Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

MUSICA POPULAR BRASILEIRA

No description
by

Bruna Aveiro

on 5 August 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of MUSICA POPULAR BRASILEIRA

O Brasil para para ouvir as vozes de :
Uma grande atração dos festivais da Record
As personalidades do momento
No topo das paradas musicais
Jovem Guarda
* "Alegria, Alegria" - Caetano Veloso


* "Tropicalia" - Caetano Veloso


* "Disparada" - Jair Rodrigues


* "Caminhando" - Geraldo Vandré


* "Eu sou Terrivel" - Roberto Carlos




A Jovem Guarda foi um programa de televisão surgido em meados da década de 1960, que mesclava música, comportamento e moda.
Surgida em agosto de 1965, a partir de um programa televisivo exibido pela TV Record, em São Paulo, apresentado pelo cantor e compositor Roberto Carlos, conjuntamente com o também cantor e compositor Erasmo Carlos e da cantora Wanderléa, a Jovem Guarda deu origem a toda uma nova linguagem musical e comportamental no Brasil. Sua alegria e descontração transformaram-na em um dos maiores fenômenos nacionais do século XX.
$1.25
Quinta-Feira, 11, Junho, 1964
Vol XCIII, No. 311
Esses festivais foram uma série de programas transmitidos por algumas emissoras de televisão brasileira entre os anos de 1965 a 1985. Esses festivais consolidaram a música popular brasileira, além de revelar e consolidar grandes compositores e interpretes da nossa música
Festivais
Movimento Tropicalista
Esses festivais eram realizados principalmente na cidade de São Paulo, sendo transmitidos a várias regiões do país, atingindo elevada audiência.

Devido a grande participação do público, que torcia de forma apaixonada por suas canções e intérpretes favoritos, esses festivais – assim como os compositores e intérpretes que deles participavam – passaram a ser sistematicamente vigiados pelos agentes DOPS, como passíveis de subversão contra a moral e o sistema nacional. Mas fora isso a marca do festival de musica é a oportunidade para jovens talentos mostrarem seu trabalho. Nisso alguns alcançam o estrelato outros não.
Foi um movimento surgido em 1967 que revolucionou o modo de fazer a música popular brasileira. Ele chamou a atenção do público na terceira edição do Festival de MPB da emissora Record. Nesse show, Caetano Veloso cantou Alegria, Alegria acompanhado por guitarras elétricas. Foi um escândalo, já que elas eram consideradas ícones do imperialismo americano). Mas o objetivo era exatamente este: arejar a elitista e nacionalista cena cultural brasileira, tornando nossa música mais universal e próxima dos jovens.
Jornal Brasileiro
O movimento tropicalista não possui como objetivo principal utilizar a música como “arma” de combate político à ditadura militar que vigorava no Brasil. Por este motivo, foi muito criticado por aqueles que defendiam as músicas de protesto. Os tropicalistas acreditavam que a inovação estética musical já era uma forma revolucionária.
Caetano Veloso
Caetano sempre demonstrou uma posição política ativa e esquerdista, ganhando por isso a inimizade do regime militar Por esse motivo, as canções foram frequentemente censuradas neste período, e algumas até banidas. Em 27 de dezembro de 1968, Caetano e o parceiro Gilberto Gil foram presos, acusados de terem desrespeitado o hino nacional e a bandeira brasileira. Foram levados para o quartel do exército de Marechal Deodoro, no Rio, e tiveram suas cabeças raspadas. Ambos foram soltos em 19 de fevereiro de 1969 e seguiram para salvador, onde tiveram de se manter em regime de confinamento.




Em julho de 1969, após dois shows de despedida no teatro Castro Alves, no dia 20 e 21, Caetano e Gil partiram com suas mulheres, para o exílio na Inglaterra. O espetáculo, precariamente gravado, se transformou no disco Barra 69, de três anos mais tardes.
Chico Buarque e Geraldo Vandré
Apesar de possuir um talento admirável Chico Buarque fora muito criticado devido o protesto sutil e lirismo encontradas em suas canções, muitas vezes considerada alienante pelos militantes da época. Chico foi o cantor mais censurado durante a ditadura, pois suas canções além de fazer protesto ao governo, traziam letras que desafiavam os costumes morais da época.
Geraldo compôs “Pra não dizer que não falei das flores”, um hino contra a ditadura. Nessa canção, Geraldo enfatizava as injustiças, destacava a presença do exército nas ruas e convocava as pessoas para se unirem na luta contra a ditadura .
Geraldo foi preso, torturado e exilado, mas “Caminhando” é um clássico da música popular brasileira e, com certeza, deve incomodar até hoje.
AI-5
O AI-5 (Ato Institucional número 5) foi o quinto decreto emitido pelo governo militar brasileiro (1964-1985). É considerado o mais duro golpe na democracia e deu poderes quase absolutos ao regime militar. Redigido pelo ministro da Justiça Luís Antônio da Gama e Silva, o AI-5 entrou em vigor em 13 de dezembro de 1968, durante o governo do então presidente Artur da Costa e Silva.


- Proibia manifestações populares de caráter político;

- Impunha a censura prévia para jornais, revistas, livros, peças de teatro e músicas.
http://imguol.com/c/infograficos/2013/noticias/AI5/45-anos-ai5.jpg?v2
A Influência da Censura na Música Popular
Um grupo que se destacou na luta contra a opressão foi o dos artistas: atores, músicos, cineastas, artistas plásticos, poetas, escritores... Cada um contribuía questionando os fatos e informando a população, apesar de censurados pelos órgãos opressores. Os músicos populares brasileiros descreveram os horrores da ditadura nos mínimos detalhes que perpetuam até os dias atuais, trazendo à tona toda a covardia aplicada contra nosso povo.


A censura não obedecia critério algum e censurava por questões políticas ou pela proteção dos bons costumes e da moral da família. E muitas vezes os censores “sugeriam” mudanças caso o artista quisesse ter sua música aprovada.



Mas alguns músicos acharam uma brecha e deixaram para a posteridade seu pesar. Um dos mais ilustres artistas militantes foi Milton Nascimento, compôs uma música que reflete bem a situação da época. “Cálice” traz referências ao Santo Cálice de Cristo e a uma passagem bíblica (Pai, afasta de mim esse cálice, de vinho tinto de sangue), mas é uma metáfora com o verbo “calar”.
Para censurar a produção cultural foi criada a Divisão de Censura de Diversões Públicas (DCDP), onde qualquer tipo de produção voltada à área cultural deveria ser previamente aprovada antes de ser distribuída em meios públicos.
Em 2 de abril de 1964, os militares, apoiados pelos Estados Unidos, derrubaram o governo de João Goulart e tomaram o poder. Estava instaurada a Ditadura Militar no Brasil. Milhares de pessoas foram agredidas, torturadas e assassinadas. Outros milhares desapareceram. Sob o pretexto de redemocratizar o país, limpando-o da escória, como comunistas e outros seres pensantes (possíveis ameaças à ditadura), inaugurou-se um período de terror (e vergonha) nas terras tupiniquins

youtube.com/watch?v=zuSIbGRa91g
2:44
Full transcript