Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

CULTURA POP

No description
by

Mayana Rocha Soares

on 26 January 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of CULTURA POP

BLOCO 3 - CULTURA POP
A impossível pureza do indígena
A comunicação a partir da cultura
Voltemos ao início: Cultura...
Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia
A mistura de povo e massa no urbano
Os métodos
O que nos reserva os séculos 20 e 21?
Cultura pop ou de massa
Mestiçagem
Cultura
Cultivo
Culto
Origem
Escrita
Erudita
Popular
(tida como "universais", "superiores",
"dos espíritos elevados").
(tida como "regional/local", "inferior",
"do povo").
Ex.: Grandes artes: Música clássica, literatura,
pintura, etc.
Ex.: Arte popular, artesanato, Manifestações populares,
cantiga popular, ec.
Momentos importantes na história ocidental:
1930 - Rádio
1950 - TV
1980 - Movimentos culturais identitários,
novos estilos de vida/moda.
1990 - Acesso a internet como meio de
entretenimento.
1920/30 - Cinema mudo/falado
Cultura pop ou de massa
antecedentes...
- Não há busca pela "originalidade";
- Mescla com chamadas culturas "eruditas" e
"populares";
- Invadiu a cultura urbana;
- Produto cultural;
- Feita para ser consumida.
Comunicação
Cultura
Política
Investigação: transformações do massivo nas culturas subalernas da América Latina;
"a comunicação está se convertendo num espaço estratégico a partir do qual se podem pensar os bloqueios e as conradições que dinamizam essas sociedades-encruzilhada, a meio caminho entre um subdesenvolvimento acelerado e uma modernização compulsiva".
"Assim, o eixo do debate deve se deslocar dos meios para as mediações, isto é, para as articulações entre práticas de comunicação e movimentos sociais, para as diferentes temporalidades e para a pluralidade de matrizes culturais"
"Reconhecimento de uma mestiçagem que, na América Latina, não remete a algo que passou, e sim àquilo que nos constitui, que não é apenas fato social, mas também razão de ser, tecidos de temporalidades e espaços, memórias e imaginários [...]"
"O que é traduzido em termos de nostalgia pelo natural e pelo rústico, fascínio pelo exótico, constituindo-se assim essa outra forma de pressão cada dia mais poderosa que é a do turismo. Convertendo as culturas indígenas em espetáculos, o turismo forma a estereotipagem das cerimônias e objetos, misturando o primitivo e o moderno [...]"
A homogeneização do popular - o "camponês";
Massificação: cinema, rádio, futebol, nacionalismo, consumo, televisão, publicidade, modernização - nova dinâmica cultural na cultura popular urbana latino-america.
"Essa cultura de bairro vai configurar a partir de três campos: os que são constituídos por fatores alheios, como a escola; os que, apesar de se constituírem por fora, são dotados de significado próprio, como o café; e os que são criação em larga medida autônoma dos setores populares, como as bibliotecas e clubes."
novas cartografias comunicacionais,
novos processos discursivos,
novas abordagens epistemológicas;
uma comunicação em processo.
Crítica ao reducionismo marxista:
"Entre emissores-dominantes e receptores-dominados, nenhuma sedução, nenhuma resistência, só a passividade do consumo e a alienação decifrada na imanência de uma mensagem-texto nunca atravessada por conflitos e contradições, muito menos lutas"
Modelo Informacional
"Fica de fora toda a gama de perguntas que vem da informação como o processo de comportamento coletivo. Fica de fora o conflito de interesses em jogo a produzir, acumular ou veicular informações e, por conseguinte, o problema da desinformação e do controle"
Para a era informacional, a racionalidade informacional dissolve "o político".
Segundo Martín-Barbero, "O desafio representado pela indústria cultural aparece com toda a sua densidade no cruzamento dessas duas linhas de renovação - que inscrevem a questão cultural no interior do político e a comunicação na cultura. Não se trata de reviver dirigismos autoritários, é certo, mas tampouco se pode entender a expansão da pluralidade de vozes na democracia "como um aumento da clientela dos consumos culturais" (apenas). O que já não fará sentido é continuar progamando políticas que separem aquilo que acontece na Cultura - maiuscula - daquilo que acontece nas massas - na indústria e nos meios massivos de comunicação. Estas não podem ser políticas à parte, já que o que acontece culturalmente com as massas é fundamental para a democracia, se é que a democracia tem algo a ver com o povo".
CULTURAS HÍBRIDAS
Culturas Híbridas = "mistura", "mescla", "trânsito", "impureza".
Poderes oblíquos = "tortuosos", "irregulares", "descentralizados", "sinuosos", "indiretos".
"Ao argumentar contra o excessivo peso do tradicional no estudo das culturas populares, usamos o maior número de páginas para demonstrar o que não há de tradicional, autêntico, nem autogerado nos grupos populares."
Culturas populares urbanas marcadas pelas migrações, mudanças culturais, massificação dos meios de comunicação e informação, criando novas subjetividades, criação de classes subempregadas ou desempregadas - capitalismo informacional e tecnológico.
Relações socioculturais modernas urbana
subalterno/hegemônico
tradicional/moderno
Relações estreitas, complexas e dialogais
"As ideologias urbanas atribuíram a um aspecto da transformação, produzida pelo entrecruzamento de muitas forças da modernidade, a "explicação" de seus nós e suas crises. Desde esse livro de Castells, acumularam-se evidências de que a "sociedade urbana" não se opõe
taxativamente ao "mundo rural", que o predomínio das relações secundárias sobre as primárias, da heterogeneidade sobre a homogeneidade (ou, ao contrário, segundo a escola) não são atribuíveis
unicamente à concentração populacional nas cidades."
"A urbanização predominante nas sociedades contemporâneas se entrelaça com a serialização e o anonimato na produção, com reestruturações da comunicação imaterial (dos meios massivos à telemática) que modificam os vínculos entre o privado e o público. Como explicar que muitas
mudanças de pensamento e gostos da vida urbana coincidam com os do meio rural, se não por que as interações comerciais deste com as cidades e a recepção da mídia eletrônica nas casas rurais os conecta diretamente com as inovações modernas?"
"Midiatização"
Processo de massificação das subjetividades urbanas, a partir de meados do século XX.
Multiplicação das Identidades
"A emergência de múltiplas exigências, ampliada em parte pelo crescimento de reivindicações culturais e relativas à qualidade de vida, suscita um espectro diversificado de órgãos porta vozes: movimentos urbanos, étnicos, juvenis, feministas, de consumidores, ecológicos etc. A mobilização social, do mesmo modo que a estrutura da cidade, fragmenta-se em processos cada vez mais difíceis de totalizar."
Mercado e produção de subjetividades do consumo
"O mercado reorganiza o mundo público como palco do
consumo e dramatização dos signos de status. As ruas tornam-se saturadas de carros, de pessoas
apressadas para cumprir obrigações profissionais ou para desfrutar uma diversão programada, quase
sempre conforme a renda econômica."
Monumento Mário Cravo, 1923.
Monumento Castro Alves, 1923.
"O desenvolvimento moderno tentou distribuir os objetos e os signos em lugares específicos: as mercadorias de uso atual nas lojas, os objetos do passado em museus de história, os que pretendem valer por seu sentido estético em museus de arte. Ao mesmo tempo, as mensagens emitidas pelas mercadorias, pelas obras históricas e artísticas, e que indicam como usá-las, circulam pelas escolas e pelos meios massivos de comunicação. Uma classificação rigorosa das coisas, e das linguagens que falam delas, sustém a organização sistemática dos espaços sociais em que devem ser consumidos. Essa ordem estrutura a vida dos consumidores e prescreve comportamentos e modos de percepção adequados a cada situação. Ser culto em uma cidade moderna consiste em saber distinguir entre o que se compra para usar, o que se rememora e o que se goza simbolicamente. Requer viver o sistema social de forma compartimentada."
Tradicional e moderno
=
faces da mesma moeda

COEXISTEM
"Grafites, cartazes comerciais, manifestações sociais e políticas, monumentos: linguagens que
representam as principais forças que atuam na cidade."
Descolecionar
- a preservação da memória cultural ocorre quando há marcas da história no povo.
- só se preserva o que é repleto de significado.
- Nas sociedades moderna, "colecionar" significados é cada vez mais raro.
Emergência de uma cultura pop
Vídeoclip
Videogame
Videocassete
Copiadoras
tecnologia
Full transcript