Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

RESUMO ARTIGO: “A relação família-escola: intersecções e desafios”

Trabalho para disciplina de Escolar II - 2012
by

Jéssica Brandt

on 23 November 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of RESUMO ARTIGO: “A relação família-escola: intersecções e desafios”

“A relação família-escola: intersecções e desafios” Estas duas instituições tem objetivos distintos, mas que se interpenetram.

Contudo, a divergência entre escola e família está no ensinar, onde a primeira tem a função de beneficiar a aprendizagem dos conhecimentos edificados socialmente em determinado momento histórico, ampliar a convivência social e também de legitimar uma ordem social, enquanto a segunda promove a socialização das crianças, abrangendo o aprendizado de padrões comportamentais, atitudes e valores aceitos pela sociedade. o relato de muitos professores

Já os pais

Porém, segundo alguns autores, a construção entre a parceria escola-família é função inicial dos professores, pois eles são elemento chave no processo de aprendizagem, dada a formação especifica que tem. “Transferir essa função à família somente reforça sentimentos de ansiedade, vergonha e incapacidade aos pais, uma vez que não são eles os especialistas em educação” (Caetano, 2004, p. 58). A quem caberia essa responsabilidade de construir essa relação? Enfoque sociológico aborda os determinantes ambientais e culturais na relação família-escola, cabendo à escola o cumprimento de exigências sociais;

Psicológico considera os determinantes psicológicos presentes na estrutura familiar como responsáveis pelo desencontro entre objetivos e valores nas duas instituições;

Movimento de culpabilização e não de responsabilidade compartilhada. As perspectivas e abordagens sobre o tema podem ser organizadas em dois grandes grupos, um com enfoque sociológico e outro com enfoque psicológico.

enfoque sociológico

enfoque psicológico • Por meio de uma pesquisa, constataram que a ação das famílias é limitada e determinada de acordo com os interesses da escola.


• O apoio dos pais no processo de ensino “se limita a reforçar aquilo que o professor realiza e pede às crianças, ao invés de sugerir que os pais poderiam se envolver mais com questões escolares de maneira mais participativa e recíproca” (Bhering, 2003, p.499). Caminhos para estudar a relação família-escola - A visão da escola • A principal vantagem da aproximação da família seria o envolvimento dos pais na educação dos filhos, com relação à atitudes de co-responsabilidades.

•Há dificuldades no estabelecimento de relações harmoniosas entre família-escola. • Na região de Campinas fica clara a tendência das psicólogas em se envolverem mais na orientação de pais e em reuniões de pais, do que com outras atividades concernentes aos psicólogos.


• Apontam que a escola é quem determina o tipo e a frequência de oportunidades para a participação dos pais. Entretanto, na pratica o que se vê é que à família são impostos limites para entrar em questões próprias da escola, enquanto que a escola sente-se autorizada a penetrar nos problemas domésticos e a lidar com eles. Todavia, há modelos em que o envolvimento entre família e escola focalizam principalmente os pais, como os propostos por Joyce Epstein, Don Davies e Owen Heleen.


O aspecto mais comum entre os três modelos refere-se ao fato de que em todos a ação dos pais é priorizada, sejam questões pedagógicas (trabalho voluntário dos pais na escola e na sala de aula, ensino em casa ou na escola) ou políticas (pais com poder deliberativo na escola, participando e influenciado a tomada de decisões). Cynthia Bisinoto Evangelista de Oliveira; Claisy Maria Marinho-Araújo Academicos: Daniel, Eduardo, Jeson e Jéssica Este artigo nos brinda com uma apresentação de diferentes pontos de vista nessa relação existente entre a família e a escola.

Os autores buscam reunir e apresentar a opinião dos diferentes atores envolvidos nessa relação: os pais, os alunos e a escola, que é representada pelos seus professores e psicólogos escolares.

Algo de extrema importância que foi mencionado é com relação aos modelos familiares vigentes. Função social da família, da escola e interdependência dos sistemas família e escola Definição bem interessante da palavra educar.

de forma geral, tal tarefa tem sido de responsabilidade dos pais. As autoras fazem uma distinção entre a responsabilidade familiar junto às crianças e a função que a escola exerce.

função da família

função da escola A visão dos pais • Segundo alguns estudos (Bhering, 2003), a concepção que alguns pais têm é que o envolvimento deve ser de responsabilidade e iniciativa da escola.


• Pelo ponto de vista familiar, as interações estabelecidas com a escola são superficiais, sendo limitada a situações “formais”. • Com relação à função de cada um (pais e professores), acreditam ter tarefas diferentes e mostram-se relutantes em fazer o que é competência do outro.


• “Para os pais, os professores deveriam manter a educação escolar como sua responsabilidade, enquanto aos pais caberia assegurar que as crianças estivessem prontas para a educação escolar” (Bhering, 2003). • Um estudo em âmbito nacional sobre a relação família, escola e educação (Brasil, 2005), realizado pelo INEP, mostra que as reuniões entre pais e professores mobilizam os responsáveis, porém, um chamado imprevisto dos pais à escola desperta fortes apreensões na família. A visão dos alunos A partir de duas pesquisas em capitais brasileiras, uma com alunos de ensino médio, outra com alunos de 5a a 8a série constatou-se que:

* Os alunos consideram a relação familia-escola muito ruim.

* Na família além de não haver liberdade para tratar de muitos assuntos , a cobrança é sempre presente na relação com os pais, que ora não têm tempo, ora se eximem de participar.

*Os pais são chamados à escola apenas para receberem boletins ou para reuniões de classe e nunca para ouvirem algum elogio sobre o aluno ou sua evolução.

* A medida que os alunos vão avançando nas séries, os pais vão se ausentando das atividades ´propostas pela escola.

* Para os alunos, eles é que deveriam fazer uma mediação nesse diálogo entre família-escola, tornando-se agentes mais participantes desse processo, estimulando os pais a participarem, onde acreditam, teriam um diálogo mais harmonioso. * Apesar de pais e professores compartilharem a preocupação com o desempenho escolar, não compartilham as mesmas ideias sobre como cada um pode contribuir para o sucesso dos filhos.
* A relação família-escola tem se caracterizado por um fenômeno pouco harmonioso e satisfatório, já que as expectativas de cada ator envolvido não são atendidas e se mostram pouco favoráveis ao crescimento e desenvolvimento dos alunos.
* Os alunos se aborrecem com a relação em vez de tê-la como fonte de apoio e colaboração.
* Diante disso, um importante desafio surge para os profissionais envolvidos: tentar modificar a relação família-escola de maneira que ela possa ser associada a eventos positivos e agradáveis e que, efetivamente, contribua com os processos de socialização, aprendizagem e desenvolvimento. CONSIDERAÇOES FINAIS
Full transcript