Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

LÍNGUA PORTUGUESA: POR UMA NOVA PEDAGOGIA

No description
by

on 13 June 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of LÍNGUA PORTUGUESA: POR UMA NOVA PEDAGOGIA

LÍNGUA PORTUGUESA: POR UMA NOVA PEDAGOGIA
Gramática descritiva: livre de preconceitos:
Multiletramentos: por novas práticas.
Aqui observamos a importância de inserir no cotidiano da escola os novos letramentos emergentes, em grande parte devido às novas tecnologias e também pela pluralidade cultural presente na sala de aula
Reeducação Sociolinguística
Determina que a língua seja sempre heterogênea e sujeita às mudanças da vida em sociedade.
O que é educação linguística?
É o conjunto de atividades de ensino/aprendizagem, que levam uma pessoa a conhecer o maior número de recursos da sua língua e a ser capaz de usar esses recursos de maneira adequada para produzir textos a serem usados em situações específicas de interação, produzindo os efeitos de sentido pretendidos.
É importante propor aos professores um ensino que mostre a realidade complexa da língua, que acolha a variação linguística como uma constitutiva da própria natureza humana. Construindo uma atitude de simpatia frente às formas variantes, uma atitude de investigação e de observação da dinâmica da linguagem.

Competência comunicativa
é a capacidade de usar a língua adequadamente em situações sociais.
Competência linguística
é a capacidade inata que todos nós temos para aprender línguas, dominar a pronúncia, a gramática e vocabulário.
Dell Hymes, em 1966, propôs que a competência comunicativa de um falante lhe permite saber o que falar e como falar com qualquer interlocutor independente da circunstância, sendo então, a principal novidade a adequação.
É ideal lembrarmos sobre a importância da escola e como ela facilita o crescimento da competência comunicativa dos alunos, permitindo que eles tenham recursos necessários para uma boa comunicação e segurança em suas tarefas linguísticas.
A língua é uma atividade social, e que faz parte de uma sociedade. As mudanças que ocorrem na língua se dão através de como a sociedade faz uso e conforme achar necessário.
Este breve estudo, tem por objetivo fazer analogia entre temas como: as variações linguísticas, a pedagogia do multiletramento, a educação linguística e a competência comunicativa e, interligá-las às práticas pedagógicas da sala de aula.
Qual é a diferença entre Competência Comunicativa e Competência Linguística?
Sabermos a importância da educação linguística na vida em sociedade, como a gramática descritiva agrega conhecimentos e qualidade de vida às pessoas e como os professores enfrentam novos desafios para se adaptarem às mudanças da tecnologia.
Referências:

BAGNO, Marcos. O português são três. In: BAGNO, Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2012. p. 99-117
BAGNO, Marcos. Como uma onda. In: BAGNO , Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2012. p.163-189
BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Competência comunicativa. In: BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. p. 71-78
ROJO, Roxane; MOURA, Eduardo. Multiletramento na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.
TRAVAGLIA, L. C. Gramática ensino plural. São Paulo: Cortez, 2003.
TRASK, R. L. Dicionário de linguagem e linguística / R. L. Trask ; tradução Rodolfo Ilari ; revisão técnica Ingedore Villaça Koch, Thaïs Cristófaro Silva. 3. Ed. – São Paulo : Contexto, 2011.


Ensinar a gramática de modo que o ensino da língua permita ao aluno se preparar para a vida .
Entender a gramática como um conjunto de conhecimentos linguísticos, para que possamos apresentá-la para os alunos como uma forma de adquirir maior qualidade de vida, pois quanto mais recursos e estratégias da língua o usuário dominar, melhor será seu desempenho linguístico e com isso ele terá mais chances de alcançar seus objetivos.
É ideal que professores saibam aplicar atividades focando questões ligadas ao ensino da língua materna numa perspectiva que relacione a visão da língua como forma de atuação social e exercício da cidadania.
A língua é uma forma de interação comunicativa dentro da sociedade.
O ensino da língua materna tem função de desenvolver a competência comunicativa, assim o falante vai utilizar os recursos da língua da forma mais adequada para cada situação.
É importante afirmar que o ensino da gramática descritiva pode ser visto como algo inclusivo e livre de preconceitos, se aprendermos a fazer seu melhor uso.
Podemos perceber então que educação linguística está diretamente ligada à competência comunicativa.
Podemos observar que a universidade também tem um papel importante: instruir os professores em relação à educação linguística, disponibilizando informações sobre o conhecimento da língua
Serve para mudar nossos hábitos de aprender e ensinar. Tem infinitas possibilidades: pode-se usar vídeos em sala de aula, o celular serve para pesquisa, comunicação, navegação, até mesmo as redes sociais podem ser usadas como ferramenta, como por exemplo, criando grupos de estudos.
O termo multiletramento aponta para a multiplicidade cultural das populações, que abre possibilidades de experimentação e comunicação, além de introduzir novos gêneros do discurso, novas mídias, línguas, tecnologias, e para a multiplicidade semiótica de constituição de textos, ou seja, a multiplicidade de linguagens.
O trabalho da escola deve ser voltado para a possibilidade que os alunos tornem-se criadores, eles devem transformar os discursos e significações, seja na recepção ou produção, agregando seus gostos e particularidades que possam trazer qualidades positivas para a sala de aula como um todo.
Ufa! Está acabando...
Aspectos que observamos através dos diários reflexívos:
Atividades diferentes e que despertam o interesse dos alunos;
escola facilitando a competência comunicativa
Por: Aline Fernanda Guse
Ana Carolina Galvão
Carol Cristine dos Santos
Laura Cunha Costa
Talita Regina Funke A. de Souza

práticas de multiletramentos relacionadas às novas formas de ensinar o conteúdo, tornando os assuntos mais atrativos
Full transcript