Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

A Historia da Publicidade e Propaganda no Brasil de 1808 à 1

No description
by

Diego Correia

on 16 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A Historia da Publicidade e Propaganda no Brasil de 1808 à 1

A História da Propaganda no Brasil
1808 à 1900

Por volta de 1821 surgiu O Diário de Rio de Janeiro, o primeiro jornal diário que sobrevivia apenas de anunciantes e não mais de assinaturas.
Os grandes anunciantes da época eram então os Hotéis, as lojas de confecção e os Fabricantes de remédios.

Com isso surgi os jornais Mequetrefe e O Mosquito que inauguraram as propagandas ilustradas com desenhos, litogravuras e logotipos que passaram a ocupar um espaço cada vez maior, sobretudo depois de 1898, quando surgiu O Mercúrio, jornal de propaganda comercial impresso em duas cores.
Referência:
<http://madcap.com.br/publicidade/1880-1900>

http://pt.scribd.com/doc/23226078/1-Historia-da-Propaganda-ok
No Brasil a história da publicidade e propaganda, tem inicio no século XIX quando o desenvolvimento econômico promove um crescimento urbano capaz de obrigar diferentes atividades profissionais e setores de negócios que necessitam comunicar sua existência no mercado.
Exatamente no ano de 1808 nasce o jornal Gazeta do Rio de Janeiro, o primeiro jornal periódico que publicou o mais antigo anúncio de que se tem noticia: “Quem quiser comprar uma morada de casas de sobrado com frente para Santa Rita, fale com Joaquina da Silva, que mora nas mesmas casas...”
Full transcript