Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Defesa Mestrado USP

No description
by

CAMILA OSUGI

on 26 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Defesa Mestrado USP

Plano de
Trabalho

O trabalho está organizado do seguinte modo:
Metodologia
Justificativa
Título do Trabalho
Possibilitar a sistematização da experiência no uso dos produtos por meio do processo criativo do
Design
de Moda, inserindo a metodologia do grupo focal na conduta projetual do
designer,
com intuito de promover produtos de Moda mais adequados do ponto de vista ergonômico por meio do projeto centrado no usuário.
Objetivo
Método que separa o processo analisado em um conjunto sequencial de atividades permitindo a otimização do sistema ao detectar áreas de risco e, deste modo, eliminar potenciais fontes de erros antes que ocorram (Kirwan & Ainsworth, 1992)

Apresenta a informação de forma hierárquica que permita avaliar:
Design de interface;
Atribuição de funções;
Recursos humanos;
Necessidade de treinamentos.



Para a coleta de informações é adotada a técnica de análise observacional (Shadowing).
Task Analysis (Análise de tarefas)
Referencial
Teórico
Sumário
Estruturado
Conteúdo descritivo
Capítulo 4 - Aspectos do Conforto
Ergonômico: a usabilidade aplicada aos produtos de Moda
Sumário Estruturado
Qualificação

Defesa
Considerações sobre a proposta metodológica dos Grupos Focais
Caracterização da Pesquisa
A estrutura
dos Grupos Focais
O enquadramento da problemática em estudo
A usabilidade e
o Grupo Focal
Aplicabilidade
dos Grupos Focais
Implementação da
usabilidade e conforto
nos produtos de Moda
Usuário como centro do processo do D
esign.
Visão sistêmica do processo de criação dos produtos garante a usabilidade.
A busca por usabilidade: equalizar as qualidades técnicas, ergonômicas e estéticas do produto.
Conforto: subjetivo - projeto objetivo.
Camila Osugi Cavalcanti de Alencar
camilaosugi@hotmail.com

Universidade de São Paulo
Escola de Artes, Ciências e Humanidades
Programa de Pós-Graduação em Têxtil e Moda

São Paulo, 03 de junho de 2014
Orientador: Prof. Dr. João Paulo Marcicano
Prof.ª Dr.ª Ana Margarida Pires Fernandes
Prof.ª Dr.ª Regina Sanches

Banca Examinadora:
A estrutura da dissertação foi sequenciada conforme o aprofundamento requerido, onde Moda representa o universo da dissertação e usabilidade o tema a ser abordado na problemática que levou ao estudo do grupo focal.
Estudo e elaboração dos capítulos
O esquema abaixo representa a sequência de como foram elaborados os capítulos:
Capítulo 1 - Moda: da concepção ao uso
Capítulo 5 - Proposta Metodológica:
o grupo focal
Capítulo 2 - A Metodologia Projetual:
e suas aplicações no Design de Moda
Capítulo 3 - A Ergonomia:
aplicada ao produto de moda
CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

ANEXO 1
Analisa o universo da dissertação.

O intuito é entender a criação e o desenvolvimento de produtos de Moda, desde a matéria-prima até sua comercialização, além de seus aspectos organizacionais e de consumo.
Expressar a importância da metodologia projetual para o desenvolvimento de produtos.

A atividade projetual, em qualquer dos campos do
Design
, implica o atendimento simultâneo de requisitos de diferentes naturezas.
A abordagem da Ergonomia como resultado de necessidades advindas do sistema usuário-produto de Moda-função-contexto de uso.

Abordagem ergonômica, como forma de facilitar suas interações com o meio e, desta forma, garantir a satisfação dos indivíduos, a eficiência e a eficácia dos sistemas produtivos.
Assunto primordial para o entendimento e justificativa do trabalho.

Os conceitos e suas implicações são fundamentais para compreender a importância do conforto e da usabilidade para os produtos de Moda atuais.
Dentro de uma contextualização necessária, a pesquisa metodológica visa garantir a adequação do
Design
por meio do estudo centrado no usuário, desssa forma garantindo conforto e usabilidade.

Pretende-se reconhecer as potencialidades e limitações do grupo focal na obtenção de parâmetros que auxiliem o projeto e a usabilidade na área do
Design
de Moda.
Problemática inicial
Aplicabilidade do grupo focal para a avaliação do conforto em pesquisas de usabilidade em Moda
Defesa da dissertação:
Aplicabilidade do grupo focal para a avaliação do conforto em pesquisas de usabilidade em Moda

Objetivos Específicos
AMANTINI, S. N. S. R. Desafio do Ensino de Design frente ao Novo Século: Um Estudo da Disciplina de Ergonomia nas Escolas Paulistas de Desenho Industrial. 2003. 139 fls. Dissertação (Mestrado em Desenho Industrial). Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, UNESP, Bauru, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ERGONOMIA. ABERGO – Disponível em: <http://www.abergo.org.br/>. Acesso em: 20 julho de 2011.

BACK, N.; OGLIARI, A.; DIAS, A.; SILVA, J. C. Projeto integrado de produtos: planejamento, concepção e modelagem. Barueri, SP: Manole, 2008.

BEVAN, Nigel. Usability is quality of use. In: International Conference on Human Computer Interaction, 6, 1995, Yokohama, Proceddings... Yokohama: Anzai & Ogawa, 1995.

BRAGA, João; PRADO, Luís André do. História da Moda no Brasil: Das influências às autorreferências. 2. ed. São Paulo: Disal, 2011.

BÜRDEK, Bernhard E. Design: História, Teoria e Prática do Design de Produtos. São Paulo: Edgard Blücher, 2008.

CARDOSO, Rafael. Uma introdução à história do design. São Paulo: Edgard Blucher, 2004.

CASTILHO, Káthia; PRECIOSA, Rosane. A Criação e o Design de Moda: apontamentos. São Paulo: Ed. Anhembi Morumbi, 2001. (Artigo desenvolvido como aluna da Disciplina de Design, Arte e Tecnologia, do programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Design – Mestrado UAM).

COSTA, Dhora. História das Bolsas. São Paulo: Matrix, 2010.

COUTO, R.M. de S. Contribuição para um design interdisciplinar. Revista Estudos em Design, Rio de Janeiro, v.7, n.1, abril, 1995.

FRINGS, Gini Sttephens. Fashion: From concept to consumer. 9° ed. New Jersey: Pearson, 2009.

GOMES FILHO, João. Ergonomia do Objeto: Sistema Técnico de Leitura. 2º Ed. São Paulo: Escrituras, 2010.

GOMES FILHO, João. Design do Objeto: Bases Conceituais. 2º Ed. São Paulo: Escrituras, 2010.

GURGEL, F. C. A. Administração do produto. São Paulo: Atlas, 2001.

IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produção. São Paulo: Editora Edgard Blucher Ltda, 2005.

INTERNATIONAL COUNCIL OF SOCIETY OF INDUSTRIAL DESIGN (Montreal -quebéc - Canadá). A Partner of the International Alliance: ICSID. Disponível em: <455 St-Antoine Ouest, Suite SS10>. Acesso em: 20 out. 2011.

ISO, International Organization Of Standardization (Org.). ISO 9241-11. Disponível em: <http://www.usabilitynet.org/tools/r_international.htm#9241-1x>. Acesso em: 10 fev. 2012.

JONES, S. J. Fashion Design: manual do estilista. 3º edição. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

JORDAN, P. W. N. A Introdution to Usability. Londres: Taylor & Francis, 2011.
Referências
Obrigada!
KAMINSKI, Paulo C. Desenvolvendo produtos: planejamento, criatividade e qualidade. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos / LTC, 2000. 132p.

LIPOVETSKY, G. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989

LÖBACH, Bernd. Design industrial. São Paulo: Edgard Blücher, 2000. 206p.

MARTINS, Suzana B. Ergonomia e Moda: repensando a segunda pele. In Pires, Doroteia. B. Design de Moda: olhares diversos. São Paulo: Estação das Letras, 2007.

MARTINS, S. B. O conforto no vestuário: uma interpretação da ergonomia. Metodologia para avaliação de usabilidade e conforto no vestuário. Florianópolis, 2005.140p. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Doutorado em Engenharia de Produção – UFSC

MONTEMEZZO, Maria Celeste de Fátima Sanches. Diretrizes metodológicas para o projeto de produtos de moda no âmbito acadêmico. 2003. 96 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Desenho Industrial, Departamento de Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2003.

MONTEMEZZO, Maria Celeste F. S.; SANTOS, João Eduardo Guarnetti. O papel do vestuário na interação homem - ambiente. IN: P&D DESIGN, 5, 2002. Brasília. Rio de Janeiro: AEND-BR, 2002.

MONTMOLLIN, M. A Ergonomia. Lisboa: Instituto Piaget, 1986.

MORAES, Anamaria de. ; MONT’ALVÃO, Cláudia. Ergonomia: conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: 2AB, 2000.

MORAES, A.; QUARESMA, M. Ergodesign: uma solução para a interação Ergonomia-Design. Pósdesign, Rio de Janeiro, fev. 2002. Disponível em: <www.posdesign.com.br/artigos.asp>. Acesso em: 18 fev. 2005.

RECH, S. R. Moda: por um fio de qualidade. Florianópolis: Udesc, 2002.

SANTOS, F. A. N. V. O Design como diferencial competitivo. Itajaí: Univali, 2000.

SEBRAE-SP, Serviço de Apoio Às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Org.). ABC do Design. São Paulo: Sebrae, 2002. Disponível em: <http://antigo.sp.sebrae.com.br/principal/sebrae%20em%20a%C3%A7%C3%A3o/documentos_sebrae_em_a%C3%A7%C3%A3o//abc_design.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2011.

SILVA, Rogério; RADICETTI, Elaine. Estratégia do design e ergonomia para competitividade no vestuário. IN: CONGRESSO INTERNACIONAL DE ERGONOMIA E USABILIDADE DE INTERFACES HUMANAS E TECNOLOGIA, 1, 2001. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2001.

TREPTOW, D. Inventando moda: planejamento de coleção. 3.ed. Brusque: D. Treptow, 2005.

USABILITY NET. What is usability? Disponível em: http://www.usabilitynet.org/managent/b_what.htm acesso outubro de 2011.

VAN DER LINDEN, Julio e GUIMARÃES, Lia B. “O conceito de conforto a partir dos especialistas”. Anais do 6° P&D, São Paulo, 2006. Disponível em: <http://blogs.anhembi.br/congressodesign/anais>. Acesso em: 10 julho de 2011.
Como solucionar a interferência das condições climáticas do litoral brasileiro e a baixa usabilidade através do
Design
de bolsas e melhorar a sua relação estético-funcional?
descobertas...
Organização
do Conteúdo
•Porque os materiais dos produtos de Moda utilizados no litoral brasileiro se desgastam rapidamente?


•Qual a importância da escolha dos materiais aplicados na confecção dos produtos de Moda para sua usabilidade no uso do litoral brasileiro?


•O design de matérias têxteis para a confecção de produtos de Moda no Brasil é pensado como interpretação às condições mesológicas do nosso litoral tropical?


•A escolha dos materiais para a confecção de produtos de Moda utilizados no litoral brasileiro é realizada de forma consciente e adequada?
Questionamentos Preliminares
“As mulheres vestiam-se com as criações da Belle Époque, usavam saias longas, mangas compridas, bolsas chatelaines de tecido, chapéu ornamentado, botinas, leques para amenizar o calor e luvas” (COSTA, 2010, p. 12).
Moda brasileira x Inspiração européia.



Evolução da prática projetual do
Design
= adequação da teoria do
Design
a sua prática.

Análise da usabilidade dos produtos de Moda = seleção de parâmetros projetuais =
Design
de Moda mais adequado = fruto do reflexo abordagem ergonômica como resultado da interação do sistema usuário - produto de Moda - função - contexto de uso = satisfação e conforto do usuário.

A utilização do usuário como ferramenta participante do
Design
e da evolução dos produtos.
Os produtos de Moda e suas peculiaridades:
Afetividade x Usabilidade.




Abrangência do escopo de análise
Atividades que constituem a tarefa
A natureza da pesquisa a ser observada
Equipamentos ou ferramentas utilizados na tarefa
Ambiente em que a tarefa é realizada
Informações exigidas ao operador para executar a tarefa

Serão analisadas as atividades necessárias para atingir o objetivo do procedimento.

Importante para desenvolver estratégias que determine o modo de atingir os objetivos como definir o nível de detalhamento pretendido.
Atividades que constituem a tarefa
Serão apontados alguns fatores do ambiente que quando inadequados podem afetar o desempenho das pessoas:

Iluminação: Intensidade da luz (lux) e quantidade de luz refletida (candela).

Ruído: Nível de ruído excessivo dependendo da sonoridade e frequência.

Clima: Ambientes internos são afetados pela temperatura e velocidade do ar, umidade relativa e calor radiado de superfícies.

Vibração: Atentar a existência de vibração no local de trabalho.
Ambiente em que a tarefa é realizada

Compreender as limitações da tecnologia no ambiente em estudo bem como as restrições do equipamento.

Avaliar o que será necessário para realizar o trabalho e quais as necessidades para suporte do operador.
Equipamentos ou ferramentas
utilizados na tarefa
Será analisado o comportamento do operador para identificar prováveis pontos de desconforto e limitações das capacidades físicas e cognitivas.

Postura e movimento: Compreender o correto posicionamento das articulações e o ponto focal da visão.

Fadiga: Analisar se a tarefa apresenta períodos prolongados de muito trabalho ou pouco (monotonia).

Privação do sono: Verificar se o usuário apresenta repetidos episódios de perda de sono.

Percepção: Diagnosticar se o reconhecimento de estímulos do usuários estão saturados como visão, audição, tato, olfato, gustação, posição e movimento dos membros (cinestesia).

Memória: Verificar a quantidade e o tipo de informações requeridas que o usuário armazene na memória.
Informações exigidas ao operador para executar a tarefa
universo da pesquisa
montagem do grupo focal - perfil do usuário
analise restrospectiva da usabilidade
A metodologia do Grupo Focal - grupo de pessoas reunidas para discutir uma questão em particular:
a usabilidade das bolsas em ambiente com clima tropical
Líder do grupo: a pesquisadora em questão - deverá criar uma agenda de discussões dinâmica do grupo
Grupo Focal: 6 participantes considerados usuários experiêntes
Pesquisa qualitativa que coleta dados por meio das interações grupais ao se discutir um tópico específico sugerido pelo pesquisador.


Análise retrospectiva da usabilidade.
O Grupo Focal
Método intermediário entre a observação participante e a entrevista em profundidade;
Metodologia estruturada na interação dos participantes concentrando-se na "fala" de cada um, captando suas impressões do tema.
INTRODUÇÃO
Apresentação
Objetivos
Metodologia e Organização

1. MODA:
da concepção ao uso
1.1 A evolução da Moda
1.2 O estabelecimento do Ciclo da Moda
1.3 A transformação do Estilismo para
Design
de Moda
1.4 O produto de Moda e o processo produtivo de
Design
de Moda
1.5 O conforto e a usabilidade na Moda
2. A METODOLOGIA PROJETUAL:
e suas aplicações no
Design
de Moda
2.1 A diferença entre Método e Metodologia
2.2 A conceituação de Metodologia Projetual
2.3. A relação entre Metodologia Projetual e
Design
2.4 A evolução dos Métodos Projetuais
2.5 A Metodologia Projetual dos Produtos de Moda e seus Atributos
3. A ERGONOMIA:
aplicada ao produto de Moda
3.1 Origem e Evolução
3.2 Conceituação
3.3 Visão Sistêmica da Aplicação Ergonômica
3.4 Tipos de Classificação em Ergonomia
3.5 A Correlação entre a Ergonomia e o
Design

3.6 O Provimento da Ergonomia no
Design
de Moda

4. ASPECTOS DO CONFORTO ERGONÔMICO:
a usabilidade aplicada aos produtos de Moda
4.1 Conceituações do conforto e sua relação com o
Design
4.2 O conforto e a Moda: a importância do conforto Ergonômico
4.3 Aplicações do conforto ergonômico nos produtos de Moda:
4.3.1 O Conforto Psicoestético
4.3.2 O Conforto Dimensional
4.3.3 O Conforto Sensorial
4.3.4 O Conforto Termofisiológico
4.4 Aspectos ergonômicos de usabilidade e conforto aplicada à Moda
5. PROPOSTA METODOLÓGICA:
o Grupo Focal
5.1 O enquadramento da problemática em estudo
5.2 A Usabilidade e o Grupo Focal
5.3 A contextualização da pesquisa: o surgimento e a conceituação do Grupo Focal
5.4 Estudo proposto: a estrutura dos Grupos Focais
5.5 Aplicabilidade do Grupo Focal: potencialidades e limitações
5.6 Diretrizes Metodológicas para produção do Grupo Focal

A adequação do
Design
de Bolsas na Moda brasileira às contingências impostas pelo clima tropical
Evolução da pesquisa
Como o
Design
incorpora na prática os anseios dos usuários no seu percurso projetual?

Como o
Design
garante a usabilidade dos produtos de Moda, ou seja, a eficiência, eficácia e satisfação do produto?

Como o
Design
elege os requisitos projetuais (considerando que o conforto e a usabilidade são essenciais para os produtos atuais) sem considerar a situação de uso do produto (ou considerando essa situação somente hipotética)?

Qual a importância do
feedback
dos usuários para o processo criativo do
designer
?

Porque outras áreas de atuação já sistematizaram o processo de
feedback
do usuário como meio de adequar o produto às necessidades do usuário e o
Design
de Moda ainda não?
Questionamentos vigentes
1° CICLO
Aplicabilidade do grupo focal para a avaliação do conforto em pesquisas de usabilidade em Moda
Busca por uma adequação metodológica
Figura. 1 – O ciclo da moda. Fonte: acervo pessoal, 2013.
A importância da usabilidade nos produtos de Moda
Compreender a importância da metodologia projetual para o
Design
de Moda
Compreensão que a visão sistêmica em Ergonomia deveria ser o ideal para o
Design
USUÁRIO
PRODUTO
DE
MODA
FUNÇÃO
USO
CONTEXTO DE USO
O provimento da Ergonomia no
Design
de Moda
Estudo da metodologia dos
Grupos Focais
Diretrizes Metodológicas para a produção do Grupo Focal
Definir objeto, objetivo e metodologia do estudo.
2° CICLO
Aplicação prática do Grupo Focal

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Adequar a relação estético-funcional do
Design
de Moda, visando melhorar sua usabilidade, na promoção do aumento do ciclo de vida do produto.
Reconhecer as incoerências entre a estética e a função dos produtos ofertados no mercado e se estes realmente se preocupam com o conforto do usuário.
Os mais frequentes são propostos para avaliar carga física, carga mental, conforto (ou desconforto), entre outros, podem ser classificados como técnicas, deixando a denominação de métodos para os que visam analisar e estabelecer parâmetros para desenho ou redesenho de produtos, ambientes e processos (LINDEN, 2007, p. 29).
A compreensão do uso real do produto de Moda
pelo
Design.

Esta é a contribuição da Ergonomia para o Design: a percepção de que existe o uso do produto prescrito e o uso do produto real (LINDEN, 2007).
O designer tem que ponderar o efeito das características do usuário na usabilidade dos produtos como:
a experiência do usuário com o produto em si;
o conhecimento de domínio que compreende a capacidade de executar uma tarefa independente do produto a ser utilizado;
capacidade de suposição que consiste na plenitude do usuário completar uma tarefa específica a um determinado produto pela primeira vez;
aprendibilidade que consiste na capacidade do usuário de atingir um nível competente de desempenho em uma tarefa específica já tendo feito essa tarefa uma vez antes;
o desempenho do usuário experiente que consiste no fato de uma vez o usuário tendo aprendido uma tarefa do produto ele pode reproduzir um nível elevado de execuções ;
o
background
cultural do usuário que consiste na bagagem cultural que pode influenciar a forma com que ele interage com o produto;
características do público-alvo em questão: idade, sexo e incapacidades.
Alcance dos fatores de usabilidade por meio do feedback do usuário.
Complexidade agregada à tarefa do
Designer
de Moda;

Compreensão da teoria x prática projetual do
Design;

Compreender os desafios do processo de criação de um produto de Moda;

Entendimento do papel da Ergonomia, da usabilidade e do conforto na Moda;

Ampliar base de estudos em metodologia de
Design.
Método de pesquisa aberta qualitativa semi-estruturada;
Pontos positivos:
Baixo custo;
Resultado rápido;
Formato flexível;
Eficiente em medir grau de satisfação e em capturar a interação entre os participantes.
Pontos negativos:
Moderador dependente;
Não fornece dados quantitativos;
Possui fatores de interferência (conformidade, predominância de participante, bloqueio de discurso, etc).
1 - Estabelecer moderador;
2 - Criação de questionário de apoio;
3 - Recrutamento do Grupo Focal;
4 - Grupo de Discussão propriamente dito;
5 - Análise de dados.
Compreende a importância da Ergonomia no processo criativo dos produtos de Moda.

Minimizar a distância entre a teoria e a prática do
Design,
aproximando-os através de uma metodologia a ser inserida como prática projetual.
Os testes de usabilidade:
Full transcript