Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Se amor não é, qual é meu sentimento - Petrarca

No description
by

Vasco Martins

on 24 November 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Se amor não é, qual é meu sentimento - Petrarca

Se amor não, qual é meu sentimento Francesco Petrarca Se amor não é, qual é meu sentimento? tão cheia de erros, de saber tão parca, mas se é amor, por Deus, que cousa e qual? se boa, que é do efeito ásp’ro e mortal? se é má, o que é que adoça tal tormento? Se ardo a bom grado, onde é pranto e lamento? e se a mau grado, o lamentar que val’? Ó viva morte, ó deleitoso mal, tanto em mim podes sem consentimento? E em sem razão me queixo, se o tolero. E em tão contrários ventos, frágil barca me leva em alto mar e sem governo, e a tremer no estio, ardo de inverno. que eu mesmo nem sequer sei o que quero, Francesco Petrarca, nasceu a 20 de Julho de 1304 em Arezo, Itália Estudou direito, mas desde cedo se interessou pela literatura morreu a 19 de julho de 1374 "A razão fala e o sentimento morde" Petrarca Este poema pode ser clasificado... ...quanto à forma ...quanto ao conteúdo Soneto 14 versos 2 quadras, 2 tercetos tradução de Vasco Graça Moura amor sentimentos beleza textual Itália, terra de mercadores... e poetas século XIII subjetividade sujeito poético eu Se amor não é, qual é meu sentimento?

mas se é amor, por Deus, que cousa e qual?

se boa, que é do efeito ásp’ro e mortal?

se é má, o que é que adoça tal tormento?



Se ardo a bom grado, onde é pranto e lamento?

e se a mau grado, o lamentar que val’?

Ó viva morte, ó deleitoso mal,

tanto em mim podes sem consentimento?



E em sem razão me queixo, se o tolero.

E em tão contrários ventos, frágil barca

me leva em alto mar e sem governo,



tão cheia de erros, de saber tão parca,

que eu mesmo nem sequer sei o que quero,

e a tremer no estio, ardo de inverno. Rima
Interpolada Rima
Interpolada Esquema Rimático a

b

b

a



c

d

d

c



e

f

g



f

e

g Rima Cruzada Rimas externas Divisão Silábica 10 10 Sílabas Métricas tão / chei / a / de / e / rros, / de / sa / ber / tão / par / ca,

que / eu / mes / mo / nem / se / quer / sei / o / que / que / ro,

e / a / tre / mer / no / es / ti / o, / ar / do / de / in / ver / no. Sílabas Gramaticais Se / a / mor / não / é /, qual/ é / meu / sen / ti / men / to?

mas / se / é / a / mor/, por / Deus, / que / cou / sa / e / qual?

se / boa /, que / é / do / e / fei / to / ás/ p’ro / e / mor / tal?

se / é / má, / o / que / é / que / a / do / ça / tal / tor / men / to?
Se / ar / do / a / bom / gra / do, / on / de / é / pran / to / e / la / men / to?

e / se / a / mau / gra / do, / o / la / men / tar / que / val’?

Ó / vi / va /mor / te, / ó /de / lei / to / so / mal,

tan / to / em / mim / po / des / sem / con / sen / ti / men / to?
E / em / sem / ra / zão / me / quei / xo, / se / o / to / le / ro.

E / em / tão / con / trá / ri / os / ven/ tos, / frá / gil / bar / ca

me / le/ va / em / al / to / mar / e / sem / go / ver / no, Se a /mor/ não / é / , qua / l é / meu / sen /ti / mento?

mas/ se é /a/mor/, por /Deus,/ que /cou/sa e /qual?

se / boa /, que é /do e / fei / to / ás / p’ro / e / mort / al?

se é / má / , o / que é / que a / do / ça / tal / tor / mento? 12 12 13 tão cheia de erros, de saber tão parca,

que eu mesmo nem sequer sei o que quero,

e a tremer no estio, ardo de inverno. Se amor não é, qual é meu sentimento?

mas se é amor, por Deus, que cousa e qual?

se boa, que é do efeito ásp’ro e mortal?

se é má, o que é que adoça tal tormento?

Se ardo a bom grado, onde é pranto e lamento?

e se a mau grado, o lamentar que val’?

Ó viva morte, ó deleitoso mal,

tanto em mim podes sem consentimento?
E em sem razão me queixo, se o tolero.

E em tão contrários ventos, frágil barca

me leva em alto mar e sem governo, 14 16 12 11 12 12 + 12 + 13 + 14 = 51

16 + 12 + 11 + 12 = 51 13 13 12 12 12 14 13 + 13 + 12 = 37

12 + 12 + 14 = 37 10 10 Rima
Emparelhada Rima
Emparelhada Recursos Estilísticos Antítese Apóstrofe Anáfora Antítese Interrogação Retórica Esquema Regular Apresentação Oral realizado por Vasco Martins Obrigado pela Atenção E em tão contrários ventos, frágil barca me leva em alto mar e sem governo, Decassílabo 10 sílabas métricas
Full transcript