Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Apresentação mestrado

organiza informações do projeto de dissertação para a qualificação
by

Marcos Leão

on 3 October 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Apresentação mestrado

CONSUMO E ENSINO: METODOLOGIA PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS ESTUDO SOBRE O COMPORTAMENTO DE ALUNOS DA CLASSE C Marcos Eugênio Vale Leão FEAD 2012 Orientação: Professor Dr. Marcelo de Rezende Pinto Como as percepções dos estudantes da classe C sobre o acesso ao ensino superior refletem no seu comportamento de consumo? GERAL


Analisar as percepções da Classe C sobre o acesso ao ensino superior e sua influência no seu comportamento de consumo, de forma a contribuir com as estratégias das instituições de ensino na melhoria da relação com estes alunos. ESPECÍFICOS


Identificar as influências culturais e simbólicas que interferem no comportamento de consumo das classes baixas na busca pela Educação Superior;

Levantar os benefícios esperados da educação superior para os consumidores de baixa renda;

Analisar a relevância da Educação Superior nas prioridades de consumo das classes baixas;

Analisar a adequação dos produtos e serviços que constituem o Ensino Superior à realidade dos consumidores da “Base da Pirâmide”. Segundo Malhotra (2006) a pesquisa CONCLUSIVA um caráter mais formal e estruturado do que aquele apresentado pela exploratória, valendo-se de amostras maiores e representativas e com dados analisados quantitativamente. Analisar a adequação dos produtos e serviços que constituem o Ensino Superior à realidade dos consumidores da “Base da Pirâmide”. Identificar as influências culturais e simbólicas que interferem no comportamento de consumo das classes baixas na busca pela Educação Superior Levantar os benefícios esperados da educação superior para os consumidores de baixa renda; Analisar a relevância da Educação Superior nas prioridades de consumo das classes baixas; OBJETIVOS DO ESTUDO DIMENSÃO 1

Influência cultural
e
Simbolismo DIMENSÃO 2

Benefícios
Esperados DIMENSÃO 3

Relevância DIMENSÃO 4

Adequação DIMENSÕES DE INVESTIGAÇÃO FIGURA 2 - Articulação entre objetivos do estudo e dimensões de investigação. Desenvolvido pelo autor. JUSTIFICATIVA Contribuir com informação e conhecimento acerca do comportamento de alunos de classes econômicas emergentes; Estimular a reflexão sobre a necessidade de adequação do Ensino Superior à realidade dos alunos de baixa renda. Gerar informações que possibilitem às IES a melhoria do relacionamentos com alunos da classe C; REFERÊNCIAS REVISÃO DE LITERATURA CONSUMO ABORDAGEM ANTROPOLÓGICA
DO CONSUMO CULTURA E CONSUMO visão multidisciplinar
Simbolismo econômico
Fatores culturais, sociais, psicológicos
Jaime Júnior (2001) Consumo como sistema simbólico
articula coisas e seres humanos
possibilita que a cultura expresse princípios, estilo de vida, ideais, identidades sociais e projetos coletivos
Rocha (1995) Força motriz do capitalismo abandona o foco da produção e se transfere para o marketing.
Objetos expressando características e especificidades dos indivíduos e grupos
Slater (2002) Produtos deixam de ser elementos funcionais e sinalizadores de status a instrumentos de manifestações coletivas e individuais
D´Angelo (2003) o consumo cria ordem, classifica as pessoas e as associa aos bens; enfim, o consumo ordena informações e organiza significados sobre as estruturas sociais. Ministério da Cultura (2007) O eu real se constitui da mescla ou combinação especial de gostos pessoais, e nela reside a exclusividade como indivíduo.
Barbosa e Campbell (2006) Perspectivas antropológicas sobre o consumo
Rocha e Barros (2004)

1899 - Veblen (A teoria da Classe Ociosa) desmistifica a relação
causa-efeito da produção-consumo. Introduz o consumo como fenômeno das relações sociais. Enfatiza o significado cultural nas escolhas dos indivíduos;

1923 - Mauss (Ensaio sobre a dádiva), as escolhas como manifestações e implicações coletivas e o dinheiro como elemento técnico para viabiliza-la;

1970- Durkheim (Sociologia e filosofia) fato social que produz representações coletivas. Critica a tendência do Marketing pela linha comportamental ao tratar o indivíduo como elemento principal e isolado.

1978 - Sahlins a produção pragmática, lógica e de eficiência material que orientava a fabricação de objetos e bens passa a ser regida pela intensão cultural e sua relação simbólica com os indivíduos.

1985 - Rocha (Magia e Capitalismo) a publicidade e utilização da mídia como elemento totêmicos, responsáveis pelo sistema de classificação dos objetos e bens e da decodificação das mensagens entre produção e consumo. Cultura e consumo influenciam-se mutuamente. O consumo é um Fenômeno cultural ao valer-se de sistemas de design e produção de bens, e a consequente destinação de tempo, atenção e renda dos consumidores. No sentido oposto o consumo transforma a cultura ao valer-se do desenvolvimento do design, da publicidade e da moda para reproduzir, representar e manipular a cultura. (MCCRACKEN, 2003). Os sentidos por si só não bastam para se atribuir significados a um símbolo, será necessário conhecer a cultura que o criou. (LARAIA, 2001). A cultura do consumo define um sistema em que o consumo é denominado pelo consumo de mercadorias, e onde a reprodução cultural é geralmente compreendida como algo a ser realizado por meio do exercício do livre-arbítrio pessoal na esfera privada da vida cotidiana.
(SLATER, 2002) CONTEXTUALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO E CONCEITUAÇÃO DA POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA EVOLUÇÃO DO ENSINO SUPERIOR PRIVADO NO BRASIL A ASCENSÃO DO CONSUMO DAS CLASSE BAIXAS A PARTICIPAÇÃO DE ALUNOS DE CLASSES BAIXAS NO ENSINO SUPERIOR (IBGE-SIS, 2011) (SILVA, 2008) (IBGE-PNAD, 2007) (PRAHALAD, 2005) (IBOPE, 2012) (SAE, 2012) (IBGE-POF, 2009) (IBGE-PNAD, 2009) (CASTRO, 2008) (SOUZA E SILVA, 2008) (SILVA E OURIQUE, 2012) (OSÓRIO, 2011) (CORBUCCI, 2004) (CASTRO, 2004) (IESALC, 2002) (SAMPAIO, 2000) (IBGE-PNAD, 2007) (PINTO, 2004) (OSÁRIO, 2009) (JAIME JÚNIOR, 2001) (ROCHA, 1995) (SLATER, 2002) (D´ANGELO, 2003) (MIN. CULTURA, 2007) (BARBOSA E CAMPEBELL, 2006) (LARAIA, 2001) (MCCRACKEN, 2003) (SLATER, 2002) (BUENO E CAMARGO, 2008) (ROCHA E BARROS, 2004) (VEBLEN, 1899) (MAUSS,1923) (DURKHEIM, 1970) (SAHLINS, 1978) (ROCHA, 1985) A pesquisa exploratória propõe a compreensão com maior precisão de elementos que compõem o problema a ser investigado. Além disso, seus resultados são considerados ensaios, não podendo ser considerados definitivos. Eventualmente a pesquisa exploratória poderá ser precedida por pesquisa conclusiva. (MALHOTRA, 2006) EXPLORATÓRIA CONCLUSIVA Tipos de pesquisa Estratégia da pesquisa : QUALITATIVA
Método da pesquisa : GRUPO DE DISCUSSÃO
Realização : 14/12/2011 Estratégia da pesquisa : QUANTITATIVA
Método da pesquisa : QUESTIONÁRIO ESTRUTURADO
Questionário : ESCALA LIKERT
Pré-teste : 50 alunos em 02/03/2012
Teste de confiabilidade : Alfa de Cronbach
Tipo de amostra : NÃO PROBABILÍSTICA
Tamanho da amostra : 699 alunos em 5 IES privadas de BH
Conselho de ética : CAAE: 01945612.5.0000.5097
Coleta de dados : 15 de maio a 06 de julho de 2012
Software estatístico : SPSS A escala possui vantagens quanto à simplicidade de aplicação. Com a escala Likert é possível avaliar a atitude de uma pessoa em relação a um conceito. Além disso, possibilita ir além da identificação de atitudes positivas e negativas dos entrevistados, mas em traçar suas atitudes em relação a cada um dos elementos avaliados na escala. (MALHOTRA, 2004) ANÁLISE DOS DADOS PERFIL DOS RESPONDENTES ANÁLISE DE DADOS
81,7% sentem-se confiantes e com autoestima elevada

92,0% acreditam na ascensão social

67,0% percebem maior status

93,7% atribuem a uma grande conquista pessoal

63,0% tornam-se referência no convívio social

88,8% tornam-se motivo de orgulho para familiares e amigos Expressividade da classe C. Em 1992 representava 34,96% da população saltou para 53,9% em 2011, representando 104 milhões de brasileiros e detendo 51% do poder de compra . O acesso ao ensino superior possui FORTE apelo CULTURAL e SOCIAL Existe a percepção de atributos de marca para IES. Mesmo para as classes mais baixas, a qualidade do ensino atrelada à força da marca tornam-se elementos determinantes para escolha da IES. A educação é prioritária para a classe C em relação à aquisição de automóvel e moradia.

65,6% dos alunos da classe C consideram altos os custos com transporte para a faculdade. 49,6% dos entrevistados utilizam o ensino superior para obter melhores oportunidades profissionais.

Alunos na faixa etária de 18 a 21 anos possuem maior interesse pela carreira empreendedora, enquanto 60% dos alunos acima de trinta anos priorizam melhores cargos. CONCLUSÕES Fica evidente que a projeção social, a necessidade de reconhecimento e sentimentos de conquista e auto realização devem ser incorporados e analisados em conjunto com os ganhos práticos e quantificáveis relativos à renda e crescimento profissional gerados pelo acesso ao Ensino Superior. Na sociedade moderna, a identidade social, outrora uma herança que se mantinha estável ao longo da vida de uma pessoa, passa a ser construída pelo próprio indivíduo, que se vale, principalmente, de produtos e serviços para moldá-la (SLATER, 2002) As Instituições de Ensino figuram nas percepções dos alunos da mesma forma que as marcas de bens de consumo.

Reconhecem a diferença de posicionamento entre as diversas marcas de instituições de ensino e possuem desejos distintos em relação a elas.

Da mesma maneira que existem marcas que habitam os sonhos de grande parte de consumidores, que apesar de não terem a capacidade de adquiri-las aspiram por consumi-las. A ordem cultural desenvolvida ao longo da história de uma sociedade implicará na discriminação daqueles que fugirem aos padrões convencionados pela sua maioria. (LARAIA, 2001).

A ordem econômica e a racionalidade do dinheiro, segundo Rocha e Barros (2004), prevalecem até quando não são suficientes para a aquisição dos bens, este limite é chamado de preço de entrada, uma vez ultrapassado, as escolhas assumem uma nova dimensão e de ordem complexa. É evidente a percepção do status gerado pela marca da IES e o seu reconhecimento pelos entrevistados. Os consumidores das classes mais baixas, além de valorizarem a sua associação à marcas tradicionais e posicionadas pela qualidade de ensino percebem-nas como um investimento e com um melhor custo benefício.

Acreditam que a formação nestas instituições resultem em maior qualificação e desenvolvimento pessoal e que serão convertidos em maiores ganhos no futuro.

O fato justifica-se pela constatação de que os consumidores da classe C destinam grande parte do seu esforço à manter a sua ascensão social gerada pela recém adquirida capacidade de consumo. As marcas premium até então restritas às classes A e B, registram um forte crescimento da participação de clientes da classe C.

Analisando a renda isoladamente constata-se que estes consumidores não teriam condições de adquirir grande parte destes produtos.

O consumo das classes emergentes residem no crédito. Na capacidade de financiarem suas compras de forma que possam se acomodar no orçamento.

Esta evidência foi corroborada neste estudo. Nas análises relativas às prioridades no consumo, mesmo com o orçamento comprometido com as despesas do ensino superior, as compras parceladas fornecem alternativa ao consumo para 56,8% dos entrevistados da classe C. Acreditam que ensino superior promoverá a melhoria da qualidade de vida, o crescimento profissional e incremento na renda (ganho imediatos 43,5% e ganhos futuros 87,8%) De forma geral 61,7% dos estudantes restrigem seus gastos com produtos considerados superfluos e ou extras como roupas e acessórios. Este percentual chega a 73,8% na classe C. Em relação aos gastos com alimentação em casa apenas 12,7% dos alunos da classe A disseram ter gastos restringidos em função do ensino superior, contra 31% dos alunos da classe C.
52% do consumo de alimentos são provenientes da classe C (IBOPE, 2012) 80,4% dos alunos da classe C consideram inviável o consumo de alimentos dentro das Instituições de Ensino. 56,8% dos alunos da classe C concordam que o ritmo de trabalho (cargos operacionais) pesado e o consequente cansaço provocam baixo rendimento nas últimas aulas. 59,8% dos alunos da classe C afirmaram que trancariam o seu curso no caso da perda do emprego contra 14,8% dos alunos da classe A 59,2% dos alunos apontam falhas nas IES quanto a realização de programas voltados à preparação, encaminhamento e acesso a oportunidades profissionais. Os alunos da classe C (67,9%) sentem-se menos preparados do que aqueles da classe A (47,4%). 84,3% dos entrevistados percebem que as IES proporcionam significativo crescimento profissional.


PORÉM


Os alunos não se sentem preparados e estimulados pelas IES para o empreendedorismo DISSERTAÇÃO DE MESTRADO O status para a classe C é altamente relevante – “a classe C têm a ambição de ‘subir na vida’, viver melhor, consumir mais e, portanto, aprender e se qualificar a fim de gerar a renda que sutente essa nova forma de viver.” (Data Popular, 2012) OBRIGADO a
Full transcript