Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Eficácia e Falácias da Comunicação

No description
by

Matheus Contaifer

on 16 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Eficácia e Falácias da Comunicação

TESTEMUNHO AUTORIZADO
O que são métodos de autoridade?
MÉTODO DEDUTIVO
O que é metodo dedutivo?


Ao contrário do método indutivo, o dedutivo caminha de fatos gerais para o particular, do desconhecido para o conhecido. Enquanto isso, o método indutivo segue dos fatos particulares para a generalizaçåo.
Exemplo:
Fatos e Indícios – Observações e inferência
O que é Fato?

Fato é a coisa feita, verificada e observada.

O que são Indícios?

Os indícios são apenas conclusões de certaza relativa, somente probabilidade ou possibilidade.


O que é Inferir?

Inferir é concluir, é deduzir por argumentação apoiada apenas em indícios.


Da validade dos fatos
O fato em si mesmo às vezes não basta: para provar é preciso que sua observação seja acurada e que eles próprios sejam adequados, relevantes, típicos, ou característicos, suficientes e fidedignos.

Eficácia e Falácias da Comunicação
Exemplo:
O Guilherme é ladrão, porque, de repente, ele apareceu com uma Lamborghine no CEUB e começou a ostentar um padrão de vida que um estudante da sua idade jamais teria.

“J. C. está nervoso.”, essa afirmação não precisa seguir com a recomendação de que deve-se prosseguir com calma ao falar com J.C. Podemos classificar o entimema como silogismo incompleto.
A metonímia e o entimema são comumente usados na publicidade.
Extremamente prováveis
Extremamente improváveis
É evidente que o grau de probabilidade das inferências varia com as circunstâncias:

Falaram que João é apaixonado por Marina, mas só por que falaram não me permite afirmar com certeza que João é de fato é apaixonado por Marina.

Exemplo:
Se alguém nos tentasse convencer de que a fundação de Brasília foi apenas desperdício de dinheiro porque Goiana ou Belo Horizonte, cidades também do interior, poderiam perfeitamente funcionar como capital do Brasil, não estaria apresentando como razoes fatos típicos nem característicos.

Métodos
Método é a melhor maneira de fazer as coisas.

A indução
que vai do particular para o geral
A dedução
que parte do geral para o particular
Primordialmente há dois tipos de operações mentais na busca da verdade, vale dizer, dois métodos fundamentais de raciocínio:

O método indutivo
Partimos da observação e analise dos fatos, concretos, específicos, para chegarmos na conclusão.

O processo mental busca a verdade partindo de dados particulares conhecidos para princípios de ordem geral desconhecidos.
Antes de chegar a uma conclusão, eis alguns dos fatos a serem observados, analisados, confrontados. Se os fatos forem típicos, adequados, suficientes, relevantes, a conclusão em que chegue representará a melhor solução para o caso.

Partindo dos fatos particulares ou específicos para a conclusão ou generalização.

Se pretenden fazer trabalhos, procure primeiro saber:
O que se diz?

O que se faz?

O que se fez?

O que é?

O que há?

É chamado de métodos de autoridade quando, em uma pesquisa sobre a verdade, nos baseamos em afirmações alheias dignas de crédito.
Descartes e Bacon propõe ao pesquisador a regra de só admitir o que pode ser visto, ouvido ou verificado por si mesmo, mas seria impossível entravando o desenvolvimento das ciências.
Exemplo:
SILOGISMO
O que é sologismo?


Seria a expressão formal do método dedutivo: argumentação na qual, de um antecedente que une dois termos a um terceiro, infere-se um consequente que une esses dois termos entre si. Para chegar à conclusão do método dedutivo, deve-se passar pelo método indutivo.
Por exemplo, Joaquim cancidato a presentede do Grêmio do ano passado foi acusado de fraudar as votações. Ficou provado o crime segundo o método indutivo: pela análise dos fatos revelados durante o inquérito. Candidatou-se ao mesmo cargo nas eleições deste ano. O eleitor raciocinará pelo método dedutivo: "Todo candidato condenado por fraude é inelegível e, como este foi o caso de Joaquim, não votarei nele".
Exemplo:
SILOGISMO NON SEQUITUR
O que é silogismo non sequitur?

Há silogismos que são sofismas, ou seja, uma mentira, maquiada por argumentos aparentemente verdadeiros, para que possa parecer real.
Todo mineiro é hábil, ora, J.C. é mineiro, logo, J.C. é hábil.
O fato de ser um indivíduo hábil nāo implica necessariamente a qualidade de um bom político. Convém, portanto, evitar o emprego de silogismos desse tipo ou não se deixar iludir por eles.
Exemplo:
O que é Entimema?
O Raciocínio dedutivo é algo lógico e, portanto intuitivo.
Silogismo é um raciocínio onde você deduz a conclusão a partir de outras afirmações.
Exemplo:
Todos os homens são mortais, ora você é homem, logo você é mortal.
Entimema é quando de uma afirmação podemos deduzir outras sem que estas sejam ditas
Falácias
Como podemos definir um erro?

No ponto de vista lógico há duas formas de errar:


Não se deve confundir com o erro em si (opinião falsa).

Raciocinando mal com dados corretos.
Raciocinando bem com dados incorretos.
O que são sofismas?
Sofisma é um raciocínio criado com a intenção de enganar.
Exemplo:
Fulano é antipático.
Dentre os principais sofismas podemos encontrar: falsos axiomas e ignorância da questão.
Falsos Axiomas são verdades aparentes
A falácia mais comum nas polêmicas e debates é a ignorância da questão. O assunto discutido é substituído com outros não pertinentes, mas capazes de comover, irritar ou desesperar o ouvinte ou leitor.
Grupo:
Matheus Contaifer
Ilana Zeigerman
Marcela Regina
Uniceub – Arquitetura e Urbanismo

Professora: Luiza Kuwae
Full transcript