Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A GESTANTES PORTADORES DA DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GRAVIDEZ (DHEG)

No description

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A GESTANTES PORTADORES DA DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GRAVIDEZ (DHEG)

CURSO DE ENFERMAGEM
Assistência de Enfermagem a Gestantes Portadores da Doença Hipertensiva Específica da Gravidez (DHEG)
NAYLLANA NARJJA NEVES
GURUPI-TO
NOVEMBRO DE 2013
ORIENTADORA: THALITA MARRONI
INTRODUÇÃO
(PEREIRA, 2009). Como bem adverte Pereira, (2009, p.59) “A (DHEG)é considerada como uma doença hipertensiva específica da gestação o distúrbio hipertensivo mais comum na gestação, classificada em pré-eclâmpsia e eclampsia.”

No que concerne o período de risco na época da gestão a assistência do enfermeiro no pré-natal tem o papel importante de identificar precocemente essas anormalidades e proporcionar orientações visando à manutenção da saúde e à prevenção de doenças

DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA
Hodiernamente diversas literaturas pode-se conceituar a Doença Hipertensiva Específica da Gestação (DHEG), dessa maneira qual a importância da assistência da enfermagem nesse contexto?
HIPÓTESES
A DHEG é considerada uma doença possível de prevenção em quase todas as circunstâncias, quando assume a responsabilidade de cuidar da saúde, a mulher que faz o pré-natal sabe reconhecer as alterações que necessitam de avaliação, permitindo o diagnóstico e o tratamento antes da eclâmpsia ocorrer.

A intervenção de enfermagem em um programa pré-natal e atendimento hospitalar eficiente pode diminui expressivamente a morbidade e mortalidade materna e neonatal.

O aprimoramento técnico e científico do enfermeiro, muito pode contribuir no acompanhamento dessas gestantes dentro de uma equipe multidisciplinar e, consequentemente, alcançar o equilíbrio e o bem- estar, tanto materno quanto fetal, nos procedimentos diagnósticos e terapêuticos.
JUSTIFICATIVA
Este estudo tem como finalidade de mostrar como primeiro distúrbio da DHEG é a vasoconstrição arterial periférica e o espasmo dos vasos, levando a alterações em diversas funções orgânicas maternas.

Nesse diapasão, será abordada a finalidade da assistência da enfermagem no pré-natal, onde poderá fazer a detecção precoce de sinais de doença hipertensiva, antes que evolua.

É factível abordar nessa pesquisa como um problema a ser solucionado.

OBJETIVOS
OBJETIVO GERAL:

Descrever a fisiopatologia da (DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA NA GRAVIDEZ) DHEG e destacar a assistência de enfermagem específica para a gestante portadora desta patologia.
OBJETIVO ESPECÍFICO:

Destacar a assistência de enfermagem a gestantes com DHEG e sua importância para o bem-estar materno e fetal.

Investigar e compreender sobre a ocorrência de cefaleia, perturbação visual, dor epigástrica e nível de consciência.

Conhecer e descrever a fisiopatologia da DHEG e o processo assistencial de enfermagem na Doença Hipertensiva Especifica da Gravidez (DHEG).

REVISÃO DA LITERATURA
HIPERTENSÃO GESTACIONAL
Dentre várias complicações do ciclo gravídico-puerperal, a hipertensão é considerada uma das mais importantes e mais comuns. Resulta em alto risco morbidade e mortalidade materna e perinatal, com incidência em 6% a 30% das gestantes (PERAÇOLI; PARPINELLI, 2011).

Partindo-se dessa premissa é de suma importância o auxílio do enfermeiro na vida de uma gestante hipertensa

ETIOLOGIA
Afirma não saber o verdadeiro fator responsável pelo surgimento da hipertensão durante a gravidez, admitindo inúmeras influências no processo do seu surgimento, tais como: genética, raça, características físicas, mudança climática, e também as condições socioeconômicas. (CABRAL, 2012, p.49)
FISIOPATOLOGIA
Com os efeitos causados pela DHEG, e do sistema afetado, a fisiopatologia pode ser descrita por Brander (2010) Desta forma:
EFEITOS CAUSADOS PELA DHEG, E DO SISTEMA AFETADO
EFEITOS HEPÁTICOS
EFEITOS PLACENTÁRIOS
EFEITOS RENAIS
EFEITOS PULMONARES
Segundo Neme (2010), a DHEG pode desenvolver-se por diversos fatores fisiopatológicos que ocorrem com durante a gravidez.
FATORES FISIOPATOLÓGICOS QUE OCORREM COM DURANTE A GRAVIDEZ
ALTERAÇÕES HEPÁTICAS
ALTERAÇÕES RENAIS
VASOESPASMOS
ALTERAÇÕES HEMODINÂMICAS E METABÓLICAS
ALTERAÇÕES
SANGUÍNEAS
ALTERAÇÕES BIOQUÍMICAS
PRÉ-ECLÂMPSIA
Nota-se que a pré-eclampsia é sempre caracterizada por presença de níveis tensionais altos durante a gestação.

Partindo-se dessa premissa podemos definir o DHEG como se fosse uma manifestação clínica e laboratorial resultante do aumento dos níveis pressóricos de uma gestante, previamente normotensa a partir da 20ª semana de gestação, desaparecendo até seis semanas após o parto (KAHHALE; ZUGAIB, 2010).

Como bem assevera o Ministério da Saúde (2010), é de suma importância perceber o quanto antes o estado hipertensivo que se constituam em risco durante a maternidade e perinatal,
ECLAMPSIA

Eclampsia é conhecida é definida pelo surgimento de uma ou mais crises convulsivas:
A eclâmpsia é considerada como a evolução natural da doença, mas algumas evidências questionam se essas convulsões não são apenas manifestações da pré-eclâmpsia grave. Embora a fisiopatologia da eclâmpsia tenha base biológica comum, existem diferenças entre as gestantes que evoluem com convulsão (PASCOAL, 2012, p.48).
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES PORTADORAS DE DHEG
A Família cada dia mais necessita de bons enfermeiros, e claros cuidados diferenciados, e nunca deixando de desenvolver grandes ações como; proteção, prevenção, reabilitação e recuperação a comunidade, dentro do contexto saúde, tanto ela coletiva quanto individual (BEDIN; RIBEIRO; BARRETO,2009).

O uso da sistematização da assistência de enfermagem (SAE) é um dos meios que a enfermeira pode utilizar para colocar em pratica seus conhecimentos na assistência ao paciente, caracterizando seu papel e cooperando na sua prática profissional, porém o enfermeiro precisar ter conhecimento das fases do processo de enfermagem, para poder promover o cuidado e uma reabilitação o paciente.
PROPOSTA DE INTERVENÇÃO DO ENFERMEIRO PARA GESTANTE COM DHEG
Peixoto et al., (2009), cita algumas propostas de intervenções para o enfermeiro.
1 - Tentar estabelecer um vínculo de confiabilidade com a gestante.

2 - Oferecer um atendimento de qualidade, com recursos que até então não tinham sido oferecidos para a gestante.

3 - Facilitar acesso aos exames laboratoriais, dando prioridade a essa gestante.

4 - Orientar as mulheres e suas famílias sobre a importância do pré-natal

5 - Realizar atividades com grupos de gestantes semanais e/ou quinzenais

6 - Fornecer o cartão da gestante devidamente atualizado a cada consulta.

7 - Orientar a gestante quanto aos sinais e aos sintomas que possam surgir durante a gravidez, e que providências tomar.

8 - Fazer acompanhamento e controle dos sinais vitais, priorizando a medição da PA, diariamente, na unidade básica de saúde (UBS).

9 - Realizar visitas domiciliares, reforçando o vínculo estabelecido entre a gestante e a UBS


10 - Orientar e acompanhar quanto à dieta hipossódica e hipoproteica.

11 - Sugerir repouso e encaminhar a gestante para a consulta de pré-natal de alto risco, em casos de aumento da PA (acima 140/90 mmHg) ou edema.

12 - Orientar quanto ao ganho exagerado de peso. A equipe deverá atentar quanto à retenção de líquido por parte dessa gestante.

13 - Orientar quanto à necessidade da coleta de exame citopatológico após o término da assistência pré-natal isto é, 42 dias após o parto.

MÉTODO
O presente projeto de pesquisa tem como objetivo de descrever a fisiopatologia da (DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA NA GRAVIDEZ) DHEG

Destacar a assistência de enfermagem específica para a gestante portadora desta patologia, esclarecendo a assistência de enfermagem a gestantes e sua importância para o bem-estar materno e fetal.

Para concretização desse objetivo optou-se por realizar uma pesquisa do tipo teórica, e descritiva dando abordagem aos procedimentos técnicos de pesquisa bibliográfica.

A pesquisa bibliográfica terá finalidade de proporcionar maiores informações sobre o assunto que se vai investigar; facilitando a delimitação do tema da pesquisa, orientando a fixação dos objetivos e a formulação das hipóteses para descobrir um novo tipo de enfoque para o assunto. (FONSECA, 2011)

REFERÊNCIAS
BANKOWSKI, B. J. Manual de ginecologia e obstetrícia do Johns Hopkins. 2. Ed Porto Alegre: Artmed, 2006;

BARROS, S. M. O. de. (Org) Enfermagem no ciclo gravídico puerperal. São Paulo: Manole, 2006;

BRASIL. Ministério da Saúde. Pré - natal puerpério, atenção qualificada e humanizada. Brasília. 2005;

BURROW e FERRIS. Complicações clínicas na gravidez. 2ª ed. São Paulo: Roca,1983;

CABRAL, Antônio Carlos Vieira. Obstetrícia. 2ª ed. São Paulo: Editora Revinter, 2002. pré-eclâmpsia. In: BENZECRY, Roberto(Ed.) Tratado de obstetrícia;

CARVALHO, Geraldo de. Enfermagem em Obstetrícia. ed. Revista e ampliada. São Paulo: EPU, 2002;

FONSECA, J.J.S. Metodologia da pesquisa científica. Apostila. Fortaleza:UEC, 2002;

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009;

GONÇALVES, Luciana C. et al. Prevalência de hipertensão arterial em mulheres com passado de distúrbios hiperglicêmicos na gestação. Arquivo Brasileiro Endocrinol Metab, São Paulo, v.49, n.2, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php>. Acesso em: 11 Mar 2011;

KAHHALE, Soubhi; ZUGAIB, Marcelo. Síndromes hipertensivas na gravidez: natal e Puerpério: atenção qualificada e Humanizada – manual técnico/Ministério da Saúde, Brasília, 2009;

NEME, Bussamara. Obstetrícia Básica. 2ª ed. São Paulo: Editora Sarvier, 2010;

OLIVEIRA, Cristiane Alves de; et al Síndromes hipertensivas da gestação e repercussões perinatais. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v.6, n.1, jan./mar;

PERACOLI, J. C. e PARPINELLI, M. A. Síndromes hipertensivas da gestação: identificação de casos graves. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., out. 2010, vol.27, no.10, p.627-634. ISSN 0100-7203;

SIRIO, Marília Alfenas de Oliveira et al. Estudo dos determinantes clínicos e epidemiológicos das concentrações de sódio e potássio no colostro de nutrizes hipertensas e normotensas. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.23, n.9, 2007. Disponível em:<http://www.scielosp.org/scielo.php >. Acesso em: 13 Mar 2013;
Obrigado a todos pela atenção!
Full transcript