Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A cafeicultura e o problema da mão de obra no II Reinado (escravos e imigrantes livres).

Desenvolvimento da cafeicultura no centro-sul, processo de extinção da escravidão e a imigração de europeus.
by

Ana Luiza Marques Bastos

on 6 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A cafeicultura e o problema da mão de obra no II Reinado (escravos e imigrantes livres).

Cafeicultura,
Escravidão e
Imigração
no
II Reinado Brasileiro.
Como produzir a riqueza do Império?
Terras no Brasil só por compra.

No Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo e Minas Gerais.
As estradas foram importantes na expansão da lavoura cafeeira.
Sistema que vigorou com eficiência até 1870.
INCREMENTAR
as INDÚSTRIAS
as FERROVIAS
os TELÉGRAFOS
a NAVEGAÇÃO.
em terras desocupadas ou
terras do governo ou
compradas de particulares.
café
1727 - introduzido no Brasil.
1840: principal produto da economia brasileira,
mais da metade da produção mundial era do Brasil.
Aumento do consumo na Europa e Estados Unidos.
A expansão cafeeira
Abundância de terras.
Disponibilidade de mão de obra.
Condições climáticas favoráveis.
Condições ideais de cultivo:
Temperaturas amenas, chuvas regulares e bem distribuídas e solo fértil.
A riqueza produzida pelo café atraiu investimentos externos
“investiram em indústrias, bancos, ferrovias e melhorias urbanas, como iluminação e transporte públicos e calçamento de ruas”.
BARÕES DO CAFÉ
“empresários capitalistas”
introduziram novas técnicas
1850: LEI DE TERRAS
Até então, as terras podiam ser adquiridas por ocupação ou doação (caso do período colonial, doação feita pela coroa portuguesa).
+ 3 milhões de africanos escravizados no Brasil
Maior entrada na primeira metade do XIX
A Inglaterra e o tráfico de africanos.
Século XVII: lucros com o tráfico.
1845: BILL ABERDEEN
navios britânicos podiam atacar navios negreiros como se fossem piratas .
Investimentos dos proprietários rurais para a obtenção de produtos ingleses.
Com o fim da escravidão nas Antilhas britânicas, o açúcar produzido no Brasil ficou mais barato.
A emigração forçada prejudicava a produção local nas regiões africanas exploradas por ingleses.
Explicações
1850
LEI EUSÉBIO DE QUEIROZ
Fim do tráfico negreiro África-Brasil.
Tráfico dentro do território imperial.
Nordeste
(lavouras de açúcar decadentes)
e
Extremo sul
(colonização de imigrantes europeus).
O fim do tráfico negreiro
Liberou capitais
conseguiram processo
lento, gradual e seguro
para seus interesses e privilégios.
LEI RIO BRANCO (LEI DO VENTRE LIVRE)
1871

LEI SARAIVA-COTEGIPE (LEI DOS SEXAGENÁRIOS) 1885
1860
Campanha abolicionista cresce, principalmente depois da Guerra do Paraguai.
ELITES RESISTIAM À ABOLIÇÃO DA ESCRAVIDÃO
13 DE MAIO DE 1888
LEI ÁUREA
EXTINGUIU O ESCRAVIDÃO NO BRASIL
Ex-escravos
Alguns permaneceram em situação de dependência nas lavouras.
Outros foram para as cidades.
Europa
crise econômica
secas
guerras de unificação
desenvolvimento capitalista
Conseguir trabalho, ter sua própria terra, garantir um futuro melhor para os filho.
1850-1920: imigração européia.
1920-1935: imigração de asiáticos.
D. João VI
Colônias de suíços e austríacos no Rio de Janeiro e Espírito Santo.
Objetivo: povoar o território com pequenas propriedades familiares.
O incentivo à vinda de europeus imigrantes atendia à mentalidade das elites brasileiras, influenciadas por teorias racistas.
Objetivo
senador Nicolau Pereira de Campos Vergueiro 1846.
recebiam um lote de pés de café para cuidar
da sua parte o colono imigrante deveria pagar 6% de juros referentes às despesas de viagem e estadia.
Todos os mantimentos da família imigrante deveriam ser comprados no armazém da fazenda.
Houve mesmo revoltas de colonos imigrantes contra o SISTEMA, que logo cai em desuso.
SISTEMA DE PARCERIA
pagavam a viagem e as despesas de manutenção das famílias
os fazendeiros
as famílias
Após a venda
metade ia para o fazendeiro
IMIGRAÇÃO SUBVENCIONADA
1871: programa destinado principalmente à região de São Paulo.
Os imigrantes receberiam salários e poderiam cultivar alimentos nas fazendas de café.
O governo subvencionava a viagem das famílias imigrantes e fazia a divulgação na Europa do trabalho no Brasil.
“o período + ativo da imigração européia para o Brasil”
No sul do Brasil
“núcleos coloniais em torno da pequena propriedade”
Apud Araribá História, Guia de Estudo, 2010, p. 69.
SEM INDENIZAÇÃO PARA O DONOS DE ESCRAVOS
Full transcript