Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Alexandre Martinês

on 17 March 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

MORFOLOGIA
SUBSTANTIVO
ADJETIVO
PRONOME
VERBO
ARTIGO
NUMERAL
ADVÉRBIO
CONJUNÇÃO
PREPOSIÇÃO
INTERJEIÇÃO
A Morfologia é a parte da Gramática que se dedica ao estudo da palavra, tomando-a como ente isolado e completo em si mesmo. Preocupa-se com a estrutura e formação das palavras, suas flexões e sua classificação. A Morfologia é estudada a partir da análise da estrutura dos vocábulos, seguida da investigação dos processos utilizados pela língua na criação de suas palavras. Enfim, o estudo detalhado de cada uma das dez classes gramaticais e suas respectivas flexões.

José de Nicola
Ulisses Infante
São classes do sistema aberto: substantivo, adjetivo, verbo e advérbios de modo. São referentes a fatos do mundo extralinguístico, a distinção de um falante entre objetividade e subjetividade.
São classes do sistema fechado: artigo, pronome, numeral, preposição, conjunção, os demais advérbios. Suas funções são internas, pois derivam das relações e categorias levadas em conta pela língua.
A teoria do conhecimento no seu todo realiza-se como reflexão do entendimento e baseia-se num pressuposto fundamental: o de que somos seres racionais conscientes.
Do ponto de vista psicológico, a consciência é o sentimento de nossa própria identidade: é o eu, um fluxo temporal de estados corporais e mentais, que retém, o passado na memória, percebe o presente pela atenção e espera o futuro pela imaginação e pelo pensamento. O eu é o centro ou a unidade de todos esses estados psíquicos.
Apesar das suas características orgânicas específicas, o homem não nasce social, porém somente adquire as características comportamentais conhecidas como tipicamente humanas através da socialização.
A espécie humana é dotada de certas características orgânicas que só ela possui, tais como: um extraordinário grau de complexidade e especialização neurocerebral; a possibilidade de visão policrônica e estereoscópica
ESTERIOCOPIA: sf (estéreo+scopo+ia1) 1 Ramo de ciência que trata dos efeitos estereoscópicos e dos métodos pelos quais são produzidos. 2 Vista de objetos em três dimensões
.
Um aparelho vocal que possibilita a emissão de sons articulados; a mão preênsil; uma coluna vertebral que, conjugada à localização central do orifício occipital, dá aos indivíduos humanos a capacidade de andar erecta.
No entanto, todas essas características são apenas condições necessárias, mas não suficientes ao desenvolvimento da personalidade e do comportamento humano na sua forma social.
SUBSTANTIVO: é a palavra que se usa para nomear seres, coisas e ideias. Como palavra variável, apresenta flexões de gênero, número e grau.
Na estrutura sintática o substantivo sempre atua como núcleo de termo.

JOSÉ DE NICOLA
ULISSES INFANTE
Cada indivíduo, ao fazer parte de uma sociedade, insere-se em múltiplos grupos e instituições que se entrecruzam, como a família, a escola e a Igreja. E, assim, o fio da meada parece interminável porque forma uma complexa rede de relações que permeia o cotidiano. Ainda que cada sujeito tenha sua individualidade, esta se constrói no contexto das relações sociais com os diferentes grupos e instituições dos quais ele participa, tendo por isso experiências semelhantes ou diferentes das de outras pessoas.
SUBSTANTIVO CONCRETO:
designa seres de existência própria, independentes. Não há a necessidades de serem reais.
SUBSTANTIVO ABSTRATO
designa seres de existência dependente. Designa ação, qualidade ou estado, tomados como seres. Indica coisas que não existem por si, que são o resultado de uma abstração.
A consciência psicológica ou o eu é formada por nossas vivências, isto é, pela maneira como cada ser humano sente e compreende o que se passa em seu corpo e no mundo que o rodeia, assim como o que se passa em seu interior. É a maneira individual e própria com que os humanos percebem, imaginam, lembram, opinam, desejam, agem, amam, e odeiam, sentem prazer e dor, tomam posição diante de coisas e dos outros, decidem, sentem-se felizes ou infelizes.
Ao nascer, chega-se a um mundo que já está pronto, e essa relação com o "novo" é de total estranheza. A criança vai sentir frio e calor, conforto e desconforto, vai sorrir e chorar; vai se relacionar e conviver com o mundo externo. Para viver nesse mundo, ela vai aprender a conhecer seu corpo, seja observando e tocando partes dele, seja se olhando no espelho. Nesse momento ainda não se reconhece como pessoa, pois não domina os códigos sociais; é o "nenê", um ser genérico.
SUBSTANTIVO PRÓPRIO:
designa um ser específico, determinado. É o que se aplica a um objeto ou a um conjunto de objetos, mas sempre individualmente, isto é, considerando-o sempre como indivíduo.
SUBSTANTIVO COMUM:
designa os seres de uma espécie de forma genética. É o que se aplica a um ou mais objetos particulares que reúnem características inerentes a dada espécie.
— O meu nome é Severino,
como não tenho outro de pia.
Como há muitos Severinos,
que é santo de romaria,
deram então de me chamar
Severino de Maria
como há muitos Severinos
com mães chamadas Maria,
fiquei sendo o da Maria
do finado Zacarias.
E se somos Severinos
iguais em tudo na vida,
morremos de morte igual,
mesma morte severina:
que é a morte de que se morre
de velhice antes dos trinta,
de emboscada antes dos vinte
de fome um pouco por dia
(de fraqueza e de doença
é que a morte severina
ataca em qualquer idade,
e até gente não nascida).
Com o tempo, a criança percebe que existem outras coisas a seu redor: o berço, o chão, e os objetos que compõem o ambiente em que vive. Percebe que existem também pessoas - pai, mãe, irmãos, tios, avós - com as quais vai ter que se relacionar. Vê que há outras com nomes como José, Maurício, Solange, Marina, que são chamados de amigos ou colegas. Passa a diferenciar as pessoas da família das demais. Descubrirá as normas e os costumes da sociedade em que está inserido.
SUBSTANTIVO PRIMITIVO:
designa seres cuja representação gráfica não deriva de outra palavra, isto é, apresenta o sentido base.
SUBSTANTIVO DERIVADO:
designa seres cuja representação gráfica é derivada de outra palavra do idioma.
As propriedades que fazem do homem um ser particular, que fazem desse animal um ser humano, são um suporte biológico específico, o trabalho e os instrumentos, a linguagem, as relações sociais e uma subjetividade caracterizada pela cosnciência e identidade, pelos sentimentos e emoções e pelo inconsciente.
SUBSTANTIVO SIMPLES:
designa seres cuja representação gráfica é formada por apenas um radical.
SUBSTANTIVO COMPOSTO:
designa seres cuja representação gráfica é formada por dois ou mais radicais.
Vambora
Adriana Calcanhotto

Entre por essa porta agora
E diga que me adora
Você tem meia hora
Prá mudar a minha vida
Vem, vambora
Que o que você demora
É o que o tempo leva...

Ainda tem o seu perfume pela casa
Ainda tem você na sala
Por que meu coração dispara?
Quando tem o seu cheiro
Dentro de um livro
Dentro da noite veloz...

Ainda tem o seu perfume pela casa
Ainda tem você na sala
Por que meu coração dispara?
Quando tem o seu cheiro
Dentro de um livro
Na cinza das horas...
A consciência humana busca adequar pensamento e realidade. Essa capacidade é fundamentada por questões culturais. Fatores biológicos contribuem, porém são os fatos sociais que acabam determinando sua conduta, nível e atuação.
Matéria de estudo da Psicologia, Filosofia, Sociologia, entre outras áreas do conhecimento, a consciência já foi analisada pela Psicánalise e Psicologia Analítica. Esta foca a construção da persona e dos arquétipos; aquela os três elementos do aparelho psíquico: Id, Ego, Superego.
A consciência é o reflexo da própria identidade e a possibilidade da construção do próprio conhecimento: epistemologia. Possibilitando, assim, análises metafísicas e ontológicas, isto é, o nível de consciência permite ao homem reflexões sobre si, ou sobre coisas que talvez nem existam.
Full transcript