Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Carboidratos

No description
by

Franscini Rubi

on 4 December 2011

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Carboidratos

Carboidratos Aurora Vargas Paz
Camilla Rossetto
Franscini Rubi
Ketlen Duani Ramos
Tainá Burgardt Acadêmicas:
São polímeros monossacarídeos com dois a dez unidades, unidos por ligação glicosídicas.

Exemplos: dissacarídeo, trissacarídeo, etc. Oligossacarídeos Dissacarídeos São os oligossacarídeos mais simples que ocorrem na natureza. Um dissacarídeo é formado por dois monossacarídeos ligados através de uma reação de condensação. Nesse processo, libera-se uma molécula de água. A ligação obtida é denominada o-glicosídica, correspondendo à formação de um acetal a partir de um hemiacetal, e também de um grupo de álcool de uma segunda molécula de açúcar. A reação reversa, onde há separação do dissacarídeo em dois monômeros é a hidrólise. Os dissacarídeos possuem ligação glicosídica, sofrendo hidrólise na presença de ácido ou base.
Monossacarídeos Polissacarídeo Os monossacarídeos são os carboidratos mais simples, correspondem a menor unidade estrutural de um carboidrato.

Apresentam de 3 a 7 carbonos em sua estrutura, obedecendo uma fórmula geral, onde há um carbono para cada dois hidrogênios e um oxigênio.
Ex: Se um monossacarídeo tiver 4 átomos de carbono, ele terá 8 átomos de hidrogênio e 4 átomos de oxigênio (glicose).
Apresentam isomeria óptica. O mais simples de todos é o gliceraldeído que possui apenas um carbono assimétrico, sua configuração se dá pela posição do grupo hidroxila (OH) do último carbono assimétrico, sendo a hidroxila à direita denominada de dextrógira e representada pela letra D antecedendo o nome da aldose ou da cetose e se a hidroxila estiver a esquerda chama-se levógira, representada pela letra L antes do nome do composto.
As aldoses são derivadas dos aldeídos.
Ex: glicose
Aldoses Forma Dextrógira e Levógira de monossacarídeos Nomenclatura As cetoses são derivadas das cetonas

Ex: frutose

Cetoses
Estruturas Cíclicas de Monossacarídeos: Formação de Hemi-acetais

Aldeídos e cetonas sofrem reações de adição nucleofílica de alcoóis para formar hemi-acetais.

O que é um hemi – acetal?

É um composto derivado respectivamente de aldeídos e cetonas. A palavra grega hèmi significa meio.
Se o grupo carbonílico e hidroxílico estão na mesma molécula uma adição nucleofílica intramolecular irá ocorrer com a formação de um hemi-acetal cíclico.
Hemiacetal é em geral um composto instável. No entanto, em alguns casos hemiacetais cíclicas e estáveis podem ser formados, especialmente quando anéis cíclicos de 5 ou 6 átomos de carbono são formáveis. Nesse caso um grupo OH intramolecular reage com o grupo carbonila.

Fazem parte da classe de biomoléculas mais abundantes do nosso planeta;

São produzidos a partir do processo de fotossíntese;


O que são Carboidratos?

São moléculas orgânicas;

Constituídas por hidratos de carbono;

Chamados também de açucares embora
nem todos apresentem sabor adocicado;
Função no Organismo

Atuam na formação de estrutura de células e ácidos nucleicos;

São a única fonte de energia que nosso cérebro utiliza;

Imporantes para o funcionamento do coração e todo sistema nervoso;




Os monossacarídeos recebem o sufixo - ose, precedida pelo numero de carbonos que contém em sua fórmula.
O nº de átomos de carbono é indicado pelos prefixos di, tri, tetra, penta e etc.


Monossacarídeos podem ser classificados como aldoses (aldo = aldeídos + ose= açúcar) ou cetoses (ceto=cetona + ose= açúcar) Principal substância de reserva da célula vegetal.

É formada pela união de duas ou mais moléculas de glicose encontrada nos cereais, principalmente no malte (matéria prima da cerveja). É o produto imediato da hidrólise do amido.
Maltose Pincipais dissacarídeos

Glicose + galactose

Ocorre naturalmente no leite humano e bovino.

É um açúcar redutor.

Possui duas unidades de monossacarídeo diferentes. A hidrólise ácida da lactose produz um equivalente de D-glicose e um de D-galactose.
Lactose

Lactase é uma enzima que degrada a lactose em galactose e glicose.

Gatos e cachorros perdem sua lactase intestinal quando tornam-se adultos e conseqüentemente não são capazes de digerir a lactose. Assim, se forem alimentados com leite ou derivados, a lactose não degrada, causando problemas digestivos. Isso acontece porque somente monossacarídeos podem passar pela corrente sanguínea.
Os seres humanos podem ser intolerantes ao leite ou seus derivados por várias razões. A deficiência da enzima lactase causa um aumento no nível desse dissacarídeo quando ingerido leite ou seus derivados. Sem ser absorvido, acaba se acumulando. Com isso, acaba sendo degradado pela lactase de bactérias intestinais, produzindo gás hidrogênio, dióxido de carbono e ácidos carbônicos, ocasionando em algum problemas digestivos como inchaço e diarréia.

Afeta um décimo da população branca dos EUA, mas é mais comum em orientais e africanos. Tolerância a Lactose

Glicose + Frutose

Conhecido como açúcar de mesa. Comumente originário da
Cana de açúcar ou sementes.

Açúcar não redutor.

Em bactérias e alguns animais, a enzima invertase hidrolisa a sacarose.
Sacarose

Açucar não redutor

Está presente na hemolinfa (sistema circulatório) de insetos, sendo uma fonte de energia rapidamente disponível para o voo.

Pode também ser sintetizada por fungos e plantas.
Trealose
Quando vários monossacarídeos são ligados entre si, o polímero resultante é denominado polissacarídeo.
Homopolissacarídeo Heteropolissacarídeo Forma de armazenamento de energia (amido e glicogênio) e componente estrutural de parede celular de vegetais e
exoesqueleto (celulose e quitina).
linear ramificada Suporte extracelular em muitas formas de vida e componente estrutural de parede celular de bactérias.
linear ramificada Homopolissacarídeo Heteropolissacarídeo
É um polissacarídeo, de fórmula (C6H10O5)n, é componente principal das paredes celulares vegetais. Pode ser utilizado como alimento por animais em cujo sistema digestório onde são encontrados microrganismos simbiontes da enzima celulose, capaz de digeri-las.

É formada pela condensação de um grande número de moléculas de beta-
Glicosídicas 1, 4’. Celulose É importante ingerir fibras de celulose, pois elas dão volume e consistência a massa alimentar, ativando os movimentos intestinais. Quitina Está presente na parede celular de fungos e no exoesqueleto dos artrópodes. Possuem grupos amina (NH2) em sua cadeia. A quitina é um polímero constituído por uma sequência linear de açúcares monoméricos b-(1-4) 2-acetoamido-2-deoxi -D-glicose (ou N-acetilglicosamina), possuindo, assim, estrutura semelhante à fibra vegetal denominada celulose .
A diferença estrutural entre as duas fibras se deve aos grupos hidroxila localizados na posição 2, que na quitina foram substituídos por grupos acetamino, sendo a mais abundante fibra de ocorrência natural depois da celulose. Ela tem inúmeras variedades de usos, principalmente na indústria têxtil e de cosméticos, no entanto sua maior aplicação está na quitosana que é uma solução de hidróxido de potássio com quitina Amido Glicogênio É sintetizado pelos vegetais para servir como fonte de energia .

Podem ser encontrado nas raízes nos caules ou nas sementes das plantas.

Encontra-se nos seguintes vegetais: batata, milho, trigo, mandioca, arroz, feijão e outros.

A cada 2 ligações de glicose há liberação de 1 molécula de água.

Amilose e Amilopectina, polímeros de glicose formados através de síntese de desidratação.
O amido apresenta uma estrutura natural cristalina que é necessário quebrar para se reproduzir um termoplástico. Isto é possível por aplicação de calor, pressão, trabalho mecânico ou por adição de plasticizadores como a glicerina ou a água. O amido é sintetizado em organelas denominadas plastideos: Cromoplastos das folhas e amiloplastos de órgãos de reserva a partir da polimerização da glicose, resultante da fotossíntese. Na digestão o amido é decomposto por reações de hidrolise em carboidratos menores.
Essa hidrolise é realizada por enzimas amilases existentes na saliva e no suco gástrico.

A enzima Amilase ( alfa-1,4-glicano hidrolase ) rompe as ligações glicosídicas alfa-1,4 da Amilose originando uma mistura de maltose, amilopectina e glicose.
Rompe também alfa-1,4 da amilopectina, originando uma mistura de polissacarídeos denominados dextrinas.

A enzima beta-amilase ( beta-1,4-glicano maltohidralase ) rompe as ligações alfa-1,4 dos polissacarídeos resultantes da hidrolise da amilopectina, originando maltose pura.
Amilose

Macromolécula constituída de 250 a 300 resíduos de D-glicopiranose.
Ligadas por pontes glicosídicas Alfa-1,4, que conferem à molécula uma estrutura helicodial.
Linear.
Amilopectina

Macromolécula menos hidrossolúvel que a amilose.
Constituída de aproximadamente 1400 resíduos de Alfa glicose.

Ligadas por pontes glicosídicas alfa-1,4 ocorrendo também ligações Alfa-1,5.

Constitui 80% dos polissacarídeos existentes no grão de amido.
Principal fonte energética de células animais.

Encontrado principalmente no fígado e músculos.

Também pode ser encontrado em fungos.

Formula molecular: C6H12O6.

Ponto de fusão 270-280 Graus C°.
Ocorre intracelularmente como grandes agregados ou grândulos, que são altamente hidratados por apresentar uma grande quantidade de grupos hidroxila expostos, sendo capazes de formar ligações de hidrogênio com a água.

É um polímero constituído por subunidades de glicose unidas por meio de ligações.

Apresenta uma ramificação a cada 8 a 12 unidades.
Armazenamento

É abundante no fígado, onde é 7% do peso do fígado.

Neste caso é denominado glicogênio hepático, sendo encontrado em grandes grânulos, eles mesmos agregados de grânulos menores compostos por moléculas de glicogênios unitárias altamente ramificadas e com uma massa molecular média de vários milhões.

Esses grânulos apresentam em uma forma intimamente unida as enzimas responsáveis pela sua síntese e degradação.

A principal função do glicogênio no fígado é servir de alimento para a necessidade energética das células cerebrais.
Cada ramificação do glicogênio termina com um açúcar não redutor.

Sendo assim ele têm tantos terminais não redutores quantas ramificações, mas com um único redutor terminal.

Quando este é utilizado como fonte de energia, suas unidades de glicose são retiradas uma a uma, a partir dos terminais não redutores.

As enzimas podem agir em muitos terminais, fazendo com que este polissacarídeo se reduza a um monossacarídeo.
O glicogênio é hidrolisado pelas alfa – e beta-amilases.
Presente no suco pancreático e a saliva, quebra no laço glicosídico alfa(1, 4) ao acaso, produzido tanto maltose quanto glicose.

Já a beta-amilase (que também quebra o laço glicosídico alfa (1, 4) cliva sucessivas unidades de maltose, iniciando a partir do terminal não reduzido.
É o processo pelo qual a glicose, que é acumulado nas células em quantidades variáveis de acordo com o tipo celular, funcionando ai como deposito de energia acessível à célula.

Em determinadas células como nas do fígado e músculo, este processo pode ser intenso e ocorrem extensos depósitos de glicogênio.

O glicogênio hepático que chega a 150g é degradado no intervalo das refeições mantendo constante o nível de glicose no sangue ao mesmo tempo em que fornecem este metabolito as outras células do organismo.

O glicogênio muscular ao contrario só forma glicose para a contração muscular.

Fornecem energia para o desenvolvimento do trabalho interno (respiração, circulação do sangue e batimentos do coração), externos (caminhar, trabalhar, fazer esforço) e calor para manter a temperatura do corpo;

Evitam que nossos músculos sejam digeridos para a produção de energia;
Referências Bibliográficas BRASIL ESCOLA. Disponível em <brasilescola.com> Acesso em 10 de novembro de 2011.

BIOMEDICINA METODISTA. Disponívem em: <biomedicinametodista2009.blogspot.coml>. Acesso em 21 de novembro de 2011

CARBOIDRATOS CÉLULA. Disponível em: <vestibulandoweb.com> Acesso em 20 de novembro de 2011.

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS - GRUPO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS. Disponível em <enq.ufsc.br> Acesso em 07 de novembro de 2011.

INFO ESCOLA, NAVEGANDO E APRENDENDO. Disponível em: <infoescola.com> Acesso em 22 de novembro de 2011.

MARQUES, Maria Risoleta Freire - Bioquímica, 1ª ed. Florianópolis (SC): 2010. 178 p.

NATURPLAS - CENTRO VIRTUAL DE DESENVOLVIMENTO DE COMPOSTOS BIODEGRADÁVEIS. Disponível em: <cvnaturplas.dnsalias.com>. Acesso em 20 de novembro de 2011.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO MESQUITA FILHO – FACULDADE DE CIENCIAS FARMACEUTICAS. Disponível em <fcfar.unesp.br> Acesso em 26 de novembro de 2011.

WIKI LIVROS, LIVROS ABERTOS, MUNDO ABERTO. Disponível em: <pt.wikibooks.org> Acesso em 19 de novembro de 2011.







Monossacarídeos: açucares simples constituidos por uma unidade de polihidroxicetonas ou polihidoxialdeídos
Na maioria das vezes são constituídos por:
Carbono + H O

São classificados de acordo com o tamanho
e complexidade de sua cadeia; Oligossacarídeos - Uma ou mais moléculas de monossacarídeos se ligam, constituindo moléculas maiores. 2 Polissacarídeos são macromoléculas formadas por mais de 10 unidades de monossacarídeos O corpo armazena carboidratos em três lugares diferentes:

Fígado Músculos Sangue
Full transcript