Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Eutanásia

No description
by

Flavia Silva

on 3 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Eutanásia

Eutanásia
Origem
“Boa morte”
Tipo de AÇÃO
1. Positiva
Aplicação
Em Portugal
Introdução
Escolhemos este tema porque:
Polémica social
Valores, cultura e religião
Interesse no tema
Vida
Morte
Eu + thanatos
Fim à sua vida
Polémica
Eutanásia
Distanásia
Prolongamento da vida
Ortotanásia
Morte natural
Voluntária
Involuntária
Não voluntária
Segundo a vontade do doente
Contra a vontade do doente
Sem manifestação da posição do doente
2. Negativa
3. Duplo efeito
Planeado entre o doente
e o médico
Não é analisada pelo doente
Morte acelerada
Ações médicas
Eutanásia
Agónica
Outros tipos de ação
Eutanásia
lenitiva
Eutanásia
occisiva
Eutanásia
homicida
Eutanásia
eugénica
Eutanásia
económica
ou social
Eutanásia Positiva
Injeção letal ou overdose de medicamentos
Eutanásia
negativa
Suspensão de alimentação;
Omissão.
Legislação
Portuguesa
Constituição da República Portuguesa
1. A vida humana é inviolável;

2. Em caso algum haverá pena de morte.

1. A integridade moral e física das pessoas é inviolável;

2. Ninguém pode ser submetido a tortura, nem a tratos ou penas cruéis, degradantes ou desumanos.

Constituição da República Portuguesa
1. Todos têm direito à protecção da saúde e o dever de a defender e promover.
2. O direito à protecção da saúde é realizado:
3. Para assegurar o direito à protecção da saúde, incumbe prioritariamente ao Estado:
a) Garantir o acesso de todos os cidadãos, independentemente da sua condição económica, aos cuidados da medicina preventiva, curativa e de reabilitação;
b) Garantir uma racional e eficiente cobertura de todo o país em recursos humanos e unidades de saúde;

Nível moral
Nível social
Médicos
Religião
Constituição da República Portuguesa
Nível moral
Nível social
Médicos
Religião
Itália
França
Espanha
portugal
Suíça
Bélgica
Holanda
Legal
ILEGAL
Argumentos
FAVOR
“a vida assim não é digna para mim … viver é um direito não uma obrigação”
(Ramon Sampedro).

CONTRA
O ser humano não deve ter apenas direito à vida - deve igualmente ter direito à morte, ou seja, cada pessoa deve ter o direito à autodeterminação, a realizar uma escolha entre a vida e a morte.
Corresponde a uma escolha de modo a evitar a dor e o sofrimento das pessoas que se encontram sem qualidade de vida, em fase terminal.
“O que não provoca a minha morte
faz com que eu fique mais forte”
(Friedrich Nietzsche)
O direito à vida é um valor absoluto e inviolável.
Os cuidados paliativos permitem o tratamento da dor e do sofrimento humano.
Positiva
Negativa
Duplo Efeito
Artigo 24º - Direito à vida
Artigo 25º - Direito à integridade pessoal
Artigo 64º - Saúde
Alexandra Caldeira 2038413
Flávia Silva 2020111
Marília Ferreira 2019813
Tânia Nóbrega 2047713

Universidade da Madeira
TIC e educação
Full transcript