The Internet belongs to everyone. Let’s keep it that way.

Protect Net Neutrality
Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

cartografia_escrever_2014

No description

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of cartografia_escrever_2014

Objetividade entre parênteses
Circularidade
Cartograr
Explicar
Co-determinação
Enação
“[...] a pesquisa se faz em movimento, no acompanhamento de processos, que nos tocam, nos transformam e produzem mundos”
(BARROS E KASTRUP, 2012, p.73).
Nós foram produzidos na nossa constituição como cartógrafas, ou na tentativa, no exercício de nos constituir como cartógrafas. São emaranhados de linhas, processos de reflexão, pontos de encontro e convergência das experiências, emoções e saberes que construímos enquanto pesquisadoras. São emaranhados de linhas que nos atravessam, que despertam em nós desejos e emoções no pesquisar, que nos fazem perceber nossa ação na pesquisa, o mundo, sua produção e as co-determinações.
Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura
Débora Pereira Laurino
CARTOGRAFIAS DO ESCREVER ENATUADO
"[...] Nós não encontramos problemas ou questões a serem estudados e explicados cientificamente fora de nós mesmos num mundo independente. Nós constituímos nossos problemas e questões ao fluirmos na nossa práxis de viver e fazemos as perguntas que nós, em nosso emocionar, desejamos fazer. Nossas emoções não entram na validação de nossas explicações científicas, mas o que explicamos surge através do nosso emocionar como um interesse que não queremos ignorar" (MATURANA, 2001, p. 146).
O escrever enatuado, potencializa os processos do dar-se-conta, da co-criação e da recursividade, os quais constituem o aprender.
TESE
Como o escrever enatuado pode contribuir com o aprender?

Escolhemos a cartografia porque escolhemos
escrever mapas
, não com direcionamentos, mas
com experiências
, não estáticos, mas
com movimento e liberdade
de mudança, não padronizados, mas
com emoção
.
compartilhamento de um território existencial que sujeito e objeto de pesquisa se relacionam e se codeterminam
interação - desencadeamento de mudanças entre os participantes do encontro - contingentes com a história de nossas interações

A ação executada não é “[...] puramente mental nem puramente física; ela é, ao contrário, um tipo específico de unidade mente-corpo”(VARELA, THOMPSON e ROSH, 2003, p.45).
Dificuldades "em" e a preparação "para" escrever; e o que acontece "ao escreverem", ou seja, durante a própria ação de escrever.
ALVAREZ, J.; PASSOS, E. Cartografar é habitar um território existencial. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina 2012. p. 131-149.
ALVES, R. Aprendo porque Amo. In: __________. Educação dos Sentidos e mais.... Campinas: Versus Editora. 2010. p. 65-68.
BARROS, L. P. de; KASTRUP, V. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Org.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina 2012. p. 52-75.
CARDOSO, F. S. ; MARTINS, J. D. ; MOURA, A. C. de O. S. de ; GALVAO, M. C. ; RACHE, R. P.; VANIEL, B. V. Projeto Quero-Quero: Propostas de Educação Ambiental para Rede Municipal de Ensino - Rio Grande, RS. 1. ed. Rio Grande: Rio Grande, 2008. 73p.
DUARTE JR., J. F. Fundamentos estéticos da educação. 7 ed. São Paulo: Papirus, 2002. 150p.
DUARTE JR., J. F. O Sentido dos Sentidos : a educação (do) sensível. 2 ed. Curitiba: Criar Edições, 2003. 225p.
DUVOISIN, I. A.; VANIEL, B. V.; MOURA, A. C. de O. S. de; LAURINO, D. P. Conversar pela escrita: possibilidades de aprendizagens na educação a distância. In: I Encontro Internacional do Sistema Universidade Aberta do Brasil, 23, 24 e 25 de novembro de 2009, Brasília.
ENRICONE, D. A dimensão pedagógica da prática docente futura. In: _________ (org.). A docência na educação superior: sete olhares. Porto Alegre: Evangraf, 2006. p. 09-28.
GALIAZZI, M. do C.; MORAES, R. Educação pela pesquisa como modo, tempo e espaço de qualificação da formação de professores de ciências. Ciência & Educação, Bauru: UNESP, v. 8, n. 2, 2002. p. 237-252. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v8n2/08.pdf. Acesso em: 10 out. 2010.
KASTRUP, V. O Funcionamento da Atenção no Trabalho do Cartógrafo. In: Psicologia & Sociedade; vol. 19, nº 01, jan/abr 2007. p.15-22. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v19n1/a03v19n1. Acesso em: 02 jul 2012.
LAURINO-MAÇADA, D. P. Rede virtual de aprendizagem: interação em uma ecologia digital. 2001.Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre, 2001.
MARQUES, M. O. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. Brasília: Unijuí, 2006.
MATURANA, H. R. A ontologia da realidade. Belo Horizonte: UFMG, 2002a.
MATURANA, H. R. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: UFMG, 2001.
MATURANA, H. R. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: UFMG, 2002.
MATURANA, H. R. O que é ensinar? Disponível em: http://www.biologiadoamar.com.br/leia.htm. Acesso em: 27 set 2010.
MATURANA, H. R. Transformación en la convivência. Santiago do Chile: DOLMEN EDICIONES S.A., 1999.
MATURANA, H. R., DÁVILA, X. P. Educação a Partir da Matriz Biológica da Existência Humana. Revista PRELAC (Projeto Regional de Educação para América Latina e o Caribe), Santiago – Chile, nº 02, fevereiro de 2006. p. 30-39.
MATURANA, H.; PÖRKSEN, B. Del Ser al Hacer: los orígenes de la biología del conocer. Santiago: Comunicaciones Noreste Ltda, 1985.
MATURANA, H.; VARELA, F. A árvore do conhecimento – As bases biológicas do entendimento humano. Campinas: Psy II, 1995.
MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, Bauru: UNESP, v. 9, n. 2, 2003. p. 191-211. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n2/04.pdf. Acesso em: 07 fev. 2011.
MOURA, A. C. de O. S. de. Sensibilização: diferentes olhares na busca dos significados. 2004. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental. Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande/RS.
MOURA, A. C. de O. S. de; CRIVELLARO, C. V. L. ; SILVA, K. G. Descubra a Lagoa Verde: Um passeio pelos Arroios Bolaxa, Senandes, Canal São Simão e arredores. 1. ed. Rio Grande: NEMA, 2009. 28p.
MOURA, A. C. de O. S. de; PIECZARKA, L. S. ; SILVA, R. M. da ; MONTEIRO, A. F. ; SOLER, A. E. ; VANIEL, B. V. Lixo: o que nós temos a ver com isso?. 1. ed. Rio Grande: NEMA, 2006. 72p.
MOURA, A. C. de O. S. de; PIECZARKA, L. S.; SILVA, R. M. da. Resgatando valores: uma viagem do eu ao nós. 1. ed. Rio Grande: NEMA, 2009. 55p.
PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da. Sobre a formação do cartógrafo e o problema das políticas cognitivas. In: ___________ (Org.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina 2012. p. 201–205.
PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. das G. C. O docente do ensino superior. In: __________. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2010b. p. 177-200.
PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. das G. C. Tornar-se professor universitário hoje. In: ______. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2010a. p. 141-157.
PRADO, M. E. B. B. A Mediação Pedagógica: suas relações e interdependências. In: XVII Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE), 2006, p. 101-110. Disponível em: http://www.lbd.dcc.ufmg.br/colecoes/sbie/2006/012.pdf. Acesso em 03 maio 2012.
RAMAL, A. C. Ler e escrever na cultura digital. Porto Alegre: Revista Pátio, ano 4, no. 14, agosto-outubro 2000, p. 21-24. Disponível em: http://www.idprojetoseducacionais.com.br/doc/ler_e_escrever_na_cultura_digital.pdf. Acesso em: 03 abr 2012.
RECUERO, R. Diga-me com quem falas e dir-te-ei quem és: a conversação mediada pelo computador e as redes sociais na internet. Revista FAMECOS, Porto Alegre: PUCRS, nº 38, abril de 2009. p.118-128. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/viewFile/5309/3879. Acesso em: 07 jan. 2010.
SILVA, O. S. F. Ler, escrever, transver: entre as possibilidades e os desafios do escrever no contexto acadêmico. In: Anais do 17º Congresso de Leitura do Brasil, Campinas, Unicamp, julho de 2009. Disponível em: http://alb.com.br/arquivo-morto/edicoes_anteriores/anais17/txtcompletos/sem10/COLE_1233.pdf. Acesso em: 06 mar 2013.
SOARES, E. M. do; VALENTINI, C. B.; RECH, J. Convivência e Aprendizagem em Ambientes Virtuais: Uma Reflexão a Partir da Biologia do Conhecer. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.27, nº 03, dez. 2011. p.39-60. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-46982011000300003&script=sci_arttext. Acesso em: 16 ago 2013.
VARELA, F. J.; THOMPSON, E.; ROSCH, E. A mente incorporada: ciências cognitivas e experiência humana. Porto Alegre: Artmed, 2003.

O toque acontece pela instabilidade do texto, que mostra uma reflexão imersa na experiência e por isso deixa de ser estável, de apenas reproduzir ou repetir palavras.

“Algo se destaca e ganha relevo no conjunto [...]
O relevo não resulta da inclinação ou deliberação do cartógrafo
, não sendo, portanto, de natureza subjetiva. Também
não é um mero estímulo distrator que convoca o foco
e se traduz num reconhecimento automático.”
(KASTRUP, 2007, p. 19).

O TOQUE
“Como uma antena parabólica, a atenção do cartógrafo realiza uma
exploração assistemática do terreno, com movimentos mais ou menos aleatórios de passe e repasse, sem grande preocupação com possíveis redundâncias
. Tudo caminha até que a atenção, numa atitude de ativa receptividade, é tocada por algo”
(KASTRUP, 2007, p. 19).

O RASTREIO
Durante o pouso realizamos uma ação cartográfica de tensionamento: tramar, unir e afastar, os escreveres dos estudantes foram constituindo-se como nós de compreensão, de acordo com as reflexões que fizeram e que notamos como relevo, como nó de interrupção de padrões e repetições; e simultaneamente os escreveres foram afastados em diferentes documentos para que tivéssemos a clareza do nó, para que fizéssemos o zoom.

“O gesto de pouso indica que
a percepção
, seja ela visual, auditiva ou outra, realiza
uma parada e o campo se fecha
, numa espécie de zoom.
Um novo território se forma
, o campo de observação se reconfigura” (KASTRUP, 2007, p. 19).

nós de compreensão
construímos novos territórios com os relevos textuais

O POUSO
Com o diálogo produzido nessa cartografia “[...] o conhecimento que se produz não resulta da representação de uma realidade pré-existente. [...] o método cartográfico faz do conhecimento um trabalho de invenção” (KASTRUP, 2007, p. 21).

PRODUZIMOS

os documentos que traziam os nós
as leituras que havíamos feito
escrevemos e caracterizamos cada um desses nós
dialogamos com os escreveres dos cursistas e escreveres de autores que compõe nosso sistema conceitual

REVISITAMOS

O RECONHECIMENTO ATENTO
"[...] ponto de interseção entre a percepção e a memória” (KASTRUP, 2007, p. 20).
Espaço-contexto
Espaço-suporte
Educação a Distância
Tecnologias Digitais
SEaD
CURSISTAS
TIC-Edu
ESCREVERES
Onde?
NÓ DE COMPREENSÃO
IMPLICAÇÕES DO LER
Os textos favorecem muito o diálogo, são o ponto de partida e a partir daí podemos seguir trocando, reformulando, reavaliando e repensando – Maria.
A partir da visão de outros olhos, espelhados nas experiências de profissionais, como nós, passamos a medir nossa própria ação e a considerar outras possibilidades. É muito interessante ler o posicionamento dos colegas e, em seguida, a observação dos professores, tutores e outros colegas. Nesse ir e vir de ideias, vamos construindo novas perspectivas que, como em uma reação em cadeia, torna-se viva e evolui – Janete.
NÓ DE COMPREENSÃO
ACONTECIMENTOS DO ESCREVER
não basta apenas realizar a leitura dos materiais, é preciso expor nossas reflexões de forma que provoque o outro a dar continuidade ao diálogo – Zuriléia.
“Todo fazer é conhecer e todo conhecer é fazer”
(MATURANA e VARELA, 1995, p.68), a ação (o conhecer) e a experiência (o fazer) estão imersas numa circularidade.
PRINCÍPIOS DO RIZOMA
CONEXÃO
HETEROGENEIDADE
MULTIPLICIDADE
TERRITORIALIZAÇÃO
DESTERRITORIALIZAÇÃO
DECALQUE
CARTOGRAFIA
Observador implicado
NÓS
REFLEXIVOS
Aparece a leitura dos textos indicados pelos professores (leitura teórica), antes e durante a conversa nos fóruns; aparece o ler para pesquisa e aprofundamento, e ainda as possibilidades trazidas com a leitura das mensagens dos colegas.
Percebo o fórum enquanto um espaço interacional/interativo que torna o educando co-criador de todo o conteúdo discursivo a partir da mediação do computador e mais especificamente os fóruns enquanto uma interface da virtualidade - Virgínia.
NÓS DE COMPREENSÃO
CONVOCAÇÕES DA ESCRITA-LEITURA

Reconhecemos no percorrer cartográfico dos escreveres suas multiplicidades, alguns limites e seus desdobramentos e embasamentos no ler.

A cartografia dos escreveres produziu a identificação do escrever com palavras que “teimam em não sair” e a compreensão de que a recorrência do escrever contribui para minimizar as dificuldades com o próprio escrever, pois a convivência com quem escrevemos nos liberta de possíveis melindres ao escrever e que escrever é mesmo verbo, ação não é sinônimo de produto finalizado. Talvez mais que isso, o escrever pode ser compreendido como começo, que provoca o outro (leitor) ao
diálogo, uma construção coletiva que nos
auto-provoca a reflexões enquanto
escrevemos e que sendo vivo é também criação, co-criação com quem conversamos ao escrever e com quem lemos.

Em sua multiplicidade, o escrever desdobra-se também como o ler, não apenas como embasamento ao que se escreve, mas como ponte para outras ideias ainda não pensadas e ponte para experiências já inscritas em cada um, um conversar que mostra o ler também como movimento vivo e prática indissociável do escrever.

A cartografia dos escreveres e a escrita-leitura tecidas nos convocam a compreensão de que, ao movimentarmos os materiais textuais, não somente ao escrever, mas também ao ler, somos autores, produzimos entendimentos e aprendemos.

Você próprio é que terá de encontrar algo que desperte seu corpo vibrátil, algo que funcione como uma espécie de fator de a(fe)tivação em sua existência. Pode ser um passeio solitário, um poema, uma música, um filme, um cheiro, um gosto... Pode ser a escrita, a dança, um alucinógeno, um encontro amoroso – ou ao contrário, um desencontro... Enfim, você é quem sabe o que lhe permite habitar o ilocalizável, aguçando sua sensibilidade à latitude ambiente (ROLNIK, 2006, p.39).
Ao pensarmos na teoria como cartografia e no aprender como produtor de subjetividade, nos damos conta do porquê os nós produzidos tanto nos provocam, nos colocam em alerta, nos desestabilizam. Foram também os nós produzidos que nos constituíram como cartógrafas, que, a partir da teoria, mexeram com nosso corpo vibrátil, por isso demos voltas em nós mesmas, para nos tornarmos mais complexas, por isso os nós fizeram emergir nossa sensibilidade de forma latente, pulsante.
Na cartografia produzimos dados, não porque inventamos os dados, mas porque estamos em uma relação de co-determinação na pesquisa.
Dizemos então que ocorre a produção do que já estava lá de maneira virtual, ou seja, o material possui originalmente o potencial de ser compreendido como isto ou aquilo, o que produzimos já está lá em potência e se torna real, concreto, quando ao buscar compreendê-lo o enxergamos.
Para explicarmos os nós de compreensão pensamos em emaranhados processuais mais complexos, que se constituem a partir do imbricamento dos nós reflexivos com as conversas e com os escreveres dos sujeitos pesquisados. Esses nós foram produzidos na co-determinação entre nossas leituras e os escreveres dos professores-cursistas, por isso nós de compreensão.
NÓS
REFLEXIVOS
DE COMPREENSÃO
Observador implicado
Circularidade
Objetividade entre parênteses
Explicar
Cartografar
Co-determinação
Enação
Acontecimentos do escrever
Implicações do ler
Cooperação
Interação
Recursão
Ser cartógrafo é estar presente no aqui agora, com a percepção aguçada, a atenção consciente, deixando que os afetos nos movam, que os desejos alimentem nossos movimentos, aprender e pesquisar com todos os poros.
Deleuze e Guattari (1995)
Full transcript