Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

COCOS GRAM POSITIVO E COCOS GRAM NEGATIVO

No description
by

Angélica Zanettini

on 21 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of COCOS GRAM POSITIVO E COCOS GRAM NEGATIVO

COCOS GRAM POSITIVO E COCOS GRAM NEGATIVO
GRAM POSITIVO
Características comuns:

forma esférica;
a reação frente a coloração de Gram;
ausência de endósporo;
Catalase, para subdividir, são enzimas que catalisam o peróxido de hidrogênio a água e o oxigênio.

Os gêneros aeróbicos catalase-positivos são:

Staphylococcus;
Micrococcus;
Os aeróbicos catalase-negativos :

Streptococcus;
Enterococcus
Os aeróbicos catalase-negativos :

Streptococcus;
Enterococcus
Staphylococcus, assemelham a cachos de uvas, no material clínico podem aparecer como células únicas;
Mede de 0,5 a 1,5 micrômetro de diâmetro;
São imóveis, anaeróbicos facultativos, capazes de crescer em meio com alta concentração de sal ;
Temperatura de 18 °C a 40 °C.

O gênero consiste atualmente de 40 espécies e 24 subespécies, muitas que podem ser encontradas no homem.
Sendo essas espécies associadas as doenças humanas, S. aureus,S. epidermidis,S. lugdunensis e S. saprophyticus.

Os organismos do gênero Micrococcus foram subdivididos em seis gêneros, sendo que os gêneros Micrococcus, Kocuria e Kytococcus são encontrados colonizando a superfície da pele humana;
Streptococcus pode ser dispostos ao pares ou em cadeias.
A maioria da espécies é anaeróbia facultativa e algumas crescem somente em atmosfera enriquecida com dióxido de carbono.
São bactérias homofermentativas (produzem apenas um produto final durante a fermentação) produtoras de ácido lático.
O gênero Enterococcus de bactérias do grupo D de Lancefield;
São bactérias aparelho digestivo (intestino) e urinário;
É bastante resistente à bílis e à soluções com elevadas concentrações de sal. Possui gelatinase, que permite invadir o epitélio e a corrente sanguínea;
A transmissão de infecções pode ser de origem endógena, alimentar ou através da água.
TRATAMENTO GRAM- POSITIVO
• Stafilococcus aureus;
• Staphilococcus epidermidis;
• Staphilococcus, Micrococcus e Rothia (Stomatococcus);
• Streptococcus agalactiae, Enterococcus faecalis.

É realizado com antibióticos de baixo espectro, ou seja, contra um ou poucos tipos de micro-organismos, como: (penicilinas, cefalosporinas, erictromicina, aminoglicosídeos, tetracilina e cloranfenicol). Quando da resistência se recomenda a associação de dois ou mais antibióticos.

TRATAMENTO COCOS GRAM NEGATIVO
• Neisseria;
• Meningitidis.

São utilizados no tratamento de gram-negativos antibióticos de amplo espectro, ativos contra vários tipos de microorganismos como as tetracilinas por exemplo.


Características gerais
Crescem rápido em muitos tipos de meio de cultura e são metabolicamente ativos, fermentando carboidratos e produzindo pigmentos que variam do branco ao amarelo intenso. Frequentemente, os estafilococos patogênicos hemolisam o sangue, coagulam o plasma e produzem uma variedade enzimas e toxinas.

Estreptococos
Streptococcus pyogenes
Os cocos são esféricos ou ovoides e dispostos em cadeias. Dividem-se em um plano perpendicular ao eixo longitudinal da cadeia. Os membros da cadeia geralmente exibem um notável aspecto de diplococos. A maioria das cepas dos grupos A, B e C produz cápsulas compostas de ácido hialurônico.

STREPTOCOCCUS PNEUMONIAE
Os pneumococos são diplococos que frequentemente exibem forma de lanceta e dispõe-se em pares ou cadeias. Formam pequenas colônias redondas, que inicialmente tem a forma de cúpula e mais tarde desenvolvem um plano central com borda elevada

Enterococos
Os enterococos possuem uma substãncia do grupo D, e foram anteriormente classificados como estreptococos do grupo D. Eles fazem parte da flora entérica normal, são geralmente não hemolíticos.

Cocos Gram-negativos
Neisserias
A neisseria típica é um diplococo gram-negativo imóvel e contém endotoxina em sua membrana externa. Quando os micro-organismos ocorrem aos pares, os lados adjacentes são achatados ou côncavos. Crescem melhor em condições aeróbicas, porém algumas crescem em ambiente anaeróbico.
PATOLOGIAS RELACIONADAS
As patologias mais frequente, causadas por bactérias dos Cocos Gram positivos.

No gênero Staphylococcus, as doenças mais comuns são encontradas no organismo S. aureus.

As doenças incluem aquelas mediadas por toxinas:
Síndrome da pele escaldada:
descamação disseminada do epitélio em crianças; bolhas sem micro-organismos ou leucócitos;
Intoxicação alimentar:
após o consumo de alimento contaminado com a toxina termo-estável, inicio abrupto de vômitos, diarreia e cólicas abdominais, com resolução em 24 horas.

Aquelas causadas por infecções supurativas:
Pneumonia e epiema:
consolidação e formação de abscesso nos pulmões; diagnosticada em muitos jovens e em idosos e pacientes com doença pulmonar de base ou recente; uma forma grave de pneumonia necrosante com choque séptico e alta mortalidade vem sendo identificada.
Furúnculo
: nódulos cutâneos cheios de pus, grande e dolorosos.
Causadas por bactérias dos Cocos Gram negativos
:

Do gênero Streptococcus, o organismo mais comum é o S. pyogenes, responsável por doenças supurativas, como:
Firingite:
faringe avermelhada com exsudato geralmente presente; a linfadenopatia cervical pode ser proeminente.

Doenças não supurativas:
como febre reumática, glomerulonefrite entre outras.
Outro comum é o S. pneumoniae, que causa:

Pneumonia:
inicio agudo com calafrios intensos e febre persistente; tosse produtiva com escarro sanguinolento; consolidação lobar.

Meningite:
infecção grave envolvendo as meninges, com dor de cabeça, febre e sepse; taxa de mortalidade elevada e sequelas neurológicas graves nos sobreviventes.
Prevenção
Não há vacinas contra estafilococos. Higienização das mãos e assepsia ajudam no controle da disseminação de S.aureus. A colonização pode ser reduzida com uso de antibióticos. Em áreas de alto risco como salas cirúrgicas e berçários pode ser necessária a remoção dos portadores. No tratamento pre-operatorio é usada cefozolina para prevenir infecções estafilocócicas em feridas cirúrgicas
Febre reumática
Pode ser prevenida pelo tratamento da faringite com penicilina, a prevenção com penicilina em indivíduos já acometidos é importante para prevenir a recorrência da doença. Em pacientes que apresentam válvulas cardíacas danificadas ou que passaram por algum procedimento odontológico invasivo, para evitar a endocardite que é causada por estreptococcus viridantes, usa-se amoxicilina, já em pacientes que também apresentam válvulas cardíacas danificadas mas que passaram por procedimento gastrointestinal ou urinário,para evitar a endocardite causada por enterococus pode ser prevenida com o uso de ampicilina e gentamicina.
Sépsis neonatal
Causada por estreptococcus pode ser reduzido por meio de duas vertentes (1) exame em gestantes, realizando culturas vaginais e retais entre 35-37 semanas, se a cultura por positiva, penicilina ou G(ampicilina) deve ser administrada via endovenosa no momento do parto (2) em pacientes que não foi realizada cultura, a penicilina deve ser administrada por via endovenosa no momento do parto, caso a paciente seja alérgica a penicilina usa-se cefozotina ou vancomicina.
Pneumonia
A taxa de mortalidade é elevada em idosos, indivíduos imunocomprometidos ou debilitados. Esses indivíduos devem ser imunizados com vacina polissacarídica polivalente, que tem proteção de 5 anos. Uma dose de reforço é recomendada para (1) indivíduos acima de 65 anos que receberam vacina há mais de 5 anos e apresentavam idade abaixo de 65 anos quando receberam a vacina;(2)indivíduos asplênicos com idade entre 2 e 64 anos, infectados por HIV,submetidos a quimioterapia contra câncer ou recebendo fármacos imunossupressores para prevenir a rejeição de transplante. Em crianças abaixo de dois anos, é administrada uma vacina pneumocócica, que contém polissacarídeo pneumocócico acoplado, essa vacina previne doenças como meningite e infecções de mucosas.
Meningite
A quimioprofilaxia e imunização são utilizadas na prevenção de doença meningocócica, em indivíduos que estabeleceram contato próximo, utiliza-se rifampina ou ciprofloxacina. Existem duas formas de vacina meningogócica, ambas contendo o polissacarídeo capsular dos grupos A, C, Y e W-135 como imunógenos. A vacina conjugada induz maiores títulos de anticorpos em crianças do que a vacina não conjugada. Indivíduos que viajam para regiões onde estão ocorrendo epidemias devem receber a vacina, estudantes que residem em alojamentos também são estimulados a receber a vacina.


Gonorréia
Envolve o uso de preservativo e o rápido tratamento de pacientes sintomáticos, assim como seus parceiros. A conjuntivite gonocóccica em recém-nascidos é prevenida com mais frequência pelo uso de unguento de eritromicina, gotas de prata são utilizadas com menor frequência, não existindo vacina disponível.



COCOS GRAM NEGATIVOS
O gênero possui dois patógenos humanos importantes: N. meningitidis – meningite e meningococcemia, N. gonorrhoeae – gonorréia, conjuntivite neonatal e a doença inflamatória pélvica.
Referências Bibliograficas
1. MURRAY, Patrick R.; ROSENTHAL, Ken S.; PFALLER, Michael A. Microbiologia Médica. 6. ed. Rio de Janeiro: Elsevier Edidota Ltda., 2010. P. 948.

2. BROOKS G. F. [et al]. Microbiologia médica, 25 ed.- Porto alegre. Editora AMGH. 2012. p. 195-206.

3. WARREN, Levinson. Microbiologia Médica e Imunologia. 10. ed. Porto Alegre: Artmed ,2010. 113-126 p.


4. TRABULSI Luiz R; ALTERTHUM Flávio. Microbiologia. 5. ed. Atheneu. São Paulo, 2008.
Full transcript