Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Vias Públicas

Urbanismo
by

giovana mazaro

on 12 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Vias Públicas

Rede Viária
Introdução
A estrutura viária de Campo Grande na área central é formada por vias com traçado ortogonal, originando um tabuleiro de xadrez de onde partem as vias de acesso aos bairros. Estas vias coincidem na maior parte com as saídas da cidade, que se estruturam de forma radial convergindo para o centro.

O crescimento desordenado, sobretudo a partir da década de 70 e a ausência de diretrizes de planejamento fizeram com que até 1988 o adensamento urbano em Campo Grande se concentrasse nas saídas da cidade, criando imensos vazios, dificultando o acesso entre os bairros e provocando a descontinuidade da malha viária. As Avenidas Afonso Pena, Mato Grosso, Calógeras, Rui Barbosa, Ceará, Bahia, são as principais vias do sistema de circulação, sendo as primeiras vias de ligação entre as zonas Leste e Oeste, e as outras, de ligação entre as zonas Norte e Sul.


Grupo
Caroline Zaleski |Gabriela Guarizo
Giovana Beretta |Hebert Borges
Izabelle Delaterra | Tamarana Marques
Arquitetura e Urbanismo
Urbanismo e Meio Ambiente II
Professora: Juliana Trujillo
pavimentação, sinalização e traffic calming
Conforme a Hierarquia do Sistema Viário as vias foram denominadas da seguinte forma:
- Via de Trânsito Rápido – VTR – largura 33m
- Via Arterial – VA – largura 23m
- Via Coletora – largura 18m
- Via Local – largura 13m

Sinalização
Surgiu, inicialmente da necessidade de organizar a circulação de pedestres e carroças na cidade de Londres em 1868. O primeiro tipo de sinalização usada foi uma espécie de semáforo feito de lanterna e controlado manualmente.
Anos depois, em 1920, o americano William L. Potts criou o primeiro semáforo elétrico, usado pela primeira vez na cidade de Detroit, no Michigan
A evolução do semáforo desde então...
Conceito:
Conjunto de sinais de trânsito e dispositivos de segurança colocados na via pública, destinados a ordenar ou dirigir o trânsito dos veículos e pedestres.

Função:
é um meio físico de comunicação interpessoal, pelo qual o técnico em Engenharia de Trânsito informa, adverte e regulamenta o uso da via pública, transmitindo, através de símbolos e palavras mensagens.

Objetivo:
quando utilizada adequadamente, possibilita melhor fluidez no trânsito e maior segurança dos veículos e pedestres que nela circulam.

Elementos de sinalização viária:
Placas, marcas viárias, equipamentos de controle luminosos, dispositivos auxiliares, apitos e gestos.


Sinalização Vertical:
• Feita com dispositivos diversos, dimensionados em função da velocidade diretriz da rodovia.
• Implantada à margem de uma rodovia, lado direito do sentido do tráfego ou, excepcionalmente, suspensa sobre ela, através da utilização de placas ou painéis.

Soluções convencionais
Sinalização Horizontal:
• Constituída por faixa de sinalização e por marcas no pavimento, para o controle do trânsito na rodovia.
Dispositivos e Sinalização Auxiliares:

• São constituídos de materiais de composições, de formas, de cores e de refletividade diversos, aplicados em obstáculos, no pavimento da via ou adjacente à mesma.

Sinalização Semafórica:
• É um subsistema da sinalização viária que se compõe de luzes acionadas alternada ou intermitentemente através de sistema elétrico/eletrônico, cuja função é controlar os deslocamentos.

Soluções Alternativas

Em Sidney, Austrália, uma cortina de agua é acionada quando ocorre problemas dentro do túnel. Nela é refletida à laser uma placa gigante de pare para que os motoristas vejam que há um problema e, caso não parem, o aviso não causa nenhum impacto pois não são partículas sólidas.
Semáforo portátil usa energia solar na China.
Bibliografia
http://www.atividadesrodoviarias.pro.br/sinalizacao.htm
http://www.transitobr.com.br/index2.php?id_conteudo=118#Conceito
http://www.ideafinder.com/history/inventions/trafficlight.htm
http://www.sinaldetransito.com.br/curiosidades.php
http://www.campograndenews.com.br
cartilha SEINTRHA 2011 (http://www.pmcg.ms.gov.br/portal/buscaResultado)
http://agenciat1.com.br/ecod-lista-quatro-alternativas-sustentaveis-para-o-asfalto-nas-cidades/
http://ricardoerlo.blogspot.com.br/2011/05/pavimentacao-sustentavel.html
http://www.agenciasebrae.com.br/noticia/19640353/ultimas-noticias/pavimentacao-ecologica-rende-negocio-sustentavel/
http://www.interpavi.com.br/brazil/tecnico.htm#cadprinc
http://www.transitobr.com.br/downloads/a_historia_do_transito_e_sua_evolucao.pdf
http://pt.wikipedia.org/wiki/Pavimento
http://www.dtt.ufpr.br/Pavimentacao/Notas/MOdulo%201%20-%20Introducao.pdf
BERNUCCI, Liedi Bariani. Pavimentação asfáltica : formação básica para engenheiros. PETROBRAS: ABEDA. Rio de Janeiro, 2007.
http://globotv.globo.com/tv-morena/mstv-1a-edicao-campo-grande/v/falta-de-sinalizacao-causa-problemas-para-motoristas-e-pedestres-em-rua-de-campo-grande/2679579/

Sinalização por Gestos:
• Gestos de condutores de veículos, de agentes de autoridade de trânsito e dos chamados homens-bandeira.

Sinalização Sonora:
• Consiste nos sinais de apito usados pelos agentes de autoridade de trânsito.

Pavimentação
O pavimento é constituído de múltiplas camadas sobre a terraplenagem e tem a função de resistir aos esforços do tráfego e melhorar as condições de rolamento. Os materiais utilizados na pavimentação urbana, industrial ou rodoviária são matérias rochosos.
A evolução das estradas e dos pavimentos avançam conforme a evolução dos meios de transporte terrestre. Mas mesmo antes da invenção dos meios de transporte, no Egito as estradas já eram utilizadas para transportar os blocos das pirâmides.
Histórico
Uma das primeiras formas de pavimentação foi a calçada romana, construída em várias camadas.
No Brasil, a Estrada Caminho do Mar localizada no estado de São Paulo é a estrada mais antiga construída que se tem registros.
Os pavimentos podem ser classificados em rígidos, semirrígidos e flexíveis. O pavimento rígido, também conhecido como pavimentos de concreto-cimento, é constituído por placas de concreto de cimento Portland.
Soluções Convencionais
ESTRUTURA DE PAVIMENTO:
CORTE LONGITUDINAL CONCRETO-CIMENTO
O pavimento semirrígido possui uma base de cimento e cal, revestido por uma camada asfáltica. O pavimento semirrígido também pode ser encontrado como pavimentação articulada ou intertravada, composta de blocos pré-moldados de concreto. As cargas são distribuídas para os blocos adjacentes, aliviando as tensões e reduzindo a possibilidade de deformação. Tem boa resistência, durabilidade e facilidade na execução.


O pavimento flexível, também conhecido como pavimento asfáltico, é composto de uma base de agregados (brita ou solo) e ligantes asfálticos. É formado por quatro camadas principais (revestimento asfáltico, base, sub-base e reforço do subleito).
ESTRUTURA DOS PAVIMENTOS:
CORTE TRANSVERSAL PAVIMENTO ASFÁLTICO
Entulhos da construção civil e da demolição são matérias-primas para a pavimentação de ruas, calçadas e estacionamentos, permitem a drenagem do solo e evitam que toneladas sejam descartados no meio ambiente e em aterros.

Soluções Alternativas
O óxido de titânio noxer é capaz de absorver a fumaça dos automóveis auxiliado pela luz do sol. Utilizado pela primeira vez no Japão em 1997, depois da experiência Londres, Paris, Milão e Madri já experimentaram a tecnologia. O noxer é aplicado sobre o asfalto tradicional e pode absorver até 90% das impurezas dos automóveis em dias de sol forte. Em dias nublados, esse percentual cai para 70%.
Composição asfáltica desenvolvida com pneus descartados é 16 vezes mais resistente do que a usada tradicionalmente, demora mais a entrar no processo de fadiga e sua permeabilidade evita a aquaplanagem e acidentes com veículos.
Traffic Calming
Não há uma definição única e objetiva de Traffic calming. As conceituações de traffic calming estão fortemente relacionadas com seus objetivos:

• É definido como uma adaptação do volume, velocidade e comportamento do tráfego às funções primárias das vias nas quais ele passa, em vez de adaptar as vias à demanda desenfreada dos veículos motorizados;

• Pode ser entendido como uma tentativa de atingir o aprimoramento das vias quanto às condições de meio-ambiente, segurança e quietude.
Apesar de algumas diferenças nas definições, todas elas baseiam-se no princípio fundamental de acomodar o tráfego de uma maneira aceitável para o meio-ambiente.
Histórico
Apesar de ser difícil traçar as origens do traffic calming pode-se afirmar que elas estão relacionadas com as medidas de gerenciamento de tráfego introduzidas na Alemanha e na Holanda na década de 70.
Suas diretrizes podem ser consideradas como sido desenvolvida das seguintes ideias:
• a ideia das áreas ambientais popularizada por Colin Buchanan no ‘Traffic in Towns’ em 1963, onde foram implementadas medidas de traffic calming em cidades britânicas no final dos anos 60.
• o novo projeto denominado pelos planejadores holandeses como woonerf (pátios residenciais) no qual o enfoque é evitar a separação tradicional entre a pista e a calçada.
Considerando o conceito no sentido restrito, seus objetivos/funções dividem-se em três categorias:
• Reduzir o número e a severidade dos acidentes;
• Reduzir os ruídos e a poluição do ar;
• Revitalizar as características ambientais das vias através da redução do domínio do automóvel.

Funções
Objetivos:
• Melhoria da segurança através da redução da velocidade;
• Permite que pedestres e cadeiras de roda atravessem a via sem qualquer mudança de nível.

Detalhes de projeto:
• Nos locais onde a via é elevada ao nível da calçada, recomenda-se a colocação de elementos verticais, tais como árvores e balizadores para manter os veículos fora das áreas de pedestres.
• Recomenda-se mudança do material e/ou um leve meio-fio ou desnível entre a beirada da calçada e o topo da plataforma, para que o deficiente visual reconheça a plataforma.
Plataforma Elevada
É uma porção elevada da via colocada em ângulo reto em relação à direção do tráfego. São construídas de meio-fio a meio-fio.
Rotatória
Objetivos:
• limitar a velocidade e organizar os fluxos de tráfego, reduzindo conflitos entre veículos.

Detalhes de projeto:
• o projeto convencional de rotatórias limita o seu uso, portanto mini-rotatórias são mais usadas em áreas residenciais, no acesso ou mesmo dentro da área tratada
• a aparência visual requer cuidados;
• o anel externo à ilha central pode ser reforçado (e rebaixado) para permitir o tráfego de veículos pesados.

É uma interseção em círculo, cujo projeto varia da forma simples à elaborada, incluindo jardins, fontes, estátuas e esculturas no centro da rotatória.
Quebra molas
• dispositivo mais eficaz na redução da velocidade;
• o perfil plano cria condições mais seguras para a travessia de pedestres.

Rotatória
• permitem todos os movimentos de conversão
• quando bem projetadas, reduzem a velocidade e alertam os motoristas
Aspectos Positivos
Aspectos Negativos
Quebra molas
• exige cuidado no projeto para deficientes visuais;
• requerer construção parcial da via;
• não discrimina as classes de veículos, além de dificultar a operação de veículos de emergência.

Rotatória
• podem causar desconforto para passageiros de coletivos;
• inseguras e inconvenientes para pedestres pela dificuldade de travessia.

Exemplos Negativos
Solução Usada
Em aproximadamente 5km da avenida Cônsul Assaf Trad, no sentido bairro/centro, existem remendos espalhados por toda parte, inclusive na ciclovia. A avenida está em péssimas condições, moradores reclamam do asfalto, da sinalização e dos acidentes que se tornaram frequentes e pedem recapeamento da avenida.
O investimento previsto para o recapeamento e obras de drenagem na Av. Guaicurus (entre os bairros Dom Antônio Barbosa e Itamaracá, totalizando 10km de extensão) será de 12 milhões de reais.
A rede implantada no auge da construção (décadas 60 e 70) está se deteriorando. Atualmente, a maior parte da rede é de regular a ruim com tendência a deterioração acelerada. A reabilitação da rede exige recursos de três a cinco vezes superior do que custaria a conversação.
A Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação – SEINTRHA
Realiza serviços em vias não pavimentadas através da manutenção e asseio por meio de patrolamento e execução de base compacta, raspagem mecânica, reconformação, limpeza e cascalhamento. Faz também a manutenção de vias pavimentadas e serviço tapa buraco.

Em Campo Grande
Traffic Calming
ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Agetran - Agência Municipal de Transporte e Trânsito
Full transcript