Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

EDUARDO CALESTINI - GEOPOLÍTICA CHINESA

Características da Geopolítica Chinesa
by

Eduardo Calestini

on 8 April 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of EDUARDO CALESTINI - GEOPOLÍTICA CHINESA

GEOPOLÍTICA
CHINESA
PROF:. EDUARDO CALESTINI ENTENDENDO UM POUCO MELHOR A CHINA CARACTERÍSTICAS CHINESAS •Potência global em termos econômicos;
•Ampliação do seu poder na área militar;
•Investimentos em tecnologia de ponta na área espacial, infraestrutura, transportes e educação; UMA VISÃO DO PASSADO - (Visão Geral) 5 mil anos de Império;
Revoltas e conflitos na divisão da China entre as potências europeias;
Domínio Britânico e Japonês;
•1949, os comunistas proclamam a RPC. Os nacionalistas se retiram para Taiwan sob o comando de Chiang Kaishek, criando um foco de tensão geopolítica na região até os dias atuais, dividindo a China em duas;
•Aliança entre RPC e URSS (fomentar a indústria de base e a bélica);
Rompimento da RPC com a URSS (isolamento ainda maior da RPC, tanto na Ásia como em relação ao resto do mundo);
•Conflito com a Índia (com apoio russo) e quase uma guerra nuclear com a URSS; O POSICIONAMENTO CHINÊS NA GUERRA FRIA O surgimento da RPC em plena Guerra Fria assustou o ocidente;
Estados Unidos defendem o Japão das ameaças chinesa e soviética somadas;
Guerra da Coreia dividiu a península coreana entre os blocos capitalista e comunista;
A aliança entre a RPC e a URSS caminhou relativamente bem até o início da década de 1960, entretanto a burocracia stalinista e a sua adaptação à cultura e à civilização chinesa tinha seus limites (a questão atômica);
Revolução Cultural gera isolamento ainda maior da RPC;
A RPC possuia dois opositores de peso em termos militares e demográficos na região: a URSS e a Índia;
Década de 70 Política Chinesa “O inimigo do meu inimigo é meu amigo” - apoio EUA; AS DUAS CHINAS COMUNISTAS MAO TSE TUNG
Comunas populares (coletivização da agricultura e da economia) - "Grande Salto para a Frente";
Desorganização da produção - grandes impactos ambientais (solo, pragas, contaminação de rios, desertificação) = "Grande Fome" (1959/61);
Revolução Cultural;
Morte de Mao Tse Tung; Deng Xiaoping
( 4 modernizações: Indústria, Agricultura, Ciência e Defesa Militar);
1 país, 2 sistemas ( ZEE - entrada de capital e tecnologia estrangeira, elevação dos níveis de consumo da população e bolsa de valores de Pequim)
fim das comunas - início da produção privada (aumento da produção) ;
Grande exôdo rural (hoje 50% da população vive nas cidades) - problemas no Hokou;
Controle de natalidade ANÁLISE ESPECIAL DO ESPAÇO GEOGRÁFICO CHINÊS AS TENSÕES CHINESAS 1. XINJIANG;
2.TIBET;
3. MONGÓLIA INTERIOR;
4. TAIWAN;
5.Diaoyu (Senkaku) 2. A REGIÃO DO TIBETE Desde 1911 a China, durante a revolução nacionalista declarou que a região era chinesa. Mas somente em1950, as tropas da RPC ocuparam a área. Em 1959, nacionalistas tibetanos – defendendo seus valores culturais e as práticas religiosas budistas tradicionais – promoveram um levante contra o governo comunista, sendo esmagados. O fracasso da insurreição fez com que o grande líder religioso do Tibete, o Dalai Lama, fugisse para a Índia onde reside até hoje.
Em virtude da realização dos jogos olímpicos no país em 2008, novas manifestações foram reprimidas com grande violência pelo governo chinês. 1. A REGIÃO DE XINJIANG (SINKIANG) Na região, predominam os Uigures, muçulmanos de origem turca, entretanto 38% da população pertencem à etnia Han – amplamente majoritária na República Popular da China;
Em 1991, quando do colapso da União Soviética, duas ex-repúblicas socialistas de religião islâmica, localizadas na fronteira de Sin-Kyang, ganharam independência: o Cazaquistão e a Quirquízia;
Os uigures se entusiasmaram pois confiavam no apoio de seus “irmãos étnicos” que efetivamente não ocorreu;
O movimento queria criar a República Oriental do Turquestão, mas vem perdendo efeito, inclusive da própria população devido ao grande surto de prosperidade vivido pela região, o que vem anestesiando os anseios emancipacionistas locais. 3. MONGÓLIA INTERIOR Movimento separatista da etnia mongol, embora essa última seja minoritária face aos hans. Por esse motivo, e também pela falta de suporte da República da Mongólia, os nacionalistas da Mongólia Interior limitam-se a pedir maior autonomia cultural e democratização da China. 4. A ILHA DE TAIWAN Taiwan adotou um regime capitalista e, como os outros países chamados “tigres asiáticos”, teve um rápido desenvolvimento econômico, estimulado também por investimentos maciços dos Estados Unidos;
China continua considerando Taiwan sua 23ª província e gostaria que se enquadrasse na mesma fórmula em que se enquadrou Hong Kong: “um país, dois sistemas”;
700 mísseis chineses apontam para Taiwan, que vem investindo em armamento e treinamento militar;
A China, sob o aspecto econômico, depende muito da ilha. Taiwan investiu no continente mais de 40 bilhões de dólares, sem contar as 40 mil empresas suas que atuam na China continental; Interessados na área exclusiva de pesca e na possibilidade de exploração de petróleo, o governo japonês quer comprar o arquipélago de Senkaku, reivindicado por Taiwan (que chama o lugar de Diaoyu).
A China, por seu lado, até reconhece a soberania de Taiwan sobre as ilhas. Só não reconhece a soberania de Taiwan sobre si mesma, e também quer a região para si;
após a decisão do governo japonês de tentar comprar e nacionalizar o arquipélago os chineses enviaram seis navios de guerra para a região;
A disputa envolve a questão de revanchismos diante da guerra sino-japonesa. 5.Diaoyu (Senkaku) Os 4 pilares da estratégia de crescimento 1) Participação nas organizações regionais e nos fóruns de diálogo interregionais, a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e na Organização de Cooperação de Xangai (SCO) (Cazaquistão, a Quirguízia, a Rússia, o Tajiquistão e o Uzbequistão) - expansão da influência política, estratégica e econômica, respectivamente, na Ásia do Sudeste e na Ásia Central;
2) Parcerias estratégicas: (EUA) embora exista uma competição estratégica; (Rússia e Índia); e Irã - habilidade para tornar antigos adversários em parceiros produtivos. As principais excepções são o Japão e, naturalmente, Taiwan – mas mesmo nestes casos, a China não deixa de incrementar os intercâmbios económicos;
3) expansão dos laços económicos regionais quase 50% do volume total do comércio da China é intra-regional e relativamente equilibrado;
4) acordos visando a resolução pacífica, entretanto resta por regular as disputas com a Índia e as delimitações marítimas com o Japão e com vários países do Sudeste Asiático nos mares da China); de uma maior transparência com a sua defesa; de uma postura mais conciliatória na península coreana, na Ásia do Sul e no Sudeste Asiático; NOVOS CENÁRIOS GEOPOLÍTICOS Duas regiões aparecem como fontes de abastecimento para a RPC: a África e a América Latina;
Ofensiva econômica e politicamente estratégica da RPC em relação a essas duas regiões do globo;
A RPC é a grande indústria do mundo para os produtos de consumo, mas não em termos de alta tecnologia e produtos militares;
Full transcript