Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

MEIO-AMBIENTE

No description
by

karen gissell Rotela

on 9 July 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of MEIO-AMBIENTE

O QUE É O MEIO AMBIENTE?

* O que é o Petróleo?
ONG's
As ONG's são uma importante estratégia para que pessoas comuns possam atuar em prol de uma causa.
No caso das ONG’s ligadas ao meio ambiente a luta contra o descaso e crimes realizados a este, são uma forma de mobilizar os governos para os problemas causados.
Importante recordar que são organizações privadas, sem fins lucrativos. Por isso necessitam de trabalho voluntario, doações, simpatizantes e militantes que estejam dispostas a trabalhar pela causa.
MEDIDAS UTILIZADAS POR LA INDUSTRIA PETROLERA PARA EL CUIDADO AMBIENTAL.

Completo conjunto de unidades ecológicas que funcionam como um sistema natural mesmo com uma massiva intervenção humana e outras espécies do planeta, incluindo toda a vegetação, animais, microorganismos, solo, rochas, atmosfera e fenômenos naturais que podem ocorrer em seus limites.
MEIO-AMBIENTE
Petrolíferas e Meio-Ambiente
Recursos e fenômenos físicos universais que não possuem um limite claro, como ar, água, e clima, assim como energía, radiação, descarga elétrica, e magnetismo, que não se originam de atividades humanas. Na Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente celebrada em Estocolmo, em 1972, definiu-se o meio ambiente da seguinte forma: “O meio ambiente é o conjunto de componentes físicos, químicos, biológicos e sociais capazes de causar efeitos diretos ou indiretos, em um prazo curto ou longo, sobre os seres vivos e as atividades humanas.”
A Política Nacional do Meio Ambiente (PNMA) brasileira, estabelecida pela Lei 6938 de 1981, define meio ambiente como “o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas”.
O conceito de meio ambiente pode ser identificado por seus componentes:
Estas podem atuar de diferentes formas afim de preservar o meio ambiente, exemplos são:
ONG’s na Argentina
Arboles de Vida/Arbres de vie –-ECOSOC
Asociacion Acuerdo Ambiental –-ECOSOC
Asociación Civil ONGD Educación, Ambiente y Territorio‐-ECOSOC
Basura Cero Bahía Blanca‐-ECOSOC
Centro de Estudios Ambientales‐-ECOSOC
Centro de Protección a la Naturaleza‐-ECOSOC
Convocatoria para la Defensa Ambiental
Fundación Agreste Punto Verde‐-ECOSOC
Fundación Ambiente y Recursos Naturales
Instituto de Estudios e Investigaciones Sobre en Medio Ambiente
SOS Mata Atlántica Foundation‐-ECOSOC
Water and youth organisation‐-ECOSOC
Com base no Centro de Informação das Nações Unidas, as ONG’s ambientais encontradas são:
ONG’s Brasil
Amigos de Protocolo de Kyoto‐-ECOSOC
Asociacao Pernambucana de Defesa da Natureza (ASPAN)‐-ECOSOC
Asociación Mundial de Ecología‐-ECOSOC
Asociacion of Amazonian Universities‐-ECOSOC
Asociato de Preservacao do Meio Ambiente do Alto‐-ECOSOC
Associaçao Amigos de Petropolis, Patrimonio, Proteçao aos Animais, Defesa da Ecologia‐-ECOSOC
Associaçao Brasileira de Ecologia‐-ECOSOC
Associaçao Campineira de Açao Ecologia‐-ECOSOC
Associacao Dos Contaminados pela Rhodia (ACPO)‐-ECOSOC
Associaçao Ituana de Proteçao Ambiental‐-ECOSOC
Associaçao Mundial de Ecologia‐-ECOSOC
BIOSFERA‐ Sociedad Brasileira para o Valorizaçao do Meio Ambiente‐-ECOSOC
Conselho Ambiental Comunitario Administrativo Gama Distrito Federal
Fundaçao Amazonas Forever Green‐-ECOSOC
Fundaçao Biodiversitas‐-ECOSOC
Fundaçao Brasileira para e Conservaçao da Natureza FBCN‐-ECOSOC
Grupo de Estudos e Defesa does Ecosistemas do Baixo e Médio Amazonas‐-ECOSOC
Instituto Brasileiro de Pesquisas e Estudos Ambientais, Pro Natura
Instituto de Desenvolvimento e Meio Ambiente
Instituto de Desenvolvimento e Meio Ambiente
Instituto Sul‐Mineiro de Estudios e de Conservaçao da Natureza‐-ECOSOC
Sociedade Brasileira de Direito do Meio Ambiente‐-ECOSOC
Uniao Protetora do Ambiente Natural‐-ECOSOC
ONG’s Chile
Instituto de Ecología de Chile
Instituto de Ecología Política
Red Nacional de Acción Ecológica ‐ RENACE -ECOSOC
Red Nacional de Acción Ecológica AG -ECOSOC
ONG’s Bolivia
Bosques Tropicales Bolivia S.A. -ECOSOC
Camara Forestal de Bolivia‐-ECOSOC
Centre d `Estudis Amazònics‐-ECOSOC
Liga para la Defensa del Medio Ambiente‐-ECOSOC
ONG’s Colombia
Instituto de Investigaciones Ecológicas y Energéticas
Asociación Latinoamericana de Planeación Estratégica del Medio Ambiente‐-ECOSOC
Fundación para un Mejor Ambiente‐-ECOSOC
FRIENDS OF THE EARTH COLOMBIA CENSAT AGUA VIVA‐-ECOSOC
Bosques Tropicales en la Amazonia‐-ECOSOC
Cruz Verde
ONG’s Equador
Centro Ecuatoriano de Derecho Ambiental‐-ECOSOC
Corporación Arutam amazonico 95CAA95
Ecociencia Fundación Ecuatoriana de Estudios Ecológicos‐-ECOSOC
Observatorio Socio Ambiental de la Amazonia‐-ECOSOC
ONG’s El Salvador
Asociacion Indigena Ambiental Anastacio Aquino‐-ECOSOC
Unidad Ecológica Salvadoreña‐-ECOSOC
Asociación Amigo del Árbol‐-ECOSOC
Asociación Salvadoreña de Conservación del Medio Ambiente‐-ECOSOC
ONG’s Perú
Asociación Pachamama‐-ECOSOC
Asociación Peruana para la Conservación de la Natu‐-ECOSOC
Asociación Runa de Defensas Ambiental del Altiplano‐ARDAA‐-ECOSOC
Instituto de Desarrollo y Medio Ambiente
ONG’s Uruguai
Red de Ecología Social (REDES)
Centro de Investigación y Promoción Franciscano y Ecológico‐-ECOSOC
ONG’s Paraguai
Red de Organizaciones Ambientalistas del Paraguay -ECOSOC
* A origem do Petróleo
* Reservas de petróleo en América Latina
* Reservas de gas en los países de América Latina
* Constituição do Equador
* Reglamentos de operações hidrocarburíferas
* Contratos de exploração e produção na industria petrolífera; breve histórico
* impactos ambientales da exploração de petróleo em florestas tropicais
• A diversidade de culturas, saberes e cosmovisões, coexistindo de forma harmônica e mutuamente respeitada;
• O entendimento da natureza não como um produto, mas como um ser, dentro e fora do próprio ser humano;
• Também a concepção de outros seres dentro da natureza como “animales, plantas, agua, tierra, y espíritus”.
"Buen Vivir"
Comecemos entendendo o “Buen vivir” como princípios éticos de harmonia pautados na relação ser humano-natureza:
• Cultura Aymara
El Vivir Bien es recuperar la vivencia de nuestros pueblos, recuperar la Cultura de la Vida y recuperar nuestra vida en completa armonía y respeto mutuo con la madre naturaleza, con la Pachamama, donde todo es vida, donde todos somos uywas, criados de la naturaleza y del cosmos. Todos somos parte de la naturaleza y no hay nada separado, y son nuestros hermanos desde las plantas a los cerros.
• Cultura Kichwa da Amazônia
El principio Sumac Causai (vida en armonía) orienta la interrelación al interior de la sociedad quichua y de ésta con la naturaleza. Significa vivir en armonía en las relaciones sociales, es decir entre todos los miembros del ayllu y con otros ayllus de la comunidad, y entre los ayllus y el pueblo runa de Pastaza. Vivir en armonía con la naturaleza, con los dioses, y los espíritus protectores de las vidas existentes en la tierra, los bosques, los ríos y lagunas.
Pueblo Kichwa de Pastaza (2000)
• Cultura Guarani
El Ñande Reko (modo de ser), expresa una serie de virtudes como la libertad, felicidad, el festejo en la comunidad, la reciprocidad y el convite. Todas articuladas a la búsqueda de la tierra sin mal.

Bartolomeu Meliá (2002). (Antropólogo espanhol)
Fernando Huanacuni Mamani, como diretor de Cerimoniais do ministério de relações exteriores da Bolívia, pode nos falar mais e melhor sobre o “Buen vivir”.
La extracción y el transporte del petróleo, los distintos procesos de su transformación en productos derivados y su consumo masivo en forma de combustible requieren unas medidas de respeto y conservación del medio Ambiente.

Es necesario tener en cuenta que en todos los países existen mecanismos legales de control ambiental o de respeto a los derechos humanos, o de reconocimiento a los derechos colectivos o hay constituciones o estatutos legales a los que se puede acudir para oponerse al desarrollo petrolero de un área.
Para hacer un control ambiental o demandar que éste se haga, existen “Instrumentos fuertes” e “Instrumentos Débiles”
INSTRUMENTOS DE LA EMPRESA
Los sistemas de manejo ambiental son procedimientos internos de manejo ambiental de una industria, fueron desarrollados POR la industria PARA la industria, de acuerdos a las empresas es mejor definir sus propias reglas antes que sujetarse a aquellas impuestas por un gobierno.
QUE SON LAS ISO?
La ISO (International Standar Organization) es una institución que ha establecido una serie de estándares internacionales. Posteriormente esta misma organización sacó la serie ISO 14.000, que son estándares aplicables para las empresas, pues regulan sus procedimientos internos de manejo ambiental.
MEDIDAS PARA EVITAR POSIBLES ACCIDENTES EN EL TRANSPORTE POR MAR
Una de las principales preocupaciones, tanto de las empresas que integran la industria del petróleo como la de los estados, las organizaciones internacionales es la de evitar posibles accidentes que dañen el medio ambiente en su fase de transporte por mar, desde los lugares de extracción hasta los centros de procesamiento y consumo.
CREACIÓN DE UNA AGENCIA EUROPEA DE SEGURIDAD MARÍTIMA
Además, se ha constituido una Agencia Europea de Seguridad Marítima que controlará la eficacia de las medidas establecidas, recopilará información, manejará las bases de datos sobre seguridad marítima e inspeccionará a los países miembros para comprobar que se llevan a cabo los controles por parte del Estado en el que se Encuentra el puerto.
BIBLIOGRAFÍA CONSULTADA
CINU, Centro de Informação das Nações Unidas. ONG en América Latina y Caribe. 2010. Disponível em: <http://www.cinu.mx/ongs/ongs-en-america-latina-y-carib/>.
Maurício Waldman, Crisis socioambiental. 2011. Disponivel em: <http://www.revista.ufal.br/criticahistorica/attachments/article/115/Crise%20Ambiental.pdf/>
Ministerio de exterior do Equador, 2013. Disponivel em: <http://www.ministeriointerior.gob.ec/wp-content/uploads/downloads/2014/03/PLAN_NACIONAL-PARA-EL-BUEN-VIVIR-2009_2013.pdf/>
MINISTERIO DE RELACIONES EXTERIORES Y MOVILIDAD HUMANA, disponivel em: <http://www.cancilleria.gob.ec/wp-content/uploads/2013/04/la-cruda-realidad-del-caso-chevron-texaco-esp.pdf/>
NUEVA CONSTITUCION POLITICA DEL ESTADO. Vicepresidencia del Estado Plurinacional de Bolivia, 2010. Disponivel em: <http://www.vicepresidencia.gob.bo/IMG/pdf/ncpe_cepd.pdf/>
VALLE, Daniel. Quais são as ONGs ambientais brasileiras. 2013. Elaborada por Ecopensar. Disponível em: <http://ecopensar.com.br/2013/02/14/quais-sao-as-ongs-ambientais-brasileiras/>.
Convenção Quadro das Nações Unidas em Mudança do Clima CQNUMC/UNFCCC. Disponivel em: http://unfccc.int
Centro de Estudos Integrados sobre Meio Ambiente e Mudanças Climáticas. Disponivel em: <www.centroclima.org.br>
Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas PIMC/IPCC. Disponivel em: <www.ipcc.org>
O meio ambiente envolve todas as coisas vivas e não-vivas ocorrendo na Terra, ou em alguma região dela, que afetam os ecossistemas e a vida dos humanos.
WWF Que busca a conservação da biodiversidade no mundo e fornece instrução para uso racional dos recursos naturais. Projetos como Conservação do Mico-Leão-Dourado e Tamar.
GREENPEACE Que atua na defesa do meio ambiente através da conscientização das pessoas para que mudem seus hábitos. Além disso investiga e expõe os crimes contra a natureza, defendendo soluções económicamente viáveis e socialmente justas.
Conferência de Estocolmo –1972.
Antecedentes:
Década de 1960: consciência da emergência do colapso ambiental provocado pela concentração industrial, urbanização, aumento da renda e do consumo;
Dessa forma, preservação ambiental e crescimento econômico passaram a ser visto como antagônicos;
Estocolmo -72
Nesse contexto destaca-se o Clube de Roma que publica em 1972 o relatório Meadows.
Tal relatório: Indicou um cenário catastrófico sobre impossibilidade de crescimento econômico devido à exaustão dos recursos ambientais;
levantou a proposta de Crescimento Econômico Zero que promoveu dissenso entre países desenvolvidos e subdesenvolvidos.
Estocolmo -72
Apesar dos conflitos, Estocolmo -72 obteve ganhos:
Desencadeou outras conferências,relatórios e tratados ambientais;
Criou o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA;
Incentivou a criação de ministérios ou órgãos ambientais em muitos países e de ONGs;
Relatório Nosso Futuro Comum.
Relatório Brundtland – Noruega – 1987 - com a proposta de desenvolvimento sustentável:
“As ações presentes não devem comprometer a capacidade das gerações futuras e satisfazer suas necessidades, com base em que o valor total dos bens disponíveis, tanto os produzidos pelo homem como aqueles encontrados na natureza devem permanecer constantes de uma geração para outra”.
O relatório enfatiza ainda que: “ a pobreza é evitável, devendo haver, para tanto, um desenvolvimento sustentável capaz de atender as necessidades básicas e de oferecer a oportunidade uma vida melhor para as pessoas”.
Nesse cenário foi realizada a Conferência Internacional para o Desenvolvimento do Meio Ambiente Humano: um marco político e histórico que passou a ver a problemática ambiental sob nova perspectiva.
Dificuldades nas negociações: países desenvolvidos defendiam o crescimento zero e os subdesenvolvidos, o direito a crescer, isto é, crescimento a qualquer custo.
Río –92 Cúpula da Terra
1987 o PNUMA criou o IPCC Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas;
1989 a Assembléia Geral da ONU convocou a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (CNUMAD), que ficou conhecida como "Cúpula da Terra", e marcou sua realização para o mês de junho de 1992 na cidade do Rio de Janeiro.
Objetivos principais da conferência:
Examinar a situação ambiental mundial desde 1972 e suas relações com o estilo de desenvolvimento vigente;
Estabelecer mecanismos de transferência de tecnologias não-poluentes aos países subdesenvolvidos;
Examinar estratégias nacionais e internacionais para incorporação de critérios ambientais ao processo de desenvolvimento;
Estabelecer um sistema de cooperação internacional para prever ameaças ambientais e prestar socorro em casos emergenciais;
Reavaliar o sistema de organismos da ONU, eventualmente criando novas instituições para implementar as decisões da conferência
Documentos resultantes da conferência:
Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento.
Agenda 21
Princípios para a Administração Sustentável das Florestas.
Convenção da Biodiversidade.
Convenção sobre Mudança do Clima.
Agenda 21
Compreende um amplo programa dividido em 4 seções que abrangem os seguintes temas:
Dimensões Econômicas e Sociais: trata das relações entre meio ambiente e pobreza, saúde, comércio, dívida externa, consumo e população;
Conservação e Administração de Recursos: trata das maneiras de gerenciar recursos físicos para garantir o desenvolvimento sustentável;
Fortalecimento dos Grupos Sociais: trata das formas de apoio a grupos sociais organizados e minoritários que colaboram para a sustentabilidade;
Meios de Implementação: trata dos financiamentos e papel das atividades governamentais
Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento.
Trata-se de uma carta contendo 27 princípios que visa estabelecer um novo estilo de vida, um novo tipo de presença do homem na Terra, através da proteção dos recursos naturais,da busca do desenvolvimento sustentável e de melhores condições de vida para todos os povos.
É a Carta da Terra.
Princípios para a Administração Sustentável das Florestas
Trata-se de um consenso global sobre o manejo, conservação e desenvolvimento sustentável de todos os tipos de florestas.
O fato deste tratado ter se transformado apenas numa declaração de princípios reflete as dificuldades que surgiram no período de negociação do texto.
Apesar de controvertido, este foi o primeiro a tratar da questão florestal de maneira universal. A declaração visa a implantação da proteção ambiental de forma integral e integrada.
Convenção da Biodiversidade
A conservação da biodiversidade;
O uso sustentável da biodiversidade e a divisão dos benefícios gerados com a utilização de recursos genéticos;
Acesso apropriado aos recursos;
Transferência apropriada de tecnologias;
Financiamento para preservação da biodiversidade.
Objetivos:
COP –10 da Convenção da Diversidade Biológica – CDB.
Somente em 2010 ocorreu a CDB para resolução das questões sobre biodiversidade.
Protocolo de Nagoya (Japão), COP 10: Acordo sobre Biodiversidade – definição dos pontos de ABS, uma sigla em inglês para “acesso e repartição de benefícios”.
As nações concordaram em reconhecer o direito dos países sobre a sua biodiversidade. Isso significa que países que desejarem explorar a diversidade natural (como plantas, animais ou micro-organismos) em territórios que não sejam seus terão de pedir autorização para as nações donas dos recursos.
Se o estudo da fauna e da flora alheia resultar em novos produtos, como fármacos ou cosméticos, os lucros terão de ser repartidos entre quem os desenvolveu e o país de origem do recurso, conforme contrato prévio.
Se houver comunidades que utilizem os recursos genéticos tradicionalmente, como tribos indígenas, elas também terão direito de receber royalties pela exploração comercial da biodiversidade.
Convenção sobre Mudança do Clima
A Convenção sobre Mudança do Clima possibilitou a criação da Convenção Quadro de Mudanças Climáticas da ONU, pelo IPCC.Foi assinada em 1992 no Rio de Janeiro, por 154 Estados.
Possibilitou também a organização e realização das conferências das partes -COP.
Objetivos:
Estabilizar a concentração de gases efeito estufa na atmosfera num nível que possa evitar uma interferência perigosa com o sistema climático;
Assegurar que a produção alimentar não seja ameaçada;
Possibilitar que o desenvolvimento econômico se dê de forma sustentável.
COP 1 – 1995 (Berlim, Alemanha)
iniciou o processo de negociação de metas e prazos específicos para a redução de emissões de gases de efeito estufa pelos países desenvolvidos;
As nações em desenvolvimento não foram incluídas na discussão sobre metas, respeitando ao princípio da Convenção que fala sobre “Responsabilidades comuns, porém diferenciadas”;
Foi sugerida a criação de um protocolo a ser apresentado dois anos depois, em 1997, que viria a ser o Protocolo de Quioto.
Iniciou os debates sobre a cooperação internacional entre nações ricas e países em desenvolvimento.
COP 3 – 1997 (Quioto, Japão)
A terceira Conferência das Partes foi marcada pela adoção do Protocolo de Quioto, que estabelece metas de redução de gases de efeito estufa para os países desenvolvidos, chamados “Países do Anexo I”.
As metas são de redução 5,2% das emissões de GEE, tendo como parâmetro as emissões de 1990.
A entrada em vigor do acordo estava vinculada à ratificação por um número mínimo de países que somassem 55% das emissões globais de gases do efeito estufa, que aconteceu apenas em 16 de fevereiro de 2005, quando a Rússia decidiu se comprometer.
COP -6 2000 (Haia, Holanda)
Foi marcada por impasses maia acentuados entre as partes e as negociações foram suspensas pela falta de acordo entre, especificamente, a União Européia e os Estados Unidos, em assuntos relacionados ao Mecanismo de Desenvolvimento Limpo(MDL), mercado de carbono e financiamento de países em desenvolvimento, além de discordância sobre o tema mudanças no uso do solo.
2001 (2ª fase da COP 6 ) e COP 7- (Marrakech, Marrocos)
Uma segunda fase da COP-6 foi então estabelecida em Bonn, na Alemanha, em julho de 2001:
Ocorreu após a saída dos Estados Unidos do Protocolo de Quioto sob a alegação de que os custos para a redução de emissões seriam muito elevados para a economia americana. Os EUA também contestaram a inexistência de metas para os países em desenvolvimento.
Discussões sobre os limites de emissão para países em desenvolvimento e a assistência financeira dos países desenvolvidos.
COP 7:
Acordos de Marrakesh definiram os mecanismos de flexibilização, a decisão de limitar o uso de créditos de carbono gerados de projetos florestais do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e o estabelecimento de fundos de ajuda a países em desenvolvimento voltados a iniciativas de adaptação às mudanças climáticas
COP - 8 2002 (Nova Delhi, Índia)
O ano de 2002 também foi marcado pela Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável
(Rio +10), na África do Sul;
O estabelecimento de metas para uso de fontes renováveis na matriz energética dos países.
Essa COP também marca a adesão da iniciativa privada e de organizações não-governamentais ao Protocolo de Quioto e apresenta projetos para a criação de mercados de créditos de carbono.
COP 13 – Mandato de Bali, Dezembro de 2008
foi criado o Bali Action Plan (Mapa do Caminho de Bali), no qual os países passam a ter prazo até dezembro de 2009 para elaborar os passos posteriores à expiração do primeiro período do Protocolo de Quioto (2012):
Novas metas de redução das emissões de GEE;
estabeleceu compromissos mensuráveis , verificáveis e reportáveis para a redução de emissões causadas por desmatamento das florestas tropicais.
Criação do Fundo de Adaptação, para que países mais vulneráveis à mudança do clima possam enfrentar seus impactos.
Diretrizes para financiamento e fornecimento de tecnologias limpas para países em desenvolvimento ;
o combate ao desmatamento nos países em desenvolvimento e outras ações de mitigação.
COP 15 – 2010 (Copenhague, Dinamarca)
A Conferência do Clima de Copenhague (COP 15) terminou sem grandes avanços em torno de um acordo climático global, porém:
Deixou abertos os caminhos de negociação e ainda conseguiu evoluir em temas de importância para os países em desenvolvimento, como a discussão sobre um mecanismo de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD).
Financiamento - os países desenvolvidos se comprometeram a fornecer US$ 30 bilhões entre 2010 e 2012 e que tem como objetivo mobilizar US$ 100 bilhões por ano em 2020, ambos os recursos para ações de mitigação e adaptação em países em desenvolvimento.
COP 16 – Cancun, México
Iniciada em 29 de novembro de 2010, a 16ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima (COP 16) chegou ao seu último dia, 11 de dezembro, com uma série de acordos fechados.
Um deles foi a criação do Fundo Verde do Clima, para administrar o dinheiro que os países desenvolvidos se comprometeram a contribuir para deter as mudanças climáticas. São previstos US$ 30 bilhões para o período 2010-2012 e mais US$ 100 bilhões anuais a partir de 2020.
Os participantes deixaram para decidir no encontro em Durban (África do Sul), no final de 2011, o futuro do Protocolo de Kyoto, documento que expira em 2012 e obriga 37 países ricos a reduzirem suas emissões de dióxido de carbono (CO2) e outros gases.
COP – 17 – Durban – África do Sul.
Estabeleceu a Plataforma de Durban - nome do conjunto de acordos obtidos na 17ª Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP-17), iniciada em 28 de novembro e finalizada em 11/12/2011 na cidade sul-africana de Durban. O documento determina:
uma segunda fase para o Protocolo de Kyoto;
estabelece o mecanismo que deve reger o Fundo Verde para o Clima;
e traça um roteiro para um novo acordo global.
Plataforma de Durban
O Protocolo de Kyoto expira em 31 de dezembro de 2012, porém:
Durban fixa para 2013 a data de início do segundo período de compromissos, evitando um vazio na luta contra a mudança climática, mas deixando para reuniões posteriores sua data de finalização - 2017 ou 2020. Canadá, Japão e Rússia, que já haviam antecipado sua intenção de não renovar Kyoto, ficam de fora do segundo período de compromissos.
A COP-17 conseguiu traçar um roteiro para a adoção de um novo acordo global vinculante de redução de emissões de gases do efeito estufa, aplicável a todos os países, ao contrário de Kyoto, que só inclui os Estados desenvolvidos.
O documento final decide iniciar as negociações para adotar, em 2015, um "resultado com força legal" para todos os países.
O novo acordo global deverá estar pronto antes de 2020.
Rio + 20
A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (UNCSD ou, como é conhecida, Rio+20), que está sendo organizada conforme a Resolução 64/236 da Assembléia Geral (A/RES/64/236), ocorrerá no Brasil de 20 a 22 de junho de 2012.
O desafio será o de combinar crescimento econômico e desenvolvimento sustentável para uma população de 7 bilhões de habitantes, com redução da pobreza e manutenção do consumo dos mais ricos.
Minuta zero ou rascunho da Rio+20
Principais pontos da Minuta Zero:
Criação de um painel técnico-científico global sobre desenvolvimento sustentável: Seria um organismo de caráter permanente, amplo, com atribuições iniciais de orientar e apoiar os processos de desenvolvimento e adoção global de metas econômicas de progresso além do PIB. Outra atribuição desse painel seria o estabelecimento e a implementação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.
Criação de novas convenções internacionais sobre: Direito à Informação Ambiental e Acesso à Justiça, Responsabilidade Social de Empresas Multinacionais e Aplicação do Princípio da Precaução (estabelecendo diretrizes sobre áreas como bioengenharia, nanotecnologia, tecnologia da informação e comunicação, etc.).
*ESTUDIO DEL IMPACTO AMBIENTAL
*PLAN DE CONTINGENCIA
CAMBIO CLIMÁTICO Y CRISIS SOCIOAMBIENTAL
Es un problema estructural, provocado por la continua explotación de combustibles fósiles que emiten Gases de Efecto Invernaderos a la atmósfera. Está profundamente vinculado al desarrollo de los modelos industriales.
INTERACCIÓN HOMBRE-NATURALEZA
Es evidente la alteración de los ecosistemas y el funcionamiento de los ciclos del planeta.
Implicaciones:
-Calentamiento Global
-Transgresión de los límites de ciclo de Nitrógeno y de Fósforo
-Acidificación de los Océanos
-Destrucción de la capa de ozono
-Intenso cambio de uso y cobertura del suelo
Pérdida creciente de la biodiversidad, entre otras.
ESCENARIO DESIGUAL
La desigualdad no es un asunto menor. Hoy mientras que un Indú emite una tonelada de CO2 (Anhídrido Carbónico), un Chino aporta 5 toneladas y un Estadounidense 18 toneladas.
TRANSFERENCIA DE NUEVAS RESPONSABILIDADES A LOS PAÍSES EN DESARROLLO
LA ADAPTACIÓN, EL GRAN COSTO PARA LOS PAISES EN DESARROLLO
LAS SOLUCIONES DE MERCADO Y LA PRIVATIZACIÓN DE LOS BIENES AMBIENTALES
LA ECONOMÍA VERDE
MEDIO AMBIENTE, POBREZA Y CRISIS; RAZONES PARA EL CAMBIO
EL GOBIERNO DE LA NATURALEZA
GOVERNANZA AMBIENTAL POSNEOLIBERAL
Según señala la CEPAL, la adaptación requerirá un enorme esfuerzo económico en los países en desarrollo. Los costos son una carga económica impuesta a sociedades ya afectadas por una pobreza generalizada.
“Los eventos de hoy día realmente representan el peor desarrollo de las negociaciones en la historia de las negociaciones del cambio climático. Este acuerdo enviara a los pobres de los países en desarrollo dentro del ciclo de la pobreza para siempre”. The Guardian, el día después del fin de la Conferencia de Copenhague. (Dia-Ping Lumumba. Vidal 2009)
Plan de reestructuración económica global pensado para dar respuesta conjunta a la crisis financiera, energética y climática. Plantea dar precio a los ecosistemas que lejos de verdear la ecología lo que hará es MERCANTILIZAR LA BIODIVERSIDAD
“Preservar la naturaleza y elevar la calidad de vida en el planeta para el bienestar presente y futuro de los hombres que lo habitan”. Mensaje central de la Conferencia Mundial sobre Medio Ambiente Humano, 1972.
"ECODESARROLLO"
“En los países en desarrollo, la mayoría de los problemas ambientales están motivados por el subdesarrollo”
Un boom de recursos naturales puede tener un efecto favorable al autoritarismo o a la democracia; puede aumentar el interés de elites depredadoras y el control del Estado por preservar su control sobre la distribución de las rentas, y simultáneamente, suavizar la redistribución de los ingresos privados incrementando el atractivo de la democracia.
El protocolo de Kioto sobre el cambio climático fue un acuerdo Internacional, el cual llega a su fin en 2012. Contenía mecanismos de evasión de responsabilidades a los países desarrollados; APLICACIÓN CONJUNTA que permitía a los países con bajas emisiones vender derechos a los países con altas emisiones.
La Conferencia Copenhague establece compromisos hasta el 2020 para reducir mayores cantidades de GEI, presenta un nuevo régimen mundial sobre el clima. Menos compromiso vinculantes para los países industrializados pero con nuevos compromisos “voluntarios” para los países en desarrollo, especialmente para los BASIC (Brasil, Sudáfrica, India y China) calificados como los "NUEVOS GRANDES CONTAMINADORES"
Full transcript