Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A Abóbada. de Alexandre Herculano

No description
by

Felipe de Carvalho Silva

on 1 September 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A Abóbada. de Alexandre Herculano

Ana Amélia Lima
Ana Lemes
Eduardo Lopes
Felipe de Carvalho
Letícia Nataly Almeida
Estudantes:
A Abóbada:
Uma análise do conto de Alexandre Herculano

Fábula
Personagens
Narrador e Focalização
ambientação - espaço
Tempo
Affonso Domingues
Mestre Ouguet


Rei D. João I


Frade Lourenço Lamprea
Frade Joanne


Anna Margarida
Martim Vasques
Brites d'Almeida
Affonso Domingues
Rei D. João I
Brites d'Almeida
Personagens
redondas
Personagem plana com tendência à redonda
Personagens estereótipo
Personagens planas
[...] os campos, cubertos aqui de relva, acolá de searas, que cresciam a olhos vistos com o calor benefico do sol, verdejavam ao longe, ricos de futuro para o pegureiro e para o lavrador[...]

“Atravessando a planicie, em que avultava o mosteiro, passava o rio Lena[...]”
Espaço Físico:
ambientação - espaço
Espaço Social:
Pela descrição dos arredores do mosteiro, a população vai de Frades que o habitam, à trabalhadores e pequenos comerciantes que acabam por se instalar aos arredores do mosteiro a fim de dar cabo às necessidades da vila que ali começa sua fundação.
Tempo Cronológico:
“O dia 6 de Janeiro do anno da Redempção 1401 tinha amanhecido puro e sem nuvens:[...]”

“Eram sete de Maio da era de Cesar de 1439, ou, como os letrados diziam, do anno da redempção, 1401. Quatro mezes certos se contavam nesse dia, […]”
Tempo
Tempo histórico:
“Durante estes quatro mezes os successos politicos tinham trazido D. João I a Santarem, onde se fizera prestes com bom numero de lancas, besteiros, e peoes para ir ajunctar-se com o Condestavel, e entrarem ambos por Castella, cuja guerra tinha recomecado, por se haverem acabado as treguas. Para esta entrada se apparelhara elrei com uma lustrosa companhia de seus cavalleiros, e caminhando pela margem direita do Tejo, acampara juncto a Tancos, onde se havia de construir uma ponte de barcas para passar o exercito, e seguir avante ate o Crato, que era o logar aprazado com o Condestavel, para junctos irem dar sobre Alcantara.”
Tempo
Tempo do discurso
Narração ulterior
: entende-se por narração ulterior aquele ato narrativo que se situa numa
posição de inequívoca posterioridade em relação à história
. Esta é dada como terminada e resolvida quanto às ações que a integram; só então o narrados, colocando-se perante esse universo diegético por assim encerrado, inicia o relato, na posição de quem conhece em totalidade os atos que narra. Ocorre em sua maioria esmagadora em narrativas regidas por
narrador heterodiegético
, muitas vezes em focalização onisciente.
Nós
Capítulo I - O Cego
O povo da cidade se reúne para ver o auto da adoração dos reis;

D. João I escreve a um frade dizendo que estará presente no auto e também para ver a nova abóboda da igreja, finalizada pelo mestre Ouguet (estrangeiro), da qual recentemente foram retirados os cimbres (armações de madeira);

Os frades avistam o cego Affonso Domingues, que, quando ainda não havia perdido a visão, fora arquiteto da igreja. Affonso Domingues se mostra descontente com D. João I, pois, a seu mando, perdera seu trabalho e, como retribuição, ganhara somente uma pensão;

Chega D. João I à cidade.
Nós
Capítulo III - O Auto
Capítulo II - Mestre Ouguet
Mestre Ouguet muda os planos para a construção da abóbada e não consulta o arquiteto Affonso Domingues por não o julgar de serventia, afinal, está cego.
Mestre Ouguet irrompe o auto, “boca torcida e cuberto de escuma, olhos esgazeados”;

Todos consideram que Ouguet fora possuído pelo diabo;

Realizam um exorcismo, mas Ouguet adoece;

A abóboda desmorona.
Capítulo IV - Um Rei Cavalleiro
D. João I restitui Affonso Domingues ao cargo de chefe da obra;

Affonso Domingues promete entregar, em quatro meses, pronta e firme a abóboda.
Nós
Capítulo V - O Voto Fatal
Affonso Domingues termina antes do tempo e exige a presença de D. João I para a retirada dos cimbres;

D. João I antes de sair de Lisboa, liberta alguns cárceres estrangeiros para acompanha-lo até a igreja, aos quais promete liberdade caso a abóboda não caia sobre eles;

Affonso Domingues faz voto de jejum por 3 dias;

A abóboda não cai, os prisioneiros são libertados;

Affonso Domingues morre ao completar o terceiro dia de jejum;

D. João I ordena que seja erguida uma estátua em homenagem a Domingues.
Affonso Domingues, grande arquiteto, projetou uma abóboda para o mosteiro de Batalha. Antes de sua execução, porém, fica cego, e D. João I orientado por seus conselheiros, convida David Ouguet, arquiteto irlandês, para concluir o projeto.
Mestre Ouguet altera o desenho de Affonso Domingues, e a abóboda cai em menos de um dia. D. João I, após muito se desculpar com Domingues, o restitui ao cargo de mestre de obra. Affonso Domingues executa a obra e, a fim de verificar que a abóboda não cairá, faz um voto de jejum durante três dias. Porém, devido à fraqueza e à velhice, morre ao terceiro dia. Conclui-se que a abóboda foi realizada com sucesso.
Conflito Drámatico
Affonso Domingues projeta uma abóboda para o mosteiro de Batalha, porém a cegueira o acomete e julgam-no incapaz de realizar a obra. A construção passa às mãos de outro arquiteto que falha. Affonso Domingues é encarregado novamente do projeto e o executa com sucesso.
Referências:
Clímax
Narrador heterodiegédico com focalização externa
“O dia 6 de Janeiro do anno da Redempção 1401 tinha amanhecido puro e sem nuvens: os campos, cubertos aqui de relva, acolá de searas, que cresciam a olhos vistos com o calor benefico do sol, verdejavam ao longe, ricos de futuro para o pegureiro e para o lavrador. Era um destes formosíssimos dias de inverno, mais gratos que os do estio, porque sao de esperança, e a esperança vale mais do que a realidade”
Evocação de um narratário (traço popular do conto): transmissão oral de um mito construído

Assistiu o leitor
a promessa que mestre Affonso Domingues fez a D. João I de que dentro de quatro mezes lhe daria posto o remate na abobada da casa capitular de Sancta Maria da Victoria”
“Uma das innumeraveis questoes, que,
em nosso entender
, eternamente ficarao por decidir, e a que versa sobre qual dos dous dictados—voz do povo e voz de Deus—ou—voz do povo e voz do diabo— seja o que exprima a verdade.
"Senhor rei, e chegado o momento de vos declarar meu segundo voto. Pelo corpo e sangue do
Redemptor jurei que, assentado sobre a dura pedra, debaixo do fecho da abobada, estaria sem comer
nem beber durante tres dias, desde o instante em que se tirassem os simples[...]"
"Passada uma hora, aquelle montao de vigas, barrotes, taboas, cambotas, cabrestantes, reguas e
travessas tinha passado pela crasta fora em collos de homens[...]"
Desenlace
O objetivo final é logrado, ou seja, a construção da abóboda do mosteiro de Batalha é realizada com sucesso.
"Na pedra, sobre a qual Mestre Affonso expirara, ordenou elrei se tirasse, parecido quanto fosse possivel retratando-se um cadaver, o vulto do honrado architecto, e que esta imagem fosse collocada em um dos angulos da casa capitular, onde durante mais de quatro seculos, como as sphynges monumentaes do Egypto, tem dado origem as mais desvairadas hypotheses e conjecturas[...]"
Imagem 1
Imagem 2
Imagem 3
Imagem 4
Imagem 5
Imagem 6
FRANCO JR., Arnaldo. Operadores de Leitura da Narrativa
Herculano Alexandre. A Abóboda. Disponível em http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ws000001.pdf Acesso em 31/08/2016
Imagem 1. Disponível em http://www.mosteirobatalha.pt/pt/thumb.php?file=../data/fotos/bf153c_pt.JPG Acesso em 31/08/2016
Imagem 2. Disponível em https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/54/Anoniem_-_Koning_Johan_I_van_Portugal_(1450-1500)_-_Lissabon_Museu_Nacional_de_Arte_Antiga_19-10-2010_16-12-61.jpg Acesso em 31/08/2016
Imagem 3. Disponível em https://pt.wikipedia.org/wiki/Padeira_de_Aljubarrota#/media/File:Aljubarrota.padeira.azulejo.jpg Acesso em 31/08/2016
Imagem 4. Disponível em http://www.mochileiros.com/otf_pic.php?pic_cat=users_pics&pic_id=user_19194_mapa_batalha.gif Acesso em 31/08/2016
Imagem 5. Disponível em https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/33/Mosteiro_da_Batalha_78a.jpg Acesso em 31/08/2016
Imagem 6. Disponível em http://1.bp.blogspot.com/-UUMb5JapVvU/VgrmYcMRnBI/AAAAAAAAC5I/dTcK8w-J3Fs/s1600/3.jpg Acesso em 31/08/2016
Full transcript