Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Câncer de Próstata

No description
by

Laís Barbosa

on 30 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Câncer de Próstata

Câncer de Próstata
Hiperplasia Benigna da Próstata
O termo HBP designa o aumento de volume da glândula protática, que é acompanhada por uma série se sintomas irritantes e obstrutivos do trato urinário inferior, que são muito característicos.
Câncer de Próstata
Tumor maligno da próstata.
O que é a próstata?
A próstata é uma glândula do sistema reprodutor masculino (com a forma de maçã) localizada abaixo do colo vesical, anterior ao reto, e é atravessada pela uretra.

Função reprodutiva e secreta líquido prostático:
-Liquefação do coágulo seminal;
-Capacitação e proteção dos espermatozóides.
Patologias
P.L.O., 63a, ao procurar o serviço de saúde apresentava-se com polaciúria, redução da pressão miccional, noctúria e impotência. Durante o exame de toque retal constatou-se que a próstata apresentava-se aumentada, nodular, sem regiões endurecidas. Realizou-se a dosagem de PSA com resultado de 6 ng/mL. Posteriormente, foi feito ultra-som transuretral e biópsia prostática, que foram negativos para a presença de neoplasia maligna. Quinze anos depois, P.L.O. ao passar por uma consulta de rotina apresentou dor perineal e lombar, tenesmo, incontinência urinária, disúria, impotência e hematospermia. Ao toque retal observou-se a próstata endurecida e com contornos irregulares. Resultado laboratorial para o exame de PSA=103 ng/mL. Um raio-x da coluna vertebral revelou numerosas lesões ósseas radio densas. Foi realizada uma ressecção da glândula prostática e orquidectomia bilateral.

Estudo de caso
Hiperplasia x Hipertrofia
Envelhecimento
Fator de risco mais forte.
Presente em 70% dos homens aos 80 anos de idade
Raça
Os negros são mais afetados que os brancos, não se sabendo se por influencia genética, ambiental ou ambas.
Genéticos
Aumenta de duas-três vezes se houver um parente em primeiro grau afetado. Cerca de 10% dos casos podem ser explicados pela herança de gênes autossômicos dominantes.
Androgênios
Raro em homens castrados antes
da puberdade.
Raro de houver deficiência da enzima 5a-redutase.
Fatores de Risco Suspeitos
Dieta ocidental: Alta incidência se dieta for rica em carne vermelha e gordura, e baixa se for rica em vitamina A.
Ambientais: Contato com substâncias quimicas industriais e trabalhadores de industrias nucleares correm maior risco.
Vasectomia: Pequeno risco relativo, porém não comprovado.
Câncer de Próstata
Existe um aumento do número de células da próstata (daí a designação “Hiperplasia” e não, como anteriormente, “Hipertrofia”, que quer dizer apenas aumento de tamanho, de volume).
Respondendo a questão "Qual a incidência desse tipo de tumor na população brasileira?"
A próstata é formada por três zonas distintas:

CENTRAL;

PERIFÉRICA;

TRANSIÇÃO.

No Brasil...
Estimativa para o ano de 2014 e 2015: aponta para 576 mil casos novos de câncer, reforçando a magnitude do problema de câncer no país.



Sendo 69 mil
CÂNCER DE PRÓSTATA
(INCA)
Respondendo a questão "Quais são os fatores de risco para câncer de próstata?"

Pode ser silencioso;

São semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (incontinencia urinária, disúria);

Fase avançada: dor perineal e lombar, hematoespermia, tenesmo;

Sintomas sistêmicos: fraqueza, cansaço, fadiga, emagrecimento, anemia.


Sintomas
Dificuldade para iniciar a micção;
Polaciúria;
Noctúria;
Redução da pressão miccional;
Impotência;
Esvaziamento incompleto da bexiga.

Fatores de Risco
Referências
Respondendo a questão "O HPB pode ser considerado um fator de risco para o Câncer de Próstata?
Comparando os achados clínicos e laboratoriais na primeira vez em que P.L.O procurou o serviço com os detectados 15 anos depois.
Sintomas
Diagnóstico
PSA
Valor sérico normal é de 4 ng/ml, embora haja um pequeno aumento do PSA com a idade e o aumento do tamanho da próstata.
Toque Retal
Ultra-som
Utilização de uma sonda de ultra-som que é introduzida no reto para examinar a próstata.
Serve como guia para a biópsia.
Quinze anos depois, P.L.O. ao passar por uma consulta de rotina apresentou dor perineal e lombar, tenesmo, incontinência urinária, disúria, impotência e hematospermia. Ao toque retal observou-se a próstata endurecida e com contornos irregulares. Resultado laboratorial para o exame de PSA=103 ng/mL. Um raio-x da coluna vertebral revelou numerosas lesões ósseas radio densas.
Diagnóstico
PSA
Toque Retal
Raio-X

BRUM, Ilma Simoni; SPRITZER, Poli Mara; BRENTANI, Maria Mitzi. Biologia molecular das neoplasias de próstata. Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo , v. 49, n. 5, Oct. 2005 .

GARDNER, E; GRAY, D.J; O’ RAHILLY, R. Anatomia: estudo regional do corpo humano; Tradução LIBERATO J.A. DI DIO. – Rio de Janeiro: LIVRARIA EDITORA GUANABARA KOOGAN S.A, 1964.

GOMES, Romeu et al . A prevenção do câncer de próstata: uma revisão da literatura. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 13, n. 1, Feb. 2008 .

INSTITUTO NACIONAL DE CÃNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. Disponível em < http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/inca/portal/home>. Acesso em: 26 de maio de 2014.

MEDEIROS, Adriane Pinto de; MENEZES, Maria de Fátima Batalha de; NAPOLEAO, Anamaria Alves. Fatores de risco e medidas de prevenção do câncer de próstata: subsídios para a enfermagem. Rev. bras. enferm., Brasília , v. 64, n. 2, Apr. 2011 .

Otto, Shirley E.
Oncologia / Shirley E. Otto, revisão técnica de Marléa Chagas Moreira; tradução Ivan Lourenço Gomes, Maria Angélica Borges dos Santos. – Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, 2002.

SOCIEDADE PORTUGUESA DE ONCOLOGIA. Disponível em < http://www.sponcologia.pt/ >. Acesso em: 26 de maio de 2014.

SPENSE, R.A.J; JOHNSTON, G. P. ONCOLOGIA; Tradução Cláudia Lúcia Caetano de Araújo. – Rio de Janeiro: Editora Guanabara Roogan S.A.,2003.
Srougi M, Ribeiro LA, Piovesan AC, Colombo JR, Nesrallah A. Doenças da próstata. Rev Med (São Paulo). 2008 jul.-set.;87(3):166-77.

Feito para indicar presença de lesões ósseas.
Qual o provável diagnóstico de P.L.O quando ele procurou o serviço pela primeira vez?
Full transcript