Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Introdução Supervisão Clinica

No description
by

André Silva

on 23 January 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Introdução Supervisão Clinica

Formação profissional Formação Formação Profissional Supervisão, estratégia de qualidade de cuidados de saúde Conclusão É entendida como uma prática de qualificação dos trabalhadores que influência o indivíduo e o desempenho organizacional (Bartel, 1994).

Deste modo, designa-se por um processo sistemático e organizado mediante o qual os futuros profissionais, ou os profissionais em exercício, se envolvem individualmente ou em equipa, em experiências de aprendizagem através das quais adquirem ou desenvolvem os seus conhecimentos, competências e disposições e que lhes permitem intervir profissionalmente.

Almeida (2004), refere que o objetivo da formação profissional é “promover, modificar comportamentos no sentido de cumprir os objetivos organizacionais de desenvolvimento. É um processo individual e organizacional, que goza de um esforço organizado de transformação de competências individuais com objetivo de melhorar o desempenho coletivo e atingir os objetivos organizacionais.

Para Dias (2004) “a formação é um processo de transformação individual que envolve a dimensão “do saber (conhecimento), do saber-fazer (capacidades), do saber-ser (atitudes e comportamentos) e do saber-aprender (evolução das situações e a permanente atualização e adaptação que estas exigem) Tipos: Segundo Abreu (2002), a formação profissional inclui diferentes modalidade: Legislação da formação profissional Formação informal: assume um papel de destaque pois, a troca de experiências e de conhecimentos entre os profissionais é fundamental, não só para a socialização dos mesmos, mas também para a sua aprendizagem







Passagem de turno, registos de enfermagem, na “discussão interdisciplinar”, parcerias com as escolas e instituições Em 1981, referiu-se a necessidades de formação, salientando que o contexto de trabalho é um excelente território educativo
(Decreto - Lei 305 de 12 de Novembro) “Determina que em cada unidade prestadora de cuidados deverá existir formação em contexto de trabalho, de acordo com a “satisfação das necessidades de formação do pessoal de enfermagem da unidade, considerando como um grupo profissional com objetivos comuns e das necessidades individuais de cada membro do grupo” ( Decreto-Lei n.º 437/91 de 8 de Novembro ) “A formação dos trabalhadores integrados na carreira de enfermagem assume carácter de continuidade e prossegue objetivos de atualização técnica e científica, ou de desenvolvimento de projetos de investigação; A frequência de cursos de formação complementar ou de atualização profissional, com vista ao aperfeiçoamento, diferenciação técnica ou projetos de investigação, pode ser autorizada…” (Decreto-lei nº. 248/2009, de 22 de setembro) Franco refere que a supervisão é um trabalho de ajuda e assistência, destinado a atingir a melhoria dos resultados do processo de ensino e aprendizagem, baseada num trabalho cooperativo. De outro modo, para Blumberg, explica a supervisão como um processo de ajuda, uma partilha na investigação, sendo que, o orientador é apenas a pessoa que apresenta mais experiência na conduta de investigação. Desenvolver uma aprendizagem centrada na prática,
Analisar os estilos de aprendizagem do supervisado e a sua forma preferida de aprender,
Utilizar conhecimentos na prática baseados na evidência
Direcionar a aprendizagem
Promover experiências e oportunidades para que se desenvolva o espírito critico,
Facilitar o envolvimento de toda a equipa de trabalho na formação, trabalhar a relação com pares, como uma forma indireta de intervenção no processo de aprendizagem
Criar condições promotoras de aprendizagens futuras No processo de supervisão constam os seguintes pressupostos: Com o aumento da preocupação e interesse na qualidade das práticas profissionais, surgiram também modelos de supervisão capazes de integrar elementos essenciais numa determinada situação. A supervisão clinica em enfermagem centra-se especialmente no exercício profissional.
Objetivo principal e maior relevo, a qualidade dos cuidados de saúde prestados. No sentido de desenvolver o tema da supervisão como estratégia de qualidade de cuidados de saúde, destacam-se dois modelos: A supervisão enquanto estratégia de qualidade nos cuidados de saúde, é centrada na segurança da qualidade nos serviços da saúde Paunonen: Proctor: Desenvolveu um modelo interativo, considerado modelo de função, descrevendo a organização das funções da supervisão Trabalho elaborado por: André Silva 4370
Maria José Sampaio 2097
Susana Sousa 4808 Introdução Supervisão Clinica ABREU,W. Identidade, formação e trabalho. Das culturas locais às estratégias identidárias dos enfermeiros. Lisboa, Formassau/Educa. 2001

ABREU, Wilson. -Formação e Aprendizagem em Contexto Clínico: Fundamentos, Teorias e Considerações Didácticas . ed. Formasau. Formação e Saúde, Lda. Coimbra 2007.

CANÀRIO R.. Formação e situações de trabalho. Porto: Porto Editora, cop. (Ciências da Educação).1997.

BARTEL, A. (1994). Productivity gains from the implementation of employee training programs. Industrial Relations

DIAS, J.. Formadores: Que Desempenho? Lusociência. Loures.2004.

D’ESPINEY, Luísa. Formação inicial/formação contínua de enfermeiros: uma experiência de articulação em contexto hospitalar. In CANÁRIO, R. (Ed.), Formação e situações de trabalho (pp. 169-188). Porto: Porto Editora.1996.

GARRIDO,A.- A supervisão clínica e a qualidadede vida dos enfermeiros. Dissertação de Mestrado em Supervisão. Universidade de Aveiro, 2004.

HESBEEN, Walter. Cuidar no Hospital. Loures, Lusociência.2000.

HESBEEN, Walter. Qualidade em enfermagem: pensamento e ação na perspetiva do cuidar. Loures, Lusociência.2001.

HEALTH REFORM EILE, CHICHESTER. SENGE, PETER The fifth discipline: The art and the practice of the leaning organization, Currency.

MINISTERIO da SAÚDE– Decreto-Lei n.º 305/81, Diário da República, Lisboa, Série I, de 12 de Novembro.

MINISTERIO da SAÚDE - Decreto-Lei 437/91, Diário da Republica, Lisboa, I Série (257), 8 de Novembro de 1991

MINISTERIO da SAÚDE- Decreto-lei nº. 248/2009, Diário da República, Lisboa, 22 de setembro de 2009

SCHULER, R. E MACMILLAN, L. (1984). Gainning competitive advantage through human resources management practices. Human resources Management

SEEDHOUSE, D.-Reforming healthcare: the philosophy and practice of international health reform Eile, Chichester. Senge, Peter The fifth discipline: The art and the practice of the leaning organization, Currency.1995.

SILVA, Sandra; CRUZ, Monteiro.- A Supervisão Clínica Em Enfermagem Como Estratégia de Qualidade no Contexto da Enfermagem Avançada. Volume 56, Nº 5, (Novembro –Dezembro 2008). Revista Servir.

SOUSA, M. (2003). A formação continua em enfermagem. Nursing 175, 28

SOARES, Custodio.- Supervisão e formação profissional: um estudo em contexto de trabalho. Departamento de Didáctica e Tecnologia Educativa. Universidade de Aveiro. 2004.

REED, M. (1997). Sociologia da Gestão, celta. Editora Oeiras
Full transcript