Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ECJ SEM

No description
by

Cátia Lopes

on 15 January 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ECJ SEM

ESCOLA SUPERIOR DE
ENFERMAGEM DE LISBOA Unidade Curricular de Enfermagem à Criança e ao Jovem SEMINÁRIO
Adolescente com Diabetes Janeiro, 2013 Docente Orientadora:
Professora Odete Lemos Discentes:
Catarina Ferreira 3448
Cátia Lopes 3494
Marco Fonseca 3495
Pedro lopes 3496
Regina Pereira 3880 Sumário: Objectivos Identificar as principais caracteristicas da Diabetes Mellitus tipo I e II;

Enumerar alguns dos stressor´s desta patologia na vida do adolescente e da família;

Formular os diagnósticos prioritários;

Planear as intervenções de enfermagem adequadas;

Drescrever um modelo "tipo" de esquema terapêutico;

Planear a alta. A Fátima é uma jovem de 13 anos que vive no seio de uma família que professa o islamismo;

Tem o esquema vacinal actualizado;

Ultimamente tem referido um conjunto de queixas vagas que a levaram ao médico de família. Após a realização de alguns exames, foi referenciada para o consulta hospitalar de pediatria por suspeita de diabetes;

Na consulta de pediatria foi confirmado o diagnóstico de diabetes inaugural, pelo que foi internada no serviço de pediatria para correcção de glicémia e aprendizagem de esquema terapêutico com insulina. Imagem retirada de: http://pt.dreamstime.com/imagens-de-stock-royalty-free-menina-mu%C3%A7ulmana-do-estudante-do-adolescente-image15123859 Exemplo Calculando... Como calcular as doses de insulina para programar a Bomba Infusora? 1 pão 2,5 U HC 1 copo de leite 1 U HC Imagem retirada de: http://metanoiacruz.blogspot.pt/2010/03/bendito-copo-de-leite.html Imagem retirada de: http://www.trdinternacional.com/padaria.html + 3,5 U HC 3,5 U HC x 0,6 = 2,1 UI Insulina Bólus Referências Bibliográficas: American Diabetes Association - http://www.diabetes.org. Acedido em 17/12/2012

BARROS, Luísa. As consequências psicológicas da hospitalização infantil: Prevenção e controlo. Análise. Psicológica [online]. 1998, vol.16, n.1, pp. 11-28. ISSN 0870-8231. Acedido dia 17/12/12. Disponível em: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v16n1/v16n1a03.pdf

Brown, V.J. (2012). An overview of Insulin pump therapy: appropriate use of na expensive resource. Journal of Endocrinology, Metabolism & Diabetes of South Africa. Vol 17(3), 122-126. 18/12/2012. Disponível em: http://www.ajol.info/index.php/jemdsa/article/view/83588

Coyne, I (2006). Children’s experiences of hospitalization. Journal of Child Health Care. Vol 10(4) 326–336. 20/12/12 DOI: 10.1177/1367493506067884. 20/12/212. Disponível em: http://chc.sagepub.com/content/10/4/326

HOCKENBERRY, Marilyn; WILSON, David (2009) - WONG Fundamentos de Enfermagem Pediátrica. 8ª edição. Rio de Janeiro, ISBN: 978-85-352-3447-3

Ihlo, C.A. et al (2010). Pharmacokinetics and pharmacodynamics of different modes of insulin pump delivery. A randomized, controlled study comparing subcutaneous and intravenous administration of insulin aspart. Diabetec Medicine. Vol28, 230-236 (2011). 18/12/2012. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21219436 DOI: 10.1111/j.1464-5491.2010.03149.x

Luís, Elisabete (2009). Contagem de Hidratos de Carbono em Pediatria. Porto. Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto. Monografia.

Johnson, Marions [et all] (2006). Ligações entre NANDA, NOC e NIC. Porto Alegre, 2ª Ed. Elsevier. ISBN 9788536317694. O tratamento / ENSINO Auto - controle Medicação Exercício
Físico 1 2 3 Plano Alimentar Imagem retirada de: http://www.thenutritionpost.com/kids/cdc-projects-huge-diabetes-jump-in-kids-teens.html Imagem retirada de: http://alimentacaosaudavel.expressforum.org/t11-nova-roda-dos-alimentos Imagem retirada de: http://www.diabeticool.com/a-evolucao-do-monitoramento-da-glicemia/ Controlo dos Valores de Glicémia Capilar Durante o ensino e supervisão do desempenho da técnica reforçar:

Desinfectar o dedo com anti-séptico antes do teste e deixar o produto evaporar;

Puncionar sempre dedos não cruciais para a perícia fina, podendo puncionar então os dedos anelar (4º) e mínimo(5º).

Puncionar o dedo na porção lateral;

Registar correctamente na Caderneta do Diabético o valor de glicémia e o bólus administrado Deverá realizar 5 medições diárias:

Pequeno Almoço
Almoço
Lanche
Jantar
Ceia

E Sempre que sinta que é necessário Alimentação As necessidades nutricionais para um adolescente diabético
são iguais às necessidades para um adolescente não diabético. Conselhos:

Contribuição em percentagem para a ingesta calórica:
Hidratos de Carbono – 50-60%
Gorduras – 25-30% (<10% Saturada, <10% Polinsaturada, >10% Monoinsaturada)
Proteínas – 15-20% (~1g/Kg/Dia até final da adolescência)
14g de Fibra por cada 1000Kcal O que significa:

Não há restrição absoluta de certos alimentos;

Há limite na quantidade e proporções dos grupos alimentares;

Obriga à contagem de Hidratos de Carbono e à atenção nas porções a ingerir. Medicação Cálculo das Doses de Terapêutica;

Tempo e modo de acção;

Ensino sobre a bomba. Tempo e modo de acção Ensino sobre a bomba Inserção de catéter subcutâneo:

Explicar as fazes do procedimento
Desinfecção
Inserção


Clarificar que é ligeiramente desconfortável e que vai sentir uma picada semelhante à picada para o teste de glicémia capilar.

Explicar que deverá remover este cateter e aplicar um novo em outro local da faixa abdominal a cada 3 dias ou quando este se descolar (com o auxílio de um adulto de referência).

Programar na bomba (se a leitura é pré-prandial ou esporádica-extra);

Inserir o que vai ingerir em gr de HC ou U HC;

Saber aproximadamente os valores de mobilização para cada UI de insulina afim de despistar erros (remotos) de mau funcionamento da bomba (que podem ser fatais);

Conhecer bem o teclado e visor da bomba;

Tecla ACT – Action – aceita as instruções dadas e o valor de bólus a administrar;

Ter atenção ao visor com ícone indicador de perfusão contínua, estado da bateria, volume restante do reservatório da insulina;

Inspeccionar a bomba diáriamente assim como o local de inserção do cateter e a sua tubuladura. Exercício Físico É crucial no tratamento:

Aumenta a sensibilidade à insulina;
Aumenta a massa muscular;
Diminui a glicémia durante e após o exercício;
Diminui a massa gorda;
Quando praticado regularmente diminui as necessidades de insulina; Prevenir complicações (hipoglicémias) devido ao exercício físico:

Fazer uma pequena refeição prévia com hidratos de carbono;
Diminuir a dose de insulina antes do exercicio;
Parar ao primeiro sinal de hipoglicémia;
Os amigos devem estar informados sobre a doença. 1 - A Dose Diária Total (DDT) de Insulina é prescrita pelo Endocrinologista da Fátima

2 - A equivalência Unidade de Hidratos de Carbono (U HC) - Massa de Hidratos de Carbono (g) é fixa: 1U HC = 10g

3 - A avaliação das porções de alimentos e de U HC deve ser treinada pela Fátima conhecendo a equivalência anterior.

4 - A Insulina prescrita para utilização na bomba infusora é de actuação rápida: Lispro
Início de Actuação ~ 15min
Pico de Actuação ~ 1-3h
Duração ~ 3-5h Dados de Partida DDT=UI Insulina Basal + UI Insulina Bólus Diario Prescrição Médica: 22UI Basal + (3x6UI) cada refeição=40UI/dia Calcular a Dose Diaria Total para a Bomba DDTB=DDT-(20-30%) *predefinido
= 40-25%
= 30UI/dia Calcular a Dose Diaria basal Bomba DDbB=DDTB/2
=30/2
=15UI/dia Calculo do Débito Basal Débito basal=DDbB/24
=15/24
=0.6UI/hora Calculo do Rácio Insulina:Hidratos de Carbono (I:HC) Actualmente, a forma mais usual de calcular o rácio de I:HC é utilizando a “regra dos 500” da Association of Clinical Endocrinologists (ACE) da seguinte forma: Rácio I:HC=500/DDTB
=500/30
=16,6~17g/UI Desta forma, a Fátima vai aprender, de uma forma que teremos de simplificar, que 1 UI da sua insulina consegue mobilizar, no seu corpo, aproximadamente 17g de hidratos de carbono. A próxima etapa será então calcular o FSI (para Insulina ultra rápida é recomendado pela ACE o valor 1800 e para Insulina rápida o valor 1500) Factor de Sensibilidade à Insulina (FSI) FSI=1500/DDTB
=1500/30
=50mg/dl Este factor de sensibilidade indica-nos a quantidade de glucose que 1 UI de insulina (específica da Fátima), no corpo da Fátima, consegue mobilizar e consequentemente reduzir.
Desta forma ensinamos a Fátima (e inserimos como parâmetro na bomba infusora) que em caso de hiperglicémia cada unidade da sua insulina vai baixar o valor de glicémia capilar em 50mg/dl. Aplicação à alimentação Se 17g de HC ____ São mobilizados por 1UI
Então 10g de HC* ____ São mobilizados por: X X=10/17=0,6UI Aplicação a uma Crise Hiperglicémica Teste de Glicémia esporádico= 230mg/dl Valor de glicémia pretendido=100mg/dl Valor de glicémia a baixar=230-100=130mg/dl Se uma redução de 50mg/dl __ é feita por 1 UI
uma redução de 130mg/dl __ precisa de X X=130/50=2,6UI *10 g é a massa de HC equivalente a 1 porção ou 1 U HC Doença Procedimentos Hospitalização Stressor´s Estar num ambiente estranho Separação da familia e amigos Ruptura com:
Rotina familiar;
Actividades normais;
Relações com os pares;
Sucesso nos objectivos escolares. Medo do desconhecido; Ambiente estranho e profissionais;
Desconforto com Ruído, iluminação, espaço e alimentação. Como intervir:
Proporcionar um espaço de diálogo (explicação do motivo de internamento), incentivando a exposição de dúvidas e verbalização de sentimentos;
Minimizar ruídos, iluminações nocturnas;
Criar espaços lúdicos, para distracção pessoal/ interacções de grupo;
Proporcionar alimentação caseira mediante os limites da doença. Medo da condição crónica;
Auto-determinação comprometida por perda de indepêndencia, restrição de actividades, não aceitação pelos grupos de pares;
Necessidade de controlo da diabetes, bem como refeições e horários das mesmas. Como intervir:
Assistir a Fátima a compreender a informação relacionada com o processo de doença;
Ensino sobre tratamento dos níveis plasmáticos de glicose superiores/inferiores aos valores normais;
Atitude menos rígida e regrada dos profissionais;
Abordagem de negociação, mantendo o clima de controlo;
Explicar as regras básicas de segurança, a nível medicamentoso e alimentar;
Explicar que nem tudo o que a Fátima faz/pode fazer carece de autorização;
Envolver a familia no sentido de desmistificar mitos. Medo de agulhas, erros de tratamento, lesão corporal, mutilação, dor, imagem corporal alterada. Como intervir:
Informar relativamente aos procedimentos;
Esclarecer dúvidas e desmistificar ideias;
Controlo da segurança do meio ambiente;
Escolher a melhor altura para os procedimentos, assegurando a privacidade e conforto;
Promoção da autonomia;
Controlo de nutrição e hiperglicémias;
Supervisão/cuidar da pele.
Uso te técnicas de relaxamento e técnicas de alivio da dor. Risco de glicémia instável:
Conhecimento deficiente sobre o controlo da diabetes;
Falta de adesão ao regime terapêutico;
Desconhecimento/dificuldade em controlar os medicamentos;
Monitorização inadequada da glicémia. Risco de Ansiedade
r/c internamento Risco de solidão.

Risco de síndrome de stress por mudança.

Interacção social prejudicada. Risco de lesão.
Risco de integridade da pele prejudicada.
Risco de infecção. Conhecimento deficiente R/C:
Monitorização da glicémia.
Controlo da diabetes;
Desconhecimento/dificuldade em controlar os medicamentos.
Alimentação adequada às necessidades
Exercício físico Diabetes Tipo I Tipo II Destruição das células beta



Défice de secreção de insulina



Insulinoterapia Diminuição secreção + Resistência dos tecidos à insulina


Défice de acção da insulina


ADO + Insulinoterapia Apresentação do caso;
Tipos de Diabetes;
Stressors no Adolescente;
Doença;
Hospitalização;
Procedimentos;
Stressors da família;
Principais diagnósticos;
Intervenções de enfermagem;
Tratamento/Ensino;
Diagnósticos e Intervenções de enfermagem;
Auto-controlo;
Medicação;
Alimentação;
Exercicio fisico;
Planeamento da Alta
Outros Diagnósticos
Conclusão. Conclusão: Outros diagnósticos:
Risco de baixa auto-estima situacional (percepção negativa sobre o seu próprio valor);
Disturbio na imagem corporal (confusão na imagem mental do eu fisico);
Desempenho de papel ineficaz (interrupção no desempenho de papel e expectativas). Actualização de conhecimentos relativos à patologia para melhor intervir junto dos clientes e prevenir complicações;

Ensino eficaz para que os clientes apresentem:
•Bom controlo metabólico;
•Crescimento e desenvolvimento psico-sociais normais;
• Obtenção de estratégias que possibilitem ao diabético lidar com os problemas do quotidiano.

O avanço da tecnologia teve impacto na forma como se “trata” a DM, mais concretamente, na forma como se administra a insulina.

A bomba infusora tem diversas vantagens:
Flexibilidade nas refeições e exercício físico;
Melhoria controlo metabólico;
Diminuição no nº de hipoglicémias graves;
Mais espontaneidade e liberdade (criança/adolescente e família);
Semelhança com a secreção pancreática fisiológica. Prevenção secundária Prevenção secundária Prevenção secundária Como intervir:
Permitir que a Fátima tenha os seus pais junto de si, enquanto estes puderem, promovendo a integridade e envolvimento familiar;
Suporte à familia;
Proporcionar a visita dos seus amigos e terapias de grupo;
Adaptar as rotinas do serviço às preferências (hora do banho, refeições) da Fátima;
Proporcionar espaço para a expressão de sentimentos;
Incentivar ao estudo enquanto está internada. Prevenção secundária
Johnson, Marions [et all] (2006). Ligações entre NANDA, NOC e NIC. Porto Alegre, 2ª Ed. Elsevier. ISBN 9788536317694. BARROS, Luísa. As consequências psicológicas da hospitalização infantil: Prevenção e controlo. Análise. Psicológica [online]. 1998, vol.16, n.1, pp. 11-28. ISSN 0870-8231. Acedido dia 17/12/12. Disponível em: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v16n1/v16n1a03.pdf

Johnson, Marions [et all] (2006). Ligações entre NANDA, NOC e NIC. Porto Alegre, 2ª Ed. Elsevier. ISBN 9788536317694.

Coyne, I (2006). Children’s experiences of hospitalization. Journal of Child Health Care. Vol 10(4) 326–336. 20/12/12 DOI: 10.1177/1367493506067884. 20/12/212. Disponível em: http://chc.sagepub.com/content/10/4/326 BARROS, Luísa. As consequências psicológicas da hospitalização infantil: Prevenção e controlo. Análise. Psicológica [online]. 1998, vol.16, n.1, pp. 11-28. ISSN 0870-8231. Acedido dia 17/12/12. Disponível em: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v16n1/v16n1a03.pdf

Johnson, Marions [et all] (2006). Ligações entre NANDA, NOC e NIC. Porto Alegre, 2ª Ed. Elsevier. ISBN 9788536317694.

Coyne, I (2006). Children’s experiences of hospitalization. Journal of Child Health Care. Vol 10(4) 326–336. 20/12/12 DOI: 10.1177/1367493506067884. 20/12/212. Disponível em: http://chc.sagepub.com/content/10/4/326 BARROS, Luísa. As consequências psicológicas da hospitalização infantil: Prevenção e controlo. Análise. Psicológica [online]. 1998, vol.16, n.1, pp. 11-28. ISSN 0870-8231. Acedido dia 17/12/12. Disponível em: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v16n1/v16n1a03.pdf

Johnson, Marions [et all] (2006). Ligações entre NANDA, NOC e NIC. Porto Alegre, 2ª Ed. Elsevier. ISBN 9788536317694.

Coyne, I (2006). Children’s experiences of hospitalization. Journal of Child Health Care. Vol 10(4) 326–336. 20/12/12 DOI: 10.1177/1367493506067884. 20/12/212. Disponível em: http://chc.sagepub.com/content/10/4/326 American Diabetes Association - http://www.diabetes.org. Acedido em 17/12/2012 Ihlo, C.A. et al (2010). Pharmacokinetics and pharmacodynamics of different modes of insulin pump delivery. A randomized, controlled study comparing subcutaneous and intravenous administration of insulin aspart. Diabetec Medicine. Vol28, 230-236 (2011). 18/12/2012. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21219436 DOI: 10.1111/j.1464-5491.2010.03149.x Brown, V.J. (2012). An overview of Insulin pump therapy: appropriate use of na expensive resource. Journal of Endocrinology, Metabolism & Diabetes of South Africa. Vol 17(3), 122-126. 18/12/2012. Disponível em: http://www.ajol.info/index.php/jemdsa/article/view/83588

Ihlo, C.A. et al (2010). Pharmacokinetics and pharmacodynamics of different modes of insulin pump delivery. A randomized, controlled study comparing subcutaneous and intravenous administration of insulin aspart. Diabetec Medicine. Vol28, 230-236 (2011). 18/12/2012. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21219436 DOI: 10.1111/j.1464-5491.2010.03149.x

Luís, Elisabete (2009). Contagem de Hidratos de Carbono em Pediatria. Porto. Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto. Monografia. Luís, Elisabete (2009). Contagem de Hidratos de Carbono em Pediatria. Porto. Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto. Monografia. Johnson, Marions [et all] (2006). Ligações entre NANDA, NOC e NIC. Porto Alegre, 2ª Ed. Elsevier. ISBN 9788536317694. http://physicalliving.com/img/cartoon3.jpg http://bostoncatholicinsider.files.wordpress.com/2012/04/tired-runner-cartoon.jpg Ihlo, C.A. et al (2010). Pharmacokinetics and pharmacodynamics of different modes of insulin pump delivery. A randomized, controlled study comparing subcutaneous and intravenous administration of insulin aspart. Diabetec Medicine. Vol28, 230-236 (2011). 18/12/2012. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21219436 DOI: 10.1111/j.1464-5491.2010.03149.x Ihlo, C.A. et al (2010). Pharmacokinetics and pharmacodynamics of different modes of insulin pump delivery. A randomized, controlled study comparing subcutaneous and intravenous administration of insulin aspart. Diabetec Medicine. Vol28, 230-236 (2011). 18/12/2012. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21219436 DOI: 10.1111/j.1464-5491.2010.03149.x BARROS, Luísa. As consequências psicológicas da hospitalização infantil: Prevenção e controlo. Análise. Psicológica [online]. 1998, vol.16, n.1, pp. 11-28. ISSN 0870-8231. Acedido dia 17/12/12. Disponível em: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v16n1/v16n1a03.pdf

Johnson, Marions [et all] (2006). Ligações entre NANDA, NOC e NIC. Porto Alegre, 2ª Ed. Elsevier. ISBN 9788536317694.

Coyne, I (2006). Children’s experiences of hospitalization. Journal of Child Health Care. Vol 10(4) 326–336. 20/12/12 DOI: 10.1177/1367493506067884. 20/12/212. Disponível em: http://chc.sagepub.com/content/10/4/326 Brown, V.J. (2012). An overview of Insulin pump therapy: appropriate use of na expensive resource. Journal of Endocrinology, Metabolism & Diabetes of South Africa. Vol 17(3), 122-126. 18/12/2012. Disponível em: http://www.ajol.info/index.php/jemdsa/article/view/83588

Ihlo, C.A. et al (2010). Pharmacokinetics and pharmacodynamics of different modes of insulin pump delivery. A randomized, controlled study comparing subcutaneous and intravenous administration of insulin aspart. Diabetec Medicine. Vol28, 230-236 (2011). 18/12/2012. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21219436 DOI: 10.1111/j.1464-5491.2010.03149.x Brown, V.J. (2012). An overview of Insulin pump therapy: appropriate use of na expensive resource. Journal of Endocrinology, Metabolism & Diabetes of South Africa. Vol 17(3), 122-126. 18/12/2012. Disponível em: http://www.ajol.info/index.php/jemdsa/article/view/83588

Ihlo, C.A. et al (2010). Pharmacokinetics and pharmacodynamics of different modes of insulin pump delivery. A randomized, controlled study comparing subcutaneous and intravenous administration of insulin aspart. Diabetec Medicine. Vol28, 230-236 (2011). 18/12/2012. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21219436 DOI: 10.1111/j.1464-5491.2010.03149.x HOCKENBERRY, Marilyn; WILSON, David (2009) - WONG Fundamentos de Enfermagem Pediátrica. 8ª edição. Rio de Janeiro, ISBN: 978-85-352-3447-3 Stressor´s da familia Sentimento de culpa;
Problemas financeiros;
Mudanças de rotina/alterações da vida quotidiana;
Experiências anteriores de hospitalização e doença;
Procedimentos médicos (diagnóstico e terapêutica);
Sistemas de suporte;
Factores pessoais (ego);
Crenças culturais e religiosas;
Padrão de comunicação entre os membros do sistema familiar. Como intervir:
Promover o envolvimento parental;
Manter uma atitude positiva;
Incluir os pais no planeamento de cuidados;
Promover o Empowerment / Apoio à tomada de decisão;
Facilitar a presença dos pais durante a hospitalização e procedimentos;
Ensino aos pais sobre a doença/cuidados;
Assistência quanto a recursos financeiros;
Promoção da capacidade de resiliência. Enfrentamento familiar comprometido (Apoio e conforto insuficientes por parte do cuidador);
Risco de tensão do papel de cuidador (cuidador vulnerável pelo desempenho de papel);
Risco de vinculo pais/filhos prejudicado (disturbio do processo interactivo).
Johnson, Marions [et all] (2006). Ligações entre NANDA, NOC e NIC. Porto Alegre, 2ª Ed. Elsevier. ISBN 9788536317694.

HOCKENBERRY, Marilyn; WILSON, David (2009) - WONG Fundamentos de Enfermagem Pediátrica. 8ª edição. Rio de Janeiro, ISBN: 978-85-352-3447-3 Prevenção
secundária Prevenção
terciária Encaminhamento para consultas de diabetologia;
Associação de Diabéticos;
Locais de aquisição de insulina/ (kit´s para a bomba);
Informação dos responsáveis da escola / Readaptação às rotinas escolares.
Encaminhamento para grupos de apoio;
Orientação quanto ao sistema de saúde. Preparação para a alta Johnson, Marions [et all] (2006). Ligações entre NANDA, NOC e NIC. Porto Alegre, 2ª Ed. Elsevier. ISBN 9788536317694.
Full transcript