Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Codificação Cromática

Aula para o Curso Técnico em Biblioteconomia (IFRS/POA) modalidade EAD
by

Kátia Coutinho

on 11 May 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Codificação Cromática

Segundo
Moro e Estabel (2014), foi
a bibliotecária e professora
Yvette Z. Duro
que trouxe da França a ideia deste tipo de catálogo. A
Biblioteca Pública Lucília Minssen
, em Porto Alegre, foi pioneira na sua implantação. Posteriormente, o
uso de cores
foi usado em 10
bibliotecas de escolas públicas

na capital gaúcha.
Como já vimos nas
aulas anteriores, a maioria
das bibliotecas usa a
CDU
ou a
CDD
para
classificar
e
organizar
seus
acervos
.
Porém, nas bibliotecas públicas e nas escolares, o uso de símbolos numéricos pode dificultar compreensão das crianças. (MORO; ESTABEL, 2014).
Codificação Cromática

Me. Kátia Soares Coutinho
Me. Katiane Lourenço


Assim, o uso da
codificação cromática
torna-se um ótimo "[...] auxiliar na
localização
e no
acesso
do material
procurado" (MORO;
ESTABEL, 2014).
Nas
bibliotecas escolares municipais de Rondonópolis, MT, o
código cromático
“[...] buscou um meio de propiciar
independência às crianças
na procura dos livros e
facilitar aos professores a recuperação da informação
” (PINHEIRO, 2009, p. 164).

Referências

FUSATTO, Melissa Pedroso; SILVA, Márcia Regina. As Bibliotecas Infantis e os Bibliotecários: afinando competências.
Biblioteca Escolar em Revista,
Ribeirão Preto, SP, v. 3, n. 1, p. 51-72, 2014. Disponível em: <http://revistas.ffclrp.usp.br/BEREV/article/viewFile/340/pdf>. Acesso em: 11 fev. 2015.

MORO, Eliane L. S.; ESTABEL, Lizandra B. Tratamento do livro: seleção, aquisição e organização do acervo da biblioteca. In: ESTABEL, Lizandra B.; MORO, Eliane L. S.
Biblioteca
: conhecimentos e práticas. Porto Alegre: Penso, 2014. P. 14-41.

PINHEIRO, Mariza Inês da Silva. Classificação em Cores: uma metodologia inovadora na organização das bibliotecas escolares do município de Rondonópolis-MT.
Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação
, Campinas, SP, v.7, n. 1, p. 163-179, jul./dez. 2009. P. 163-179.Disponível em: <http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/449>. Acesso em: 12 fev. 2015.

SIMÃO, Maria Antonieta Rodrigues; SCHERCHER, Eroni Kern; NEVES, Iara Conceição Bitencourt.
Ativando a Biblioteca Escolar.
Porto Alegre: Sagra; DC Luzzatto, 1993.

Fonte das demais imagens: acervo pessoal das autoras.
Outros
tipos de bibliotecas também utilizam a codificação cromática para facilitar o acesso e a recuperação do material. Vejam alguns
exemplos:
Moro e Estabel
apresentam, na contracapa da
obra Biblioteca: conhecimentos e práticas (2014), um exemplo de
codificação cromática
elaborada a partir do texto de Simão, Schercher e Neves (1993). A notação dessa tabela cromática está de acordo com a
CDU
.
A
codificação por cores
deve ser
simples
e
organizada
para que os resultados obtidos sejam os esperados.
Fusatto e Silva (2014) pontuam que:

Deve, também,
ser
divulgada para os
leitores
, pois desse modo eles poderão
buscar
, de forma
autônoma
, a
informação
desejada.

Dessa forma, a
codificação cromática
“[...] visa não só a estética, mas principalmente a
facilidade de uso de seu ambiente
, o que proporciona uma
melhor interação
entre o
usuário e a informação."
(FUSATTO; SILVA, 2014, p. 56).
Adaptado à
realidade da Escola Estadual Técnica em Saúde, no HCPA (
ETS
), o
código

cromático
a seguir
separa as obras técnicas por curso
.
Com base nisso, é
importante destacar que a
codificação cromática não exclui o uso da CDD ou da CDU
. Por isso, cabe ao bibliotecário ir familiarizando os alunos com o significado dos algarismos desses sistemas de classificação (MORO; ESTABEL, 2014).

Importante: deve-se utilizar
essa
codificação por cores

para
armazenar as obras em seu local específico
, considerando a necessidade de ter uma
legenda
que
identifique a cor escolhida
e o
assunto e/ou obras codificadas junto às estantes
. (SIMÃO; SCHERCHER; NEVES, 1993).
Bibliotecas escolares municipais de Rondonópolis, MT.
A seguir, alguns exemplos práticos do uso da
codificação cromática:
Pode-se então, utilizar
as
cores
para auxiliar
nos processos
de
armazenamento

e
recuperação
dos
materiais informacionais
.
Exemplo da Biblioteca Monteiro Lobato (São Leopoldo): Conto
Exemplo da Biblioteca Monteiro Lobato (São Leopoldo): Peça Teatral
Exemplo da Biblioteca Monteiro Lobato (São Leopoldo): Folclore - Brasil
Exemplo da Biblioteca Monteiro Lobato (São Leopoldo): Poesia
Para finalizar, um lembrete importante: embora alguns autores e bibliotecas usem a expressão "classificação cromática", o correto é
CODIFICAÇÃO
ou
CÓDIGO CROMÁTICO
, já que cada instituição adapta as cores à sua realidade. Não há uma uniformização como nas
classificações
já estudadas (
CDD
e
CDU
).
Full transcript