Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Os Maias- O Sarau do Teatro da Trindade

No description
by

Amélia Neves

on 21 May 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Os Maias- O Sarau do Teatro da Trindade

Objetivos do episódio: O Sarau destinava-se a ajudar as vítimas das cheias do Ribatejo;
Revelar-nos aspetos caricatos da sociedade lisboeta;
Reunir as classes mais destacadas;
Contrastar o clima de festa com o de tragédia; Críticas: Eça de Queirós em “Os Maias” dá grande importância a crítica social, retratando fielmente a sociedade da época.
Este episódio evidencia vários pontos que Eça criticava:

A ausência de espírito crítico;
A falta de cultura;
Falta de saber estar; Resumo do Capítulo XVI Carlos e Ega em casa de Maria Eduarda;
O Sarau;
Guimarães entrega um cofre a Ega;
Guimarães revela a identidade de Maria Eduarda (irmã de Carlos); Personagens intervenientes: Trabalho Realizado por:
-Amélia Neves
-Patrícia Barbosa
-Rafaela Silva
-Sara Leão
11ºF Teatro da Trindade Recursos Expressivos: O sarau do Teatro da Trindade Alencar: O poeta Ultra-romântico
Recitou “A Democracia”, depois de “um maganão gordo” lamentar que nós Portugueses, não aproveitássemos a “herança dos nossos avós”, revelando um patriotismo convincente;
O poeta alia poesia e política, numa encenação exuberante, que traduzia a sua emoção pelo facto de ter ouvido “uma voz saída do fundo dos séculos” e que o levava a querer a República, essa ”aurora”.
No final é felicitado mesmo por aqueles que são contra a Democracia regime, revelando assim o seu valor enquanto poeta e orador; Cruges Maestro e pianista;
Representa aqueles que possuem um verdadeiro amor à arte;
No sarau tocou uma peça de Beethoven;
Surgiu como alvo de risos mal disfarçados, depois da marquesa dizer que se tratava da Sonata Pateta; Rufino Considerado pelos nobres e burgueses como um orador “sublime”, que pregava a “caridade” e o “progresso”;
Considerado um "mete nojo" pelos defensores da Democracia, como afirmou Alencar;
É uma personagem passageira, representa o modo como os ricos viam a monarquia;
Apresenta uma retórica vazia, como falta de originalidade;
O tema do Anjo da Esmola;
É aclamado por parte de público tocado pelo seu sentimentalismo. "Era um maganão gordo, de barba em bico e camélia na casaca, que, de mão fechada no ar como se agitassse o pendão das Quinas, lamentava aos berros.." "-Vou aproveitar o tempo, enquanto esperamos pelo Alencar, a arrancar as orelhas àquele maroto!" "Mas, apenas sentiu sua mão forte naquela carne... esfrangalhá-lo..." "O pobre viúvo, no meio das lunetas negras que lhe voavam, do chapéu coberto de luto que lhe rolara nas lajes, dançava, escanifrado e desengonçado." "... o poeta derramou pensativamente pelas cadeiras, pela galeria, um olhar encovado e lento..." "Aquela que é aurora, consolação, refúgio, estrela mística e pomba." Relação do Capítulo com a obra: Ega, ao contrário dos capítulos anteriores, aparece neste como personagem principal, é ele que inesperadamente descobre que Carlos e Maria Eduarda são irmãos, através do tio de Dâmaso, Guimarães, que, sem má intenção, revelou o segredo, que julgava desenterrado há muito.
Full transcript