. Será mais eficiente ensinar diretamente o paciente?

É a falha do cliente para pensar racionalmente ou logicamente sempre devido a uma falta de compreensão do raciocínio ou resolução de problemas?

Aprender por autodescoberta é mais eficiente e durador do que ser ensinado pelo terapeuta? FIM
Full transcript