Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

GONÇALVES, M. A. S. Sentir, pensar, agir - Corporeidade e ed

No description
by

on 12 November 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of GONÇALVES, M. A. S. Sentir, pensar, agir - Corporeidade e ed

GONÇALVES, M. A. S. Sentir, pensar, agir - Corporeidade e educação. Campinas: Papirus, 1994.

SENTIR, PENSAR , AGIR CORPOREIDADE E EDUCAÇÃO

Acadêmicas
Marcela dos Santos Ortiz e
Evelen de Oliveira Xavier

Neste trabalho a autora busca por meio de reflexão filosofica, a compreensao do sentido de Educacao Fisica como fenomeno educativo.Ao conceber homem cmo unidade corporea-espiritual, que , em sua praxis cria o mund, ao mesmo tempo que este condiciona sua maneira de ser, considerando a Educacao Fisica como forca transformadora, inserido-se no projeto de emancipacao e humanizacao do homem.

Sintese da obra:
Tema central do livro:

Corporeidade e sua relação com comportamento do homem em seu cotidiano
Problema que a autora pontua:
Qual o sentido da corporalidade e do movimento na vida humana?

- Norteadores da pratica da corporeidade na escola
- Concepção de homem
- Sociedade
- Fins de educação
- Mudança significativa com industrialização, segregação o homem em busca de maior produtividade.
Aprendizagem na escola não se da como elaboração de experiências sensoriais, mas sim, como um acumular de conhecimentos abstratos, que são aprendidos por meio de palavras, fotografias, números e formulas, com pouca participação do corpo, originado na cinética reprimida e frustrada. p.35

E.F

Assume papel de disciplinador de corpos;
Movimentos Mecânicos, repetitivos, sem sentido para o aluno
Ignora contexto do aluno
Valoriza Aptidões desportivas, competição formação dicotômica do corpo espírito de elite
CORPO
- Corpo – transcendência do sujeito articula-se com mundo.
- Relação homem-mundo.
- Tenho consciência de meu corpo através do mundo e tenho consciência do mundo devido a meu corpo.

Corpo – transcendência do sujeito articula-se com mundo
Relação homem-mundo
Tenho consciência de meu corpo através do mundo e tenho consciência do mundo devido a meu corpo.
Sensações não são impressões puras, os estímulos sensíveis nos invadem indiscriminadamente o nosso EU, mas nas sensações já esta presente a subjetividade que anima o corpo, seleciona o mundo exterior, aqueles aspectos que possuem um sentido para individuo, formando sensação, percepção e ação indissociável . p.101
Ser livre, como ser ético, como ser político e como ser social ao mesmo tempo que ele, como ser corpóreo e sensível e afetado por essas dimensões. p.101
Sociedade, cultura, ambiente são fios invisíveis que nos seguem.
Corporeidade
- Marx
- Por meio do trabalho criativo o corpo humano se humaniza, unidade do homem no pensar e no agir transformador do mundo, dar significado e conseqüentemente satisfação pessoal e permite ao homem atuar como ser criativo. p. 114
Corpo e trabalho
Divisão de trabalho perde controle do processo e resultado de seu trabalho, se vê privado da satisfação de participar da criação de algo que tenha sentido. O produto de seu trabalho deixou de satisfazer necessidades humanas concretas, mas sim adquiriu valor abstrato de troca,perdendo portanto o caráter humanizador do trabalho.
Problemas movimento repetitivos como atrofias e outros defeitos posturais e musculares.

EF passa a ser vista como compensador do desgastes físicos e psicológicos, criando por meio do esporte um sentimento de unidade afetiva com a fabrica. (EF como lazer – bem estar)

Sobretudo visando o aumento da produção.
A E.F E O PROCESSO DE INDUSTRIALIZACAO
Educação fenômeno inerente ao homem como ser social e histórico, cuja existência fundamenta-se na necessidade de formar as gerações novas transmitindo-lhe seus conhecimentos, valores e crenças.
Pratica sistemática de atividades físicas, desportivas ou lúdicas no âmbito educacional, práxis que se encontra em relação dialética com campos de conhecimento advindos de diferentes ciências como biologia p. 118
Influencia desta sociedade na Educaao e E.F
Pedagogia da essência x pedagogia da existência
Não e nem que a essência preceda a existência nem que a existência preceda a essência (...) o homem é uma existência em permanente conquista de sua essência p. 119
Práxis homem como projeto: Um ser que aspira a valores que transcendem ao mesmo tempo que esta imerso em uma existência.

Ao professor de Educação Física cabe então proporcionar autenticas experiências corporais procurando resgatar a sensibilidade, a expressividade, a criatividade e a espontaneidade em seus movimentos e capacidade de comunicação.

PAPEL DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FISICA
Emanciapação do sujeito
A sociedade atual portanto necessita de uma Educação que não pretenda adaptar o individuo a realidade existente, nem busque o desenvolvimento de sua personalidade de forma dissociada da vida social (...)mas sim integrado com projeto de transformação da sociedade.
E.F - Ginástica, o jogo, a dança e o desporto. Essas formas de atividade física são fenômenos culturais correspondem a forma de apropriaçao do mundo pelos homens, e,como tal são realidades sócio-historico integrados no processo dialético do histórico da humanidade. P.135

Sendo assim ressalta que o corpo: sente,expressa, comunica e significa.
Na experiência corporal, a sensação,percepção e ação formam unidade indissociável, e portanto este corpo que sente ao mesmo tempo que a estrutura (social) e a percepção (relação com o meio) se move.Com isso ao sentir este corpo precisa se expressar de todas as formas em nosso ritmo, nossa respiração, nossos passos e nossas posturas, mesmo quando se quer ocultar, evidenciando sua historia individual e historia acumulada de uma sociedade.

Este corpo também comunica, uma vez que no movimento corporal o inteligível e o sensível se unem na produção do sentido, constituindo então em uma linguagem que é anterior a linguagem verbal.E por ultimo o corpo cria e significa, pois o movimento corporal nunca se repete, pois uma situação nunca é a mesma como o homem (sujeito) também não é.
Full transcript