Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Sarau no Teatro da Trindade

No description
by

diogo robalo

on 15 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Sarau no Teatro da Trindade

Sarau no Teatro da Trindade
Neste trabalho iremos falar:
razões que conduzem ao Sarau
Sarau
depois do Sarau
Jantar em casa da D. Maria Eduarda
Após o jantar em casa de Maria Eduarda, ninguém se decidia ir ao Sarau, pois encontravam-se todos num ambiente muito agradável e confortável, com:
Bom Jantar;
Bons Charutos;
Boa Música.
Argumentos:
"Não me interesa, estou muito cansada..."
"É uma seca - murmurou Carlos..."
"-Então Ega, cedendo também a todo aquele aconchego tépido e amável, enterrou-se no sofá com o charuto, para escutar a canção de "Ofélia"..."
Sarau no Teatro da Trindade
Personagens importantes na Ação
Antes do Sarau
Jantar em casa de Maria Eduarda;
Carlos da Maia tenta convencer Ega a não ir ao Teatro;
Carlos e Ega dirigem-se para o Teatro da Trindade, e Maria Eduarda fica em casa;
Em frente do teatro avistão o Sr. Guimarães.
Rufino
Alencar
Cruges
Bacharel Transmontano
Poeta Ultra romantico
O Intelectual incompreendido
a fé, a esmola, a sua aldeia, Deus e a imagem do "anjo da Esmola";
Falta de originalidade, recorrendo a lugares comuns:
Retórica oca;
Aclamado pelo pública tocado pelo seu sentimentalismo, ainda muito romântico;
Simboliza
A Orientação mental daqueles que o ouviam:
Ultra-romantismo
Poeta ultra romantico, sugere o tema da democracia romantica;
Desfazamento entre a realidade e o seu discurso;
Exploração do público, seduzido por escessos estéticos
O público aplaudiu-o caracterizando a sua oratória como "sublime". Mostrando a falta de espírito crítico dos Portugueses, que não evoluem no pensamento, por se interessarem por assuntos banais e se deixarem levar pelas aparências.
Crítica ao ultra romantismo - estilo literário apreciado pelos Portugueses. Também é feita uma crítica aos Portugueses pela forma como estes se preocupavam pelo fútil e teatral como a representação desta personagem.
Simboliza
Todos os Portugueses apoiantes da Democracia, que ignoram os valores antigos
Insensibilidade artística;
Superficialidade das conversas
ignorância dos espectadores
Tornou-se um fiasco pela compreenssão e reação do público.É feita uma crítica aos Potugueses pela sua cultura, visto que eram ignorantes e não possuíam sensibilidade artística
Simboliza
Os que se deferenciavam pelo amor à arte dos "ignorantes"
Objetivos do Sarau
Ajudar as vítimas das Inundações do Ribatejo
Apresentar um tema querido pela sociedade Lisboeta: oratória
Reunir as várias camadas das classes mais pretigiadas
Contraste entre a Festa e a Tragédia
Criticar o Ultra-Romantismo
Crónica de Costumes
Oratória
do
Rufino

Sentimento
Excessivo pelos
versos de Alencar

Ignorância e incompreensão
da
Sonata

Superficialidade
das
conversas

Elementos Linguísticos Utilizados
Adjetivação expressiva
- "Tudo nela era maravilhoso, são, perfeitos."(caracterização de Eduarda)
Estrangeirismo
- Cache-nez, sport, bonsoi...
Ironia
- "Comos todos os homens educados pela Filosofia (...) via nos grandes fatos da História não só a beleza poética, mas a sua influência social."(caracterização feita por Rufino)
Discurso indireto
- "Tudo nela era maravilhoso, são, perfeito."
Depois do Sarau
Sr. Guimarães conta a Ega que conhece Maria Eduarda, e Ega pensa no que fazer com tal informação!
O que Sr. Guimarães disse a Ega
Sr. Guimarães, chegando ao pé de Ega, sabendo que era próximo de Carlos da Maia, disse que tinha um cofre que continha uns papeis da sua falecida mãe, para ser restituído à família.
Quando se estavam a despedir, Sr. Guimarães pediu para o cofre ser entrege a Carlos da Maia, ou à sua irmã (Maria Eduarda), em que o mesmo depois explica a história.
O que Ega faz com a informação dada pelo Sr. Guimarães
Ega contou a Carlos da Maia a sua longa conversa com Sr. Guimarães, sem entrar em muitos pormenores, até ao momento em que ele ao despedir-se falará na irmã de Maia!
"Depois entregou-lhe os papéis da Monforte à porta do Hotel Paris, no Pelourinho."


O que acontece com esta história
Depois de Maria Eduarda saber que é irmã de Carlos da Maia, está, agora rica, decide ir para o estrangeiro.
Carlos, para se distrair, vai dar uma volta ao Mundo!
Este romance acaba 10 anos mais tarde, com o regresso de Carlos a Lisboa, que diz para Ega "Falhámos a vida, menino!".

Este facto torna esta história numa dita tragédia romântica, porque retrata um "AMOR" impossível!
FIM
Full transcript