Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

DAGILA CASTELLON

on 25 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

Diabetes Mellitus Gestacional
Caso Clínico
DMG
Artigo científico
A Paciente...
F.S.B.A., 26 anos, parda, solteira, natural de Simões/PI, residente em Porto Velho/RO há 15 anos, auxiliar de confeitaria, católica

Antecedentes familiares:
Avós: DM, HAS
QP: "Dor na barriga e nas costas, há 12 horas"
Laboratório e Imagem...
ABO-Rh: O+

29/11/2012
Hb: 12,4 Ht: 37,4%
Glicemia de Jejum: 78mg/dL
Sorologias: negativas

22/02/2013
Hb: 12 Ht: 36,5%
Glicemia de Jejum: 80 mg/dL
Sorologias: negativas
ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA
IG: 36 semanas e 4 dias (27/05/2013)
Biometria Fetal:
CF: 6,83 cm
CC: 32,5 cm
CA: 34,3 cm (P90=34,4 cm)

Peso estimado: 3.144 g
Definição
Importância
Complicações obstétricas e perinatais:

- Rotura prematura de membranas
- Parto pré-termo
- Pré-eclâmpsia
- Feto macrossômico


Macrossomia Fetal:
Recém-nascidos com peso ≥ 4.000 g, independentemente da IG ao nascimento.


Ministério da Saúde. Gestação de Alto Risco - Manual Técnico - 2012.

DMG aumenta a morbidade neonatal
(
Hipoglicemia, Cardiomiopatia, distúrbios hidroelétrolíticos)

Rastreamento
DMG é a intolerância à glicose que começa ou é diagnosticada pela primeira vez durante a gravidez.

Hiperglicemia gestacional leve refere-se a graus menores de intolerância à glicose na gestação.
Retnakaran, 2010 apud FEBRASGO
International Association of Diabetes and Pregnancy Study Groups - IADPSG, 2010
O rastreamento e diagnóstico do DMG
e da hiperglicemia gestacional leve deve ser universal (todas as gestantes) e realizado por meio da glicemia de jejum (GJ) associada a fator(es) de risco.
Reichelt, 1998 apud FEBRASGO –
Manual de Gestação de Alto Risco, 2011.

Se rastreamento positivo, realizar teste diagnóstico (TOTG)
Manual de Gestação de Alto Risco, 2011.

Reichelt, 1998 apud FEBRASGO –
Manual de Gestação de Alto Risco, 2011.
Fatores de Risco - DMG
ADA - American Diabetes Association
Diagnóstico
Glicemia pós prandial ??
TOTG
Teste Oral de Tolerância a Glicose
QUANDO?
Entre 24 e 28 semanas de gestação
COMO?

Antes do exame:
- 3 dias de dieta com 250 a 300 g de carboidratos/dia
- 8 a 12 horas de jejum


Durante o exame:
- manter repouso e não fumar.
QUAIS RESULTADOS CONSIDERAR??
*2 ou mais valores alterados; **1 ou mais valores alterados;
**1 valor alterado faz diagnóstico de DMG, segundo a IADPSG, utilizando os dados encontrados no HAPO.

ADA: American Diabetes Association; OMS: Organização Mundial de Saúde; IADPSG:
International Association of Diabetes and Pregnancy Study Groups.
Adaptado de: FEMINA| Janeiro 2011| vol 39| nº 1
Fonte: FEBRASGO – Manual de Gestação de Alto Risco, 2011.
Tratamento
Objetivos:
Glicemia de jejum: entre 70 e 90 mg/dL.
Glicemia pós-prandial: de 100 a 120 mg/dL
Condutas Obstétricas
O diagnóstico de diabetes gestacional NÃO é indicação de cesárea
Não se permite o pós-datismo em DMG
Parto eletivo com 37 a 38 semanas: nos casos de DMG com controle glicêmico irregular, feto tendendo a GIG.
Parto eletivo prematuro: se comprometimento da vitalidade fetal e/ou associação com intercorrências graves
Se o peso fetal estimado for > 4.000 g em qualquer momento da gestação, indica-se a sua interrupção, devendo-se preferir a via alta, para evitar a distocia de ombro
Crowther, 2005 e Hollander, 2007 apud FEBRASGO , 2011.
Landon, 2000 e Mugglestone, 2008 apud FEBRASGO, 2011.
Objetivo
 Esclarecer os riscos de resultados adversos associados com vários graus de intolerância à glicose materna.
Métodos
HAPO é um estudo epidemiológico observacional, cego, de 25.505 mulheres grávidas de 15 centros em 9 países, destinadas a esclarecer questões não respondidas sobre associações de glicemia materna, menos grave do que a diabetes mellitus, com evidentes riscos de resultados adversos da gravidez.
Participantes
Inclusão: Todas as mulheres grávidas em um determinado centro

Critérios Empregados
TOTG
75 g de glucose, entre 24 e 32 semanas de gestação ( alvo , 28 semanas)
Glicemia ao acaso
Entre 34 e 37 semanas de gestação, como medida de segurança

Laboratórios:

Apenas dos centros do estudo, por meio de métodos enzimáticos, com amplo controle de qualidade
Dosagem do peptídio C em sangue de cordão

Resultados
Desfechos
Hiperglicemia e complicações gestacionais
Características dos participantes do estudo HAPO
Com o aumento dos níveis de glicose materna, a freqüência de cada resultado primário aumentou, Porém, menos para hipoglicemia neonatal clínica do que para os outros resultados.
Frequência de desfechos primários conforme categorias de glicose
Rastreamento e Diagnóstico
Dágila Castellon
Orientadora: Drª Emília K. M. Harada
Resumindo...
OR e os IC de 95% para glicemia materna e resultados perinatais
Odds Ratio ajustado para associações entre glicemia materna e resultados perinatais Primários e Secundários

•American Diabetes Association. Diagnosis and classification of diabetes mellitus (Position State-ment). Diabetes Care. 2009; 32(suppl.1):S62-S67
•Berger H, Crane J, Farine D. Screening for gestational diabetes mellitus. J Obstet Gynaecol Can. 2002;25(2):894-912.
•Crowther CA, Hiller JE, Moss JR, McPhee AJ, Jeffries WS, Robinsons JS. Effect of treatment of gestational diabetes mellitus on pregnancy outcomes. N Engl J Med. 2005; 352:2477-86.
•FEBRASGO – Manual de Orientação Gestação de Alto Risco. 2011. p.47-61.
•Hollander MH, Paarlberg KM, Huisjes AJ. Gestational diabetes: a review of the current literature and guidelines. Obstet Gynecol Surv. 2007; 62(2):125-36.
•Landon MB. Obstetric management of pregnancies complicated by diabetes mellitus. Clinical Ob-stetrics and Gynecology. 2000; 43(1):65-74
•LOWE, L.P. et al. Hyperglycemia and Adverse Pregnancy Outcome (HAPO) Study: An Overview. Gestational Diabetes During and After Pregnancy, DOI: 10.1007/978-1-84882-120-0_2, © Springer-Verlag London Limited 2010.
•MATTAR, R. et al. Como deve ser o rastreamento e o diagnóstico do diabetes mellitus gestacional? Femina;39(1):29-34, jan. 2011. tab.
•Mugglestone MA, for The Guideline Development Group: Management of diabetes from precon-ception to the postnatal period: summary of NICE guidance. BJM. 2008; 336:714-17
•Reichelt AJ, Spichler ER, Branchtein L, Nucci LB, Franco LJ, Schmidt MI. For the Brazilian Study of Gestational Diabetes (EBDG) Working Group. Fasting plasma glucose is an useful test for the detection of gestational diabetes. Diabetes Care. 1998; 21:246-9.
•Retnakaran R, Qi Y, Connelly PW, Sermer M, Zinman B, Hanley AJ. Glucose intolerance in preg-nancy and postpartum risk of metabolic syndrome in young women. J Clin Endocrinol Metab. 2010;95(2):670-7.
• The HAPO Study Cooperative Research Group N Engl J Med 2008; 358:1991-2002May 8, 2008DOI: 10.1056/NEJMoa0707943

Referências Bibliográficas
Parto
Vaginal, com laceração grau 1
RN
Masculino, Apgar 8/9
Peso: 3.480g
_____________________
_____________________
_________
________
________
DON: G3 Pc1 A1
IG: 38s 3d (USG 07/12/12 - 12 semanas)
DOPP: Diabetes Gestacional
e macrossomia fetal (4.150 g)
DOPA: NDN
DCC:NDN
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
Full transcript