Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A Tipologia de Jesus

Apresentação de Daniel Silveira
by

Daniel Silveira

on 30 June 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A Tipologia de Jesus

Primeira Purificação do Templo
Mensagem do Segundo Anjo: "Caiu Babilônia" 1844
Segunda Purificação
do Templo
Alto Clamor
Tempo de Graça para Jerusalém
Tempo de Graça para a IASD
Natureza: Dificuldade de aceitar a divindade de Jesus
Natureza: Dificuldade de
aceitar a humanidade de Jesus
Falsa espectativa: rei terrenal, Elias precedendo-o
Falsa espectativa: foco só na segunda vinda, decreto dominical é toque de clarim
Distrações: zelotes, Judas o galileu, Teudas, seitas
Atos 5:36-37
Distrações: Mórmons, Test. Jeová
espiritismo, ecumenismo, marxismo, etc. surgem em 1844

Paralítico: Estímulo à discussão
Heresias e dissensões separam e despertam
Tipologia: O Tempo de Jesus e Hoje
Quem aceitasse Jesus era expulso da sinagoga
João 9:22
Quem pratica a verdade presente em geral é queimado
Inspiração temporária
rejeitada pelos anciãos
Falsa premissa: Ou é profeta ou não é.
Rejetada a reeprensão da Testemunha verdadeira
Exemplos de Paralelos:
Sinal de Jonas, mulher de Ló, dias de Noé
"As provas dos filhos de Israel, e sua atitude justamente antes da vinda de Cristo, foram-me apresentadas repetidamente para ilustrar a posição do povo de Deus em sua experiência antes da segunda vinda de Cristo — como o inimigo procurou toda ocasião para assumir o controle da mente dos judeus, e hoje procura ele cegar a mente dos servos de Deus, a fim de que não sejam capazes de discernir a preciosa verdade."

Ellen G. White em Mensagens Escolhidas vol. 1, p. 406 (ME1 406.1)
"A proclamação “Caiu Babilônia”, foi dada no verão de 1844, e como resultado, cerca de cinqüenta mil abandonaram estas igrejas."
Ellen G. White em História da Redenção, 364 {HR 364.4}. Ver também PE 303.1 e Ma 171.2.
"Quando Jesus começou Seu ministério público, purificou o Templo de sua sacrílega profanação. Entre os últimos atos de Seu ministério estava a segunda purificação do Templo.
Assim, na última obra para advertência do mundo,

dois chamados distintos são feitos às igrejas
. A mensagem do segundo anjo é: 'Caiu, caiu Babilônia, aquela grande cidade, que a todas as nações deu a beber do vinho da ira da sua prostituição.' Apocalipse 14:8. E no alto clamor da mensagem do terceiro anjo ouve-se uma voz do Céu, dizendo: 'Sai dela, povo Meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas. Porque já os seus pecados se acumularam até ao Céu, e Deus Se lembrou das iniquidades dela.'" Ap 18:4, 5.
Ellen G. White em Mensagens Escolhidas vol. 2, p. 118 {ME2 118.2}
Ap. 18: 1,2,4 "Esta passagem indica um tempo em que o anúncio da queda de Babilônia, conforme foi feito pelo segundo anjo do Capítulo 14 do Apocalipse, deve repetir-se com a menção adicional das corrupções que têm estado a se introduzir nas várias organizações que constituem Babilônia, desde que esta mensagem foi pela primeira vez proclamada, no verão de 1844."
Ellen G. White em O Grande Conflito, 603 {GC 603.2}
Domingo de Palmas: "Quando o Sol, em declínio rápido se ocultasse no céu ocidental, terminaria o dia de graça de Jerusalém."
Ellen G. White em O Desejado de Todas as Nações, 404. {DTN 404.3}
"As setenta semanas, ou 490 anos, especialmente conferidas aos judeus, terminaram, como vimos, no ano 34. Naquele tempo, pelo ato do Sinédrio judaico, a nação selou sua recusa do evangelho, pelo martírio de Estêvão e perseguição aos seguidores de Cristo."
Ellen G. White em O Grande Conflito, 328 {GC 328.1}
"O tempo dos juízos destruidores da parte de Deus é o tempo de misericórdia para aqueles que [agora] não têm oportunidade de aprender o que é a verdade. O Senhor olhará para eles com ternura. Seu coração compassivo se enternece, e a mão do Senhor ainda está estendida para salvar, enquanto a porta é fechada para os que não querem entrar."
Ellen G. White em Eventos Finais, 182 {EF 182.3}
"Escolheu, entre os sofredores que se achavam junto ao tanque, o pior caso, para aí exercer Seu poder de cura, e pediu ao homem que levasse a cama através da cidade, a fim de publicar a grande obra de que fora objeto. Isso daria lugar à questão do que era ou não era lícito fazer no sábado, e abriria o caminho para Ele condenar as restrições dos judeus quanto ao dia do Senhor, declarando vãs suas tradições."
Ellen G. White em O Desejado de Todas as Nações, 137 DTN 137.2
"Deus despertará Seu povo; se outros meios falharem, introduzir-se-ão entre eles heresias, as quais os hão de peneirar, separando a palha do trigo."
Ellen G. White em Testemunhos para a Igreja, vol. 5 p. 707 {T5 707.3}
"Quando Ele vier, não nos há de purificar de nossos pecados, remover de nós os defeitos que há em nosso caráter, ou curar-nos das fraquezas de nosso gênio e disposição. Se acaso esta obra houver de ser efetuada em nós, sê-lo-á totalmente antes daquela ocasião."
Ellen G. White em Maranata, 13 de Março. {Ma 76.3}
"Quando o cortejo está para descer o Monte das Oliveiras, é interceptado pelos principais. Indagam a causa do tumultuoso regozijo. Ao perguntarem: “Quem é Este?” os discípulos
possuídos de inspiração
, respondem. Em eloquentes acentos, repetem as profecias concernentes a Cristo. ...
O último apelo a Jerusalém fora em vão."
Ellen G. White em O Desejado de Todas as Nações, 405. DTN 405.2 - ênfase acrescentada
Perguntei a significação da sacudidura que eu vira, e foi-me mostrado que era determinada pelo testemunho direto contido no conselho da Testemunha verdadeira à igreja de Laodiceia. Isto produzirá efeito no coração daquele que o receber, e o levará a empunhar o estandarte e propagar a verdade direta. Alguns não suportarão esse testemunho direto. Levantar-se-ão contra ele, e isto é o que determinará a sacudidura entre o povo de Deus.
Ellen G. White em Primeiros Escritos, 270 PE 270.2
Jerusalém é algo visível, Israel invisível.
Jerusalém é físico, Israel é baseado em pessoas.
A IASD é o corpo visível de Cristo, mas este tem outras ovelhas que não são deste curral, que serão ajuntadas.
Para Israel como nação o tempo esgotaria mais tarde
Inimigos de Jesus se uniram para matar a Jesus. Pilatos e Herodes consentiram
A acusação de quebra do falso sábado não vem do poder secular
"Antes de Sua crucifixão o Salvador explicou a Seus discípulos que Ele deveria ser morto, e do túmulo ressuscitar; anjos estavam presentes para gravar-lhes Suas palavras na mente e no coração. Mas os discípulos aguardavam livramento temporal do jugo romano, e
não podiam tolerar a ideia
de que Aquele em quem se centralizavam todas as suas esperanças devesse sofrer uma morte ignominiosa. As palavras de que necessitavam lembrar-se, fugiram-lhes do espírito; e,
ao chegar o tempo da prova, esta os encontrou desprevenidos
. A morte de Cristo destruiu-lhes tão completamente as esperanças, como se Ele não os houvesse advertido previamente.
Assim, nas profecias, o futuro
se patenteia diante de nós tão claramente como se revelou aos discípulos pelas palavras de Cristo. Os acontecimentos ligados ao final do tempo da graça e obra de preparo para o período de angústia, acham-se claramente apresentados. Multidões, porém, não possuem maior compreensão destas importantes verdades do que teriam se nunca houvessem sido reveladas. Satanás vigia para impedir toda impressão que os faria sábios para a salvação, e o tempo de angústia os encontrará sem o devido preparo."
Ellen G. White em O Grande Conflito, 594 {GC 594.1}
"Quando a presença de Deus se retirou, por fim, da nação judaica, sacerdotes e povo não o sabiam. Posto que sob o domínio de Satanás, e governados pelas paixões mais horríveis e perniciosas, consideravam-se ainda como os escolhidos de Deus.
Continuou o ministério no templo; ofereciam-se sacrifícios sobre os altares poluídos, e diariamente a bênção divina era invocada sobre um povo culpado
do sangue do querido Filho de Deus, e empenhado em matar Seus ministros e apóstolos.
Assim,
quando a decisão irrevogável do santuário houver sido pronunciada, e para sempre tiver sido fixado o destino do mundo, os habitantes da Terra não o saberão."
Ellen G. White em O Grande Conflito, 615 {GC 615.1}. Ênfase acrescentada
"A corrupção política está destruindo o amor à justiça e a consideração para com a verdade; e mesmo na livre América do Norte, governantes e legisladores, a fim de conseguir o favor do público, cederão ao pedido popular de uma lei que imponha a observância do domingo."
Ellen G. White em O Grande Conflito, 592 {GC 592.3}
Se houver morticínio em massa da parte do poder secular, o povo de Deus escapará, como Jesus escapou da mão de Herodes ao ele matar todos os meninos abaixo dos 2 anos de idade.
"Os mestres do povo haviam estimulado a turba ignorante a pronunciar julgamento contra um homem a quem muitos dentre ela nem sequer tinham visto, até serem solicitados a dar testemunho contra Ele. Sacerdotes, príncipes, fariseus e a endurecida plebe coligavam-se num satânico frenesi. Os guias religiosos se uniram a Satanás e a seus anjos. Cumpriam-lhes as ordens."
Ellen G. White em O Desejado de Todas as Nações, 528 {DTN 528.4}
Houve trevas por ocasião da morte de Jesus
Haverá trevas sobrenaturais imediatamente antes da volta de Jesus
Com brados de triunfo, zombaria e imprecação, multidões de homens maus estão prestes a cair sobre a presa, quando, eis, um denso negror, mais intenso do que as trevas da noite, cai sobre a Terra.
Ellen G. White em O Grande Conflito, 635 {GC 635.3}
Aparente vitória de Satanás é sua maior derrota.
Jesus morre e ressuscita em glória
Quando parece prestes a vencer, Satanás é derrotado. A morte é vencida e o corpo glorificado
Base para esta tipologia em específico
Ver sermão em www.terceiroanjo.com/veith-01-1844-em-tipo-e-antitipo
Se ao madeiro verde fazem isto...
...que se fará ao seco?
Lucas 23:31
"Sua angústia mental, (os discípulos)
não podiam compreender."
Não podemos compreender a angústia que nos sobrevirá. "A mais vívida descrição não pode atingir a grandeza daquela prova."
"Não precisamos classificar a obediência de Cristo, por si mesma, como alguma coisa para a qual Ele Se achava particularmente adaptado, por Sua especial natureza divina, pois Ele Se encontrava diante de Deus como o representante do homem e foi tentado como substituto e fiador do homem. Se Cristo possuísse um poder especial que o homem não tem o privilégio de possuir, Satanás ter-se-ia aproveitado desse fato."
Ellen G. White em Mensagens Escolhidas vol. 3, p. 139.
Nós as temos as propesões e paixoes carnais, Jesus não. Portanto Jesus não teve natureza humana igual nós, mas semelhante.
Mas a natureza humana não inclui as propensões, portanto Jesus teve a natureza 100% humana, mas sem as propensões para ao mal.

Tendo a mente de Cristo (1 Co 2:16) podemos parar de pecar. Note que pecado é um ato, não um estado.
A noção que pecamos porque somos pecadores é derivada da doutrina católica do pecado orginal e se introduziu no adventismo com o livro Questões sobre Doutrina.

"Pois bem, precisamos compreender o que é o pecado — a saber, que ele é a transgressão da lei de Deus. Essa é a única definição dada nas Escrituras."
Ellen G. White em Fé e Obras, 50.
Judeus guardavam a lei e
crucificaram a Jesus
Igrejas modernas exaltam a Cristo e crucificam a lei
Ellen G. White em O Grande Conflito, 622.4
Ellen G. White em O Desejado de Todas as Naçoes 487.
"Não precisamos conservar uma propensão pecaminosa. ... Ao participarmos da natureza divina, as tendências herdadas e cultivadas para o mal são separadas do caráter, e somos tornados uma força viva para o bem"
Ellen G. White em A Fé pela Qual eu Vivo, 18.4
Ora, se as tendêncas podem ser eliminadas de nós e continuamos seres humanos, essas tendências não fazem parte da natureza humana.
"Sua [de Cristo] natureza humana foi criada; ela nem sequer possuía os poderes angélicos. Era humana, idêntica à nossa."
Ellen G. White em Mensagens Escolhids, vol. 3, p. 129
E daí, qual é a
implicação disso?

"Poucos eram os que estavam prontos a aceitá-Lo como Salvador do pecado"

Ellen G. White em DTN 118.1
Ensino herético: Continuaremos pecando até a glorificação.
O sangue de Jesus não tem o poder de purificar o cristão totalmente já agora.
Mateus 10:25
Basta ao discípulo ser como seu mestre, e ao
servo como seu senhor. Se chamaram Belzebu ao pai de
família, quanto mais aos seus domésticos?

Lucas 23:2
E começaram a acusá-lo, dizendo: Havemos achado
este pervertendo a nação, proibindo dar o tributo a César,
e dizendo que ele mesmo é Cristo, o rei.

João 15:20
Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo
maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram,
também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha
palavra, também guardarão a vossa.

João 15:25
Mas é para que se cumpra a palavra que está
escrita na sua lei: Odiaram-me sem causa.
Full transcript