Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Nanismo, Acromegalia e Gigantismo

No description
by

Amanda Desidera

on 23 June 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Nanismo, Acromegalia e Gigantismo

Fisiologia do GH
Hormônio do crescimento
(GH)
Produzido pelo eixo hipotálamo-hipófise, o GH promove o crescimento de quase todas as células e tecidos do corpo humano.

Feed back negativo dado pelo IGF produzido no fígado.
Secreção do GH
Figura 75-6 Guyton & Hall – Tratado de Fisiologia Medica 12ºEd. Pag 947.12

Nanismo - Histologia
Nanismo - Anatomia
Nanismo - Histologia
Nanismo - Fisiologia
Nanismo, Acromegalia e Gigantismo
Nanismo - Farmacologia
Terapia de reposição de hormônio de crescimento para as crianças que tenham deficiência documentada desse hormônio.

Se a fisiopatologia for:

-Primária: No fígado (Nanismo de Laron) fígado insensível ao GH, é utilizado o recombinante de IGF-1.
-Secundária: Na hipófise, níveis baixos de GH não
estimulam a liberação de IGF, é utilizado a somatropina (recombinante de GH).
-Terciária: No hipotálamo, mais comum, níveis baixos de GHRH não estimulam GH e nem liberação de IGF, utilização de sermorrelina (GHRH sintético).

Uma pessoa com nanismo ou acondroplasia pode levar uma vida saudável, a maior complicação desses indivíduos é na sua inserção na sociedade:
• discriminação.
• dificuldade de acesso a bens públicos como telefones, corrimão, caixas, banheiros, prateleiras, meios de transporte, etc.
• taxa considerável de suicídio entre esses indivíduos.
• é preciso elevar sua auto-estima e trazê-los para a sociedade como um igual, adaptando o ambiente a suas necessidades.
Cuidados:
Tratamento com hormônio do crescimento (GH) nos casos de nanismo pituitário.
Hipertermia maligna: superaquecimento do organismo que pode ser agravado com alguns anestésicos.
Fisioterapia: ameniza dores e problemas de articulação.
Existem algumas técnicas cirúrgicas que permitem o alongamento ósseo.

Nanismo -
Cuidados de enfermagem
Nanismo pituitário:
• Baixa estatura
• Cabeça, membros e órgãos proporcionais ao corpo
• Atraso no desenvolvimento sexual na adolescência


Considera-se anão:
• homem com altura inferior a 1,45 m
• mulher com altura inferior a 1,40 m
.



Diminuição da secreção de GH
Gigantismo e Acromegalia
Fisiologia
Gigantismo e Acromegalia - Histologia
Gigantismo -Anatomia
Pele oleosa;

Alterações respiratórias: obstrução de vias aéreas;

Alterações cardiovasculares, insuficiência cardíaca;

Alterações gastrointestinais: aumento de volume dos órgãos;

Alterações metabólicas/endócrinas;

Alterações músculo-esqueléticas;

Alterações neurológicas: dor de cabeça persistente;

Alterações oftálmicas: distúrbios visuais e redução do campo visual.
Acromegalia - Anatomia
Gigantismo e Acromegalia - Diagnóstico
Gigantismo e Acromegalia - Cuidados de Enfermagem
O
exame físico
completo com registro do peso, altura e proporções corporais é essencial, pois pode mostrar sinais de alterações no crescimento.

Após suspeita da patologia é importantíssimo que haja um
encaminhamento
para exames como: avaliação dos níveis do hormônio do crescimento e do IGF-1, tomografia computadorizada da cabeça e ressonância magnética da cabeça, que vão auxiliar na confirmação da patologia e possivelmente detectar sua causa.

O
aconselhamento
é crucial para dar apoio ao paciente e à família propondo todo meio de conscientização da situação e do tratamento.
Exames:
Exame de sangue – dosagem de GH e de IGF-1.
Exame de sangue para dosagem do GH após ingestão de glicose. (Valores elevados quase sempre estão associados à acromegalia.)
Exames de imagem (tomografia computadorizada, ressonância nuclear magnética, etc.)

Causas
Em 98% dos casos, devido à presença de tumores benignos na Glândula Hipófise, situada no cérebro.

1.Excesso primário de GH Adenoma de GH
Adenoma misto produtor de GH e prolactina Adenoma mamossomatotrofos
Adenoma pluri-hormonalCarcinoma produtor de GH
Síndromes familiares (neoplasia endócrina múltipla, acromegalia familiar, síndrome de McCune-Albright, síndrome de Carney)
2.Excesso de GH
Tumores em células pancreáticas Linfoma
Iatrogênico

3.Excesso de GHRH
•Produção ectópica central (< 1%) Hamartoma hipotalâmico, coristoma, ganglioneuroma
•Produção ectópica periférica (1%) Carcinoma brônquico, tumores pancreáticos, tumores pulmonares de pequenas células,
carcinoma medular de tireoide, feocromocitoma 3

Tratamento
Tem como objetivo a diminuição da concentração do IGF-I para um valor de referência, considerando-se a idade e o gênero, e a diminuição da concentração do GH. Com a normalização do IGF-I sérico, a expectativa de vida é similar à da população em geral.
O tratamento também pode aliviar os sinais e sintomas. Para isso, tem-se as seguintes opções:
-Cirurgia transfenoidal.
-Tratamento medicamentoso.
-Radioterapia:Tratamento feito
em pacientes cuja doença não é
controlada por cirurgia ou
tratamento medicamentoso.

1.Agonista dopaminérgico
Eficácia principalmente em tumores com produção de GH e prolactina.
Administração via oral e baixo custo.
Menos efetivo se comparado a outros tratamentos.
 
2.Análogos da somatostatina
Taxa de sucesso de 45 a 65% dos casos.
Podem ser utilizados como tratamento de primeira escolha.
Administração via parenteral.
 
3.Antagonista do receptor de GH
Geneticamente análogo da molécula do GH humano. Eficácia em adquirir níveis normais de IGF-I em 97% dos casos.
Disponibilidade precária.

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-27302003000400006&script=sci_arttext
http://www.medipedia.pt/home/home.php…
http://www.medipedia.pt/home/home.php…
http://fefnet178.fef.unicamp.br/…/…/article/viewFile/357/288
http://drauziovarella.com.br/diab…/acromegalia-e-gigantismo/
https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/10581/000598107.pdf?sequence=1
http://www.bv.fapesp.br/pt/pesquisa/?q2=(area_exact:%22Nanismo%22%20OR%20assuntos_exact:%22Nanismo%22)%20AND%20id_pesquisador_exact:1019
http://slideplayer.com.br/slide/1694292/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Acromegalia
http://www.medicinanet.com.br/m/conteudos/revisoes/5628/acromegalia.htm
Fisiologia 5ºEd. Linda S. Constanzo - Editora Guanabara Koogan.
Histologia e Biologia Celular – Uma Introdução a Patologia – 2ºEd Abraham L. Kierszenbaum Editora Elsevier.
Farmacologia Range e Dale - 7ºEd. Editora Elsevier.
Fisiologia 3ºEd. Linda S. Constanzo Editora Guanabara Koogan.
Farmacologia Ilustrada 5º Ed. Editora ArtMed Michele & Clark.
Atlas Colorido de Histologia 5º Ed Leslie P Gartner, James L. Editora Guanabara Koogan.
Sobotta – Atlas de Histologia Editora de Ulrich Welsch 7º Ed.
Guyton & Hall - Tratado de Fisiologia Médica - Arthur C. Guyton; John E. Hall  12ºEd.

Bibliografia
Crescimentos de "partes moles": pés, mãos, orelhas, queixo proeminente, nariz e genitais.
Amanda Desiderá
Carolina Cobra
Ester Monteiro
Isabela de Lima
Juliana Colella
Maria Julia Pereira
Valéria Policarpo
Viviane Binotto
Enfermagem - Turma.71

A secreção é aumentada pelo sono, estresse, hormônios relacionados a puberdade, jejum, exercícios físicos e hipoglicemia.

A secreção é diminuída pela somatostatina, obesidade, hiperglicemia e envelhecimento.
Full transcript