Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Fibrose Cistica: passado, presente, futuro

No description
by

Ana Ferreira

on 12 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Fibrose Cistica: passado, presente, futuro

Amanda Barradas
Ana Beatriz Lima
Ana Clara Ferreira

Fibrose Cística: passado, presente e futuro
Histórico
Diagnóstico
Prognóstico
Tratamento
1930 - 1940: não havia tratamento determinado
Década de 40: começaram a ser utilizados os antibióticos direcionados ao M.O característicos da FC
1954: Matheus e colaboradores estabeleceram 3 pilares que duram até os dias atuais
Repleção nutricional
Alívio da obstrução das vias aéreas
Antibioticoterapia da infecção pulmonar
Dorothy H. Andersen, Universidade de Colúmbia
1938
1953
Farber
Di'Santagnese e colaboradores
1944
Quinton
1983
1989
Definição
Doença autossômica recessiva
Disfunção da proteína CFTR: proteína reguladora da condutância transmembrana na fibrose cística
Membrana apical de células epiteliais do trato respiratório, de glândulas submucosas, do pâncreas exócrino, do fígado, dos ductos sudoríparos e do trato reprodutivo.
Fisiopatologia
A proteína CFTR é uma proteína reguladora dos canais de cloro
Redução da permeabilidade da membrana celular ao cloreto: dificuldade de transporte e excreção
Aumento da concentração de íons cloreto na membrana apical das células
Entrada de sódio e água para o interior da célula
Desidratação das secreções mucosas e aumento da viscosidade, favorecendo a obstrução dos ductos, que se acompanha de reação inflamatória e posterior fibrose.
“Infeliz da criança que, quando beijada na fronte, apresente sabor salgado. Ela está fadada a morrer precocemente".
(Dizer folclórico norte-europeu no séc. XIX contido no Almanaque de Canções e Jogos para Crianças)

Tornou a doença conhecida cientificamente
Estudo clínico e em material de necrópsia, somando 49 casos de crianças e lactentes
Primeira descrição detalhada dos sintomas desta doença e das alterações produzidas nos órgãos
Mucoviscosidade
Caráter espesso e viscoso das secreções e o bloqueio dos ductos pancreáticos e da árvore brônquica por esta secreção anômala
Documentaram o excesso de sódio e cloro no suor, o que constituiu a chave para o desenvolvimento do teste do suor (1959)
Observou a impermeabilidade do epitélio dos pacientes com FC aos cloretos e concluiu que algum canal transportador deste íon deveria estar funcionando mal
Identificação do gene e de seu produto, a proteína CFTR (Cystic Fibrosis Condutance Regulator).
Critérios diagnósticos atuais para FC
Teste do suor
[Gibson e Cooke; 1959]
Padrão ouro para o diagnóstico da FC
Dosagem quantitativa de cloretos no suor
> 60 mEq/l
45 - 60 mEq/l: limítrofe
2 testes positivos em momentos diferentes
Teste de DNA
Identifica as mutações nos genes da CFTR
Oportunidade de identificação de casos atípicos com resultados de teste do suor indeterminado ou normais
Medida da diferença de potencial nasal
Pacientes com FC apresentam hiperpolarização da membrana mucosa
Diagnóstico de FC inconclusivo pelo Teste do Suor
Tratamento atual
ATB
Higiene das vias aéras e exercício
Agentes mucoliticos
Broncodilatadores
Agentes antiinflamatórios (?)
Suporte nutricional
Suplementação de O2
Referências
Dalcin PT, Abreu E, Silva FA. Fibrose Cistica no Adulto: Aspectos Diagnósticos e Terapêuticos. J Bras Pneumol 2008; 34:107-17.
Firmida MC, Marques BL, Costa CH. Fisiopatologia e manifestações clínicas da fibrose cística. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto. 2011;10(4):47-58
Folescu, TW; Cohen, RWF. Avanços no Diagnóstico e da Fibrose Cística - Visão Crítica. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto, UERJ. Ano 10, Outubro/Dezembro, 2011.
Reis, FJC; Damaceno, N. Fibrose Cistica. Jornal de Pediatria. Vol. 74, Supl. 1, 1998
Davis, PB. Cystic Fibrosis Since 1938. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine. Vol. 173, No. 5 (2006), pp. 475-482
Firmida Mc, Lopes AJ. Aspectos epidemiológicos da fibrose cística. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto. 2011;10(4): 12-22
Santos CI, Ribeiro JD, Ribeiro AF, Hessel G. Análise crítica dos escores de avaliação de gravidade da fibrose cística: Estado da arte. J Bras Pneumol. 2007;30(3):286-98.
Castro MCS, Firmida MC. O Tratamento na fibrose cística e suas complicações. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto. 2011;10(4):82-108


Triagem neonatal

Teste do pezinho
Dosagem da Imunotripsina reativa [1979] : níveis elevados em RN com Fibrose Cística
Antes de 1959
Diagnóstico exclusivamente patológico
Fatores com influência negativa
Diagnóstico por sintomas precoces
Comprometimento funcional resporatório
Comprometimento nutricional
Infecção por Pseudomonas aeruginosa e Burkolderia cepacia
Frequência de exacerbações respiratórias(>4/ano)
Condição genética homozigota ou heterozigota
Sexo feminino
Condições sócio - econômicas precárias

80% dos óbitos- complicações pulmonares
Prevenção da desnutrição: melhora da função pulmonar e aumento da sobrevida

Melhor prognóstico na sobrevida dos pacientes com FC
Diagnóstico precoce
Melhor suporte nutricional
Terapia antibiótica mais agressiva e precoce
Centros de referência para o Dx e tto
Suporte médico adequado

Referências
Bob Lubamba, Hugues Lecourt, Jean Lebacq, Patrick Lebecque, Hugo De Jonge, Pierre Wallemacq, and Teresinha Leal. Preclinical Evidence that Sildenafil and Vardenafil Activate Chloride Transport in Cystic Fibrosis. American Journal Of Respiratory And Critical Care Medicine Vol 177 2008.506-515.
Bush A, Alton EWFW, Davies JC, Griesenbach U, Jaffe A (eds): Cystic Fibrosis in the 21st Century.Prog Respir Res. Basel, Karger, 2006, vol 34, pp 316–322Davis, Pamela B. Cystic Fibrosis since 1938. American Journal Of Respiratory And Critical Care Medicine vol 173. 2006, 475-482.
Derichs, Nico. Targeting a genetic defect.: cystic fibrosis transmembrane conductance regulator modulators in cystic fibrosis. Eur Respir Rev 2013; 22: 127, 58–65
Drug Development Pipeline. Cystic Fibrosis Foudation. Disponível em:http://www.cff.org/treatments/Pipeline. Acessado em: 28 de outubro,2013.
R L Dormer, C M Harris, Z Clark, M M C Pereira, I J M Doull, C Norez, F Becq, M A McPherson. Sildenafil (Viagra) corrects DF508-CFTR location in nasal epithelial cells from patients with cystic fibrosis. Thorax 2005;60:55–59.

Fibrose Cística: o futuro
Fibrose Cística: o futuro
Marco Histórico
1989: descoberta do gene da fibrose cística (CFTR)

Natureza do defeito básico

Ataque direcionado e precoce

Aumento da expectativa e qualidade de vida do paciente

Diagnóstico no neonato – teste do pezinho
Diagnóstico pré-natal - sequenciamento gênico
Expansão do diagnóstico

Ausência de mutação genética x presença de doença?


Diagnóstico
Abordagens Terapêuticas Propostas “Balas Mágicas”
Modulação do CFTR
O Food and Drug Administration (FDA) aprovou, em 2012, o
Kalydeco (Ivacaftor)
para o tratamento de uma forma rara de fibrose cística (FC). O novo medicamento pode ser usado em pacientes que apresentam uma mutação específica no gene regulador de condutância transmembranar da fibrose cística (CFTR), a
G551D


Abordagem terapêutica Proposta (cont.)
Full transcript