Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Pesquisa em Epidemiologia

Epidemiologia
by

Luciano Rodrigues

on 29 April 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Pesquisa em Epidemiologia

Referências
Pandemia
Intervalo de Tempo de uma Doença
Pesquisa Epidemilógica
Causalidade
Desenho de Pesquisa em Epidemiologia
Tipos de Pesquisas.
Pesquisa Epidemiológica
Modelo determinístico puro - ocorrência de um evento ligado à saúde (previsível entre dois eventos).
Modelo Probabilístico - uso de técnicas estatísticas que avalia, empiricamente, uma possível associação entre duas variáveis.
Permite predizer quantos irão adoecer e quantos não irão adocer.
Estimativa de parâmetros causais para população, e não parâmetros determinísticos para indivíduos.
Epidemiologia
Pesquisa em Epidemiologia
Prof. Luciano
Rodrigues

Endemia
Epidemia
Pesquisa Epidemilógica
É empírica, baseada na coleta sistemática de informações sobre eventos ligados à saúde em uma população definida e na qualificação destes eventos.
Tratamento numérico dos fatos investigados:
Mensuração de variáveis aleatórias.
Estimação de Parâmetros Populacionais.
Testes Estatísticos de Hipóteses.
Que se fundamenta na observação e na experiência, seguindo métodos ou não.
Mensuração
Atribuição de um valor ou qualidade a cada unidade observação.
Estimação
Testes Estatísticos de Hipóteses
Processo matemático pelo qual se obtém um valor numérico, desta variável numa população (parâmetro).
Ex.: Utilizar a prevalência de 30% de obesos encontrada em uma amostra para inferir a proporção de obesidade na população da qual extraiu a amostra.
Avalia o quanto o acaso pode ser responsável por um resultado encontrado numa amostra.
"O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar..."
Desenhos de Estudo

Desenhos de Estudo

Desenhos de Estudo

Desenhos de Estudo

Desenhos de Estudo

ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO

Desenhos de Estudo

Desenhos de Estudo

CASO-CONTROLE

Desenhos de Estudo

Questões: quais os efeitos da exposição

É o uso de metodologia que impede os indivíduos/pesquisadores saibam se fazem parte do grupo experimental ou controle

MASCARAMENTO

Desenhos de Estudo

Todos os fatores devem estar distribuídos igualmente entre os grupos

Distribuição aleatória (ao acaso) dos
participantes do grupo experimental

RANDOMIZAÇÃO

Desenhos de Estudo

Estudo experimental, onde se testa a utilização de ações de saúde, verificando-se a incidência da doença no grupo que recebeu a intervenção e no grupo que só recebeu placebo

Formação de grupos homogêneos
Facilidade formar grupo controle
Coleta feita no momento em que os fatos ocorrem

Questões éticas e práticas dificultam utilização
Resultados pouco confiáveis quando os efeitos são raros
Alto custo operacional e financeiro

ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO

Desenhos de Estudo

CONTROLE
Representativo população
Fonte e método de coleta semelhante (não hospitalar: parente, amigo do CASO, residente mesma área. hospitalar)

Amostra hospitalar
Tipo doença – seleção aleatória – centro terciário atenção
Definição doença
Todos os casos? Manifestações? Limitar variáveis
Casos
Incidentes? Prevalentes?

Seleção participantes

Desenhos de Estudo

Estudos de casos e controles constituem uma forma relativamente simples de investigar a causa das doenças, particularmente doenças raras.
Inclui pessoas:
Com a doença (ou outra variável de desfecho)
Grupo controle (grupo de comparação ou referência) composto de pessoas não afetadas pela doença ou variável de desfecho.
São longitudinais, diferentes dos estudos transversais


Amostra pequena
Menor tempo
Menor custo
Adequado para doenças raras

Estudo observacional – amostra é identificada e selecionada pela manifestação da doença para em seguida, analisar os fatores causais

CASO-CONTROLE
Desenhos de Estudo

Dados agregados e não individual
Coletados por motivos que não do estudo
Dificuldade de comparação

Simplicidade execução
Baixo custo
Dados disponíveis – estatística
Rápido
Resultados – criar Políticas Públicas

ECOLÓGICOS

Estudo observacional – dados em grupos de indivíduos de um mesmo país, em momentos distintos, ou diferentes países em um mesmo momento

Desenhos de Estudo

Ausência de problemas éticos quanto a exposição de fatores de risco
Facilidade na seleção da amostra
Coleta dados feita no momento em que os fatos ocorrem

Alto custo
Tempo
Método impossível de ser aplicado em estudo etiológico da doença

Estudo observacional – dados são coletados sobre o agente causal enquanto a amostra é seguida por um período determinado de tempo

COORTE

Desenhos de Estudo

Viés de prevalência – são excluídos os curados ou falecidos
Associação causal na época da coleta

Simplicidade execução
Baixo custo
Rápido
Objetividade na coleta dados
Facilidade obter amostra

Estudo observacional – coleta simultânea de informação sobre a característica (doença) e fator causal para cada indivíduo

TRANSVERSAL

Desenhos de Estudo

Estudos Observacionais
Descritivos
Analíticos

O pesquisador “escolhe” a que grupo de
exposição o paciente pertencerá?

Desenhos de Estudo

NÃO
Recursos

Conhecimento disponível

Tipo problema

Escolha

Desenhos de Estudo

Doente
Não doente

Exposto
Não exposto

Fumante
Não fumante

COORTE

Seleção coorte
quanto a exposição

Efeito

Desenhos de Estudo

Utilização de AZT em indivíduos vivendo com AIDS

Procedimento terapêutico é testado objetivando cura, alivio sintoma ou prolongar vida

Terapêutica

Utilização de AZT em indivíduos HIV positivos, sem sintomas de AIDS

Pesquisador intervém antes que a doença se desenvolva em indivíduos com risco aumentado

Intervenção

Educação em saúde: utilização de preservativos e transmissão do HIV

Verificar a eficácia de um método preventivo em indivíduos sem doença

Prevenção

Tipos de Ensaio Clínico Randomizado

Desenhos de Estudo

COORTE

NÃO-VASECTOMIA

VASECTOMIA

Objetivo: avaliar a relação entre vasectomia
e câncer de próstata

Sem câncer

Câncer

Câncer

Sem câncer

Desenhos de Estudo

Objetivo: verificar a variação do índice de infecção ao longo do tempo

Ind. Infec. Jan/Dez 2006

Ind. Infec. Jan/Dez 2003

Ind. Infec. Jan/Dez 2005

Ind. Infec. Jan/Dez 2004

Futuro

Hoje

SADIO
DOENTE ?
ESTUDOS RETROSPECTIVOS

Passado


HÁBITO

Hoje

DOENTE

Desenhos de Estudo

CASO-CONTROLE

CONTROLE
NÃO HIPERTENSÃO

CASO
HIPERTENSÃO

Objetivo: verificar a relação entre hábito de fumar e hipertensão

Não Fumante


Fumante


Fumante

Não Fumante

POPULAÇÃO

Desenhos de Estudo

O pesquisador manipula
o fator de exposição?

Estudos Experimentais
ou de Intervenção


O pesquisador “escolhe” a que grupo de
exposição o paciente pertencerá?

Desenhos de Estudo

SIM
O pesquisador manipula
o fator de exposição?

ESTUDOS PROSPECTIVOS

Desenhos de Estudo

Desenhos de Estudo

Não Exposto
Não Doente
(sem desfecho)

Exposto Doente
(com desfecho)

Não Exposto
Doente
(com desfecho)

Exposto Não Doente (sem desfecho)

Pacientes internados no hospital

POPULAÇÃO

ECOLÓGICOS

Desenhos de Estudo

CASO
Inicia com um grupo de pessoas livres da doença, que são classificados em subgrupos, de acordo com a exposição a uma causa potencial da doença ou desfecho sob investigação.
COORTE

Desenhos de Estudo

As variáveis de interesse são especificadas e medidas e a coorte inteira acompanhada com o objetivo de ver o surgimento de novos casos de doença (ou outro desfecho) difere entre os grupos, conforme a presença ou não de exposição.

Longitudinais ou de incidência (outros nomes)
Acompanhamento frequência com que ocorre doença

Causa
COORTE

Epidemiologia
Presença constante de
uma doença ou
agente infeccioso

Ocorrência em uma comunidade ou região
de uma doença (com natureza semelhante)
em números acima da expectativa normal.
Ocorrência em várias comunidades ou região
ao longo do mundo, em números acima da
expectativa normal
Full transcript