Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A morte chega cedo

No description
by

on 22 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A morte chega cedo

Trabalho Realizado Por:
Mariana Silva Nº 19 12º E
A morte chega cedo
A morte chega cedo,
Pois breve é toda vida
O instante é o arremedo
De uma coisa perdida.

O amor foi começado,
O ideal não acabou,
E quem tenha alcançado
Não sabe o que alcançou.

E tudo isto a morte
Risca por não estar certo
No caderno da sorte
Que Deus deixou aberto.
Extrutura Externa
A morte chega cedo,
Pois breve é toda vida
O instante é o arremedo
De uma coisa perdida.
Recursos Estilísticos
O instante é o arremedo
De uma coisa perdida.
Extrutura Interna
A morte chega cedo
Fernando Pessoa

Fernando Pessoa, já profundamente desgastado pela angústia que o mina, pela constante busca de si próprio, morre no dia 30 de Novembro de 1935, com 47 anos de idade. Uma morte que chega cedo - mais cedo chegara a muitos daqueles com quem convivera -, mas uma morte para a qual o poeta parece ter caminhado conscientemente e sobre a qual refletiu em muitos dos seus textos.
O poema tem 3 quadras. Os versos são redondilha menores, hexassílabos e redondilhas maiores. A rima é cruzada. É utilizado um vocabulário simples.
O amor foi começado,
O ideal não acabou,
E quem tenha alcançado
Não sabe o que alcançou.
E tudo isto a morte
Risca por não estar certo
No caderno da sorte
Que Deus deixou aberto.
A/ mor/te/ che/ga/
ce
/do, Hexassílabo
a
Po/is/ bre/ve é/ to/da/
vi
/da Redondilha Maior
b
O/ ins/tan/te é/ o a/rre/
me
/do Redondilha Maior
a
De u/ma/ coi/sa/ per/
di
/da. Hexassílabo
b
O a/mor/ foi/ co/me/
ça
/do, Hexassílabo
a

O i/de/al/ não a/
ca
/bou, Redondilha Menor
c
E/ quem/ te/nha al/can/
ça
/do Hexassílabo
a
Não/ sa/be o/ que al/
can
/çou. Redondilha Menor
c
E/ tu/do is/to a/
mor
/te Redondilha Menor
d
Ris/ca/ por/ não/ es/tar/
cer
/to Redondilha Maior
e
No/ ca/der/no/ da/
sor
/te Hexassílabo
d
Que/ Deus/ dei/xou a/
ber
/to. Redondilha Menor
e
Metáfora
Neste poema, Fernando Pessoa trata sobre uma grande verdade sobre a vida que muitos tendem a ignorar. Não importa a classe social ou a raça ou o amor pela vida, um dia todos falecem, pois a morte chega cedo.
A morte é imprevisível e uma das piores coisas em morrer é acabar a vida sem nunca concretizar todos os nossos sonhos, até porque se calhar seria impossível de concretizar todos os sonhos, ou porque são muitos, ou porque a vida é realmente curta, e a morte chega cedo. A vida sempre vai ser um caderno aberto em que as pessoas não querem parar de escrever.
Já dizia António Variações: “
Não deixes para amanha o que podes fazer hoje.
”.

Quando temos a oportunidade de fazer uma coisa que queiramos temos que aproveitar esse preciso momento fazer essa coisa pois não sabemos quando a morte vai chegar.
É breve toda a vida e longa toda a morte…
Full transcript