Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

DIVERSIDADE DE FILOS DO REINO FUNGI NA ESTAÇÃO BIOLÓGICA SAN

No description
by

Mayara Souza Oliveira

on 13 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of DIVERSIDADE DE FILOS DO REINO FUNGI NA ESTAÇÃO BIOLÓGICA SAN

DIVERSIDADE DE FILOS DO REINO FUNGI NA ESTAÇÃO BIOLÓGICA SANTA LUCIA, SANTA TERESA- ES.
PERGUNTA CIENTÍFICA
Qual Filo do Reino Fungi é predominante na área determinada para o estudo, localizado na Estação Biológica de Santa Lucia?
OBJETIVOS
OBJETIVO GERAL


Determinar a diversidade de filos do Reino Fungi na Estação Biológica de Santa Lucia, Santa Teresa-ES, por intermédio de visita
in loco
.

OBJETIVOS
OBJETIVOS ESPECÍFICOS


Registrar, por meio da técnica de observação direta
in loco
, os filos de fungos presentes na área de estudo.

Verificar, através de observações nos registros fotográficos e dados coletados, o filo do Reino Fungi predominante.

Área de Estudo
Santa Tereza-ES >>>>> Estação Biológica de Santa Lucia.

Toda a zona de estudo compõe-se em 300m por 600m, com
relevo íngreme
e muita
matéria em decomposição
. Tem em toda superfície alto índice de
árvores caídas
e um grau elevado de
umidade
.
RESULTADOS
Após a análise dos dados da planilha preenchida
in loco
, houve a evidência de fungos em habitas como troncos de árvores caídos em estado de decomposição, árvores, galhos e principalmente na serapilheira, onde se concentra a maior quantidade de fungos.
METODOLOGIA
CATARINA PEREIRA
GESLAYNE LIDIA DA SILVA
MARIA TALITA MACARIO
MAYARA DE SOUZA OLIVEIRA
SILVIO ALVES DE AMORIM JUNIOR

Este estudo tem por finalidade estudar a cerca do Reino Fungi, no qual pode ser encontrado em todos os biomas terrestres com exceção do circulo ártico e que possui uma extrema importância na manutenção da vida no planeta (VASCONCELLOS NETO, 2010).

1,5 milhões de espécies de fungos (SILVA; COELHO, 2006).

Apenas foram catalogadas 105 mil espécies (VASCONCELLOS NETO, 2010)
A classificação de Alexopoulos
et al
. dividiu o reino em quatro filos, que equivale a: Chytridiomycota;
Zygomycota; Ascomycota; Basidiomycota
.
Fungos >>> Valor ecológico e econômico.

Em ecossistemas florestais os fungos são os principais decompositores de celulose e lignina, os componentes primários da madeira. A produção de biomassa em um ecossistema florestal é, em grande parte, encontrada por fungos degradadores de madeira; esses seres determinam as taxas de nutrientes liberados e seu retorno ao ecossistema após a morte das árvores (PIMENTA
et al. apud.
AGUIAR
et al.
2013, p.8).
Primeiro se utilizou a técnica de
Amostragem Aleatória de Estratificação
, onde a área amostral de 600 metros de largura para 300 metros de cumprimento, totalizando 180.000 m² foi dividida em
estratos de 25m² (5m x 5m)
, no qual resultou em
7200 estratos
. Como estes seriam muitos para a realização da pesquisa, essa técnica facilitaria a coleta de dados.
Foi empregada em conjunto outra técnica de amostragem, a
Amostragem Aleatória Simples
, na qual foram sorteados estratos utilizando a calculadora científica, já que a população é homogenia em relação à característica de interesse. Desse modo, foram
sorteados 36 estratos
para a amostragem, o que corresponde a
0,5 % da totalidade
, o possível de amostras diante o
tempo pré-determinado de 4 horas
, devido à necessidade de não haver mais extratos, pois poderia gerar a possibilidade de ultrapassar o período de coleta.
Repartiu-se a área total já estratificada ao meio a partir da marcação superficial terrestre que delimitava o final lateral da trilha ao lado direito e o começo da vegetação florestal, com a fita zebrada, em duas áreas menores para otimizar o tempo da pesquisa: A
área 1
à direita e a
área 2
à esquerda. Constituindo o grupo de estudo por 5 componentes, na
área 1 ficou responsável dois integrantes e os outros três pela área 2
, para cada grupo foi estabelecido a responsabilidade de realizar a coleta de
18 extrato
s. Visto que o relevo e tempo não eram a favor na área 2, nos extratos que havia diferença apenas de 5 m foi divido em equipes de um componente e o outro de dois.
Nos estratos, foi delimitado com gravetos em cada extremidade formando o quadrado de 25m². Utilizou-se a planilha e coleta de dados para realização da contagem dos filos do Reino Fungi. Como foi preciso uma hora para subir dividindo as duas áreas, restaram apenas três horas para realização da coleta de dados. Cada estrato tinha o tempo determinado de 10 minutos, desde a saída do estrato anterior até a finalização da pesquisa no outro. Foram utilizados barbantes de 5 metros, 10 metros e 20 metros para a deslocação, sendo que o trajeto foi planejado com antecedência, para poupar tempo.
Área 1
Esta área foi caracterizada como um local com uma
alta presença de árvores caídas
, presença forte de
serapilheira com espessura elevada
em alguns pontos e um
relevo íngreme
.

Há presença de fungos em troncos arbóreos em decomposição >>> principal habita nesta área.
Área 2
Esta área em questão possui um
terreno aclive
,
úmido
, mas com bastante
claridade solar
devido à queda de árvores. Como a área 1, está também possui muita presença de
árvores sobrepostas ao solo
e uma forte presença de
serapilheira em toda a superfície
, no entanto com uma altura rasteira devido a forma do solo.

Apesar de a serapilheira ser baixa, ela se caracteriza como o fundamental habita dos fungos nesta área.
Área Total
Foi determinado que o filo Basidiomycota é o principal encontrado na região, sendo sua quantidade bem maior ao analisar os valores.
CONCLUSÃO
A vasta presença de fungos Basidiomycota na EBSL pode ser explicada com relação à capacidade desses fungos possuem em degradar compostos lignocelulósicos, matérias com fibras de celulose (SILVA; COELHO, 2006). Sua presença foi fortemente encontrada em troncos de árvores caídos e em minúsculos tamanhos na serapilheira, folhas e galhos. Como relata Pimenta
et al.
(2013) os fungos do filo basicomycota exercem forte papel na vida do planeta Terra, pois participam de transformações físicas e químicas do meio ambiente.
Além de fazerem parte da ciclagem de nutrientes, eles acumulam substâncias toxicas, atua na cadeia alimentar, influenciam nas qualidades do solo, auxilia no transporte de água do solo para planta e entre plantas e são utilizados na produção de remédios (PIMENTA
et al
., 2013; MAIA; CAVALCANTI
et al
. 2005).

Basidiomycota
Pode-se concluir que a área amostral apresentou menor número de Zygomycotas, decorrente da pouca quantidade de árvores frutíferas no espaço amostrado já que a maioria das espécies desse filo conhecidos como os “fungos do açúcar” por degradarem moléculas menores como relata Maia e Cavalcanti
et al
. (2005).

Zygomycota
Os fungos do filo Ascomycota apesar de serem a maioria do reino, constituindo aproximadamente 75% de todos os fungos descritos (MORAES
et al
., 2010), eles são mais complexos de se encontrar e como afirma Maia e Cavalcanti
et al
. (2005) são também pouco conhecidos no Brasil, já que não há relatos da quantidade que há no país.
Ascomycota
Deste modo, pela EBSL ser um ambiente rico em substratos, sobretudo a madeira em decomposição, propícios para o proliferamento dos Basidiomycotas, este se sobressaiu aos demais neste trabalho, uma vez que sua presença é bem maior do que a dos outros filos, visto que o ambiente para o desenvolvimento dos demais é precário.
REFERÊNCIAS
GOLDENBERG, Renato & REGINATO, Marcelo. Sinopse da família Melastomataceae na Estação Biológica de Santa Lúcia, Santa Teresa, Espírito Santo. Paraná: SBC, 2006.

MAIA, Leonor C., & CARVALHO JUNIOR, Anibal A. Introdução – Os Fungos do Brasil. 1ª Ed. Rio de Janeiro: ISBN, 2010.

MAIA, Leonor Costa & CAVALCANTE, Maria Auxiliadora et al. Diversidade Biológica e Conservação da Floresta Atlântica ao Norte do Rio São Francisco. 1ª Ed. Brasília, DF: ISBN, 2005.

MENDES, Sérgio L. & PADOVAN, Maria da Penha. Estação Biológica de Santa Lúcia, Santa Teresa, Espírito Santo. 83ª Ed. Vitória: SEAMA, 2000.

PIMENTA, Eduardo et al. Distribuição dos Basidiomycotas nos Biomas Brasileiros. Belo Horizonte: 2013

SILVA, Ricardo Ribeiro da & COELHO, Glauciane Danuza. Fungos - Principais Grupos e Aplicações Biotecnológicas. 1ª Ed. São Paulo: IBT, 2006.

VASCONCELLOS NETO, João Ronaldo Tavares. Diversidade e Seleção de Fungos Basidiomicetos Afiloforóides para Produção de Enzimas Lignocelulolíticas em Área de Mata Atlântica do Sul da Bahia. Bahia: 2010.
Full transcript