Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Trabalho de bio Leishmaniose

No description
by

Mario Jr

on 24 April 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Trabalho de bio Leishmaniose

Leshmaniose
O que é a
Leshmaniose?
A leshimaniose é uma doença causada por parasitas (protozoário
Leshimania
) que invadem e
se reproduzem dentro de células
que fazem parte do
sistema imunológico
(
macrófagos
) da pessoa infectada.
Dividida em dois tipos:
Visceral
(popularmente conhecida como
“calazar”
) que atinge principalmente as
vísceras
(
baço
e
figado
).
Cutânea
ou
tegumentar
(popularmente conhecida como
“ úlcera de bauru”
), esta causa ferimentos como úlceras, em várias partes do corpo.
Modo de Aquisição:
Reservatórios de protozoários
protozoário leshmania
Mosquito comum
Atuação no organismo:
Fígado
baço
promastigotos
macrófago
promastigoto
amastigotos
macrófogo
Plasmoptise do macrofago
os amastigotos
se transformam em promastigotos.
Viceral:
Tegumentar:
Atinge apenas a pele ( derme, epiderme e hipoderme ), causando feridas purulentas chamadas " úlceras de bauru ".

elas se localizam no lugar da picada do mosquito-palha, geralmente na boca, nariz, braços, etc.

existem cerca de vinte tipos de leshmania que causam a leshmaniose cutÂnia.


viceral = tegumentar
Alterações:
Sintomas:
Diagnóstico:
Tratamento:
dados
epidemiológicos:
- Espelonomegalia -> inchaço do baço
-hepatomegalia -> inchaço do fígado
-poliadenia -> inchaço dos linfondos
- hiperplasia da medula óssea -> falha na produção de produção de células no sangue.
febre intermitente (duração de semanas);
fraqueza;
perda de apetite;
sangramentos;
anemia;
inchaço do abdômen.
Visceral:
Tegumentar:
feridas: pequenas, indolores, com fundo granuloso e purulento, com bordas avermelhadas;
febre
mal-estar
cala frios.
Tegumentar:
muitos médicos confundem com outras doenças como: malária,febre tifóide e doença de chagas.

Ele pode ser feito através de testes sorológicos (Elisa reação de imunoflorescência).
Viceral:
Não há disponível no mercado vacina(s) para o animal. a solução é a eutanásia.

JÁ EXISTEM DROGAS (MEDICAMENTOS) QUE POSSIBILITEM O TRATAMENTO HUMANO ( antimoniais tetravalentes,Anfotericina b,pentamidina ).
viceral:
As lesões podem regredir espontaneamente ou a cura se obtém com o uso dos mesmos medicamentos usados na leshimaniose visceral.
O diagnostico se dá através do aspecto clinico das feridas e também através de testes laboratoriais (parasitologia, ou não e reação intradérmica de Montenegro.)
BARRIGA D´AGUA
Tegumentar:
deixando de ser encontrados em áreas rurais.
Flebótomo
métodos
preventivos:
mantenha sua residência e seu quintal limpo;
embale sempre o lixo;
evite abrir suas janelas no período de amanhecer e entardecer;
evite residir em áreas úmidas, escuras e perto de florestas;
usar sempre repelentes;
evitar também tomar banho de rios.
pASSANDO A SER ENCONTRADOS EM ÁREAS URBANAS.
grupo:
IAN SMITH, LUIZA MOURA,GABRIEL FARIAS, FERNANDa suazo, thyago silva e mario jr.
turma:
2° ano b
Bibliografia
http://www.cve.saude.sp.gov.br/agencia/bepa26_lta.htm

http://drauziovarella.com.br/letras/c/leishmaniose-visceral-calazar/

http://drauziovarella.com.br/letras/l/leishmanose-tegumentar-ou-cutanea/

http://www.brasilescola.com/doencas/leishmaniose-visceral.htm

http://www.brasilescola.com/doencas/leishmaniose-tegumentar.htm
Pesquisas Recentes
https://www.ufmg.br/online/arquivos/032025.shtml
Full transcript