Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Predominância da pedagogia nova (1947-1961)

No description
by

ana paula mayca

on 5 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Predominância da pedagogia nova (1947-1961)

Predominância da pedagogia nova (1947-1961)
Acadêmicas: Ana Paula Maycá, Ana Claudia, Elaine Cristina Moreno, Giane Sperber, Josiane dos Santos, Tamires Correia
FACULDADE MUNICIPAL DE PALHOÇA
Em 1943...
esse clima caracterizando-se, Vargas com sua habilidade política, antecipou-se as tendências as oposições no processo de democratização.
Getulio procurou aproximar-se das massas trabalhadoras e com apoio dos comunistas fez, com que deixasse de ser confiável para grupos dominantes. Consumou-se o golpe de 29 de outubro pelo qual ministro da guerra impôs a Vargas a renuncia.
Em 1945...
os comunistas apoiam a revolução democrático-burguesa.
Criação do PTB

Eleição - 2 de dezembro de 1945
PSB - Eurico Gaspas Dutra

UDN - Eduardo Gomes

PCB - Yedo Fiúza
Fenômeno "Guerra Fria"
7 de Maio - Cassação do Resgistro PCB

Professor: Msc. Jackson Alexsandro Peres
CURSO DE PEDAGOGIA - 2ª FASE
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO II
1956 - 1º Congresso Estadual de Educação Primária, tema: "A escola pública, universal e gratuita".

Ataques do deputado Padre Fonseca e Silva.

Ataques da igreja católica contra Anísio (intensão era tirá-lo da liderança do INEP, foi mantido por Juscelino Kubitschek).
Clemente Mariani e a Primeira Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Foi um dos nomes cedidos para compor o Ministério da Educação, formados pela coalizão conservadora da UDN para dar sustentação ao Governo Dutra.
Ministro da Educação e Saúde, Mariani Constitui uma comissão para elaborar o anteprojeto da LDB, sendo assim convocou os principais educadores do pas para formar essa comissão.
Do ponto de vista da organização da educação nacional a concepção dos renovados era claramente descentralizadoras, com ajustes operados por Clemente, mas que mantinham uma caracteristica de "modernização conservadora", que veio marcar grupos após a Revolução de 1930.
TERCEIRA CORRENTE: TENDÊNCIA SOCIALISTA
Representantes: Florestan Fernandes e Roque Spencer Maciel de Baros;
Defendia: a educação a partir de seus determinantes sociais, considerando-a um fator de transformação social provocada;
Contribuição para que a LDB chegasse ao povo.
significava o equilíbrio e a unificação de todos os democratas e progressistas, concluindo então que a burguesia nacional e proletariado orgnizado ajudaria nas soluções e no interesse geral da pátria.
De fato essa posição resultou em clima de paz que se respirava com termino da II Guerra Mundial viabilizando o arco de alianças antifascistas.
A vitória sobre o nazismo colocou potencias capitalista do mesmo lado e a União Soviética, reforçando a perspectiva da colaboração dessas classes no interior das sociedade nacionais.
Janeiro de 1948 - Perda de Mandato
Dos trabalhos da Constituinte resultou uma Constituição, restabelecendo elementos que integram o programa de reconstrução educaional dos pioneiros da Educação Nova.
Gustavo Capanema, ex- ministro da Educação da ditadura, insurgiu-se contra Clemente. Para ele a proposta da LDB não tinha inteções pedagógicas, era um projeto infeliz.
O CONFLITO ESCOLA PARTICULAR ESCOLA PÚBLICA
X
Anísio Teixeira:
Dirigiu e liderou órgãos estratégicos de pesquisa, formação e disseminação educacional como:
INEP (Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos), CBPE (Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais) CAPES (Campanha Nacional de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior).
Foi a figura central na educação brasileira na década de 1950.
Principal dvulgador de Dewey no Brasil.
"como processo exclusivo de formação de uma elite, mantendo
a grande maioria da população em estado de analfabetismo
e ignorância".(TEIXEIRA, Anísio, 1957).
SUBSTITUTIVO LACERDA
Criado pelo deputado Carlos Lacerda em 1956;
Defendia os interesses das escolas particulares;
Tinha o apoio da igreja católica.
PRIMEIRA CORRENTE: LIBERAL - IDEALISTA
Representantes: jornal O Estado de S.Paulo, e por professores de filosofia e história da educação da USP;
Defendia: o homem como um ser racional e livre que possui autonomia ética. Baseado na ética kantiana.
O homem é considerado um valor supremo que se afirma na sua individualidade e originalidade, independentemente das condições sociais e hitóricas em que vive.
SEGUNDA CORRENTE: LIBERAL - PRAGMATISTA
Representantes: educdores do movimento renovador (Anísio Teixeira, Fernando de Azevedo, Almeida Júnior, Lourenço Filho);
Defendia: o homem como um valor absoluto;
Catalizou os movimentos em defesa da escola pública.
Mais uma vez convocados (Fernando de Azevedo, 1959);
Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova.
Florestan Fernandes
Roque Spencer Maciel de Baros
ESCOLA PARTICULAR
ESCOLA PÚBLICA
X
O MANIFESTO MAIS UMA VEZ CONVOCADOS
"O Manifesto dos Educadores mais Uma Vez convocados - 1959."
O manifesto dos educadores "Mais uma vez convocados", reafirmação do "Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova", de 1932, veio à luz em 1 de julho de 1959, foi redigido novamente por Fernando de Azevedo, contou com 189 assinaturas, entre as quais as de Anísio Teixeira, Florestan Fernandes, Caio Prado Junior, Sergio Buarque de Holanda, Fernando Henrique Cardoso, Darci Ribeiro, Alvaro Vieira Pinto.
Este documento, não se preocupou com as questões didáticos-pedagógicas, mas sim, com as questões gerais da política educacional. propunha que as verbas públicas servissem somente à rede pública e que as escolas particulares se submetessem à fiscalização oficial.
DEFENDIAM UMA EDUCAÇÃO GRATUITA E DE DEVER DO ESTADO. ERAM CONTRA AS ESCOLAS PARTICULARES SEREM MANTIDAS COM RECURSOS PUBLICOS. E AINDA SEM FISCALIZAÇÃO COBRAREM PELO ENSINO.
Os recursos públicos deveriam ser usados exclusivamente ao ensino publico.

A Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBN)
As posições dos vários grupos defensores da Escola Pública desaguaram no Manifesto dos Educadores Mais Uma Vez Convocados de 1959.
Em 1961, o projeto da LDBN já aprovado pela Câmara, foi também aprovado pelo Senado e sancionado pelo presidente da República João Goulart.
Conhecida como lei 4.024/61, a nossa primeira LDB garantiu igualdade de tratamento por parte do poder público para os estabelecimentos oficiais públicos e os particulares, o que garantia que as verbas públicas poderiam atingir a rede particular de ensino em todos os graus.

PREDOMÍNIO DA PEDAGOGIA NOVA E RENOVAÇÃO CATÓLICA
Capa da Revista Brasileira de Educação Pedagógicos,
vol.1, n.1, julho 1944, criada pelo INEP/MEC.
Na medida em que a pedagogia nova foi ampliando sua influência, também foi sendo modificada a sua relação com a pedagogia católica;
Críticos da escola nova reconheceram o valor dos novos métodos;
O predomínio da pedagogia nova iniciou na comissão constituída em 1947 na elaboração da LDB;
Predomínio das idéias novas;
Por meio de palestras e cursos intensivos divulgam-se nos meios católicos as novas idéias pedagógicas;
Montessori
Lubienska
Surge então...
" Escola Nova Católica"
A orientação psicopedagógica das classes experimentais baseou-se naquilo que foi chamado de Método de Pierre Faure
Que se apresentava como uma síntese de
várias teorias pedagógicas:

Dalton (americana);
Montessori (italiana);
Lubienska (francesa).
Obrigada pela atenção!
Referência: SAVIANI, Dermeval. História das idéias pedagógicas no Brasil. 2 ed. São Paulo: Autores Associados, 2008, p.277-303.
Full transcript