Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

brconsult2

No description
by

Thiago Alves

on 5 January 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of brconsult2

INTRODUÇÃO (recortes)
As organizações contemporâneas, a cada dia com maior frequência, precisam se alimentar de informações e de dados estratégicos, como matéria prima essencial, para elaborar o conhecimento vital sobre a cadeia de valor correlacionada às suas práxis e razão maior de suas existências e finalidades, enquanto agentes de transformação da sociedade. Mas, possuir, simplesmente, um amontoado de conhecimentos, por si só, não assegura garantia de eficiência, de eficácia e muito menos de efetividade no cumprimento da missão institucional. Nesse sentido, a gestão do conhecimento assume o papel de ativo mais importante.
Trata-se, realmente, de uma leitura indispensável, inteligente, oportuna e verdadeiramente contextualizada para todos aqueles que desejam focar estrategicamente o setor e intervir nele, de forma proativa, assumindo novas posturas e atitudes que possam contribuir de maneira transformadora para o fortalecimento da economia paraibana; a força que vem do campo!







Almiro de Sá Ferreira
Superintendente do SENAR
PREFÁCIO (recortes)

Na verdade, faltava este documento para entender o agronegócio do Estado da Paraíba, sua atualidade, potencialidades e cenários. Temos, todos nós um árduo e longo trabalho para os próximos anos, pois os desafios são inúmeros, tais como, restaurar e conservar os solos do Estado, que estão bastante degradados, otimizar as nossa áreas a serem irrigadas, que não chegam a 200.000 hectares, dentro das modernas técnicas da ciência da irrigação e drenagem, fazer o zoneamento de risco climático para todas as culturas com potencial de serem exploradas, incrementar a verticalização de todas as cadeias produtivas com elevada probabilidade de sucesso, incrementar a capacitação da mão de obra em todos os níveis no agronegócio e se preparar para os períodos de secas e o aumento dos problemas que poderão ser amplificados pelo efeito estufa em nível global no planeta.







Napoleão Beltrão
Chefe da EMBRAPA Algodão

Um documento orientador da realidade e das potencialidades agropecuárias da Paraíba. Este trabalho apresenta aspectos econômicos e sociais da agropecuária paraibana, suas potencialidades e outras informações relevantes como a estrutura fundiária, os programas e projetos de apoio ao desenvolvimento do setor agropecuário em todo o Estado, os mercados atuais e potenciais, as organizações associativas dos produtores e as demandas por Formação Profissional Rural e Promoção Social. O compêndio do Cenário da Agropecuária do Estado da Paraíba investiga um elenco de mais de 30 atividades produtivas que são divididos em produtos de lavouras temporárias e produtos de lavouras permanentes, pequenos, médios e grandes animais.






Mário Antonio Pereira Borba
- Presidente-
Conselho Administrativo
SENAR Paraíba
Contribuintes do SENAR-PB
Fonte: Sistema de Acompanhamento e Arrecadação do SENAR - SAAS
PRINCIPAIS CONTRIBUINTES DO SENAR NA PARAÍBA
sistema de comunicação e divulgação;

modelo metodológico;

planejamento das atividades;

qualificação dos recursos humanos do SENAR;

atendimento às expectativas e necessidades da clientela;

satisfação referente aos serviços ofertados;

conhecimento sobre a importância do papel do SENAR pelo público em geral;

imagem do SENAR como Instituição de Formação Profissional;

atendimento às demandas de treinamento dos produtores e as;

contribuições dos cursos e treinamentos na melhoria e organização dos processos produtivos e ocupação remunerada.
Demandas Identificadas e Ações de Capacitação e Organização para o fortalecimento do Setor Rural, considerando:
Produtividades Alcançadas
Produtividades Alcançadas
Produtividades Alcançadas
Aspectos Educacionais no meio Rural
Fonte: IBGE / SIDRA – PAM 2010.
Dimensão Econômica do Estado da Paraíba
Apresentação
Prefácio
Introdução
Missão
Contextualização do Trabalho
Caracterização básica do Estado da Paraíba
Regionalização do Estado da Paraíba
Estrutura Fundiária da Paraíba
Dimensão Econômica da Agropecuária no Estado da Paraíba
Lavouras Temporárias
Lavouras Permanentes
Pecuária
As dez Atividades Agropecuárias mais representativas do Estado da Paraíba
Participação do Setor Agropecuário nas Exportações Paraibanas
Participação das Principais Atividades Produtivas do Setor Agropecuário em relação ao Nordeste e ao Brasil
Dimensão Social da Agropecuária no Brasil e no Estado da Paraíba
Empregos gerados pela Agropecuária no Brasil e no Estado da Paraíba
Aspectos educacionais e de formação da Renda no Meio Rural no Estado da Paraíba
Dimensão Técnica da Agropecuária do Estado da Paraíba
Principais Contribuintes do SENAR na Paraíba
Anexos
Conteúdos
A ovinocaprinocultura desenvolvida no Estado da Paraíba é formada por rebanhos definidos por raças próprias da região Nordeste, na sua maioria, puras e mestiças melhoradas. Os rebanhos criados são vocacionados para a produção de leite (caprinocultura) e carne. A comercialização do leite é feita atualmente para o Programa Fome Zero e para a fabricação de queijos artesanais. São mais de 18.000 litros de leite de cabra diários, beneficiados em 08 (oito) laticínios, para um rebanho de aproximadamente 600.000 caprinos e 433.000 ovinos. A comercialização é feita mediante o abate dos animais ou vendidos em feiras livres. A atividade conta com amplas pesquisas por parte da EMEPA (Fazenda Pendência) e o Projeto APRISCO gerido pelo SEBRAE com a parceria do SENAR-PB
OVINOCAPRINOCULTURA
Aspectos Gerais sobre as Cadeias Produtivas
É a atividade que ocupa predominantemente as áreas de produção das Mesorregiões da Mata e do Agreste Paraibano. É plantada em regime de sequeiro e irrigada, em terrenos de várzeas e tabuleiros costeiros. Atividade ligada à agroindústria sucroalcooleira é produzida por pequenos, médios e grandes produtores. Os produtores/fornecedores possuem um bom nível de organização e as agroindústrias uma associação e sindicato bem estruturado. A produção é destinada à fabricação de açúcar, álcool, cachaça, aguardente, vinagre, rapadura, ração animal, fertilizantes, energia e etanol em usinas, destilarias e engenhos Industriais.
CANA-DE-AÇUCAR
Aspectos Gerais sobre as Cadeias Produtivas
Formação de Renda no meio Rural
Participação do Setor Agropecuário nas Exportações Paraibanas
As dez Atividades Agropecuárias mais representativas do Estado
Fonte: IBGE / SIDRA – PPM 2010 e Fontes Institucionais, Empresas e Técnicos especializados.
Fonte: IBGE / SIDRA – PAM 2010.
Estrutura Fundiária do Estado da Paraíba
Estrutura Fundiária do Estado da Paraíba
O Estado possui extensão territorial de 56.469,46 quilômetros quadrados, divididos em 223 municípios distribuídos pelas mesorregiões da Mata Paraibana, Agreste, Borborema e Sertão e dentro destas, 23 microrregiões. Conforme dados do Censo Demográfico de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população paraibana totaliza 3.766.528 habitantes, sendo o quinto estado mais populoso do Nordeste brasileiro. Esse contingente populacional corresponde a 1,97% da população nacional.
Caracterização Básica do Estado da Paraíba
Uma Contribuição para nortear formulações de políticas e ações estratégicas para o desenvolvimento Agropecuário da Paraíba
SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL
ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DA PARAÍBA
Equipe Responsável pela Elaboração:
Francisco Nunes de Almeida – Consultor Sênior
Nerivaldo de Jesus Costa Muniz – Consultor Sênior
Alberto Toscano Trigueiro – Consultor
Márcia Medeiros – Consultora

O Sistema FAEPA/SENAR é composto pela Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. A Administração Regional da Paraíba integra o Sistema CNA, Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil, com 27 Federações Estaduais, 2.400 Sindicatos Rurais e mais de 1.000.000 de associados espontâneos em todo país.
Com sede em João Pessoa, a FAEPA é uma entidade sindical de grau superior, com jurisdição em todo o Estado da Paraíba, que trabalha pelo produtor rural, na representação e defesa permanente de seus direitos. Congrega lideranças e produtores rurais para promover o desenvolvimento do setor agropecuário da Paraíba. Conta atualmente com 41 Sindicatos Rurais espalhados por todo Estado e aproximadamente 20 mil produtores rurais cadastrados.

O segmento dos Trabalhadores Rurais, por sua vez é representado pelos 207 Sindicatos dos Trabalhadores Rurais, filiados à FETAG – Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado da Paraíba. Esta Federação acompanha aproximadamente 45 mil assalariados(as) da cana-de-açúcar, da fruticultura e avicultura, precisamente nas regiões da Mata Sul e Norte, Brejo e Sertão. Os serviços prestados são: representação dos trabalhadores(as) rurais nas instâncias públicas governamentais, nos processos trabalhistas, nas políticas de aposentadorias, nas políticas sociais e creditícias, nas políticas do PRONAF, ATER, PNCF, PNHR, FOME ZERO e representações nos diversos seguimentos de Conselhos Rurais e Urbanos.
SINDICALIZAÇÃO DOS PRODUTORES E TRABALHADORES RURAIS
Demandas Identificadas e Ações de Capacitação e Organização para o fortalecimento do Setor Rural
Esta atividade vem sento retomada e incentivada pelos produtores familiares. A introdução de técnicas de manejo vem incrementando a produtividade e contribuindo para a qualidade do mel. Requer expansão da infraestrutura de beneficiamento e organização dos produtores. Este trabalho vem sendo desenvolvido pelo SEBRAE através do Projeto APIS e pela EMEPA através das suas Estações Experimentais. De acordo com este último Órgão, através da sua Estação Experimental de Lagoa Seca, a Instituição assiste aproximadamente 50 associações, num total de 2.000 produtores de mel de abelha, com produção entre 300 a 500 toneladas anuais. Por sua vez o SENAR-PB vem ministrando de forma intensiva, cursos e treinamentos, com destaque para o produto PRÓPOLIS VERMELHA como parte do Projeto VIVA O MANGUE VIVO.
APICULTURA
Aspectos Gerais sobre as Cadeias Produtivas
O Estado explora também a avicultura artesanal de postura e de corte, em galinheiros tradicionais e no sistema alternativo (caipira) com adoção de tecnologias adequadas. Parte desta criação é feita em consórcio com o sistema PAIS – Produção Agroecológica Integrada e Sustentável. A atividade conta com um plantel de quase 250.000 aves, sendo 80% destinadas a corte e 20% destinada a postura, beneficiando quase 1.200 criadores organizados em 26 associações e mais 14 grupos em fase de formação e 2 cooperativas. Verifica-se um crescente fortalecimento da cadeia produtiva da avicultura nos moldes da criação alternativa (caipira) para a produção de carne e ovos, com adoção de tecnologias adequadas e recomendadas pelos Serviços de Pesquisa e Extensão oficial, especialmente na mesorregião da Borborema, com destaque para o município de São Sebastião de Lagoa de Roça onde está sendo instalado um abatedouro de aves.
AVICULTURA ALTERNATIVA (CAIPIRA)
Aspectos Gerais sobre as Cadeias Produtivas
No Estado, são criadas aves de corte no sistema de integração com unidades agroindustriais, com destaque para as empresas GUARAVES, AZEVÉM, MAURICÉIA e JOAVES. Estas empresas integradoras estão organizadas em uma associação, a AVIEP – Associação Avícola do Estado da Paraíba, com sede em Campina Grande (PB), com 10 associado-integradores. Conforme dados dessa entidade, a Paraíba conta hoje com um plantel de mais de 10 milhões de aves, atividade explorada por aproximadamente 500 produtores integrados, com produção/abate de 100 mil frangos dia em dois abatedouros, sendo um de grande porte, pertencente à GUARAVES, com abate médio diário de 80 mil aves. Quanto à produção de ovos, a mesorregião da Mata Paraibana conta com a empresa Mauricéia que produz grande quantidade de ovos da marca Da Gema, que fornece para todo o Estado, alem de outras pequenas empresas localizadas nas demais regiões
AVICULTURA INDUSTRIAL
Aspectos Gerais sobre as Cadeias Produtivas
A Bovinocultura de Corte é desenvolvida atualmente em todo o Estado da Paraíba. Os animais são comercializados em “feiras de gado” e de forma direta entre produtores e abatedouros oficiais e clandestinos, cuja carne é vendida em feiras, açougues e outros pontos de distribuição espalhados por várias cidades ao longo de toda Paraíba. De acordo com informações de criadores de vários pontos do Estado, apuramos que do plantel total de bovinos, 12% são criados exclusivamente para corte (engorda) e o restante, está distribuído entre a bovinocultura mista e de leite.
BOVINOCULTURA DE CORTE
Aspectos Gerais sobre as Cadeias Produtivas
Em todo o Estado da Paraíba, explora-se a bovinocultura de leite, com destaque para as bacias leiteiras do Cariri e do Sertão Paraibano. Os plantéis são formados por animais mestiços. Predomina o sistema extensivo com pastagem nativa, pastagens cultivadas na forma de pastoreio rotacionado, capineiras, sorgo forrageiro destinado à produção de silagem e a palma forrageira. Trabalha-se também com o sistema semi-intensivo com fornecimento de ração como alimento complementar à manutenção e produção de leite. Cataloga-se neste setor a existência de vários projetos implantados, a exemplo do “Fazenda Eficiente” que vem disciplinando e apresentando excelentes resultados por parte de grupos de criadores organizados e assistidos técnica e gerencialmente, especialmente na região de Sousa e no Cariri Oriental, duas importantes bacias leiteiras do Estado.
O referido projeto assiste 250 produtores de leite no Estado, agrupados em 25 núcleos, com produção média de 100 litros de leite por unidade produtiva. A comercialização do leite é feita para o mercado aberto (varejistas) e para os mercados institucionais, beneficiados e transformados em derivados por vários laticínios e cooperativas. Esta atividade é beneficiada pela Política Pública do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) através do Programa de Aquisição de Leite executado pela FAC / Governo do Estado da Paraíba. A atividade conta com 03 cooperativas de leite, aproximadamente 10 pequenos laticínios formais, 60 associações de produtores e mais de 1.000 queijeiras artesanais e informais, concentradas no Sertão, Cariri e Agreste paraibanos.
BOVINOCULTURA DE LEITE
Aspectos Gerais sobre as Cadeias Produtivas
Composição da Massa Salarial
Dimensão Social da Agropecuária no Brasil e na Paraíba
Empregos gerados por setor econômico
Dimensão Social da Agropecuária no Brasil e na Paraíba
As dez Atividades Agropecuárias mais representativas do Estado
MESORREGIÃO DA MATA PARAIBANA

João Pessoa
Litoral Norte
Litoral Sul
Sapé

MESORREGIÃO DO AGRESTE PARAIBANO

Cajazeiras
Catolé do Rocha
Itaporanga
Patos
Piancó
Serra do Teixeira
Sousa
MESORREGIÃO DO AGRESTE PARAIBANO

Brejo Paraibano
Campina Grande
Curimataú Ocidental
Curimataú Oriental
Esperança
Guarabira
Itabaiana
Umbuzeiro

MESORREGIÃO DA BORBOREMA

Cariri Ocidental
Cariri Oriental
Seridó Ocidental
Seridó Oriental
Regionalização do Estado da Paraíba
O Quê, Quanto e Onde se Produz
CENÁRIOS AGROPECUÁRIOS
DA PARAÍBA

No Estado da Paraíba, com seus 223 municípios, existem oficialmente o mesmo número de CMDRS – Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável, liderados pelo CEDRS – Conselho Estadual. Estima-se que existem mais de 10.000 associações de produtores formalizadas, contudo em torno de 5 a 10%, atuando de fato, como entidade associativa, adotando os nobres princípios do associativismo e do cooperativismo, conforme consulta direta ao Conselho.
Como ilustração, citamos os produtores de leite que beneficiam sua produção, onde mais de 90% dessas unidades não participam de qualquer entidade ou ação cooperada, 75% não acessam financiamentos bancários e somente 3% são formalizadas e certificadas, decorrendo a ilegalidade dos produtos e a consequente dificuldade no escoamento da produção. Um dos desafios mais imediatos do SENAR será contribuir para a adesão dos produtores rurais em geral e suas famílias conhecerem e praticarem o associativismo, levando a inúmeras vantagens para os seus empreendimentos.
ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DOS PRODUTORES
Demandas Identificadas e Ações de Capacitação e Organização para o fortalecimento do Setor Rural
Enfatizam-se neste capítulo as oportunidades para os produtos agropecuários do Estado, quanto ao aspecto da comercialização para os mercados institucionais – PAA Doação, Formação de Estoque e PNAE. Quanto ao PAA, foram apresentados 57 projetos em 2011 na modalidade DOAÇÃO SIMULTÂNEA e 03 projetos na modalidade FORMAÇÃO DE ESTOQUE, no valor total de R$ 6.758.908,00, além de 4.888 produtores beneficiados com o PAA LEITE no valor de R$ 38.329.730,40. No que diz respeito ao PNAE, o Estado da Paraíba, no ano de 2011, recebeu do Governo Federal, R$ 66.815 milhões de reais para a merenda escolar (em nível estadual e municipal), dos quais, R$ 20.044 milhões de reais poderiam ter sido utilizados para adquirir gêneros alimentícios dos agricultores familiares organizados. Isto equivale a 2.227 produtores pelas regras atuais do PNAE, dos 148.077 habilitados com DAP (Declaração de Aptidão ao PRONAF). Só foram adquiridos destes produtores o equivalente a 8,5% dos recursos totais liberados, gerando aí uma demanda insatisfeita, com excelentes perspectivas de mercado e de trabalho para os agricultores e produtores rurais

MERCADOS INSTITUCIONAIS
Aspectos Importantes relacionados com o fortalecimento do Setor Agropecuário da Paraíba
Pesca Artesanal (litoral) – De acordo com o Ministério da Pesca e Aquicultura, a região Nordeste (ano de 2010) foi novamente a que assinalou a maior produção de pescado do país, com 410.532 ton., respondendo por 32,5% da produção nacional. O Estado da Paraíba, respondeu no mesmo período por 13.456,2 ton. que equivale a 1,06% da produção nacional e 3,28% da região Nordeste.
Pesca em Águas interiores (tanques e açudes) – O Estado apresenta potencial para a produção de peixes nos seus reservatórios. Só em 2011, foram povoados 1.395 açudes e barragens do Estado, beneficiados pelo Programa Estadual de Piscicultura da EMPASA, conforme o Dr. Celso Duarte, Engenheiro de Pesca do Órgão. Foram produzidos 618.440 kg de pescado sendo 70% de tilápia nilótica, 20% de tambaqui, 5% de carpas e curimatãs e 5% de outras espécies, obtendo-se o valor bruto da produção de R$ 2.273.760, conforme a mesma fonte.
PISCICULTURA
Aspectos Gerais sobre as Cadeias Produtivas
Variação do Emprego Formal da Agropecuária
Dimensão Social da Agropecuária no Brasil e na Paraíba
Pecuária
Lavouras Temporárias
Dados da população da Paraíba:

População total (2010): 3.766.528 habitantes
Crescimento demográfico: 0,9% ao ano
Densidade demográfica: 66,7 habitantes por quilômetro quadrado
DADOS DA ÁREA AGRICULTÁVEL

A Paraíba possui 2.263.380 hectares de área agricultável e o Brasil 350.000.000 hectares, portanto a participação é de 0,65% no contexto nacional.
Caracterização Básica do Estado da Paraíba
Cooperativas Agropecuárias do Estado da Paraíba

Sindicatos dos Produtores Rurais do Estado da Paraíba

Organizações de Controle Social (OCS) de Produção orgânica registradas no Ministério da Agricultura

Principais Organizações Associativas Representativas dos Setores Agropecuários do Estado da Paraíba

Programas e Projetos de Apoio à Agropecuária no Estado da Paraíba

Principais Empreendimentos Agroindustriais do Estado da Paraíba

Projetos Produtivos COOPERAR e de Apoio aos APL – Projeto PRODUZIR DESENVOLVIMENTO
Anexos
Estas atividades assumem grande importância para a agricultura familiar. Sua produção em maior escala é nas mesorregiões do Agreste e da Borborema. Tem potencialidade para elevação da produtividade, agregação de valor e comercialização mais justa. No caso da Batatinha (batata-inglesa), na região de Esperança, é uma atividade que vem se tornando inviável, devido a degradação e empobrecimento dos solos e a infestação de pragas, mas está sendo alvo de pesquisas, visando a sua restauração, bem como o inhame e macaxeira na região de Sapé e no litoral, que também passa por problemas de caráter edafológico e econômico, mas com potencial para reassumir sua posição de destaque no cenário agropecuário do Estado.
MANDIOCA, BATATA DOCE, INHAME E BATATINHA
Aspectos Gerais sobre as Cadeias Produtivas
A Agroindústria Empresarial Formalizada, representada pelas indústrias de alimentos, com empresas de destaque nacional como é caso da São Braz, ASA In. Comércio Ltda., Guaraves, Usinas de Açúcar e de Álcool, dentre outras. Enfatizamos neste aspecto, a Fazenda Tamanduá, com sede no município de Santa Terezinha – PB, que vem explorando produtos de forma orgânica e certificada, como queijos de leite bovino e caprino, bebidas lácteas e frutas.
O segundo aspecto diz respeito à Agroindústria Familiar individual ou coletiva de pequeno e médio porte, destacam-se a COAPECAL – Cooperativa Agropecuária do Cariri com sede em Caturité e o Entreposto do Mel sediado em Bananeiras, que vem recebendo apoio governamental e institucional.
Neste sentido, o SENAR-PB vem fortalecendo agroindústria ofertando cursos e treinamentos nas áreas de polpas de frutas, geléias, compotas, frutas cristalizadas e desidratadas, aguardente, melado de cana, rapadura, açúcar mascavo etc.
AGROINDÚSTRIA
Aspectos Gerais sobre as Cadeias Produtivas
Em todas as mesorregiões existem uma variedade de frutas exploradas em quintais, pomares e plantios em escala Industrial, com e sem a utilização de métodos de irrigação. As principais frutas são: abacaxi, acerola, mamão, melão, mangaba, manga, graviola, caju e coco-da-baía. Há grande potencial para outras frutas, a exemplo de abacate, jaca, sapoti, pitanga e maracujá. Ocorre pouco beneficiamento agroindustrial de todas as frutas, surgindo daí oportunidades de investimentos. Há que se investir em capacitação dos produtores e empreendedores rurais. Merece destaque neste cenário: a produção de abacaxi na região de Sapé, Itapororoca e Santa Rita, o coco-da-baía no litoral e no sertão, a produção de banana na região do agreste e no sertão, produção de laranja e tangerina na região de Matinhas, Alagoa Nova e Natuba e a produção de uva também em Natuba.
FRUTICULTURA
Aspectos Gerais sobre as Cadeias Produtivas
Fonte: IBGE e formulações baseadas em critérios técnicos fornecidos por instituições e especialistas destes segmentos.
QUANTIDADE E VALOR DA PRODUÇÃO PECUÁRIA – 2010
Pecuária
Fonte: IBGE / SIDRA – PAM 2010.
(*) Galinhas, Frangos, Codornas.
Fonte: IBGE / SIDRA 2010.
EFETIVOS DOS REBANHOS DO ESTADO DA PARAÍBA - 2011
Pecuária
O Crédito e o Seguro Rural, também se constituem importantes aliados ao desenvolvimento da agropecuária estadual. Os pequenos produtores estão sendo beneficiados pela linha de crédito PRONAF ESTIAGEM, executada pelo BNB, em condições especiais. Há que se destacar também o esforço do Governo do Estado para promover a Inclusão Produtiva, através de vários seminários realizados no decorrer do presente ano.
No ano de 2011, foram aplicados no Estado da Paraíba, no segmento Rural, pelos Bancos Oficiais, com recursos próprios dos agentes financeiros, do BNDES, FNE (Fundo Constitucional do Nordeste) e PRONAF (todas as modalidades), em torno de R$18.600.000,00, com destaque para os financiamentos para a agricultura familiar, que comprometeu cerca de 80% desse valor.
No período 2011-2012, pelos Projetos COOEPRAR e EMPREENDER-PB, foram emprestados mais de R$ 25.000.000,00 (dados levantados junto a estas Instituições e Agentes Financeiros).

CRÉDITO E SEGURO RURAL
Aspectos Importantes relacionados com o fortalecimento do Setor Agropecuário da Paraíba
Pecuária
Lavouras
Permanentes
Lavouras
Temporárias
Participação das principais Atividades Produtivas do setor agropecuário em relação ao Nordeste e Brasil
(*) Galinhas, Frangos, Codornas.
Fonte: IBGE / SIDRA 2010.
VARIAÇÃO DOS REBANHOS DO ESTADO DA PARAÍBA – 2010-2011
Pecuária
(*) Galinhas, Frangos, Codornas.
Fonte: IBGE / SIDRA 2010.
EFETIVOS DOS REBANHOS DO ESTADO DA PARAÍBA - 2010
Pecuária
O SENAR é a instituição oficial de capacitação rural no Estado da Paraíba e a pioneira na oferta de cursos e treinamentos de profissionalização rural e promoção social. São 112 ações de treinamento disponíveis e voltadas para o fortalecimento das atividades produtivas do Estado, destacando-se algumas como o PER - Programa Empreendedor Rural, o NCR – Negócio Certo Rural e o PRONATEC CAMPO, este, destinado a capacitar alunos do ensino médio das escolas públicos em todo o Estado, com meta para formar 240 técnicos nas atividades de Bovinocultura, Apicultura, Horticultura e Fruticultura.
Além destas ações, todas prestadas na modalidade presencial, o SENAR dispõe de 18 (dezoito) cursos nas áreas de Pensamento Agropecuário, Empreendedorismo e Gestão de Negócios, Inclusão Digital e Qualidade de Vida, que são prestados na modalidade de Ensino à Distância (EAD) através do site www.canaldoprodutor.com.br. O SEBRAE, as Universidades, o IFPB, a EMATER, a EMEPA e a EMPASA, também ofertam cursos e treinamentos voltados para os produtores e o fortalecimento da atividade agropecuária do Estado

EDUCAÇÃO RURAL – FORMAÇÃO
PROFISIONAL E PROMOÇÃO SOCIAL
Aspectos Importantes relacionados com o fortalecimento do Setor Agropecuário da Paraíba
Algodão
Sisal
Olericultura Orgânica
Artesanato Rural
Turismo Rural
Floricultura
Produção de Oleaginosas
OUTRAS ATIVIDADES POTENCIAIS
Aspectos Gerais sobre as Cadeias Produtivas
APRESENTAÇÃO (recortes)
http://www.brconsultonline.com.br/
Aspectos Importantes relacionados com o fortalecimento do Setor Agropecuário da Paraíba
Destacam-se os serviços prestados pela EMATER, EMEPA – (programas e estações experimentais), EMBRAPA (Programas e produtos), Fundação Parque Tecnológico da Paraíba (PAQTC) que tem a missão de apoiar novos empreendimentos através da sua incubadora (ITCG) e UFCG/PEASA, além de outros tantos programas, projetos e serviços de extensão universitária executados pelas duas Instituições Federais presentes no Estado. Enfatiza-se os serviços relevantes prestados ao Estado pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) nas suas políticas de ATER (assistência Técnica e Extensão Rural), executados através de Órgãos capacitados para o mister, que vem fomentando atividades produtivas diversificadas e voltadas para a sobrevivência das famílias rurais e comercialização dos seus excedentes. Além da política de ATER, o MDA vem disponibilizando importantes metodologias e ferramentas para o desenvolvimento do setor, através da valorização dos produtos agropecuários, como é o caso do SIPAF (selo de identificação da produção da agricultura familiar), da Rede Brasil Rural para facilitar o escoamento da produção do pequeno produtor organizado para a venda dos seus produtos aos diversos mercados, com ênfase para os mercados institucionais. De outro lado o Ministério da Agricultura, através da sua Superintendência Federal na Paraíba vem desenvolvendo várias ações diretas de apoio ao produtor rural, dentre estas, destacamos a certificação orgânica dos produtos agroecológicos que já se verifica na produção em algumas microrregiões da Paraíba, tendo atraído inclusive empresas de outros Estados para o fomento a este modelo de produção.

PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL
Lavouras Permantentess

GRÁFICO 3 - SOMATÓRIO DAS ÁREAS OCUPADAS (IMÓVEIS RURAIS) POR MESORREGIÃO
Full transcript