Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Monografia

No description
by

Rondon Carina

on 19 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Monografia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI – UFCA
CURSO DE ENGENHARIA CIVIL
Rondon Madeira de Brito
Prof. Dr. Luiz Alberto Ribeiro Mendonça (Orientador)
ESTUDO COMPARATIVO DA MORFOMETRIA OBTIDA ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE DELIMITAÇÃO AUTOMÁTICO E MANUAL NAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DO CARIRI CEARENSE
Juazeiro do Norte-CE
INTRODUÇÃO
MATERIAL E MÉTODOS
CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES
RESULTADOS E DISCUSSÃO
REFERENCIAL TEÓRICO
OBJETIVOS
Comparar parâmetros morfométricos das microbacias em estudo geradas a partir dos métodos manual e automático, otimizando a obtenção da rede de drenagem desse último.
1) Obter o fator
Threshold
ideal para cada microbacias delimitadas pelo método automático.
2) Delimitar as microbacias estabelecidas pelo método manual e automático, esse último a partir do fator anteriormente encontrado.
3) Obter os parâmetros morfométricos para cada método de delimitação e compará-los através do desvio absoluto.
QUESTIONAMENTOS
É possível obter uma metodologia que otimize o fator
Threshold
utilizado no
ArcGis 9.3
para definir melhor a rede de drenagem de uma bacia?
Os parâmetros morfométricos obtidos a partir de dados do SRTM 3 e de cartas altimétricas da SUDENE apresentam variações consideráveis?
Crescimento da região Metropolitana do Cariri
Ocupação desordenada das microbacias
Assoreamento
Desmatamento
Poluição
Obrigado.
Influencia sofrida nos processos hidrológios da microbacia
Manejo sustentável regional
Topográficas
Geológicas
Hidráulicas
Morfológicas
Biológicas
Metodologia de delimitação
Base de dados
Automática
Manual
SUDENE
SRTM 3
Método automático
(SRTM 3)
Rápido
(+) Informações
Fator
Threshold
Método manual
(SUDENE)
Lenta
(-) Informações
Subjetividade
Bacias, Sub-bacias e Microbacias Hidrográficas
Caracterização Morfométrica
Parâmetros Morfométricos
Geoprocessamento
Modelos Numéricos de Elevação
Gestão de bacias hidrográficas
Histórico
Importância
Grupos
Degradação ambiental
- Forma
- Drenagem
- Relevo
Esquema
Consonância conceitual
SIG
Obtenção
SRTM
Delimitação automática
Lei
Área de estudo
Clima
Litologia
Uso e ocupação
Recursos hídricos
- Quente e úmido
- Neossolos flúvicos, Argissolos vermelho-amarelo e os Latossolos vermelho-amarelo
- Atividade agropecuária
- Águas superficiais.
- Águas subterraneas, 3 sistemas de aquíferos
Obtenção das imagens SRTM 3
Download
Global Mapper 9
ArcGis 9.3
Imagens .hgt
FONTE: O AUTOR
FONTE: Adaptado de Mendonça (2001) apud Fontenele (2010).
ASCII.Grid
Raster
Parâmetros e processos
Delimitação automática
ArcGis 9.3
SRTM 3 + Threshold ótimo
ArcGis 9.3 + Xtools PRO 4.2
Shape suavizado
REFERÊNCIAS
ALVES, J. M. P.; CASTRO, P.T.A. Influência de feições geológicas na morfologia da bacia do rio Tanque (MG) baseada no estudo de parâmetros morfométricos e análise de padrões de lineamentos. Revista Brasileira de Geociências, v. 33, n.2, p. 117-127, jun. 2003.

ANDRADE, E. M. Estratégia no manejo das bacias hidrográficas. Notas de aula da disciplina Manejo e conservação de bacias hidrográficas Departamento de Engenharia agrícola – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 14 p, 2009.

BARRETO, A.C.Uso de sensoriamento remoto na caracterização espacial e ambiental da aluvião do Riacho São José na Bacia Sedimentar do Cariri Cearense, Dissertação (Mestrado em Engenharia Agricola) – Universidade Federal do Ceará – UFC, Fortaleza, Ce, 2013

BRASIL. Lei n° 9433 de 8 de janeiro de 1997, que dispõe sobre política nacional de recursos hidricos, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 9 jan. 1997.

BURTE, J. D. P. Os pequenos aquíferos aluviais nas áreas cristalinas semiáridas: Funcionamento e estratégias de gestão. 2008. 191f. Tese (Doutorado em Eng. Civil) –Universidade Federal do Ceará – Fortaleza-2008.

CARVALHO, T. R. A. Análise morfométrica da microbacia do rio Granjeiro. In: Encontro Universitário da UFC no Cariri, 4., 2012, Juazeiro do Norte, Ce.

CEARÁ. Implantação do sistema de monitoramento/gestão de uma área piloto do aquífero Missão Velha, na Bacia Sedimentar do Araripe. Relatório final do projeto. Fortaleza, 2005.

CHRISTOFOLETTI, A. Análise morfométrica de bacias hidrográficas. Notícia Geomorfológica, n. 18, p. 35-64, 1969.

COSTA,CARLOS ALEXANDRE GOMES, et al. Comparação do uso do SRTM para delimitação e caracterização fisiográfica de uma micro-bacia hidrográfica. In Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, XIII. Anais... Florianópolis, Brasil, 21-26 abril 2007.

COSTA, CARLOS ALEXANDRE GOMES, Universidade Federal do Ceará. Avaliação dos dados SRTM através de análise altimétrica e morfométrica de baciashidrográficas no Semi-Árido. Orientador: Adunias dos Santos Teixeira. Conselheiros:Eunice Maia de Andrade, Marco Aurélio Holanda de Castro, Antônio Macílio Pereira de Lucena. Março de 2008.

COSTA, KASSIUS VINISSIUS DE MORAIS, Parâmetros Hidrossedimentológicos da bacia hidrográfica do São José, no cariri cearense, Dissertação (Mestrado em Engenharia Agricola) – Universidade Federal do Ceará – UFC, Fortaleza, Ce, 2013

DNPM. Projeto Avaliação Hidrogeológica da Bacia Sedimentar do Araripe. Recife, 1996. 101 p.

DONHA, A. G; SOUZA, L.C. de P.; SUGAMOSTO, M. L. Determinação da fragilidade ambiental utilizando técnicas de suporte à decisão e SIG Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, v.10, n.1, p. 175-181, mar. 2006.

FAUSTINO, J. Planificación y gestión de manejo de cuencas. Turrialba: CATIE, 1996. 90p.

FONTENELE, S. de B. Modelagem matemática da dinâmica de fluxo riacho-aquifero na microbacia hidrográfica do riacho São José, região do cariri cearense. 2010. 100 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) – Centro de Ciências Agrárias. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2010.

FUNCEME. Zoneamento Geoambiental do Estado do Ceará – Parte II: Mesorregião do Sul Cearense. Fortaleza: FUNCEME, 2006. 128 p.

GARBRECHT, J. & MARTZ, L. W. Digital elevation model issues in water resources modeling. ESRI, USERS CONFERENCE, 19., 1999, San Diego. Proceedings San Diego: 1999. CD-ROM.


SANTANA, D.P. Manejo Integrado de Bacias Hidrográficas.Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo, 2003. 63p. (Embrapa Milho e Sorgo. Documentos, 30).

SCHUMM, S.A. Evolution of drainage systems and slopes in badlands of Perth Amboy. Geological Societyof America Bulletin, n. 67, p. 597-646, 1956.

SOBRINHO, T. A., OLIVEIRA, P. T. S., RODRIGUES, D. B. B., AYRES, F. M.Delimitação Automática de Bacias Hidrográficas Utilizando Dados SRTM: Eng. Agríc., Jaboticabal, v.30, n.1, p.46-57, jan./fev. 2010.

SWAIN, P. H., AND DAVIS, S. M., 1978, Remote Sensing: The Quantitative Approach New York: McGraw-Hill.

TEODORO, V. L. et al.O conceito de bacia hidrográfica e a importância da caracterização morfométrica para o entendimento da dinâmica ambiental local Revista Uniara, n.20, 2007

TONELLO, KELLY. CRISTINA., et al. Morfometria da bacia hidrográfica da Cachoeira Das Pombas, Guanhães-Mg.R. Árvore, Viçosa-MG, v.30, n.5, p.849-857, 2006.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY (USGS). Disponível em: dds.cr.usgs.gov//srtm/version2_1/SRTM3/South_Amrica/ Acesso em 17 de ago. 2013.

VALENTE, D. F. GOMES, M. A. Hidrologia aplicada. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 245p, 1975.

VILLELA, S. M.; MATTOS, A. Hidrologia Aplicada. São Paulo: Ed. McGRAWHill do Brasil, 245p, 1975.


GARBRECHT, J.; MARTZ, L. W. Paper 1 - Digital elevation model issues in water resources modeling. In: Hydrologic and hydraulic modeling support with geographic information systems. MAIDMENT, D.; DJOKIC, D. (Eds). Redlands: Environmental Systems Research Institute, 2000. p.1-2

HORTON, R.E. Erosional development of streams and their drainage basins: hidrophysical approach to quantitative morphology. GeologicalSocietyofAmericaBulletin, v. 56, p. 807-813, 1945.

KÖPPEN, W., GEIGER, R. Klimate der Erde. Gotha: Verlag Justus Perthes, 1928.

LIMA NETO, R. T., Análise Morfométrica e Ambiental da Micro-Bacia Hidrográfica do Rio Granjeiro, Crato, Ce. Monografia (Graduação em Recursos Hídricos/ Saneamento Ambiental) - Centro de Ensino Tecnológico (CENTEC-CE), Juazeiro do Norte, 2006.

LIMA, W.P.; ZAKIA M.J.B. Hidrologia de Matas Ciliares. In: RODRIGUES; R.R.; LEITÃO FILHO; H.F. (Ed.) Matas ciliares:conservação e recuperação. 2.ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2000. p.33-43.

MACHADO, C. J. F. Modelagem geoquímica e de fluxos do sistema aqüífero subterrâneo na Bacia Sedimentar do Araripe. 2005. 157 f. Tese (Doutorado em Física) – Centro de Ciências, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2005.

MARTINS, F.B. et al. Zoneamento Ambiental da sub – bacia hidrográfica do Arroio Cadena, Santa Maria (RS). Estudo de caso. Cerne, Lavras, v.11, n.3, p.315-322, jul./set. 2005.

MENDES, C.A.B, CIRILO, J.A. Geoprocessamento em recursos hídricos: princípios, integração e aplicação. Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos, 2001, 536 p


Definição do fator Threshold
Comparação dos Parâmetros Morfométricos
Delimitação manual
Delimitação automática
FONTE: O AUTOR
FONTE: O AUTOR
FONTE: O AUTOR
- São José
- Saco-Lobo
- Grangeiro
- Batateiras
Definição e otimização do fator Threshold
Surfer 8.0
Imagem 3D + Rede de drenagem +Pontos
AutoCAD Map 3D
Pontos + Cursos de 20 a 100
Excel
Tabela de desvios + linha de tendência
Delimitação manual
AutoCAD Map 3D
Carta da SUDENE
Parâmetros Morfométricos
Delimitação automática;
Delimitação manual;
Comparação dos parâmetros;
Planejamento sustentável;
Recomendação.
Metodologia do fator
Threshold;
Fonte: Blog - Formula Geo
Fonte: O autor
Fonte: O autor
Fonte: O autor
Fonte: O autor
ArcGis 9.3 + ArcHydro
Delimitação
Maior Dd na encosta da chapada logo, necessita de uma menor área para gerar os cursos
Levemente alongada, pouco susceptível a enchentes.
Grande diferença do resultado de Costa (2013), sem suavização
Devido a diferença do comprimento axial do curso d'água
Regularmente drenada (SRTM).
Forma dos cursos linear
Classe C, solos apropriados para pastagem e florestas (SRTM).
Classe B, solos apropriados para pastagem e urbanização (SUDENE).
Classe D, solos apropriados para florestas (SRTM e SUDENE).
Segundo Valente e Gomes (2005)
Delimitação
SR
Full transcript