Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

As muitas faces do poder

Nesta prezi será apresentada a diversificação do poder, e o potencial que um ser humano tem sobre outro, sendo assim, influenciando as pessoas a fazerem o que não querem e sendo manipuladas pelo governo, televisões, entre outros.
by

Julianna Venancio

on 18 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of As muitas faces do poder

As muitas faces do poder
Em cena: A garota órfã
Os corpos dóceis e o saber interassado
Em qualquer sociedade, os corpos estão presos no interior do poder, que lhe impõem limitações,
proibições ou obrigações. Foucault já explica que poderes ocorrem em todo o corpo social levando
a transformações e modificações de condutas nos indivíduos.

O homem é o principal alvo e objeto do poder, que tem como obrigação, a tarefa de incorporar a
docilidade. São dóceis corpos que podem ser transformados e disciplinados. As formas que o
modelam são dadas através do controle, que age de forma dominante.

Foucault afirma também que o governo detém sim o poder, mas apenas até certo ponto. Pois o
governo não tem o poder de controlar totalmente, o poder é descentralizado, está em todos os
lugares.

O poder, tal como Foucault o concebe, não equivale à dominação. É um poder que se faz aceito
porque está associado ao conceito de verdade. Acreditamos que essa ‘’verdade ‘’é absoluta e é a
única. Por isso temos dificuldade de saber a verdadeira realidade e nos tornamos corpos dóceis.

Indivíduos e populações
Nesse tópico abordamos a ideia do “biopoder”, que segundo seu criador Michel Foucaultquer diz que poder disciplinar ou controle da população, onde as pessoas são manipuladas e “convencidas” por um interesse político e\ou televisivo.

Onde são realizadas pesquisas sobre o controle de natalidade, longevidade e mortalidade, ou seja, um regimento populacional, e então, são impostos costumes e maneiras de ser e viver.

Neste caso, quando há um alto nível de mortalidade o "biopoder", agirá incentivando as mulheres a engravidarem, sendo assim aumentando ou no caso, normalizando a população em massa.

Concluindo, trata-se de um conjunto de interesses tanto da população-família quanto do governo, pois quanto mais moradores mais gastos, e quanto à família, especialmente rural, quanto maior a família maior trabalho e sustento.

Nau dos insensatos
Nau dos insensatos foi mais uma obra de Michel Foucault que é a respeito da Idade Média. Essa obra foi tomada por ele como símbolo de uma cultura, a ocidental, marcada por não aceitar anormais no corpo social, e isso estar ganhando espaço cada vez mais nas preocupações humanas.

Foucault lembra também o início da organização cientifica dos individuos, que garantiu uma nova forma de disciplinar a sociedade. Cada "diferença" passou a ser detalhada por um saber específico, e a ser encaixada em uma quadro de patologias sociais.

O parâmetro de normalidade citado pelo Foucault passou a ser padrão para toda sociedade. A medicina por exemplo, ganhou uma dimensão de controle, pois o médico pode falar o que tem de errado em nosso corpo, sem nem mesmo a própia pessoa ter conhecimento dessa anormalidade.

Apresentando Michel Foucault
Apesar de não ser sociólogo, Michel Foucault foi um entendedor sábio que tinha por principal meta minimizar os abusos de poder e ensinar o homem a pensar no sentido
da razão, marcou as ciências sociais com suas reflexões sobre o poder e a realidade.

Em seus estudos Michel Foucault, destaca algumas críticas ao poder, dentre elas as regras mais simples como a maneira de se vestir quanto ao seu comportamento social, suas criticas surgem pois segundo ele não existem manuais de como se viver ou agir.

No decorre de sua carreira, Foucault ganha tanto admiradores quanto críticos, ele investiga a origem de diversas instituições, desde abrigos á administração de uma empresa, buscando conhecer e entender o uso do poder.

Foucault considera o poder como algo não repressor, mas também autor de verdades e de saberes, que podem ser encontrados em todos os aspectos do homem. Ele estuda o que de mais íntimo existe em cada cultura ou estrutura, investigando também a loucura.

Revolta da Vacina
Trata-se da história da implantação da vacina à população, por ordem do
presidente Rodriguez Alves ao médico Oswaldo Cruz, no que segundo ele “Era
preciso sanear para modernizar.”

A vacinação tornou-se uma lei, ou seja, obrigatória, Oswaldo Cruz ganhou apoio dos policiais, e a partir de então entravam nas casas e aplicavam a vacina seja ela de bom grado ou a força.

Sendo assim, despertando a ira na população, na qual se deu inicio a ”revolta da
vacina”, onde depredaram bondes, saquearam lojas, houve feridos e mortos, ao final de dez dias conquistaram a vitória, onde conseguiram a suspensão obrigatória da vacina.

Por fim, logo depois voltaram a vacinação onde deram por um fim na varíola. Assim também podemos falar do “biopoder”, onde há jogos de poder e controle, apesar de inadequados socialmente, nos ensinam a viver de maneira civilizada.

Escola Técnica Estadual Santa Cruz
Professor: Paulo Cezar
Alunas: Amanda Ewellin Nº1
Carolaine da Silva Nº5
Carolina Lombardi Nº6
Julianna Venancio Nº18
Perla Carvalho Nº 32
Stella Oliveira Nº 33
Disciplina: Sociologia
Turma: 1102
Curso: Enfermagem
Data: 18\12\2013

Curar e adestrar, vigiar e punir
No filme tempos modernos, relata a história de uma menina pobre e necessitada, orfã
de mãe, que sai pela rua vagamente, a procura de alimento, pois se recusa a passar fome. Com essa situação ela toma uma decisão drástica.

Em seguida ela aparece roubando bananas no cais, e distribui para outras crianças pobres, quando essa ação é descorberta, todos saem correndo para não serem pegos pelo dono da banana.

Depois de correrem desesperadamente, eles avistam um local seguro, que é um casebre, onde já tem moradores, que são suas irmãs, em seguida chega seu pai cansado e deprimido, pois não consegue emprego.

Em sequência, aparecem trabalhadores desempregados protestando em uma praça pública, e juntos com esses prostestantes está o pai das meninas, logo elas ouvem tiro
e vão para paça, e lá elas se deparam com seu pai, que está morto. Elas são levadas
em seguida para um abrigo.

As transformações trazidas pela Revolução Industrial e a Revolução Francesa possibilitaram o aparecimento de novos comportamentos, valores, novas estruturas, novos costumes, normas e etc.

Foucault também se aprofundou nessas transformações. Seu interesse voltou para as ciências como biologia, a psiquiatria e a própria sociologia. Isso levou á consolidação de um modelo peculiar de organização social.

Essa nova forma social constitui uma obra central de Michel Foucault que é o Vigiar e punir: nascimento da prisão. Neste trabalho de Foucault houve o " desbloqueio tecnológico do poder".

Esse desbloqueio permitiu o estabelecimento de precedimentos de controle muitos mais eficazes. E isso ocorreu em várias instituições diferentes, não só em prisões, onde a vigilância se tornou necessária

A garota ófã.
Michel Foucault
Primeira prisão do mundo
Nau dos insensatos: óleo sobre a madeira
Mulheres trabalhando em fábricas no século XX
Cartaz informativo sobre a população brasielira
Revolta da Vacina
Full transcript