Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Gestão da Cadeia de Suprimentos

1.1

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Gestão da Cadeia de Suprimentos

Questões
Exercício
1. Defina Cadeia de Suprimentos e Logística.

2. Considere a compra de uma lata de refrigerante em uma loja de convêniencia. Descreva os diversos estágios na cadeia de suprimentos e os diferentes fluxos envolvidos.

3. Identifique os estágios da cadeia de suprimentos da empresa WKZ
Introdução
Definições
Fase I - Definição
Questões
Composição das Atividades
Função de Marketing
Função de desenvolvimento de Produtos
Função de Produção
Fase 2 - Composição
Objetivos da Cadeia de Suprimentos
Escopo da Cadeia de Suprimentos Moderna

Objetivos da Cadeia de Suprimentos
Fase 3 - Objetivos

Exercício 2

1. Cite exemplos de atividades primárias ou de apoio, que são essenciais para a coordenação e o cumprimento da tarefa logística e que diretamente estão envolvidos na base do problema da MKZ

2. Descreva quais são os valores indicados pelos clientes, como, diferencial na gestão da cadeia de suprimentos?

3. Por que tanto o marketing quanto a produção podem proclamar parte ou o todo das atividades logísticas como sua área de responsabilidade.

Objetivos da Cadeia de Suprimentos
Administração da Produção - Fase 3
Modelo de Administração da Produção
INPUT - PROCESSO - AUTPUT
Recursos de entrada a serem Transformados.

Recursos de entrada de Transformação

INPUT
Output no processo de Transformação
Processamento de Materiais.
Processamento de Informações.
Processaemnto de consumidores

Processo de Transformação
Tangibilidade
Estocabilidade
Transportabilidade
Simultaneidade
Contato com o consumidor
Qualidade
Processamento de consumidores

As operações que processam consumidores podem também transformá-los de várias maneiras.

Algumas mudam suas propriedades físicas de maneira similar aos processadores de materiais. Por exemplo, os cabeleireiros e cirurgiões plásticos.

Nos acomodam: por exemplo, os hotéis.

Os sistemas de transporte: transformam a localização de seus consumidores.
Tangibilidade

Em geral, os bens físicos são tangíveis. Por exemplo, você pode tocar fisicamente um aparelho de televisão ou um jornal. Geralmente, os serviços são intangíveis.

Você não pode tocar a orientação de consultoria ou um corte de cabelo (embora possa, freqüentemente, ver ou sentir os resultados desses serviços).
Transportabilidade

Outra conseqüência da tangibilidade é a habilidade de transportar bens físicos. Automóveis, máquinas-ferramentas e câmeras de vídeo podem ser movidos.

Entretanto, se os serviços forem intangíveis, serão intransportáveis.

Por exemplo, serviços de saúde não podem ser transportados (embora os meios para produzi-los possam).

Simultaneidade

A outra principal distinção entre bens físicos e serviços diz respeito ao tempo de sua produção.

Os bens físicos são quase sempre produzidos antes de o consumidor recebê-los (ou mesmo vê-los).

Por exemplo, o CD que você acabou de comprar foi produzido bem antes. Entretanto, os serviços são freqüentemente produzidos simultaneamente com seu consumo.

O serviço fornecido na venda do CD ocorreu ao mesmo tempo da compra e foi "consumido" nessa ocasião.
Administração da Produção - Fase 3
Modelo de Administração da Produção
INPUT - PROCESSO - AUTPUT
Recursos de entrada a serem Transformados.

Recursos de entrada de Transformação

INPUT
Output no processo de Transformação
Processamento de Materiais.
Processamento de Informações.
Processaemnto de consumidores

Processo de Transformação
Tangibilidade
Estocabilidade
Transportabilidade
Simultaneidade
Contato com o consumidor
Qualidade
Processamento de consumidores

As operações que processam consumidores podem também transformá-los de várias maneiras.

Algumas mudam suas propriedades físicas de maneira similar aos processadores de materiais. Por exemplo, os cabeleireiros e cirurgiões plásticos.

Nos acomodam: por exemplo, os hotéis.

Os sistemas de transporte: transformam a localização de seus consumidores.
Tangibilidade

Em geral, os bens físicos são tangíveis. Por exemplo, você pode tocar fisicamente um aparelho de televisão ou um jornal. Geralmente, os serviços são intangíveis.

Você não pode tocar a orientação de consultoria ou um corte de cabelo (embora possa, freqüentemente, ver ou sentir os resultados desses serviços).
Transportabilidade

Outra conseqüência da tangibilidade é a habilidade de transportar bens físicos. Automóveis, máquinas-ferramentas e câmeras de vídeo podem ser movidos.

Entretanto, se os serviços forem intangíveis, serão intransportáveis.

Por exemplo, serviços de saúde não podem ser transportados (embora os meios para produzi-los possam).

Simultaneidade

A outra principal distinção entre bens físicos e serviços diz respeito ao tempo de sua produção.

Os bens físicos são quase sempre produzidos antes de o consumidor recebê-los (ou mesmo vê-los).

Por exemplo, o CD que você acabou de comprar foi produzido bem antes. Entretanto, os serviços são freqüentemente produzidos simultaneamente com seu consumo.

O serviço fornecido na venda do CD ocorreu ao mesmo tempo da compra e foi "consumido" nessa ocasião.
Problema II
Problema I
Gestão da Cadeia de Suprimentos
Estratégia e Planejamento
Fase 5
Fase 6
Problema III
Em uma CS (Cadeia de Suprimento), matérias-primas são compradas, produtos são manufaturados em uma ou mais fábricas, transportados para depósitos para armazenamento temporário e então transportados para varejistas e clientes.

[...] A cadeia de suprimento, também chamada de rede logística, consiste em fornecedores, centros de produção, depósitos, centros de distribuição, varejistas, além das matérias-primas, estoques de produtos em processo e produtos acabados que se deslocam entre as instalações.
Cadeia de Suprimentos (SCM - Supply Chaim Management)
Divisão da Cadeia de Suprimentos
Uma CS, segundo Ballou (2006), pode ser dividida em duas atividades principais:

• O Canal Físico de Suprimento: intervalo de tempo e espaço entre as fontes materiais imediatas de uma empresa e seus pontos de processamento.

• O Canal Físico de Distribuição: tempo e o espaço entre os pontos de processamento das matérias-primas da empresa e os pontos de venda.


 Uma CS pode ainda ser vista em três níveis: a cadeia total, a cadeia imediata e a cadeia interna.
Logística
O Council of Supply Chain Management Professionals (CSCMP) apresenta definições distintas para logística e SCM. Em 1986 ele afirmava:

Logística é o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo e armazenamento eficiente e econômico de matérias-primas, materiais semiacabados e produtos acabados, bem como as informações a eles relativas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos Clientes. http://cscmp.org/
A definição de logística foi alterada pelo CSCMP e passou a incluir o conceito de Supply Chain Management, bem como produtos e serviços

É a parte do processo de Supply Chain que planeja, implementa e controla, eficientemente, o fluxo e armazenagem de bens, serviços e informações do ponto de origem ao ponto de consumo de forma a atender às necessidades dos Clientes”.


Definição e Processos da Supply Chain Management
Mas, para o CSCMP, a definição de Supply Chain Management adotada é:

A integração de processos-chave a partir do usuário final até os fornecedores primários com o objetivo de prover produtos, serviços e informações que adicionem valor para os clientes e acionistas da empresa

O Dilema da WKZ
Definições
Composição das atividades

Importância da Logística / Cadeia de suprimentos

Atividades Logísticas

Atividades que contribuem com a maior parcela dos custos totais e/ou são essenciais para a coordenação e o cumprimento da tarefa logística:
Transportes.
Gerenciamento de Estoques.
Processamento de Pedidos.
Nível de Serviço

Atividades primárias
Dão suporte às atividades primárias:

Aquisição do Produto.
Programação do Produto.
Embalagem de Proteção.
Manuseio de Materiais.
Armazenagem.
Manutenção de Informações.

Atividades de apoio
Atividade Logística na CS
Importância da Logística / Cadeia de suprimentos
Os custos logísticos são significativos
As expectativas do Serviços Logístico ao cliente estão aumentando
As linhas de Suprimento e Distribuição vão se estender com maior complexidade.
Caso Toyota: 35 montadoras em 25 países além do Japão – 900 mil veículos/ano
Importância da Logística para a Estratégia
Caso: Wall-Mart – ganhos com a Logística
Logística/SCM agregando valor ao cliente.
Clientes querem respostas cada vez mais rápidas
Padronização em massa
Customização em massa
Logística/ CS em áreas não produtoras
Indústria de Serviços
Forças armadas
Questões Ambientais

Desenvolver um mix de atividades logísticas do qual venha a resultar o máximo retorno possível do investimento no menor prazo.
Dimensões:
Impacto do projeto do sistema logístico em termo de contribuição de rendimentos.
Custo operacional e as necessidades de capital desse projeto.

Objetivos da logística empresarial

Abordagens do estudo da Logística / SCM

São numerosas as empresas que empregam estratégia logística / Cadeia de Suprimentos (CS) como um elemento central de sua estratégia corporativa.

Identifique algumas das empresas que tiveram sucesso exatamente em função dessa estratégia logística/CS e apontar as razões dessa indicação (Galeria das Melhores).

Identifique empresas que, na sua opinião, padecem em conseqüência da execução inadequada de uma importante estratégia logística/CS (Galeria das Piores).
Full transcript