Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

SUICÍDIO

No description
by

josé marcos

on 10 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of SUICÍDIO

No mundo todo, as taxas de suicídio subiram 60% nos últimos 50 anos e esse aumento foi significativo nos países em desenvolvimento. A maioria dos casos ocorre na Ásia, que reúnem até 60% do total.
Vega Piñero, Blasco, Baca-Garcia & Diaz (2002)
Parassuicídio
SUICÍDIO
José Marcos Novais Tolledo - LAPMOCC
O Brasil é o oitavo país em número de suicídios
Um suicídio a cada 40 segundos
Ponte Golden Gate terá rede de proteção para evitar suicídios
Os suicídios = complexa interacção de factores biológicos, genéticos, psicológicos, sociológicos, culturais, e ambientais.
PROTEGER
Um maior número de pessoas comete suicídio anualmente do que as que morrem em todos os conflitos mundiais combinados.
Os fatores de proteção:
• Apoio da família, amigos e de relacionamentos significativos;
• Crenças religiosas, culturais, e étnicas;
• Envolvimento na comunidade; vida social satisfatória;
• Integração social
• Acesso a serviços e cuidados de saúde mental.
Jovens em grandes cidades, o de indígenas do Centro-Oeste e do Norte, e entre lavradores do interior do Rio Grande do Sul os coeficientes = leste europeu e da Escandinávia.
Brasil
• Estatuto sócio-económico e nível de educação baixos;
perda de emprego;
• Stress social;
• Problemas com família, relações sociais, e sistemas de apoio;
• Trauma, abuso físico e sexual;
• Perdas pessoais;
• Depressão, perturbações da personalidade, esquizofrenia, e abuso de álcool e de substâncias;
• Baixa auto-estima ou desesperança;
• Orientação sexual Ex: homossexualidade;
• Comportamentos idiossincráticos (como estilo cognitivo e estrutura de personalidade);
• Pouco discernimento, impulsividade, e comportamentos auto-destrutivos;
• Poucas competências para enfrentar problemas;
• Doença física e dor crónica;
• Exposição ao suicídio de outras pessoas;
• Acesso a meios;
• Guerra ou desastres catastróficos.
RISCO
Pesquisas: o número real de suicídios era dobro do previamente registrado.
As taxas de mortalidade por suicídio aumentaram em municípios com até 50 mil habitantes, chegando a ultrapassar os valores obtidos em
municípios mais populosos.
As tentativas superem o número real em pelo menos dez vezes. Não há em nenhum país, um registro de abrangência nacional de casos de tentativa de suicídio.
MUNDO
As taxas de suicídio aumentam progressivamente com a idade, para ambos sexos. Nova Zelândia não.
1950, 60% dos suicídios eram observados em pessoas > 45 anos.Em 2000 apenas 45% nessa faixa etária. Expectativa de vida, predomínio crescente da população idosa. Resultado devido as taxas de suicídio dos jovens está aumentando numa velocidade superior à dos idosos.
No Brasil a maioria dos suicidas utilizem o enforcamento.Em escala planetária, é consumada através da ingestão de produtos tóxicos
CULTURA
: Atirar-se de lugares altos, Hong Kong. Atear-se fogo, na Índia (mulheres) e intoxicar-se com gases de escapamento, Inglaterra e Austrália.
EXTRÍNSECO
: Relativo à eficácia da capacidade e prontidão de resposta dos distintos sistemas de saúde.
INTRÍNSECO
: Certos transtornos mentais como fatores predisponentes e desencadeantes. Depressão, alcoolismo, esquizofrenia em > 80% dos casos.
PROTEÇÃO
: Alguns destes fatores parecem atuar a longuíssimo prazo (uma vez que se estabelecem, ou não, na mais tenra infância) ao passo que outros têm uma influência muito mais próxima do evento autodestruidor (como as redes de apoio social).
DROGAS
25 a 50% das mortes podem estar relacionadas.
E tais transtornos também se associam com um aumento de seis vezes na mortalidade por suicídio comparada à população em geral e com 15% de risco de suicídio ao longo da vida.
40% dos que buscam tratamento -álcool- relatam ter tentado suicídio, taxa que é de 6 a 10 vezes maior que na população geral.
Tentativas anteriores são fortes prognósticos de conclusão do suicídio, entre 10% a 15% daqueles que tentam, morrem em 10 anos.
5% daqueles com transtorno por uso de álcool morrem por suicídio.
Em dependentes de heroína, a taxa de suicídio é 20x maior que da população em geral.
A transferrina deficiente de carboidrato, a monoaminoxidase B e a IL-2 solúvel foram propostas como marcadores de risco de suicídio em dependentes de álcool, não específicas e baixo valor preditivo.
Desregulação da serotonina como aumentando o risco para comportamento agressivo contra si.
Médicos
O desejo universal de imortalidade faz-nos idealizar um ser onipotente capaz de retardar, deter ou mesmo anular a ameaça de morte. A este ser idealizado Simon chamou de “ser tanatolítico”, e ao conjunto de ações mágicas que lhe
são atribuídas, de “complexo tanatolítico”.
Se houver preconceitos com a Psiquiatria, buscará outras opções, como a somatização,abuso de álcool e drogas e o suicídio
Anestesista, psiquiatras, oftalmologistas e patologistas
Característicos da adolescência e de pessoas imaturas.
Reação a um conflito, “chamadas de atenção”, e em algumas ocasiões têm caráter de chantagem emocional.
Condutas para modificar o ambiente no qual o indivíduo está inserido.
Ambivalência
: é atitude interna característica das pessoas que pensam ou tentam. Querem ao mesmo tempo a morte e viver. O predomínio do desejo de vida sobre de morte possibilita a prevenção do suicídio. Problemas na vida, luta interna: viver ou acabar com a dor psíquica. Com apoio emocional, desejo viver aumentar, risco diminui.
Impulsividade
: Como qualquer outro impulso, o de cometer suicídio pode ser transitório. É desencadeado por eventos negativos. Acalmando a crise , o profissional da saúde pode ajudar a diminuir o risco.
Rigidez
: A consciência da pessoa passa a funcionar de forma dicotômica: tudo ou nada. Os pensamentos, sentimentos e ações estão constritos; constantemente
pensam sobre suicídio como única solução, não percebem outras maneiras. “O único caminho é a morte”; “Não há mais nada o que fazer”. Visão em túnel, que representa o estreitamento das opções disponíveis de muitos indivíduos em vias de se matar.
Aspectos psicológicos
Baixo Risco
Pensamentos : “eu não consigo continuar”, “eu gostaria de estar morto”, mas
não
fez nenhum plano.
AÇÃO:
Oferecer apoio emocional.
Trabalhar sobre sentimentos suicidas.
Focalizar aspectos positivos.
Se você não conseguir identificar uma condição tratável e/ou a pessoa não demonstrar melhora, não conseguir refletir sobre sua condição, encaminhe-a para um profissional de saúde mental.
Médio
Tem pensamentos e planos, mas não imediatamente.
Ação
: Apoio emocional, focalize nos aspectos positivos.
Focalize os sentimentos de ambivalência.
Explore alternativas ao suicídio.
Faça um CONTRATO.
Encaminhar ao psiquiatra. Contato com família.
Alto Risco
Tem um plano, meios e planeja fazê-lo prontamente.Já tomou algumas providências e parece estar se despedindo.
Nunca deixá-la sozinha.
Remover meios de cometer suicídio
Fazer um contrato, tentar ganhar tempo.
Informar a família e reafirmar seu apoio.
Esgotou todas as tentativas de convencimento, peça ajuda da família, internação involuntária poderá
ser necessária.
O que fazer
• Ouvir
• Ser afetuoso e dar apoio.
• Levar a situação a sério e verificar o grau de risco.
• Perguntar sobre tentativas anteriores.
• Perguntar sobre o plano de suicídio.
• Ganhar tempo – faça um contrato.
• Identificar outras formas de dar apoio emocional.
• Remover os meios pelos quais a pessoa possa se matar.
• Se o risco é grande, ficar com a pessoa.

O que não fazer
• Ignorar a situação.
• Ficar chocado ou envergonhado.
•Considerar-se livre de qualquer ação.
• Falar que tudo vai ficar bem, sem agir para isso.
• Desafiar a pessoa.
• Fazer o problema parecer trivial.
• Dar falsas garantias.
• Jurar segredo.
• Deixar a pessoa sozinha.
Full transcript