Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Métodos e técnicas de pesquisa

MTP Anima
by

EAD Anima Educação

on 14 April 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Métodos e técnicas de pesquisa

Como se constrói o conhecimento
Quais os caminhos e procedimentos para a construção do trabalho acadêmico-científico?
Conhecendo as normas
da ABNT

Quais as fases de construção
de um trabalho científico?

O que é e como se faz um artigo científico?
Seja bem-vindo(a)!
Tópicos desta Unidade
1 Como se constrói o conhecimento?
O conhecimento empírico
O conhecimento religioso
O conhecimento filosófico
O conhecimento científico

2 Qual a relação entre método e conhecimento científico?
O método científico e a metodologia científica
Metodologia científica: a ponte entre o seu curso e o TCC
Características do texto científico
Unidade 1
Unidade 2
Unidade 3
Unidade 4
Unidade 5
Interferências cotidianas são apresentadas rotineiramente construindo o conhecimento humano.

Este processo sofre intervenções de variadas fontes de informação ao longo do tempo, produzindo assim, tipos diferentes de conhecimento.

Os quatro tipos de conhecimentos que serão explorados são:
Conhecimento empírico;
Conhecimento religioso;
Conhecimento filosófico;
Conhecimento científico.
Como se constrói o conhecimento?
O conhecimento empírico ou senso comum
É um conhecimento espontâneo resultante da herança cultural de um grupo social, do enfrentamento de dificuldades cotidianas e da experiência individual.
Construído com base no senso comum. Pelas intervenções apresentadas pelo acaso e pelas relações que envolvem o homem em seu ambiente natural e sua realidade.
É um conhecimento valorativo, reflexivo, assistemático, verificável, falível e inexato.
É QUALITATIVO, por buscar julgar os objetos, as coisas e os fatos, atribuindo-lhes características: leves ou pesados, belos ou feios, quentes ou frios etc.

É SUBJETIVO, por exprimir sentimentos e opiniões individuais e de grupos isolados.

É HETEROGÊNEO, pois sempre julgamos os fatos, os objetivos, as coisas de forma diferente, por que os percebemos como distintos entre si.
Ex.: uma pena que flutua e qualquer outro objeto pesado que cai.

É INDIVIDUALIZADOR, pois cada coisa, objeto, fato é visto de forma independente, autônoma. O fogo é quente, o papel é liso, o algodão é macio, etc.

É GENERALIZADOR, pois procura reunir numa só ideia ou opinião aqueles fatos ou objetos distintos, tendendo a realizar relações de causa ou efeito de forma simplista.
Ex.: os ditos populares - “onde há fumaça, há fogo”.
O conhecimento filosófico
É o conhecimento que busca, com todo o rigor, a origem dos problemas, relacionando-os a outros aspectos da vida humana. Baseia-se unicamente na razão para questionar os problemas humanos e poder discernir entre o certo e o errado.

É um conhecimento valorativo, racional, sistemático, não verificável, infalível e exato.
O conhecimento científico
A ciência é um conjunto de conhecimentos racionais, certos ou prováveis, obtidos metodicamente, sistematizados e verificáveis, que fazem referência a objetos de uma mesma natureza.

É um conhecimento factual, dialético, sistemático, verificável, falível, aproximado e inacabado.
Em outras palavras...
É OBJETIVO, pois procura estruturas universais e necessárias das coisas investigadas.

É HOMOGÊNEO, isto é, busca leis gerais de funcionamento dos fenômenos.

É GENERALIZADOR, pois reúne individualidades sobre as mesmas leis.

É DIFERENCIADOR, pois não reúne nem generaliza por semelhanças aparentes, mas distingue entre os que parecem iguais.
O conhecimento empírico ou senso comum
Os tipos de conhecimento
Diferenças Elementares
Método Científico
Para se produzir um conhecimento científico algumas regras básicas devem ser seguidas para dar consistência, credibilidade e sustentar os preceitos da ciência. Sendo assim, apresentamos algumas definições do método:
“Método é o caminho pelo qual se chega a um determinado resultado, ainda que esse caminho não tenha sido fixado de antemão de modo refletido e deliberado” (HEGENBERG, 1976).

“A característica distintiva do método é a de ajudar a compreender, no sentido mais amplo, não os resultados da investigação científica, mas o próprio processo de investigação” (KAPLAN, 1975).

Método é o caminho a ser percorrido pelo pesquisador, o “como” alcançará os objetivos propostos.
Metodologia Científica: a ponte entre o seu curso e o TCC
Referências
Equação do Conhecimento
Tópicos desta Unidade
Trabalho acadêmico convencional
Resumo
Resenha
Ensaio
Relatório
Artigo
Monografia
Dissertação
Tese
São documentos escritos que representam o resultado de um estudo, devendo expressar conhecimento sobre o assunto escolhido. Tem origem em uma disciplina, um curso ou uma instituição;

Caracterizam-se pela objetividade, organização, linguagem formal, coesão, coerência, ideia de progressão, clareza, precisão e estruturas específicas;

Classificam-se de acordo com diferentes tipos: o próprio trabalho acadêmico convencional, o resumo, a resenha, o ensaio, o artigo, o relatório, o projeto de pesquisa, a monografia, a dissertação, a tese e outros;

Veremos as características principais de cada um deles a seguir.
Trabalho Acadêmico Convencional
Refere-se genericamente a todos os trabalhos desenvolvidos no âmbito acadêmico. Especificamente, refere-se àqueles que representam o resultado de um estudo, demandado por um professor, cujo teor deve expressar conhecimento sobre o assunto escolhido.

Normalmente, o professor fornece um roteiro para o desenvolvimento do trabalho, que requer uma estrutura mínima das regras da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), como: folha de rosto, índice, introdução, desenvolvimento, conclusão e referências.
A produção textual acadêmico-científica
O Resumo
É a apresentação concisa e seletiva do texto, destacando os elementos de maior interesse e importância: as ideias principais.

O resumo pode ser:
A Resenha
É o texto que relata a descrição técnica, a síntese e a análise crítica de uma obra (artística, esportiva, literária, científica...).


A resenha pode ser:
O Ensaio
Texto dissertativo-argumentativo que discute, com pouca profundidade, determinada abordagem teórica ou empírica de um assunto. Normalmente, não ultrapassa 8 laudas. O ensaísta consulta várias fontes de pesquisa, diferentemente da resenha, cuja fonte é única.


O ensaio pode ser:
O Relatório
Documento que relata um fato que pode ser o resultado ou os progressos obtidos em investigação de pesquisa e o seu respectivo processo, a realização de uma visita técnica, uma viagem, o desenvolvimento de um estágio supervisionado etc.


O relatório pode ser:
O Artigo Científico
Texto científico destinado à publicação que trata de determinado assunto. É uma produção mais profunda do que um ensaio e mais objetiva do que uma monografia.

O artigo pode ser:
A monografia, a dissertação e a tese
Tem características bem particulares, vejamos:
Monografia:
Texto que descreve um estudo minucioso de um tema restrito. Solicitado como trabalho de conclusão de cursos de Graduação ou de Pós-Graduação Lato Sensu. É apresentado a uma comissão avaliadora

Dissertação:
Texto que descreve um trabalho de pesquisa que demonstre sólidos conhecimentos sobre a área de estudos a que se dedica. É defendida perante uma comissão avaliadora, a fim de se obter o título de Mestre.

Tese:
Texto que descreve um trabalho original de pesquisa que demonstre avanço na área de estudo a que se dedica. Geralmente é defendido perante uma comissão para obtenção do título de Doutor.
Referências
Em outras palavras...
Estrutura básica de um trabalho acadêmico-científico
- Elementos pré-textuais
- Elementos textuais
- Elementos pós-textuais
Citação: o argumento de autoridade – tipos e formalizações
Notas de rodapé
Referências bibliográficas e de documentos eletrônicos – apresentação formal
Tópicos desta Unidade
Em outras palavras...
Referências
O que é a ABNT
A Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT é uma organização não governamental, mantida com recursos da contribuição dos seus associados e do Governo Federal; dentre suas atribuições está a normalização do trabalho científico. Suas normas são antecedidas pelas siglas ABNT/NBR e pelo número correspondente.
A estrutura apresentada nessa disciplina baseia-se nas normas da ABNT/NBR 14724/2011, que substitui a norma de 2005, adapta o trabalho acadêmico às questões ambientais e resolve pequenas dúvidas de formatação:
ESTRUTURA GERAL DO TEXTO ACADÊMICO
ABNT/NBR 14724/2011
Parte Externa
Capa
Lombada
Obrigatório
Opcional
Parte Interna
impressão dos trabalhos acadêmicos, a partir dos elementos textuais, em ambos os lados do papel;
a ficha catalográfica é o único elemento que será impresso no verso da folha de rosto – parte pré-textual;
em virtude disso, definem-se as margens do verso da folha;
uso de dois-pontos para separar o título do subtítulo;
cria as denominações: parte externa (capa e lombada) e parte interna para os elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais;
acréscimo da sigla do estado em caso de cidades homônimas;
filete de 5 cm para separar o texto das notas de rodapé.
Margens
Numeração
É um recurso que legitima o diálogo entre o pesquisador e outros estudiosos sobre o tema. Pode ser:
Citação: argumento de autoridade
Exemplo de citação direta curta
Exemplo de citação direta longa
Exemplo de citação de citação
Para imprimir credibilidade ao texto científico, o pesquisador convoca outros pesquisadores para o diálogo, utilizando os seus ditos como argumento de autoridade. França (2005, p.107) esclarece que as citações “são trechos transcritos ou informações retiradas das publicações consultadas para a realização do trabalho.” Ao fazer tais citações, é imprescindível mencionar a fonte de onde foi extraída a informação.
Para imprimir credibilidade ao texto científico, o pesquisador convoca outros pesquisadores para o diálogo, utilizando os seus ditos como argumento de autoridade. França esclarece que as citações:
Citação de citação é a utilização textual ou a paráfrase de ideias de um autor já citado pela fonte que está sendo consultada diretamente.

Para identificá-la, apresentamos o sobrenome do autor da ideia, seguido da expressão apud (citado por) e do sobrenome do autor consultado diretamente. Exemplo:

Marinho¹ (apud MARCONI e LAKATOS, 2002) apresenta a formulação do problema como uma fase da pesquisa que, se bem feita, facilita a vida do pesquisador.
São trechos transcritos ou informações retiradas das publicações consultadas para a realização do trabalho. São introduzidas no texto com o propósito de esclarecer ou complementar as ideias do autor. A fonte de onde foi extraída a informação deve ser citada obrigatoriamente, respeitando-se, desta forma, os direitos autorais. (FRANÇA, 2005, p.107).
O autor deve ser rigoroso quanto às aplicações das normas da ABNT no que se refere às inserções, principalmente quando se tratar de publicações científicas.
1 MARINHO, Pedro. A pesquisa em ciências humanas. Petrópolis: Vozes, 1980.
Obs.: nesse caso, a referência completa do texto lido (MARCONI e LAKATOS) aparecerá no final do trabalho e a da obra citada, apenas em nota de rodapé, conforme abaixo:
São informações complementares que não devem ser colocadas no interior do texto. Existem dois tipos:
Notas de Rodapé
As notas de rodapé são digitadas ao final da página, em fonte 10, com espaçamento simples. Sua chamada é feita por algarismos arábicos consecutivos em todo o trabalho.

Fique atento: Recomenda-se o uso sensato de notas de rodapé, evitando, assim, muitas quebras na leitura do texto.
As referências bibliográficas devem obedecer as normas conforme a ABNT/NBR 6023/2002. São relacionadas de acordo com as obras consultadas em ordem alfabética pelo último sobrenome, seguindo todas as instruções na norma.

Deve obedecer a estrutura:

SOBRENOME DO AUTOR, Prenome. Título em itálico: subtítulo se houver. Edição. Local (cidade): Editora, data. Número de páginas do livro.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS – APRESENTAÇÃO FORMAL
ALGUNS EXEMPLOS DE REFERÊNCIA
Livro:
SOBRENOME, Nome do Autor. Título do livro consultado em itálico. Cidade onde o livro foi editado: Nome da editora, data da publicação, número de páginas do livro (opcional).

Artigo publicado em periódicos:
SOBRENOME, Nome do Autor. Título do artigo. Título do periódico em itálico, Local da publicação (cidade), número do volume, nº fascículo, páginas inicial-final, mês-ano.

Documentos eletrônicos:
SOBRENOME, Nome do Autor. Título do texto. Local. Disponível em: <Endereço eletrônico entre brackets>. Data de acesso.

Monografias, dissertações e teses:
SOBRENOME DO AUTOR, Prenome. Título em itálico: subtítulo. Ano de apresentação. Número de páginas. Tipo do documento (monografia, dissertação ou tese), o grau, a vinculação acadêmica, local e a data da defesa.

Relatório científico:
SOBRENOME, Nome do Autor. Título do relatório em itálico. Cidade: Instituição de onde origina o relatório, ano, nº de páginas. Relatório.
Dica de como iniciar um resumo informativo:
O presente texto é uma síntese da leitura do artigo "Xxxx", de Fulano de Tal, extraído da obra "X". Tal produção teve como objetivo discutir (apresentar/mostrar/elaborar/demonstrar etc.) o assunto tal, sob a perspectiva... Para tanto, utilizou-se de...
Dica de como iniciar uma resenha crítica:
Uma análise descritiva e crítica é o que se apresenta a seguir, cujo texto-fonte foi "..." (descreva a obra, edição, editora, tema, estilo, número de páginas, ano de publicação etc.), de autoria de ... (descreve-se rapidamente algumas características do autor que lhe confiram credibilidade na produção daquele texto). Oportunamente, nesta obra, Fulano traz à tona o assunto... com o objetivo de...
Para o anverso (frente): esquerda e superior de 3cm; direita e inferior de 2cm.
Para o verso: direita e superior de 3cm; esquerda e inferior de 2cm.
No caso do anverso, no canto superior direito.
No caso do verso, no canto superior esquerdo.
Segundo França (2005), esse tipo de citação é também chamada de livre e se caracteriza pela reprodução de ideias e informações de um documento, sem a transcrição das palavras do autor.
Exemplo de citação indireta
Em outras palavras...
Referências
Referências
Em outras palavras...
3ª Fase trabalho acadêmico-científico
“É parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento.” (ABNT/NBR 6022, 2003).

Há dois tipos de artigos científicos:
O Artigo Científico – Conceito e Tipologia
- A organização textual do artigo
- Organização textual de um artigo original
- Organização textual de um artigo de revisão
- Elementos estruturais do artigo
- Formatação do artigo
A Submissão do Trabalho à Comunidade Acadêmica – a Avaliação
Tópicos desta Unidade
Fases de um Trabalho Acadêmico-Científico
A Fase do Planejamento: o Projeto de Pesquisa
A Pesquisa: Tipos e Procedimentos
Tópicos desta Unidade
Fases do trabalho acadêmico-científico
Fique atento! As fases 3 e 4 veremos detalhadamente na Unidade 5
O conhecimento religioso
Apoia-se em doutrinas que contêm proposições sagradas, supostamente reveladas por um criador divino e, por esse motivo, tais verdades são consideradas infalíveis e indiscutíveis. Baseado unicamente na fé, em seus dogmas e símbolos.

É um conhecimento valorativo, inspiracional, sistemático, não verificável, infalível, indiscutível e exato.
1ª Fase do trabalho acadêmico-científico
Planejamento: O projeto de pesquisa
Normalmente, trata-se de um texto dissertativo-expositivo sobre o assunto a ser desenvolvido.
Seu objetivo é esclarecer, conceituar e contextualizar o leitor no tema.
O texto deve ter uma estrutura afunilada, partindo do tema mais amplo para o mais específico, até advir a delimitação da sua pesquisa.
TEMA
É o recorte do assunto, é a proposta de estudo do pesquisador.

Uma boa maneira de fazer isso é delimitar a pesquisa no tempo, no espaço ou na abordagem específica.
DELIMITAÇÃO DO TEMA
 É um texto dissertativo-argumentativo que responde à pergunta “Por quê?”
Nele, o pesquisador deve convencer a comunidade acadêmico-científica da relevância da sua proposta.
Os argumentos a serem apresentados deverão estar relacionados a motivos pessoais, profissionais, científicos, sociais e/ou acadêmicos.
JUSTIFICATIVA
Este tópico responde à pergunta “Para quê?”, isto é, para que servirá a sua pesquisa? Onde você pretende chegar? O que deseja mostrar, demonstrar? Utilize frases curtas iniciadas com verbos no infinitivo.
OBJETIVOS
HIPÓTESE
Nos casos em que a delimitação da pesquisa aponta para um problema, o pesquisador deve construir uma hipótese, ou seja, uma suposta resposta para a pergunta.

É uma proposição baseada no conhecimento empírico e que será aceita ou rejeitada somente depois de ser devidamente testada.

Na proposição, utilizamos expressões indicativas de conjectura.
É o caminho da pesquisa que procura responder às seguintes perguntas:

Que tipo de raciocínio lógico utilizará?
Quais os fins e os meios da pesquisa?
Que abordagem utilizará: Quantitativa ou Qualitativa?
Qual será seu universo, amostra e sujeitos?
Serão necessários vários instrumentos de pesquisa: Questionário? Entrevista? Estudo de caso?...
Como será feita a coleta de dados? Como o pesquisador procederá para certificar-se do aspecto ético da pesquisa?
METODOLOGIA
CRONOGRAMA
É o planejamento temporal da pesquisa. Deve ser feito na forma de quadro.
REFERÊNCIAS
É a relação, sob os preceitos da ABNT, dos principais autores que já trataram do assunto e que fundamentam o estudo em questão;

Serve para demonstrar que o aluno teve contato com os conceitos e teorias básicas sobre o tema e está preparado para discutir o tema.
Identifica os tipos de pesquisa utilizados no desenvolvimento do trabalho, baseando-se nos critérios de condução do processo de investigação científica. Devem ser apresentados com o intuito de identificar o ambiente, os integrantes, as condições e estruturas do projeto a ser desenvolvido.
2ª fase do trabalho acadêmico-científico
Pesquisas: Tipos e Procedimentos
Quanto ao Raciocínio Lógico, pode ser:
Por indução, ou seja, de estudos específicos a fim de se chegar a uma generalização;
Por dedução; parte da generalização para se chegar a um caso específico.
Exploratória
Descritiva
Explicativa
Metodológica
Aplicada
Intervencionista
Bibliográfica
Campo
Documental
Experimental
Pesquisa-ação
Estudo de caso
Quanto aos Fins, pode ser:
Quanto aos Meios de Investigação, pode ser:
Qualitativa
- Entrevista não-diretiva
- Observação participante
- Análise de conteúdo
- Estudo de caso
- Questionário a focus group
Quantitativa
- Entrevista diretiva ou estruturada
- Observação sistemática
- Questionário
Quanto à Abordagem, pode ser:
Existe um compromisso ético com o leitor e com a comunidade científica.

É imprescindível a confiança na integridade da pesquisa.
Quanto ao Tratamento Ético:
trazer alguma contribuição;
resguardar os seres humanos ou não e a instituição;
prezar pelos direitos autorais;
apresentar informações fidedignas;
analisar os riscos e benefícios;
submeter-se ao comitê de ética e pesquisa;
providenciar documentação legal (termos de consentimento), quando necessário.
O RESPONSÁVEL PELA PESQUISA DEVERÁ:
Universo, amostra e sujeitos
O Artigo Científico – Conceito e Tipologia
De acordo com a regra da ABNT - NBR 6022:2003, os elementos estruturais do artigo são:
Artigo Original
A estrutura textual proposta para um artigo original é assim definida:
Artigo de Revisão Convencional
Antes de apresentar a estrutura textual proposta para um artigo de revisão convencional, apresentamos alguns tipos de revisões de narrativas convencionais:
A estrutura textual proposta para um artigo de revisão convencional é assim definida:
Para revisões bibliográficas mais rigorosas, apresentamos algumas características:
Como há uma diversidade de tipos de revisão bibliográfica com métodos mais rigorosos, uma sugestão de estrutura textual proposta para um artigo convencional é assim definida:
Algumas instituições definem a formatação das produções textuais, segundo as regras da ABNT. Vejamos algumas regras de formatação que serão essenciais para a produção dos trabalhos:
Formatação e configuração do texto
Fonte: Times New Roman

Tamanhos da fonte:
- 14 para os títulos principais;
- 12 para os títulos secundários e texto;
- 10 para citações longas, notas explicativas e legendas.

Espaçamentos:
- espaço entrelinhas 1,5 para o texto;
- espaço simples para citações longas, referência, notas explicativas, legendas e resumo;
- espaço duplo para separar os títulos dos textos.

Recuo de página:
- 4 cm da margem esquerda para citações longas.

Parágrafos:
- usar o texto justificado, indicando os parágrafos com um espaço duplo entrelinhas.
Formatação e configuração do texto
Margens:
- 3cm – margens superior e esquerda
- 2cm – margens inferior e direita

Indicativo de seção:
- usar numeração arábica, alinhada à esquerda, separado do título por um espaço (caractere);
- não usar qualquer sinal para separar a numeração do título.

Título:
- títulos de capítulos - caixa alta, negrito, tamanho 14, à esquerda;
- 2º nível de capítulo/seção - 1ª letra das palavras em maiúscula, em negrito e fonte 12;
- 3º nível em diante – 1ª letra do título em maiúscula, sem negrito e fonte 12;
- títulos novos são registrados na mesma página;
- títulos sem numeração (referências, anexos...) – centralizados, em negrito, tamanho 14 e caixa alta.

Paginação:
- as páginas são contadas a partir da folha de rosto e numeradas a partir da 2ª página;
- a numeração é apresentada em numeral arábico no canto superior direito da página;
- apêndices e anexos também são numerados sequencialmente.
Formatação e configuração do texto
Abreviaturas e siglas:
- quando aparecem pela 1ª vez no texto, deve-se colocar seu nome por extenso e entre parênteses;
- os estrangeirismos devem aparecer em itálico.

Ilustrações:
- devem ser inseridas próximo do texto a que se referem;
- sua identificação deverá aparecer na parte inferior precedida da palavra designativa (figura, desenho etc.), seguida de seu número de ordem de ocorrência, em algarismos arábicos, do respectivo título e/ou legenda e da fonte, se necessário.
Formatação e configuração do texto
Tabelas:
- numeração independente e consecutiva;
- título colocado na parte superior, precedido da palavra “Tabela” e de seu número de ordem em algarismos arábicos;
- fontes e eventuais notas aparecem em seu rodapé, após o fechamento, utilizando-se o tamanho 10. Devem ser inseridas o mais próximo possível do trecho a que se referem;
- bordas laterais não aparecem.
Figura 1 – Atlas do Meio Ambiente
Fonte: LE MONDE Diplomatique Brasil.
Tabela 1 – IDEB 2005, 2007 e Projeções para o BRASIL
Fontes: SAEB e Censo Escolar/ 2008
4ª Fase trabalho acadêmico-científico
A apresentação é a última fase do trabalho científico. Para ser legitimado como científico, o trabalho deve ser submetido à comunidade acadêmico-científica da qual o pesquisador faz parte.

A apresentação pode ocorrer de duas formas:

na modalidade escrita: o estudante entrega o texto escrito na secretaria do curso e uma comissão lê e avalia a pesquisa, divulgando, em seguida, o resultado;

na modalidade escrita associada à apresentação para bancas: além do procedimento anterior, é definido um dia para a apresentação formal a uma banca de avaliadores.
Submissão do Trabalho à Comunidade Acadêmica: Avaliação
Qual a relação entre método e conhecimento científico?
Apresenta ao pesquisador os diversos métodos que podem ser utilizados para a produção de sua pesquisa, a partir dos passos, tipos de pesquisa e ainda das possibilidades e normas que nortearão a sua produção.
COMO SE CONSTRÓI O CONHECIMENTO? ONDE SE SITUA O CONHECIMENTO CIENTÍFICO?
A ignorância impede o avanço e mantém os indivíduos prisioneiros das circunstâncias nas quais se encontram, assim, o conhecimento existe para libertar tais indivíduos e permitir que eles atuem, modificando a sua realidade em benefício individual e social. Tais conhecimentos advêm de inúmeras fontes e formas de aquisição, sendo que cada uma delas têm o seu lugar e importância.
O conhecimento científico pode sofrer interferências dos demais tipos de conhecimentos. Por exemplo, pode provocar uma pesquisa esclarecedora sobre as influências de crendices populares, mitos e rituais culturais característicos ao senso comum; ou pesquisas que questionam relações humanas baseando-se nos demais sentidos das relações da vida humana; ou ainda conhecimentos teológicos revistos para não se opor aos processos científicos atuais.
Full transcript