Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Aristóteles

Trabalho de Filosofia
by

Bárbara Redivo

on 26 March 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Aristóteles

Aristóteles ''O homem que é prudente não diz tudo quanto pensa, mas pensa tudo quanto diz.'' Você sabe quem foi Aristóteles? Aristóteles nasceu em 384 a.C. em Estágira, uma colônia localizada no reino da Macedônia, no norte da Grécia. O pai de Aristóteles, Nicômaco, era médico do rei Amintas, e deu ao filho estrutura para construir e solidificar seus estudos. Aos 17 anos, Aristóteles ingressou na Academia de Platão, em Atenas. Logo se tornou o discípulo predileto do mestre. "Minha Academia se compõe de duas partes: o corpo dos alunos e o cérebro de Aristóteles", afirmava Platão. Aristóteles elaborou um sistema filosófico no qual abordou e pensou sobre praticamente todos os assuntos existentes, como a geometria, física, metafísica, botânica, zoologia, astronomia, medicina, psicologia, ética, drama, poesia, retórica, matemática, e sobretudo lógica. Com a morte de Platão (347 a.C.), Aristóteles deixa Atenas e se muda para academia de Assos, onde se casa com Pítias, filha de Hermeias rei de Assos. Em 344 a.C Hermeias é deposto e Aristóteles se muda para Mytilene na ilha de Lesbos, onde se associa com Teofrastos também formado pela academia de Platão e fazem importantes estudos em biologia. No ano seguinte, Felipe II, rei da Macedônia, convida Aristóteles para morar em sua residência e ser o tutor de seu filho Alexandre, que mais tarde viria a ser O Grande, que na época tinha 13 anos de idade. Em 335 a.C Felipe II morre, e O Grande sobe ao trono. Aristóteles volta então para Atenas onde funda sua própria escola, chamada Liceu, onde ao contrário de da academia de Platão, privilegiava as ciências naturais. Durante este período Pítias morre e Aristóteles casa-se com Erfílis, deste casamento nasce Nicômaco. Com a morte de Alexandre, em 323 a.C., houve um aumento do sentimento antimacedônico em Atenas. E, além disso, o partido nacionalista foi reativado por Demóstenes. Tudo isso deixou a situação de Aristóteles delicada. Foi acusado, assim como Sócrates, de impiedade e teve que se retirar de Atenas, deixando a Teofrasto sua escola. Aristóteles morreu em 322 a.C., aos 62 anos, em Cálcia, na Eubéia. ''Justo e Injusto” Liberal e Pródigo O homem precisa ser “Temperante” – desejar as coisas que deve desejar, da maneira certa. • Este sabe certamente ser “Liberal”, sem ter prendimento em seus bens quando se trata de ajudar o seu próximo que passa por dificuldades, sem se preocupar com seu feito. • Já o ser “Pródigo” ama mais a riqueza do que a si mesmo. Gosta de ganhar dinheiro e não dá-lo, ajudando a quem precisa. • Como o ser liberal é o contrário do pródigo, não se torna comum ver as duas características na mesma pessoa. • Outra característica seria a magnificência – sabe gastar boas quantias de um jeito certo, irá fazer tudo com prazer e sem prendimento. Todo magnificente é liberal, porém quer sempre ser notado pela prática de seu feito, esbanjando brilhantismo e honra. Principais Frases "O verdadeiro discípulo é aquele que consegue superar o mestre." "A principal qualidade do estilo é a clareza." "O homem livre é senhor de sua vontade e somente escravo de sua própria consciência." "Devemos tratar nossos amigos como queremos que eles nos tratem." "O verdadeiro sábio procura a ausência de dor, e não o prazer." “Enquanto as leis forem necessárias, os homens não estarão capacitados para a liberdade”. ‘Se as coisas não acontecem como desejamos, deveríamos desejá-las do modo que elas acontecem.” “Não existe um grande gênio sem uma pitada de loucura”. “Nosso caráter é o resultado da nossa conduta”. Principais teorias Aristóteles Teoria do conhecimento Aristóteles tinha um interesse profundo pela natureza, realizando grandes processos em biologia e física, sem descuidar dos assuntos humanos, como a ética e a política. Onde ele defendia a tese que os pensamentos não surgem do contato de nossa alma com o mundo das idéias, mas da experiência sensível. "Nada está no intelecto sem antes ter passado pelos sentidos". Mas nossa razão não é apenas receptora de informações. Aliás, o que nos distingue como seres racionais é a capacidade de conhecer. Segundo Aristóteles, as coisas podem estar em ato ou em potência. Por exemplo, uma semente é uma árvore em potência, mas não em ato. Quando germina, a semente torna-se árvore em ato. O movimento é a passagem do ato à potência e da potência ao ato. Por outro lado, se as coisas mudassem completamente ao acaso, não poderíamos conhecê-las. Conhecer é saber qual a causa de algo. Se tenho uma dor de estômago, mas não sei a causa, também não posso tratar-me. Conhecendo a causa é possível saber não só o que a coisa é, mas o que se tornará no futuro. Pois, se determinado efeito se segue sempre de uma determinada causa, então podemos estabelecer leis e regras, tal como se opera nos vários ramos da ciência. Aristóteles distingue a existência de quatro causas diferentes e complementares:

Causa material: de que a coisa é feita? No exemplo da casa, de tijolos.

Causa eficiente: o que fez a coisa? A construção.

Causa formal: o que lhe dá a forma? A própria casa.

Causa final: o que lhe deu a forma? A intenção do construtor. Teoria da escravidão “O escravo é um objeto de propriedade e instrumento de produção” Aristóteles inicia, como costuma fazer, por uma observação da realidade da escravidão assim como era vivenciada no seu tempo e, utilizando a linguagem ordinária, apresenta as primeiras duas características que definem o escravo: ele é um objeto de propriedade do senhor e um instrumento de produção.Ao mesmo tempo, Aristóteles define o escravo como instrumento animado e instrumento de ação e não como instrumento de produção. Nesse contexto, a distinção marca a diferença entre os instrumentos destinados “além do uso que se faz deles”, à produção de outros bens como a lançadeira e aqueles destinados ao uso em si mesmo, como a cama. Ambos são necessários para a vida, mas a vida é essencialmente ação e não produção, isto é, atividade cujo fim não é externo ao homem, mas que consiste no contínuo aperfeiçoamento e cumprimento das potencialidades humanas através da educação, do hábitos e do exercício das virtudes. Teoria da respiração Em seus tratados biológicos, Aristóteles estuda o processo de respiração no homem e nos animais, concluindo que se trata de um fenômeno de refrigeração, destinado a controlar o calor inato dos seres vivos.
Ele analisa como se processaria esse fenômeno, em varias classes de animais, desenvolvendo observações, dissecações anatômicas e experimentos com animais. Proporciona um sistema teórico coerente. Pensamento Ético No sistema aristotélico, a ética é a ciência das condutas, menos exata na medida em que se ocupa com assuntos passíveis de modificação. Ela não se ocupa com aquilo que no homem é essencial e imutável, mas daquilo que pode ser obtido por ações repetidas, disposições adquiridas ou de hábitos que constituem as virtudes e os vícios. Seu objetivo último é garantir ou possibilitar a conquista da felicidade. Partindo das disposições naturais do homem (disposições particulares a cada um e que constituem o caráter), a moral mostra como essas disposições devem ser modificadas para que se ajustem à razão. Estas disposições costumam estar afastadas do meio-termo, estado que Aristóteles considera o ideal. Assim, algumas pessoas são muito tímidas, outras muito audaciosas. A virtude é o meio-termo e o vício se dá ou na falta ou no excesso. Por exemplo: coragem é uma virtude e seus contrários são a temeridade (excesso de coragem) e a covardia (ausência de coragem). As virtudes se realizam sempre no âmbito humano e não têm mais sentido quando as relações humanas desaparecem, como, por exemplo, em relação a Deus. Totalmente diferente é a virtude especulativa ou intelectual, que pertence apenas a alguns (geralmente os filósofos) que, fora da vida moral, buscam o conhecimento pelo conhecimento. É assim que a contemplação aproxima o homem de Deus. RESUMINDO:
Full transcript