Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Adolescência e contemporaneidade

Psicologia da educação
by

Vanessa Capochim

on 14 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Adolescência e contemporaneidade

ADOLESCÊNCIA E CONTEMPORANEIDADE

1.

Timing:
They need to move, shake, wiggle, and slide at just the right moments as viewers can tell when something comes in late or early
2.
Duration
: Flashing an image on screen too quickly can be jarring and may not get the message across. Conversely, leaving a graphic on the screen for too long can cause the audience to lose interest
COMPONENTES

DANIELLI JORGE
DEISY MARTINS
VANESSA CAPOCHIM

PROFESSORA
MARIA DA CONSOLAÇÃO AZVEDO OLIVEIRA
Conceito de Adolescência
Teens are so attached to their cellphones that even when they should be focusing on more important things; such as school work, they use their cellphone as a method of distraction and continuously check for updates.
FIM!
SUMÁRIO

Conceito de Adolescência
A busca pela identidade
As tribos urbanas
Inserção no mercado de trabalho
Escolha da profissão
Bullying
Processos auto destrutivos
Conflitos dos adolescentes
Mídia
OBJETIVOS
Etapa entre a infância e a fase adulta;

Marcada por transformações corporais, hormonais e comportamentais.

É importante a compreensão dos pais, professores e outros adultos.

Em caso de mudanças severas é importante o acompanhamento de um medico ou psicólogo.
Segundo Hall, no final do século XIX e inicio do século XX surgiu o conceito adolescência.

Uma marca comum é a necessidade de fazer parte de um grupo.

As amizades são importantes e dão a sensação de fazer parte de um grupo de interesses comuns.
Incorpora e transforma valores recebidos pela família, na busca de modelos próprios, no desejo de encontrar o próprio modo de ser, pensar e viver.

A auto-afirmação é um componente necessário e desejável.

Se faz presente através da rebeldia, da revolta, de manifestações agressivas.
A busca pela identidade
Intuito de encontrar pessoas que tenham interesses em comum para serem aceitos e compreendidos;

Gostos similares: gênero ou banda musical, esporte, relações culturais, personagens de desenhos ou filmes;

Debatem opiniões e experimentam prazeres com o propósito de encontrar uma identidade.
Cosplay: mistura de costumes (roupa fantasia), play (representar, brincar)

Surgiu na década de 1970 no Japão;

No Brasil o cosplay se popularizou a partir década de 1980;

Segundo Flávio e Rios, nove entre cada dez nerds anseiam por usar fantasias e ficar parecidos com seus ídolos.
Rappers
Emos
Góticos
Punks
As tribos urbanas
Cosplay
Cosplay
Mercado de trabalho e profissão
Inserção no mercado de trabalho
12 e 18 anos - Lei 8.069/90 - Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA);

Emenda constitucional nº 20 do artigo 7, alínea XXIII - proíbe ou institui a idade para o trabalho somente a partir de 16 anos.

A lei existe para distinguir o trabalho explorador do trabalho com vistas à formação.
Os jovens têm necessidade de construir sua identidade em função de sua intimidade e de sua autonomia.

A crise se explica para o jovem que enfrenta uma revolução fisiológica dentro de si mesmo, que desestrutura sua imagem corporal e sua identidade do ego.
Inserção no mercado de trabalho
BULLYING
Origina-se do inglês, bully, que significa valentão, brigão.

Mesmo sem uma denominação em português, é entendido como ameaça, tirania, opressão, intimidação, humilhação e maus tratos.
O que é bullying ?
O bullying sempre existiu.

Dan Olweus, professor da Universidade da Noruega, no fim da década de 1970, relacionou a palavra a um fenômeno.

Ele descobriu que a maioria dos jovens suicidas tinha sofrido algum tipo de ameaça e que, portanto, o bullying era um mal a combater.
Bullying é um fenômeno recente?
Querer ser mais popular, sentir-se poderoso e obter uma boa imagem de si mesmo.

Sente-se satisfeito com a opressão do agredido.
O espectador típico é uma testemunha dos fatos, não sai em defesa da vítima nem se junta aos autores.

Tem medo de ser alvo dos ataques ou falta iniciativa para tomar partido.
Gráfico sobre bullying - Revista Veja 16/03/2013
O que leva o autor do bullying a praticá-lo?
O espectador também participa do bullying?
Escolha da profissão
A busca pela identidade
Tribos urbanas
Conflitos dos adolescentes
Abuso

Ansiedade

Culpa

Depressão

Distúrbio
alimentar
Distúrbio do sono

Drogas e álcool

Fobia

Gagueira

Inferioridade

Internet
Irmãos

Obesidade

Pais

Pânico

Solidão

Suicídio

Vida Escolar
10 a 19 anos

9.919 casos de abuso sexual - 27 por dia

Maioria dos casos - acontece dentro de casa e o agressor era do sexo masculino.

Dos mais de 5 mil municípios do país, 2.917, encaminharam informações.
Abuso - dados de 2012
Fonte: Sipia. Infografia. Gazeta do povo http://www.gazetadopovo.com.br
Crises de ansiedade, medo de ter medo, causadas por fatores emocionais e genéticos que acontecem frequentemente;

Os ataques de pânico se iniciam com um susto em relação a algumas sensações do corpo;

Batimentos cardíacos, sensação de perda de equilíbrio, tontura, falta de ar, palpitação diferente ou um tremor.
Pânico
Distúrbio alimentar
Bulimia

Come muito, vômito auto-induzido, abuso de laxantes, diuréticos e exercício excessivo;

Falta de potássio, perda do esmalte dos dentes (causado pelo ácido gástrico criado pelo vômito), dores abdominais, problemas renais, desidratação e desequilíbrio eletrolítico (que pode causar problemas cardíacos);

16 anos – comer muito
18 anos – vômito auto-induzido
Anorexia

Síndrome de inanição auto-infligida, com sérios componentes psiquiátricos e físicos;

Anorexia nervosa – perda nervosa do apetite; sente dor de tanta fome mas se recusa a comer;

Surge frequentemente no início da adolescência;
Está aumentando entre homens;

Risco de morte é significativo quando o peso chega a 60% do normal;

Estima-se que metade das pessoas que morreram com anorexia foi por suicídio.
Foram entrevistados alunos do 9° ano do ensino fundamental de escolas públicas e privadas em todo País

9,9%
experimentaram drogas ilícitas, média de 312 mil

Meninas:
6,9%
em 2009 para
9,2%
em 2012
Meninos:
10,6%
em 2009 para
10,7%
em 2012

86%
- 13 a 15 anos

0,5%
usou crack no período de 30 dias que antecederam a pesquisa =
15 mil

70,5%
experimentaram alguma bebida alcoólica.

16,6%
compram bebidas em estabelecimentos comerciais.

36%
festas
20,9%
com amigos
9,1%
na própria casa

16,5%
disseram terem se sentido sozinhos nos 12 meses que antecederam a pesquisa.

21,7%
meninas
12,85%
insônia em decorrência de preocupações

10,7%
meninos
6,3%
insônia em decorrência de preocupações
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - 2012
Drogas e álcool
Zarur (2001) aponta dois motivos principais para explicar que divulgações na TV colaboram para entrar no imaginário das pessoas, fortalecendo a ideologia de fácil aceitação, independentemente do assunto:

rapidez com que as notícias são exibidas na TV;

fragilidade intelectual de boa parte do público.


A mídia faz com que se consuma uma falsa identidade, operando no desejo e, sobretudo, no inconsciente.
Mídia
Adolescentes
e
maritacas
Andam
sempre
em
bandos
São iguais
Gritam ao mesmo tempo
Não se importam com a direção que estão indo.
ALVEZ, Rubem. E ai? Carta aos adolescentes e a seus pais. Campinas, São Paulo, Papirus, 10ª edição, 1999.

LEVISKY, David Léo. Adolescência e violência. Consequências da realidade brasileira. São Paulo: Casa do psicólogo, 2000, Editora Livia Allgayer Freitag, 14 ed. Artmed 2012.

PARROTT, Les. Adolescentes em conflito: os 36 problemas mais comuns na adolescência: um guia prático para pais e educadores. Tradução Denise Avalone. São Paulo, Editora Vida, 2003.

ZARUR, Luciano. A construção e a desconstrução da auto-imagem brasileira pela televisão. Comum: Publicação das Faculdades Integradas Hélio Alonso, Rio de Janeiro, v. 6, n. 17 , p. 149-191, jul./dez, 2001.

http://comajudadetodos.blogspot.com.br

http://coletanea2008.no.comunidades.net

http://estadao.com.br

http://gazetadopovo.com.br

http://pordentrodahistoria.no.comunidades.net

http://revistaescola.abril.com.br

http://sesipr.org.br

http://suapesquisa.com

http://veja.abril.com.br
Referências Bibliográficas
Entender como é o adolescente contemporâneo, como vive e quais são os conflitos que enfrentam.
Full transcript